Protestos na Romênia em 2017

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Protestos na Romênia em 2017
Período 18 de janeiro de 2017–presente
Local
Situação em andamento
Objetivos Retirada dos decretos do governo sobre o indulto de alguns crimes e e a alteração do Código Penal relativas ao abuso de poder
Características Manifestações
Protesto sentado
Ciberativismo

Em janeiro de 2017, dias depois de o primeiro-ministro Sorin Grindeanu ter assumido o poder na Romênia, houve manifestações em todo o país contra o sobre o indulto de determinados crimes e a alteração do Código Penal da Romênia (especialmente no que se refere ao abuso de poder) propostas pelo governo.[1][2]

Histórico[editar | editar código-fonte]

Apesar das reações negativas tanto das instituições judiciais como do público, o governo recentemente aprovou, em segredo,[3] uma ordem que modifica o Código Penal e o Código de Procedimento Penal durante a noite de 31 de janeiro.[1]

Os opositores levantaram acusações de que o decreto foi destinado à descriminalização de crimes de corrupção do governo e para ajudar centenas de políticos atuais e antigos a escaparem de investigações criminais ou sentenças de prisão em curso.[4] Imediatamente após ter sido anunciado que o decreto foi aprovado, mais de 25.000 pessoas protestaram naquela noite. Os protestos aumentaram no dia seguinte para mais de 300.000 pessoas em todo o país, tornando os protestos os maiores desde a queda do comunismo.[5]

Os protestos têm continuado desde então e atingiram o seu pico em 5 de Fevereiro, quando entre 500.000 e 600.000 pessoas protestaram em todo o país, tornando-os assim o maior na história da Romênia.[6][7]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre a Roménia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.