Livro sagrado

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Sagradas Escrituras)
Uma página do Sutra do Diamante, publicado no ano nono da Era Xiantongue da Dinastia Tangue, ou seja, 868

Livros sagrados são conjuntos de textos que são considerados de inspiração divina ou recebidos diretamente de Deus. Também são, muitas vezes, referenciados como sagradas escrituras ou, simplesmente, escrituras.

Entre os mais antigos, estão o Rigveda, do hinduísmo, que terá sido redigido entre 1 500 e 1 300 a.C.. A primeira escritura impressa para distribuição em massa foi o Sutra do Diamante, um texto budista, de que é conhecida uma edição de 868 d.C.

Textos[editar | editar código-fonte]

Muitas religiões possuem textos sagrados. Entre os mais conhecidos, estão as diversas Bíblias cristãs, o Alcorão islâmico, o Torá judaico e muitos outros.

Uma página do Alcorão, de Alandalus, do século XII

Livros[editar | editar código-fonte]

Os livros sagrados são obras literárias presentes nas principais religiões cujos autores teriam recebido uma possível revelação Divina. Na opinião dos adeptos das respectivas religiões, tais autores eram pessoas iluminadas, que podiam se comunicar com as divindades inspiradoras. São considerados profetas, muitas vezes.

São exemplos de livros sagrados (de acordo com a respectiva religião):

Livros sagrados por religião[editar | editar código-fonte]

Budismo[editar | editar código-fonte]
Confucionismo[editar | editar código-fonte]
Cristianismo[editar | editar código-fonte]
A Bíblia[editar | editar código-fonte]

O conteúdo das Bíblias cristãs difere por denominação.

  • O Cânone de Trento define uma lista canônica de livros da Bíblia Católica que inclui todo o cânone de 73 livros reconhecido pela Igreja Católica, incluindo os livros deuterocanônicos. (Nas versões da Vulgata latina, 3 Esdras, 4 Esdras e a Oração de Manassés estão incluídos em um apêndice, mas são considerados não canônicos).
  • A maioria das Bíblias protestantes inclui os 24 livros da Bíblia Hebraica (os livros protocanônicos) divididos de forma diferente (em 39 livros) e os 27 livros do Novo Testamento com um total de 66 livros. Algumas denominações (por exemplo, anglicanismo) também incluem os 15 livros apócrifos bíblicos entre o Antigo e o Novo Testamento, com um total de 81 livros.
  • As Bíblias grega e ortodoxa oriental incluem os anagignoskomena, que consistem nos deuterocanônicos católicos, mais 3 Macabeus, Salmo 151, a Oração de Manassés e 3 Esdras; O Quarto Livro dos Macabeus é considerado canônico pela Igreja Ortodoxa da Geórgia. A Septuaginta, a tradução grega do Antigo Testamento, é oficial.
  • A Igreja do Oriente inclui a maioria dos livros deuterocanônicos do Antigo Testamento que são encontrados na Peshitta (a versão siríaca da Bíblia). O Novo Testamento em versões modernas contém os 5 livros disputados (2 Pedro, 2 João, 3 João, Judas e Apocalipse) que foram originalmente excluídos.
  • Na Ortodoxia Oriental, o cânone bíblico difere em cada Patriarcado.
    • A Igreja Ortodoxa Apostólica Armênia incluiu várias vezes uma variedade de livros no Novo Testamento que não estão incluídos nos cânones de outras tradições.
    • A Igreja Ortodoxa Etíope Tewahedo e a Igreja Ortodoxa Eritreia aceitam vários livros de acordo com os Cânones Estreito ou Mais Amplo, mas sempre inclui todo os deuterocanônicos católicos, a Oração de Manassés, 3 Esdras, 4 Esdras e O Livro de Josippon. Eles também podem incluir o Livro dos Jubileus, Livro de Enoque, 1 Baruque, 4 Baruque, bem como 1, 2 e 3 Macabeus Etíopes (sem relação com os Livros dos Macabeus). O Novo Testamento contém os Sinodos, os Livros da Aliança, Clemente e a Didascalia.
    • Algumas igrejas sírias, independentemente de serem católicas orientais, nestorianas, orientais ou ortodoxas orientais, aceitam a Carta de Baruque em seu cânone.
    • Alguns dos primeiros quakers também incluíram a Epístola aos Laodicenses.
Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias (Mórmons)[editar | editar código-fonte]
Igreja da Unificação[editar | editar código-fonte]
Movimento rastafári[editar | editar código-fonte]
Doutrinas e Leis[editar | editar código-fonte]
A Bíblia (à esquerda) e o livro Ciência e Saúde com a Chave das Escrituras (à direita) servem como pastor da igreja da Ciência Cristã.

Várias denominações cristãs têm textos que definem as doutrinas do grupo ou estabelecem leis que são consideradas obrigatórias. Os grupos consideram que estes variam em permanência de interpretações inquestionáveis de revelações divinas a decisões humanas feitas por conveniência ou elucidação que estão sujeitas a reconsideração.

Discordianismo[editar | editar código-fonte]
Espiritismo[editar | editar código-fonte]
Fé Bahá'í[editar | editar código-fonte]
Hinduísmo[editar | editar código-fonte]
Igreja de Satã[editar | editar código-fonte]
Islamismo[editar | editar código-fonte]
Judaísmo[editar | editar código-fonte]
Pastafarianismo[editar | editar código-fonte]
Religião asteca[editar | editar código-fonte]
Religião maia[editar | editar código-fonte]
Religião na Grécia Antiga[editar | editar código-fonte]
Religião no Egito Antigo[editar | editar código-fonte]
Siquismo[editar | editar código-fonte]
Taoismo[editar | editar código-fonte]
Thelema[editar | editar código-fonte]
Wicca[editar | editar código-fonte]
Xintoísmo[editar | editar código-fonte]
Zoroastrismo[editar | editar código-fonte]
Bíblia de Gutenberg de 1455. O primeiro livro impresso no Ocidente

Atitudes[editar | editar código-fonte]

As atitudes perante os textos sagrados diferem. Enquanto algumas religiões difundem livremente as suas escrituras, outras consideram-nas um segredo que só pode ser revelado aos fiéis e iniciados.

Algumas religiões assumem que as suas escrituras são "a palavra de Deus" e, como tal, são infalíveis e inalteráveis, procurando impedir qualquer alteração e estabelecendo um cânone dos textos que são efectivamente considerados sagrados.

Sendo, muitas vezes, traduzidos para línguas modernas, reconhecem, habitualmente, a superioridade da língua sagrada original, como mais próxima da inspiração divina.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Igreja da Unificação». Instituto Cristão de Pesquisas. Consultado em 6 de setembro de 2021 
  2. John Bowker, 2011, The Message and the Book, Reino Unido, Atlantic Books, página 13-14
  3. The Salvation Army handbook of doctrine. London: Salvation Books. 2010. OCLC 751788275 
  4. «Congregation for the Doctrine of the Faith». Encyclopedia Britannica (em inglês). Consultado em 6 de setembro de 2021 
  5. «Congregation for the Doctrine of the Faith». ewtn.com (em inglês). Consultado em 7 de março de 2013 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]