Miopia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Miopia
Alterações no olho causadas pela miopia
Especialidade Oftalmologia
Sintomas Visão desfocada de objetos afastados, visão normal de objetos próximos, dor de cabeça, astenopia[1]
Complicações Descolamento da retina, cataratas, glaucoma[2]
Causas Fatores genéticos e ambientais[2]
Fatores de risco Antecedentes familiares, trabalho com objetos próximos, tempo em espaços fechados[2][3]
Método de diagnóstico Exame ocular[1]
Prevenção Maior tempo no exterior durante a infância[4]
Tratamento Óculos, lentes de contacto, cirurgia[1]
Frequência 1,5 mil milhões (22%)[2][5]
Classificação e recursos externos
CID-10 H52.1
CID-9 367.1
OMIM 160700, 255500, 300613, 310460, 603221, 608367, 608474, 608908, 609256, 609257, 609258, 609259, 609994, 609995, 610320, 612554, 612717, 613959, 613969, 614166, 614167, 615420, 615431, 615946
DiseasesDB 8729
MedlinePlus 001023
MeSH D009216
A Wikipédia não é um consultório médico. Leia o aviso médico 

Miopia é uma condição do olho caracterizada por má visão à distância. Isto ocorre devido a um defeito de convergência dos raios luminosos, o que faz com que a imagem de objetos distantes se forme à frente da retina, em vez de na própria retina.[6][1] Isto leva a que os objetos distantes sejam vistos desfocados, enquanto que os objetos próximos parecem normais. Entre outros possíveis sintomas como dores de cabeça e astenopia.[1] A miopia grave aumenta o risco de descolamento de retina, cataratas e glaucoma.[2]

A miopia é um tipo de erro refrativo.[1] Acredita-se que a causa subjacente seja uma combinação de fatores genéticos e/ou ambientais.[2] Os fatores de risco incluem trabalho que envolva objetos próximos, maior permanência em recintos fechados e antecedentes familiares.[2][3] A miopia está também associada a classes socio-económicas mais elevadas.[2] O mecanismo subjacente envolve um comprimento excessivo do globo ocular ou, de forma menos comum, um cristalino demasiado potente.[1][7] O diagnóstico é feito através de exame ocular.[1]

Existem alguns indícios de que a miopia pode ser prevenida incentivando as crianças mais novas a passar mais tempo no exterior.[4][8] Isto pode estar relacionado com a exposição à luz natural.[9] A miopia pode ser corrigida com o uso de óculos, lentes de contacto ou cirurgia. Os óculos são o método mais simples e seguro de correção. Embora as lentes de contacto permitam ter um campo visual maior, estão associadas a um risco acrescido de infeções. A cirurgia refrativa altera de forma permanente o formato da córnea.[1]

A miopia é a doença de visão mais comum, estimando-se que afete cerca de 1,5 milhões de pessoas, ou 22% da população mundial.[2][5] A prevalência varia significativamente entre as diversas regiões do mundo.[2] Entre adultos, varia entre 15 e 49 %.[3][10] A prevalência é idêntica entre homens e mulheres.[10] Entre crianças, varia entre 1,2 % nas zonas rurais do Nepal e 37 % em algumas das maiores cidades chinesas.[2][3] Desde 1950 que a prevalência tem vindo a aumentar.[10] A miopia que não é corrigida é uma das principais causas de perda de visão em todo o mundo, a par das cataratas, degeneração macular e deficiência de vitamina A.[10]

Sinais e sintomas[editar | editar código-fonte]

Um dos sintomas que podemos considerar como um dos primeiros de um olho míope é a dificuldade da visão em planos distantes do indivíduo, estando a visão de perto até ao certo normal.

No entanto, é evidente que se uma pessoa é míope de muitas dioptrias (ou graus), para ver bem de perto, teria que aproximar-se muito, o que é um fator muito cansativo e incômodo.

Os sintomas que mais são relatados e que com frequência anuncia o aparecimento de miopia é a visão turva dos objetos distantes e a dificuldade de leitura em objetos que estão relativamente longe.

