Joaquim Gomes de Oliveira e Paiva

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Joaquim Gomes de Oliveira e Paiva
Nome completo Joaquim Gomes de Oliveira e Paiva
Outros nomes Arcipreste Paiva ou Padre Paiva
Nascimento 12 de julho de 1821
Desterro,
Bandeira de Santa Catarina Santa Catarina,
Bandeira do Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves
Morte 29 de janeiro de 1869 (47 anos)
Desterro,
Santa Catarina,
Bandeira do Império do Brasil Império do Brasil
Nacionalidade  Brasileiro
Alma mater Seminário São José do Rio Comprido
Ocupação religioso, educador, político, jornalista e poeta
Religião catolicismo

Joaquim Gomes de Oliveira e Paiva, mais conhecido como Arcipreste Paiva ou Padre Paiva (Desterro, 12 de julho de 1821Desterro, 29 de janeiro de 1869)[1] foi um religioso, educador, político, jornalista e poeta brasileiro.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Aos 17 anos, foi para o Rio de Janeiro estudar no Seminário São José do Rio Comprido. Em 1847 foi ordenado padre, e regressou para Santa Catarina no ano seguinte. [2]

Em 1844, foi provisionado vigário (pároco) de São José da Terra Firme.[2]

Vigário da Vara (forâneo), foi alçado ao posto de arcipreste de Santa Catarina (Chefe dos Vigários da Vara da Proví­ncia), em 2 de maio de 1863. Na época, o bispado do Rio de Janeiro mantinha dois arciprestados - um no Espírito Santo e outro em Santa Catarina. O Arciprestre Paiva exerceu o posto de 1863 a 1869, quando faleceu.

Desembarque do Imperador Dom Pedro II e da Imperatriz Dona Tereza Cristina na Ilha de Santa Catarina, por Vicente Pietro. Nesta ocasião, arcipreste Paiva escreve a "Oração de acção de graças que por occasião da visita de SS.MM. II à villa de S. José no dia 20 de outubro de 1845"

Foi o introdutor do ensino de segundo grau na então província de Santa Catarina.

Fundou o Colégio Belas Letras 1850, e o jornal A Regeneração em 1852, ambos no Desterro.

Recebeu as comendas de cavaleiro da Imperial Ordem da Rosa e da Imperial Ordem de Cristo.

É patrono da cadeira 21 da Academia Catarinense de Letras.

Vida política[editar | editar código-fonte]

Foi deputado à Assembléia Legislativa Provincial de Santa Catarina em onze legislaturas:

  1. 5ª legislatura (1844 — 1845) (suplente convocado);
  2. 6ª legislatura (1846 — 1847);
  3. 7ª legislatura (1848 — 1849);
  4. 8ª legislatura (1850 — 1851);
  5. 9ª legislatura (1852 — 1853);
  6. 10ª legislatura (1854 — 1855);
  7. 11ª legislatura (1856 — 1857);
  8. 13ª legislatura (1860 — 1861);
  9. 15ª legislatura (1864 — 1865);
  10. 16ª legislatura (1866 — 1867);
  11. 17ª legislatura (1868 — 1869).

Obras[editar | editar código-fonte]

  • Cântico Sacros
  • Irmão Joaquim
  • Oração de acção de graças que por occasião da visita de SS.MM. II à villa de S. José no dia 20 de outubro de 1845. (1845) [3]
  • Memória sobre a colônia alemã de São Pedro de Alcântara na Província de Santa Catarina (1848)
  • Elogio dramatico em tres epochas recitado no Theatro Particular de São Pedro de Alcantara da Cidade do Desterro em o faustissimo dia 12 de outubro de 1852 septimo anniversario da chegada de SS.MM.II. a esta provincia. Composto e offerecido aos catharinenses por seu patricio o Padre Joaquim Gomes d'Oliveira e Paiva (1852) [4]
  • Ensaios Oratórios (1861)
  • Notícia Geral da Província de Santa Catarina - publicado em 1873
  • Dicionário Topográfico, Histórico, e Estatístico da Província de Santa Catarina (1868) - publicado em 2003

Representação na cultura[editar | editar código-fonte]

Uma das ruas centrais de Florianópolis tem o seu nome, Rua Arcipreste Paiva.

Referências

  1. Enciclopédia Simpozio. Santa Catarina Província
  2. a b Pereira, Ney Brasil (2005). «O Arcipreste Paiva - "Uma grande figura da pequena Província"». Encontros Teológicos (42) 
  3. Paiva, Joaquim Gomes de Oliveira e, Sac., 1821-1869. «Oração de acção de graças que por occasião da visita de SS.MM. II à villa de S. José no dia 20 de outubro de 1845. Recitou o padre Joaquim Gomes d'Oliveira e Paiva...». 1845 
  4. «Biblioteca Brasiliana Guita e José Mindlin: Buscando no repositório». digital.bbm.usp.br. Consultado em 17 de abril de 2018 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Piazza, Walter: A Igreja em Santa Catarina: Notas para sua História. Florianópolis : Edição do Governo do Estado de Santa Catarina, 1977.
  • Blake, Augusto Victorino Alves Sacramento: Diccionario bibliographico brazileiro (v. 6). Rio de Janeiro: Typographia Nacional, 1900.
  • Dias, Thiago Cancelier. Questão Religiosa Catarinense: as disputas pelo direito de instruir. (Dissertação de mestrado), Florianópolis: UFSC, 2008


Precedido por
Logo academia.gif ACL - patrono da cadeira 21
Sucedido por
Joe Collaço
(fundador)


Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.