Juvêncio de Araújo Figueiredo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Juvêncio de Araújo Figueiredo
Pseudônimo(s) Juvêncio de Araújo Figueredo
Nascimento 27 de setembro de 1865
Nossa Senhora do Desterro,
Bandeira de Santa Catarina Santa Catarina,
Bandeira do Império do Brasil Império do Brasil
Morte 6 de abril de 1927 (61 anos)
Bandeira de Florianópolis Florianópolis,
Bandeira de Santa Catarina Santa Catarina,
Nacionalidade  Brasileiro
Ocupação Poeta jornalista
Escola/tradição Simbolismo
Religião Espiritismo

Juvêncio de Araújo Figueiredo (Nossa Senhora do Desterro, 27 de setembro de 1865Florianópolis, 6 de abril de 1927) foi um poeta simbolista brasileiro. Seus trabalhos numerosos, entre os quais ressaltam Sombras da Noite e Ascetérios, estão esparsos nos jornais da época. Enamorado do mar, das coisas simples, das belezas da paisagem de Coqueiros, bairro onde nasceu e viveu.

Lenços de saudade
em Praias de minha terra

As praias onde vive e dorme e sonha o mar!
Praias de minha terra, elas são uns regaços
Aos quais a gente atira, ansiosamente, os braços,
Com desejos febris de neles descansar...

Ébrio do resplendor que se derrama no ar,
Nesses longes sem fim, nos profundos espaços,
E vem como um amparo a todos os cansaços,
Eu junto às praias, sinto a alma sempre a cantar.

Pelas praias vivi e delas ainda guardo
Muitas recordações de amores em que ardo,
Quando as cobre da tarde o áureo fulgor do manto...

Ah! numa tarde assim, eu te abracei, amada!
À hora do ocaso, à hora suave, à hora calada,
Com lenços de saudade alagados de pranto.

Iniciou sua vida como tipógrafo, passando posteriormente a colaborar em vários jornais, tanto de sua terra como de outros pontos do país. Poeta mavioso, teve a honra de fazer parte de um grupo de beletristas, do qual faziam parte Cruz e Sousa, Santos Lostada, Oscar Rosas, Virgílio Várzea, Horácio de Carvalho e outros. Em 1904, escreveu Ascetérios. Logo após produziu alguns trabalhos inéditos, tais como Praias e Novenas de Maio.

No Rio de Janeiro, conheceu Olavo Bilac e Raul Pompéia. [1][2]

No exercício de funções públicas, foi secretário do município de São José, em Santa Catarina, galgando posteriormente o cargo de secretário da Assembléia Legislativa de Santa Catarina, em Florianópolis.

Também foi um infatigável servidor do espiritismo, devendo-se a ele grande parte dos trabalhos de divulgação em Santa Catarina.

Academia de Letras[editar | editar código-fonte]

Foi companheiro e amigo predileto do genial Cruz e Sousa [3], juntos faziam parte do grupo literário Ideia Nova, e posteriormente, da Academia Catarinense de Letras, onde Araújo Figueredo ocupava a cadeira de número 17.

É patrono da cadeira 11 da Academia de Letras de Biguaçu. [4]

Obras[editar | editar código-fonte]

  • Madrigais (1888)
  • Sombras da noite
  • Ascetérios (1904)
  • Praias de minha terra (1927)
  • Novenas de maio
  • Filhos e netos

Ligações Externas[editar | editar código-fonte]

  • Novenas de maio, de Araújo Figueredo. [5]
  • Filhos e netos, de Araújo Figueredo. [6]
  • Praias de minha terra, de Araújo Figueredo. [7]
  • Mazurana, Sueli T. Mazzucco. No Caminho do Destino - memórias de Araújo Figueredo. [8][9]
  • JUNKES, Lauro (Org.). Praias de Minha Terra e Outros Poemas de Juvêncio de Araújo Figueredo. 1'. ed. Florianópolis: Academia Catarinense de Letras, 2009. v. 1. 408p .
  • GODOY, Paulo Alves; LUCENA, Antônio. Personagens do Espiritismo (2ª ed.). São Paulo: Edições FEESP, 1990.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  1. «Biografia:Juvêncio de Araújo Figueiredo». santaafrocatarina.sites.ufsc.br. Consultado em 20 de março de 2018 
  2. Alves, Uelington Farias (16 de outubro de 2015). Cruz e Sousa: Dante negro do Brasil. [S.l.]: Pallas Editora. ISBN 9788534705806 
  3. Alves, Uelington Farias (16 de outubro de 2015). Cruz e Sousa: Dante negro do Brasil. [S.l.]: Pallas Editora. ISBN 9788534705806 
  4. «Academia de Letras de Biguaçu - Santa Catarina - Brasil». www.academiadeletrasdebiguacu.com.br. Consultado em 20 de março de 2018 
  5. «Novenas de maio, de Juvêncio de Araújo Figueredo». www.literaturabrasileira.ufsc.br. Consultado em 20 de março de 2018 
  6. «Filhos e netos, de Juvêncio de Araújo Figueredo». www.literaturabrasileira.ufsc.br. Consultado em 20 de março de 2018 
  7. «Praias de minha terra, de Juvêncio de Araújo Figueredo». www.literaturabrasileira.ufsc.br. Consultado em 20 de março de 2018 
  8. «Obra "No Caminho do Destino" tributo ao Poeta Catarinense Juvêncio de Araújo Figueiredo, é lançada em Orleans.». Imprensa News Sul 
  9. Alves, Uelington Farias (16 de outubro de 2015). Cruz e Sousa: Dante negro do Brasil. [S.l.]: Pallas Editora. ISBN 9788534705806 


Precedido por
Duarte Paranhos Schutel
(patrono)
Logo academia.gif ACL - Fundador da cadeira 17
Sucedido por
Francisco de Oliveira e Silva
Precedido por
-
ALB - Patrono da cadeira 11
Sucedido por
Vilma Bayerstorff