É frequente que nos primeiros estágios do problema, o indivíduo não se dê conta do inicio do problema na visão, já que a miopia tem dificuldade de ser percebida quando está em dioptria (grau) baixa. Por este motivo, há que comprovar-se, junto da visão turva, existe o pestanejar constante, o forçar para ler de longe, dores de cabeça ou tensão ocular.

Cena de duas crianças vistas através de um olho míope.
Visão normal.

Causas[editar | editar código-fonte]

Pesquisas recentes em humanos e animais revelam que prolongados períodos de leitura em que é necessário focar os olhos a uma curta distância e a falta de luz solar podem causar miopia. A miopia está normalmente associada à genética.

Vários estudos recentes sugerem que o tempo que se passa ao ar livre é um factor determinante na incidência da miopia.[11][12][13][14][15][16][17][18]Duas a três horas ao ar livre seriam suficientes para prevenir a miopia. Num outro estudo Jan Roelof Polling da University of Applied Sciences Utrecht revela: "Descobrimos que as criancas que brincam menos de 45 minutos ao ar livre por dia e as que passam mais de 2 horas por dia com atividades proximas dos olhos ou no computador têm os olhos mais alongados".[19]Também há evidencias de que a exposição aos raios solares estimula a produção de dopamina que inibe o alongamento da esfera ocular. As pessoas com histórico familiar de miopia têm mais probabilidade de desenvolvê-la. A maioria dos casos de olhos com miopia é saudável, mas um pequeno número de pessoas com miopia grave desenvolve uma forma de degeneração da retina.[20][21][22]

A  causa de uma miopia também pode ser congênita, esta apresenta características especiais.[23] Existem três formas para explicar sua origem: A Miopia congênita devida à combinação do diâmetro ântero-posterior longo e de alto poder refrativo (usualmente do cristalino).[23] Quando a esclera é forte, normalmente esse tipo de miopia não progride: o alongamento do globo é compensado pela redução do poder refrativo do cristalino.[23] A Miopia congênita decorrente de esclera fraca e em constante distensão: progride rapidamente e o prognóstico é pobre.[23] A miopia congênita associada a anomalias de desenvolvimento do globo ocular.[23] Este tipo de miopia é frequentemente complicado por outros tipos de defeitos, como colobomas, sub-luxação do cristalino, atrofia do nervo óptico, etc.[23]

Descrição e Classificação[editar | editar código-fonte]

Diversos sistemas de classificação foram propostos para miopia.[24] Temos, por exemplo, a classificação pelo aspecto clínico: miopia simples, miopia noturna, pseudomiopia, miopia degenerativa e miopia induzida (adquirida).[25] Outros sistemas classificam a miopia por grau (isto é, baixa, moderada ou alta) ou pela idade de início (isto é, congênita, juvenil, início na idade adulta, final da idade adulta).[26]

Aspecto Clínico[editar | editar código-fonte]

Miopia simples[editar | editar código-fonte]

O estado de refração do olho com miopia simples depende da potência óptica da córnea e do cristalino, e o comprimento axial. Nos olhos emétropes, o comprimento axial e a potência óptica são inversamente correlacionados.[27][28][29][30][31][32][33] Um olho com potência óptica maior que a média pode ser emétrope se for suficientemente menor que a média, como pode um olho com potência óptica inferior à média, se for suficientemente maior que a média.

Um olho com miopia simples é um olho normal que é muito longo para a sua potência óptica ou, menos comumente, muito opticamente poderoso para seu comprimento axial. A miopia simples, muito mais comum que os outros tipos de miopia, apresenta, geralmente, grau menor que 6 dioptrias (D); em muitos pacientes o grau é inferior a 4 ou 5 D. Quando o grau de miopia é desigual nos dois olhos, a condição é chamada miopia anisometrópica ; quando um olho é emétrope e o outro é míope, a condição é conhecida como anisometropia míope simples. Embora não seja incomum que o grau de miopia seja diferente entre os dois olhos, a anisometropia pode não se tornar clinicamente significativa até que a diferença entre os dois olhos atinja cerca de 1 D.

