Click (filme)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Click
Pôster promocional
 Estados Unidos
2006 • cor • 107
120 (edição estendida) min
 
Direção Frank Coraci
Produção Adam Sandler
Jack Giarraputo
Neal H. Moritz
Steve Koren
Mark O'Keefe
Roteiro Steve Koren
Mark O'Keefe
Narração James Earl Jones
Elenco Adam Sandler
Kate Beckinsale
Christopher Walken
Henry Winkler
David Hasselhoff
Julie Kavner
Jennifer Coolidge
Sean Astin
Gênero Comédia dramática
Fantasia
Ficção científica
Idioma Inglês
Música Rupert Gregson-Williams
Cinematografia Dean Semler
Edição Jeff Gourson
Estúdio Revolution Studios
Happy Madison
Original Film
Distribuição Columbia Pictures
Lançamento Estados Unidos 23 de junho de 2006
Brasil 11 de agosto de 2006
Portugal 5 de outubro de 2006
Orçamento US$82.5 milhões
Receita US$237,681,299[1]
Site oficial
Página no IMDb (em inglês)

Click é um filme estadunidense de comédia dramática, fantasia e ficção científica de 2006, dirigido por Frank Coraci, escrito por Steve Koren e Mark O'Keefe, e produzido por Adam Sandler, que também atuou no papel principal. O filme é co-estrelado por Kate Beckinsale e Christopher Walken. O filme foi lançado nos Estados Unidos em 23 de junho de 2006. Foi distribuído pela Columbia Pictures.

Sandler interpreta um arquiteto com excesso de trabalho que negligência sua família. Quando ele adquire um controle remoto universal que lhe permite "avançar" através de partes desagradáveis ​​ou totalmente sem graça de sua vida, ele logo descobre que aqueles aparentemente maus bocados continham partes vitais de lições da vida. As filmagens começaram no final de 2005 e foi concluída no início de 2006. Ele foi nomeado para um Oscar de melhor maquiagem.

Enredo[editar | editar código-fonte]

Michael Newman é um arquiteto que mora com sua esposa Donna Newman e tem seus filhos Ben e Samantha. Ele trabalha muito e sempre chega exausto e cansado. Um dia ele queria ligar sua televisão, mas acaba pegando o controle errado e ativando aparelhos como ventilador e a porta de sua garagem automática. Ele fica furioso e seus filhos sugerem que ele compre um controle remoto universal, igual ao seus vizinhos, no qual poderá controlar tudo com um só objeto. Então ele vai em uma loja e encontra um inventor chamado Morty, que o mostra um controle e diz que tem uma tecnologia ultra-avançada e ainda nem está nas lojas, e o oferece de graça. Michael aceita a oferta e leva o controle. Mas chegando em casa percebe que o objeto tem o poder de controlar sua vida, e descobre que pode avançar e voltar no tempo, modificar o som e cor de tudo a sua volta e outras coisas. Ele começa a achar que está louco e volta para a loja onde comprou e pergunta a Morty do que se trata, ele responde dizendo que o controle tem a capacidade de controlar toda a vida dele. No começo ele gosta, mas depois o controle entra no avanço automático, que avança na vida dele para uma época em que os problemas que o perturbam sejam resolvidos, mas acaba prosseguindo cada vez mais em sua vida. Seu maior desejo é subir de cargo na empresa e ele deseja isso e o controle leva ele para 2017, onde está muito obeso devido a comer muitos doces e fast-food, com isso ele avança cada vez mais no tempo. Ele fica desesperado quando descobre que no momento que ele acelera o tempo, ele fica no piloto automático, isso significa que ele não faz nada por si próprio, sua mente fica "viajando". Isso traz problemas a ele, como dizer uma coisa que afetou profundamente seu pai Ted, o chamando de estúpido, além de muitos outros erros na sua vida. Desesperado tentando corrigir, Morty diz que isso é impossível. Então ele deve decidir o que fazer antes que sua vida acabe.[2]

Elenco[editar | editar código-fonte]

Recepção[editar | editar código-fonte]

Lançamento[editar | editar código-fonte]

O filme foi exibido fora de competição no Festival Internacional de Cinema de San Sebastián.

Resposta da crítica[editar | editar código-fonte]

Click recebeu comentários mistos a negativos de críticos. Rotten Tomatoes dá ao filme uma pontuação de 32% com base em 167 avaliações, dando ao filme uma classificação de "podre". A pontuação média é a 5 de 10, com o consenso de ser "Este último veículo de Adam Sandler empresta descaradamente de It's a Wonderful Life e Back to the Future, e não produz os risos necessários que perdoam tal imitação".[4] Metacritic deu uma pontuação de 50 em 100, que indica "críticas mistas ou médias".[5]

Bilheteria[editar | editar código-fonte]

Click arrecadou $137,355,633 nos Estados Unidos e $100,325,666 internacionalmente, para um total de $237,681,299 mundialmente.[1]

Prêmios e nomeações[editar | editar código-fonte]

Trilha sonora[editar | editar código-fonte]

  1. The Cars - "Magic"
  2. The Kinks - "Do It Again"
  3. The Offspring - "Come Out and Play"
  4. Gwen Stefani - "Cool"
  5. Carole King - "I Feel the Earth Move"
  6. Irving Gordon - "Be Anything (but Be Mine)"
  7. Parliament - "Give Up the Funk (Tear the Roof off the Sucker)"
  8. Boots Randolph - "Yakety Sax"
  9. Walter Wanderley - "Summer Samba"
  10. Peter Frampton - "Show Me the Way"
  11. Captain & Tennille - "Love Will Keep Us Together"
  12. Toto - "Hold the Line"
  13. T. Rex - "20th Century Boy"
  14. Tears for Fears - "Everybody Wants to Rule the World"
  15. Nazareth - "Love Hurts"
  16. The Andrea True Connection - "More, More, More"
  17. Loverboy - "Working for the Weekend"
  18. The Cranberries - "Linger"
  19. Frank Sinatra - "I'm Gonna Live Till I Die"
  20. The Strokes - "Someday"
  21. Ric Ocasek - "Feelings Got to Stay"
  22. Jimmy Van Heusen - "Call Me Irresponsible"
  23. U2 - "Ultraviolet (Light My Way)"
  24. Air Supply - "Making Love Out of Nothing at All"
  25. New Radicals - "You Get What You Give"

Referências

  1. a b Click (2006). Box Office Mojo. Retrieved 2010-10-29.
  2. Página no Studio Universal
  3. Click - 2006 - InterFilmes.com (em português). Visitado em 3 de janeiro de 2014.
  4. Click Movie Reviews, Pictures. Rotten Tomatoes. Retrieved 2010-10-29.
  5. Click Reviews, Ratings, Credits. Metacritic. Retrieved 2010-10-29.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]