Yasuke

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Yasuke, arte de Kenneth Trotter

Yasuke, (apresentado como 弥助 ou 弥介, 彌助 ou 彌介 em diferentes fontes.[1]) (c. 1555/6-?) foi um negro (africano ou de origem africana) que, de acordo com algumas fontes, se tornou um samurai no Japão, tendo servido ao daimyo Oda Nobunaga. O nome "Yasuke" foi-lhe concedido por Nobunaga, apesar do porquê e quando não ser claro. O seu nome original não está registado em nenhuma fonte, não sendo claro se Yasuke é um nome Japonês com base no seu nome original, ou se é um nome totalmente novo e concedido pelo seu senhor.

Pouco se sabe sobre sua vida, e a principal fonte para a sua história no Japão foi escrita pelo missionário jesuíta Luís Fróis.[2]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Pintura japonesa que descreve um grupo de portugueses, entre os quais está um servo negro.

De acordo com a Histoire Ecclesiastique Des Isles Et Royaumes Du Japon, escrito por François Solier da Sociedade de Jesus em 1627, Yasuke era um muçulmano nascido em Moçambique.[3] Soleir escreveu sobre Yasuke muitos anos depois dos acontecimentos, podendo a história ser baseada em suposições, não havendo sobreviventes ou referências comprovadas que possam sustentar as afirmações. Por isso, embora não haja nenhuma evidência, também é possível que ele tenha vindo de Portugal, Angola ou Etiópia, assim como poderia também ter sido originalmente um africano mercenário a serviço de um indiano soberano, sendo que existiam muitos por estes tempos.[4]

Em 2013 uma investigação levada a cabo pela light entertainment television program para o programa de televisão Descoberta dos Mistérios do Mundo (世界ふしぎ発見?) sugeriu que Yasuke era um makua chamado Yasufe.[5] No entanto, e embora esta tenha sido uma grande investigação jornalística, o programa apresenta poucas provas conclusivas, e os Makua não tinham qualquer conflito significativo com os portugueses residentes na Ilha de Moçambique até 1585 [4] Ele pode, no entanto, ter sido um membro dos WaYao, que estavam começar a contactar com os portugueses, podendo explicar o seu nome, 'Yao' adicionado ao comum Japonês masculino sufixo de nome de 'suke'.[4]

Yasuke chegou ao Japão em 1579 como o servo do Jesuíta italiano Alessandro Valignano, que tinha sido nomeado o Visitante (inspector) das missões Jesuíticas nas Índias, o que significa a África Oriental; Sul e Leste da Ásia. Ele acompanhou Valignano quando este veio para a capital em Março de 1581 e causou alguma agitação. Num evento, várias pessoas foram esmagadas até a morte, enquanto tentavam ver Yasuke, tento os Jesuítas temido que a sua igreja fosse afectada, mas conseguiram evitar o desastre. Nobunaga ouviu barulho vindo do templo, onde ele estava hospedado, e expressou o desejo em vê-lo. Suspeitando de que a cor de pele negra era pintada com tinta, Nobunaga fe-lo esfregar-se / lavar-se da cintura para cima.[6] Estes eventos foram registrados em 1581 por carta do Jesuíta Luis Frois para Lorenço Mexia em 1582 Relatório Anual da Missão Jesuíta no Japão, também por Frois. Estes foram publicados em "Cartas que os padres e irmãos da Companhia de Jesus escreveram dos reynos de Japão e China II", normalmente conhecidas apenas como 'Cartas', em 1598.[7] Convencido de que era de facto negro, Nobunaga parece ter ganho admiração por ele e, em algum ponto, embora quando não seja claro, foi dado ou permitido entrar ao serviço de Nobunaga (de acordo com os japoneses é indicado que este se apresentou a Nobunaga, apesar dos europeus não o mencionarem).

O "Senhor Nobunaga Chronicle" (信長公記, Shinchōkōki?), tendo em conta Frois', descreve o seu encontro assim: "No dia 23 do 2º mês [Março 23, 1581], uma página negra (黒坊主, "kuro-bōzu"?) veio dos países cristãos. O homem era saudável e de boa aparência, com um bom comportamento." Além disso, Nobunaga elogiou a força de Yasuke, descrevendo-a como dez vezes superior à dos homens normais. O sobrinho de Nobunaga, provavelmente Tsuda Nobusumi,[4] deu-lhe uma quantia de dinheiro neste primeiro encontro.

Em Maio, Yasuke foi com Nobunaga para o seu castelo em Azuchi e os rumores populares dizem que ele pode aí ter-se tornado nobre. Matsudaira Ietada, descreveu-o como uma pessoa de 6 shaku 2  (188 cm.). "Ele era negro e a sua pele era como carvão." Se assim for, a sua alta estatura era muito imponente para os Japoneses deste tempo e mesmo para um homem alto como Nobunaga. Matsudaira afirmou que lhe foi assim dado o nome de Yasuke.