Miopia Noturna[editar | editar código-fonte]

Ocorrendo somente em iluminação fraca, a miopia noturna ou da noite é ocasionada principalmente ao aumento da resposta adaptativa associada a baixos níveis de luz.[34][35][36][37] Como não há contraste suficiente para um estímulo acomodativo adequado, o olho assume a posição acomodativa do foco escuro intermediário em vez de focalizar para o infinito.

Pseudomiopia[editar | editar código-fonte]

A pseudomiopia é o resultado de um aumento no poder de refração ocular devido à superestimulação do mecanismo acomodativo do olho ou espasmo ciliar.[25][38][39] A condição é assim chamada porque o paciente parece ter apenas miopia devido a esta resposta inadequada do mecanismo acomodativo.

Miopia Degenerativa[editar | editar código-fonte]

Um alto grau de miopia associado a alterações degenerativas no segmento posterior do olho é conhecido como miopia degenerativa ou patológica.[25][40] As alterações degenerativas podem resultar em uma função visual anormal, como a diminuição da acuidade visual ou alterações no campo de visão. Sequelas como descolamento de retina e glaucoma são relativamente comuns.

Miopia Induzida[editar | editar código-fonte]

A miopia induzida ou adquirida é o resultado da exposição a vários agentes farmacêuticos, variação nos níveis de açúcar no sangue, esclerose nuclear do cristalino ou outras condições anômalas.[41] Essa miopia é frequentemente temporária e reversível.

Tratamento[editar | editar código-fonte]

Os óculos são o método mais comum de correção da miopia.

O tratamento tem por objetivo restaurar a nitidez da visão binocular à distância. A abordagem de tratamento mais comum é a correção ótica com uso de óculos ou lentes de contacto. Os tratamentos destinados a atrasar a progressão da miopia são denominados "controlo da miopia".[42]:21–26

Vale ressaltar que a correção da miopia por meio de cirurgia é possível quando o portador possui mais de vinte anos e seu quadro está estabilizado. Cabe ao médico oftalmologista, após uma observação atenta dos resultados dos exames do portador dessa deficiência ocular, decidir qual o tratamento para miopia é o mais indicado. Ou seja, existem diferentes formas para corrigir a miopia, sendo necessário considerar as particularidades de cada caso.

A cirurgia refrativa pode ser usada para corrigir a miopia e consiste no remodelamento da curvatura da sua córnea. Seus métodos se consistem na Cirurgia LASIK, Cirurgia LASEK, Cirurgia PRK e no implante de lente intra-ocular. É importante notar que todas as cirurgias têm algum grau de risco e possíveis complicações desses procedimentos incluem infecção, cicatrizes na córnea, visão turva, perda de visão e aberrações visuais, como ver círculos ao redor das luzes à noite. Discuta os riscos potenciais com o médico.

Medicação[editar | editar código-fonte]

O uso de medicamentos tópicos em crianças com menos de dezoito anos de idade pode retardar o agravamento da miopia, sendo estes denominados anti-muscarínicos. Logo, esses tratamentos incluem o gel de pirenzepina, o colírio de ciclopentolato e o colírio de atropina que são comumente usados para tratamentos de distúrbios oculares. Entretanto, esses medicamentos não se mostraram muito eficazes no retardo da progressão dessa condição ocular, em que os efeitos incluem sensibilidade à luz e o quase desfoque.[43]

Correção ótica[editar | editar código-fonte]

Ver artigos principais: Óculos e lentes de contacto

As lentes de correção, como os óculos ou lentes de contacto, diminuem a potência ótica do olho, fazendo com que a imagem se foque na retina. Como são lentes côncavas, apresentam potência negativa, sendo o oposto de uma lupa de aumento. A potência de uma lente é expressa em dioptrias, o inverso da sua distância focal em metros. Quanto mais negativo é o número de dioptrias, maior é a gravidade da miopia. Em pessoas com bastante miopia, são necessárias lentes de maior potência. No entanto, quanto maior for a potência, mais os objetos afastados do centro sofrem movimento prismático e separação de cores, um fenómeno denominado aberração cromática. No entanto, este fenómeno não se verifica em lentes de contacto.

Cirurgia refrativa[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Cirurgia refrativa

A cirurgia refrativa compreende os procedimentos cirúrgicos que têm por finalidade diminuir e, se possível, eliminar os erros de refração (miopia, hipermetropia e astigmatismo). Há que se acrescentar a essa finalidade, corretiva, a de preservar a qualidade da visão.Atualmente, a principal modalidade de cirurgia refrativa é a corneana, por meio do excimer laser, seja na superfície (PRK) ou lamelar (LASIK). Observa-se a atual fase da cirurgia a laser personalizada, em que a correção baseia-se nas informações fornecidas pela aberrometria, adequando a aplicação do laser às características particulares do olho de cada paciente. Com isso, procura-se aprimorar a qualidade óptica do resultado da cirurgia. Outra importante modalidade de cirurgia refrativa merece destaque: os implantes refrativos intraoculares. De um lado, os implantes fácicos, que podem ser de fixação angular, de fixação iriana e de câmara posterior. De outro, os implantes afácicos, em que se realiza a extração do cristalino transparente, com finalidade refrativa. Os procedimentos intraoculares podem ser reversíveis e, se não modificarem a superfície da córnea, melhoram a qualidade da visão. No entanto, apresentam os riscos inerentes a um procedimento intraocular e, ainda, são passíveis de questionamentos éticos. A cirurgia refrativa, ainda que levando-se em consideração as importantes aquisições dos últimos anos, tem muitos desafios a superar. No entanto, a cirurgia refrativa não é recomendada a pacientes abaixo dos 20 anos de idade e de pacientes que não estejam com o grau estabilizado durante um período de 2 anos. Considerando-se a rapidez e a intensidade das inovações recentes na área, são esperados grandes desenvolvimentos para um futuro não muito distante.

PRK / LASEK[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: LASEK

Este método consiste na ablação do tecido da córnea a partir da superfície da córnea através de um laser. A quantidade de ablação corresponde à quantidade da miopia. É um procedimento relativamente seguro até 6 dioptrias de miopia, embora provoque dor pós-operatória.[44][45]

LASIK[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: LASIK

Este método consiste no corte de uma lamela da córnea, que é depois levantada de modo a permitir ao laser aceder ao tecido da córnea exposto. Posteriormente, o laser procede à ablação do tecido de acordo com a correção que for necessária. Quando a lamela volta a cobrir a córnea, a alteração da curvatura gerada pela ablação do laser passa para a superfície da córnea. Tem a vantagem de ser indolor e ter um tempo de recuperação bastante curto. No entanto, existe a potencialidade de complicações na lamela e potencial perda de estabilidade da córnea.[46][47]

Terapias alternativas[editar | editar código-fonte]

Existem várias terapias alternativas, incluindo exercícios para o olho e técnicas de relaxamento do olho. No entanto, um estudo de revisão de 2005 concluiu não haver evidências científicas claras de que os exercícios para os olhos sejam eficazes no tratamento de miopia.[48] Nas décadas de 1980 e 1990 houve interesse no biofeedback como possível tratamento para a miopia. Um estudo de revisão de 1997 concluiu que os estudos controlados para validar este método tinham sido raros e contraditórios.[49]

História[editar | editar código-fonte]

A diferença entre as pessoas míopes e hipermetrope já foi notada por Aristóteles. A primeira pessoa que utilizou o termo miopia foi o médico greco-romano Galeno. Johannes Kepler em seu Clarification of Ophthalmic Dioptrics (1604) demonstrou pela primeira vez que a miopia era devida à luz incidente focalizada na frente da retina. Kepler, por sua vez, mostrou que a miopia pode ser corrigida por lentes côncavas. E em 1632, Vopiscus Fortunatus Plempius examinou o olho míope e confirmou que a miopia deriva também do alongamento do diâmetro ocular[3].