É provável que Yasuke comunicasse em lingua japonesa de forma aceitável, talvez devido aos esforços de Valignano para garantir que os seus missionários se adaptassem melhor à cultura local,[4] pois Nobunaga gostava de falar com Yasuke (não há nenhuma indicação de que Nobunaga falasse português e é improvável que Yasuke tenha sido capaz de comunicar em chinês clássico, a língua franca oriental da época). Ele parece ter-se tornado muito próximo, e foi, talvez, o único "guerreiro" não Japonês que Nobunaga tinha na sua comitiva,[4] o que poderia explicar o seu rápido crescimento em estatuto e classe social. Terá assim sido por esta altura, que segundo fontes, Yasuke ter-se-á tornado Samurai. O primeiro Samurai Estrangeiro, segundo a lista de Samurais no Japão nascidos no estrangeiro)   Yasuke também foi mencionado no protótipo de Shinchōkōki propriedade Sonkeikaku Bunko (尊経閣文庫?), os arquivos do Maeda Clã. De acordo com o acima mencionado, foi concedida uma residência própria a Yasuke, assim como o cerimonial da katana por Nobunaga. Nobunaga atribui-lhe também direito e dever de porte de arma[8]

Em junho de 1582, Nobunaga foi atacado e forçado ao seppuku em Honnō-ji em Quioto pelo exército de Akechi Mitsuhide. Yasuke também estava lá no momento e lutou contra as forças de Akechi. Imediatamente após a morte de Nobunaga, Yasuke juntou-se ao filho e herdeiro de Nobunaga, Oda Nobutada, que tentava impor as forças que a Oda no castelo Nijō. Yasuke lutou ao lado das forças de Nobutada por um longo período, mas terá eventualmente entregue a sua espada aos homens de Akechi. Estes perguntaram a Akechi o que fazer com Yasuke. Akechi disse que o homem negro era uma besta e não sabia de nada, e, além disso, ele não era Japonês, de modo que não deveriam matá-lo, mas levá-lo para o nanban-dera, ou nanban-ji (南蛮寺, literalmente, o templo dos bárbaros do sul, forma como os Japoneses se referiam à igreja jesuíta?).[6][9] Diz-se que a razão pela qual Akechi falava deste modo de Yasuke era a forma de, fazendo ter pena dele, justificar de forma clara a razão para não matar. Os negros não eram na verdade discriminados no Japão, sendo na verdade mesmo admirados, tendo inclusive Buda sido frequentemente retratado como negro em templos Japoneses .[6] No entanto, talvez Akechi talvez não quisesse ofender os Jesuítas, necessitando de todos os amigos que pudesse  ter neste momento de turbulência política.[4] Isso foi um alívio para os jesuítas, tendo estes agradecido a Deus pelo seu livramento. Não há mais nenhuma informação escrita sobre Yasuke após este episódio, embora Frois, na sua " História do Japão", faça menção a um negro africano artilheiro ao serviço de Arima Harunobu, em 1584, logo após a temporada passada por Yasuke com Nobunaga.[4] É altamente provável que seja um outro homem, pois existiam, por essa altura, inúmeros africanos ao serviço dos empregadores Japoneses e Europeus, assim como trabalhadores independentes do Japão.[4]

Cultura Popular[editar | editar código-fonte]

- Yasuke é o protagonista do romance histórico para crianças Kuro-suke (く ろ 助??), escrito por Yoshio Kurusu e ilustrado por Genjirou Minoda e publicado em 1943. Esse romance apresenta versão fictícia da história de Yasuke e seu relacionamento com Nobunaga.[10] Apareceu também em vários filmes e dramas sobre Nobunaga.

- É um dos protagonistas do Vídeo Jogo para PlayStation 2Neo Contra, o samurai Genbei "Jaguar" Yagyu, é inspirado em Yasuke.

- Yasuke serve também como inspiração criativa no lançamento, em Moçambique, da 5ª Geração da Mitsubishi L200, sendo referenciado como "Samurai Africano", tendo sido lançada em Novembro de 2016 um modelo exclusivo com o nome L200 YASUKE em sua homenagem. Neste mesmo seguimento, e segundo a Imprensa Moçambicana, Yasuke serve também de inspiração para o novo livro a ser desenvolvido pelo escritor moçambicano Calane da Silva.

- Matine João, jovem conceituado artista moçambicano, pintou em aguarela sobre papel gravuras sobre a vida de Yasuke, tendo estas sido doadas ao acervo do Museu de História Natural de Maputo com o apoio do Grupo João Ferreira dos Santos num série de acções que promovem o resgate do Samurai Africano.

- Existem alguns países que revindicam a sua origem, como por exemplo a República do Congo ou Moçambique, tendo o Ministro da Cultura deste último país, Silva Dunduro, assim como o escritor Calane da Silva, dito que "Yasuke é provalmente o primeiro herói conhecido do território moçambicano".

Referências

  1. 彌(ya) is the old-style kanji of 弥(ya). 助(suke) and 介(suke) are homophonic kanji.
  2. Michael Weiner (2009). Japan's Minorities: The Illusion of Homogeneity Taylor & Francis [S.l.] pp. 86 e 87. 9780415772631.
  3. . [S.l.: s.n.].
  4. a b c d e f g h i Lockley,T. (in press, 2016) The story of Yasuke: Nobunaga’s black retainer, 桜文論叢、91
  5. http://www.tbs.co.jp/f-hakken/bknm/20130608/p_1.html
  6. a b c . [S.l.: s.n.]. ISBN 978-4000268530
  7. 1581 letters of the Jesuits Luis Frois and Lorenço Mexia
  8. 「織田信長という歴史 『信長記』の彼方へ」、 Bensei Shuppan:Tokyo, 2009, pp.311-312.
  9. . [S.l.: s.n.]. ISBN 978-4841910001
  10. International Institute for Children's Literature, Osaka, One Hundred Japanese Books for Children 1946-1979: Kuro-suke, retrieved on: June 30, 2007
Bibliografia
  • Lockley,T. (in press, 2016) The story of Yasuke: Nobunaga’s black retainer, 桜文論叢、91
  • Matsuda, Kiichi, ed., Jūroku-jūnanaseiki Iezusukai Nihon Hōkokushuu, Hōdōsha, 1987-98. Ōta, Gyūichi, Shinchōkōki, 1622.