Referências

  1. a b c d e f g h i «Facts About Refrative Errors». NEI. Outubro de 2010. Consultado em 30 de julho de 2016. 
  2. a b c d e f g h i j k Foster, PJ; Jiang, Y (fevereiro de 2014). «Epidemiology of myopia.». Eye (London, England). 28 (2): 202–8. PMC 3930282Acessível livremente. PMID 24406412. doi:10.1038/eye.2013.280 
  3. a b c d e Pan, CW; Ramamurthy, D; Saw, SM (janeiro de 2012). «Worldwide prevalence and risk factors for myopia.». Ophthalmic & physiological optics : the journal of the British College of Ophthalmic Opticians (Optometrists). 32 (1): 3–16. PMID 22150586. doi:10.1111/j.1475-1313.2011.00884.x 
  4. a b Ramamurthy D, Lin Chua SY, Saw SM (2015). «A review of environmental risk factors for myopia during early life, childhood and adolescence». Clinical & Experimental Optometry (Review). 98 (6): 497–506. PMID 26497977. doi:10.1111/cxo.12346 
  5. a b Holden, B; Sankaridurg, P; Smith, E; Aller, T; Jong, M; He, M (fevereiro de 2014). «Myopia, an underrated global challenge to vision: where the current data takes us on myopia control.». Eye (London, England). 28 (2): 142–6. PMC 3930268Acessível livremente. PMID 24357836. doi:10.1038/eye.2013.256 
  6. «Miopia». Dicionário de Termos Médicos da Porto Editora. Consultado em 4 de agosto de 2016. 
  7. Ledford, Al Lens, Sheila Coyne Nemeth, Janice K. (2008). Ocular anatomy and physiology 2nd ed. ed. Thorofare, NJ: SLACK. p. 158. ISBN 9781556427923 
  8. French, AN; Ashby, RS; Morgan, IG; Rose, KA (setembro de 2013). «Time outdoors and the prevention of myopia.». Experimental eye research. 114: 58–68. PMID 23644222. doi:10.1016/j.exer.2013.04.018 
  9. Hobday, R (janeiro de 2016). «Myopia and daylight in schools: a neglected aspect of public health?». Perspectives in public health. 136 (1): 50–5. PMID 25800796. doi:10.1177/1757913915576679 
  10. a b c d Pan, CW; Dirani, M; Cheng, CY; Wong, TY; Saw, SM (março de 2015). «The age-specific prevalence of myopia in Asia: a meta-analysis.». Optometry and vision science : official publication of the American Academy of Optometry. 92 (3): 258–66. PMID 25611765. doi:10.1097/opx.0000000000000516 
  11. Light at the end of the tunnel for myopia risk?
  12. 80beats Why Are 90% of Asian Schoolchildren Nearsighted? From Doing What You’re Doing Now
  13. Outdoor ativity reduces the prevalence of myopia in children.[ligação inativa]
  14. Outdoor ativity and myopia in Singapore teenage children
  15. Children’s Refrations and Visual Ativities in the School Year and Summer
  16. Effects of outdoor ativities on myopia among rural school children in Taiwan
  17. Outdoor Ativity during Class Recess Reduces Myopia Onset and Progression in School Children[ligação inativa]
  18. What Factors are Associated with Myopia in Young Adults. A Survey Study in Taiwan Military Conscripts
  19. Indoor Lifestyle Linked to Myopia in Children
  20. Myopia in kids: spend more time outdoors
  21. Massive rise in Asian eye damage
  22. [1]
  23. a b c d e f Nogueira Pires da Cunha, Rosana (1 de junho de 2000). «Miopia na Infância». Arquivos Brasileiros De Oftalmologia - ARQ BRAS OFTALMOL. 63. doi:10.1590/S0004-27492000000300011 
  24. Grosvenor T. A review and a suggested classification system for myopia on the basis of age-related prevalence and age of onset. Am J Optom Physiol Opt 1987; 64:545-54.
  25. a b c Goss DA, Eskridge JB. Myopia. In: Amos JF, ed. Diagnosis and management in vision care. Boston: Butterworths, 1987:121-71.
  26. «CPG15 Care of the Patient with Myopia» (PDF). American Optometric Association. 1997. Consultado em 21 de setembro de 2018. 
  27. Stenstrom S. Investigation of the variation and the correlation of the optical elements of human eyes. Part III. Am J Optom 1948; 25:340-50.
  28. Stenstrom S. Investigation of the variation and the correlation of the optical elements of human eyes. Part V. Am J Optom 1948; 25:438-49.
  29. Sorsby A, Benjamin B, Davey JB, et al. Emmetropia and its aberrations. Medical Research Council Special Report Series no 293. London: Her Majesty's Stationery Office, 1957.
  30. van Alphen GWHM. On emmetropia and ametropia. Ophthalmologica 1961; 142(suppl):1-92.
  31. Araki M. Studies on refractive components of human eye by means of ultrasonic echogram. Report III. The correlation of among refractive components. Acta Soc Ophthalmol Jpn 1962; 128-47.
  32. Francois J, Goes F. Ultrasonographic study of 100 emmetropic eyes. Ophthalmologica 1977; 175:321-7.
  33. Larsen JS. Axial length of the emmetropic eye and its relation to the head size. Acta Ophthalmol 1979; 57:76-83.
  34. Leibowitz HW, Owens DA. Night myopia and the intermediate dark focus of accommodation. J Opt Soc Am 1975; 65:1121-8.
  35. Owens DA, Leibowitz HW. Night myopia: cause and a possible basis for amelioration. Am J Optom Physiol Opt 1976; 53:709- 17.
  36. Epstein D. Accommodation as the primary cause of lowluminance myopia--experimental evidence. Acta Ophthalmol 1983; 61:424-30.
  37. Hope GM, Rubin ML. Night myopia. Surv Ophthalmol 1984; 29:129-36.
  38. Alexander GF. Spasm of accommodation. Trans Ophthalmol Soc UK 1940; 60:207-12.
  39. Stenson SM, Raskind RH. Pseudomyopia: etiology, mechanisms and therapy. J Pediatr Ophthalmol 1970; 7:110-5.
  40. Curtin BJ. The myopias: basic science and clinical management. Philadelphia: Harper & Row, 1985:237-435.  
  41. Locke LC. Induced refractive and visual changes. In: Amos JF, ed. Diagnosis and management in vision care. Boston: Butterworths, 1987:313-67.
  42. «AOA Clinical Pratice Guidelines - Myopia» (PDF). American Optometric Association. 2006. Consultado em 17 de fevereiro de 2015. 
  43. «Near-sightedness». Wikipedia (em inglês). 23 de setembro de 2018 
  44. Trokel SL, Srinivasan R, Braren B (1983). «Excimer Laser Surgery of the cornea». Am J Ophthalmol. 96: 710–715. doi:10.1016/s0002-9394(14)71911-7 
  45. Seiler T, Berlin MS, Bende T, Trokel S (1988). «Excimer laser keratectomy for corretion of astigmatism». Am J Ophthalmol. 105: 117–120. doi:10.1016/0002-9394(88)90173-0 
  46. Pallikaris IG, Siganos DS (1997). «Laser in situ keratomileusis to treat myopia: early experience». J Cataract Refract Surg. 23: 39–49. doi:10.1016/s0886-3350(97)80149-6 
  47. Pallikaris IG, Kymionis GD, Astyrakakis NI (2001). «Corneal ectasia induced by laser in situ keratomileusis». J Cataract Refract Surg. 27: 1796–1802. doi:10.1016/s0886-3350(01)01090-2 
  48. Rawstron JA, Burley CD, Elder MJ; Burley; Elder (2005). «A systematic review of the applicability and efficacy of eye exercises». J Pediatr Ophthalmol Strabismus. 42 (2): 82–8. PMID 15825744 
  49. Rupolo G, Angi M, Sabbadin E, Caucci S, Pilotto E, Racano E, de Bertolini C; Angi; Sabbadin; Caucci; Pilotto; Racano; De Bertolini (1997). «Treating myopia with acoustic biofeedback: A prospective study on the evolution of visual acuity and psychological distress». Psychosomatic Medicine. 59 (3): 313–317. PMID 9178342. doi:10.1097/00006842-199705000-00014 

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]