Back to the Future

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Back to the Future
Regresso ao Futuro (PT)
De Volta Para o Futuro (BR)
Pôster de divulgação
 Estados Unidos
1985 • cor • 116 min 
Direção Robert Zemeckis
Produção Neil Canton
Bob Gale
Roteiro Robert Zemeckis
Bob Gale
Elenco Michael J. Fox
Christopher Lloyd
Lea Thompson
Crispin Glover
Thomas F. Wilson
Género Ficção científica
Aventura
Idioma inglês
Música Alan Silvestri
Cinematografia Dean Cundey
Edição Harry Keramidas
Arthur Schmidt
Estúdio Amblin Entertainment
Distribuição Universal Pictures
Lançamento Estados Unidos 3 de julho de 1985
Brasil 29 de dezembro de 1985
Portugal 19 de dezembro de 1986[1]
Orçamento US$ 19 milhões[2]
Receita US$ 381.109.762[2]
Cronologia
Último
Último
Back to the Future Part II
Próximo
Próximo
Site oficial
Página no IMDb (em inglês)

Back to the Future (no Brasil, De Volta Para o Futuro e em Portugal, Regresso ao Futuro) é um filme norte-americano de 1985. Ele foi dirigido por Robert Zemeckis, escrito por Zemeckis e Bob Gale e estrelado por Michael J. Fox, Christopher Lloyd, Lea Thompson, Crispin Glover e Thomas F. Wilson. O filme conta a história de Marty McFly, um adolescente que acidentalmente volta no tempo de 1985 para 1955. Ele conhece seus futuros pais no colégio e acidentalmente faz sua futura mãe ficar romanticamente interessada por ele. Marty deve consertar o dano na história fazendo com que seus pais se apaixonem e, com a ajuda do Dr. Emmett Brown, encontrar um modo de voltar para 1985.

Zemeckis e Gale escreveram um roteiro depois de Gale ter se perguntado se ele teria ficado amigo de seu pai se tivessem estudado juntos no colégio. Vários estúdios recusaram o roteiro até o sucesso financeiro de Romancing the Stone, filme dirigido por Zemeckis, com o projeto sendo pego pela Universal Pictures e por Steven Spielberg como produtor executivo. Eric Stoltz foi originalmente contratado para interpretar Marty McFly quando Michael J. Fox estava ocupado filmando a série de TV Family Ties. Entretanto, durante as filmagens, Stoltz e os cineastas concordaram que ele foi a escolha errada, então Fox recebeu uma nova proposta e ele conseguiu trabalhar em uma agenda que permitia se comprometer aos dois projetos; a subsequente mudança no elenco significou que a equipe deveria correr através das refilmagens e da pós-produção para completar o filme para sua estréia no dia 3 de julho de 1985.

Quando lançado, Back to the Future se tornou o filme de maior sucesso do ano, arrecadando mais de US$ 380 milhões em bilheteria e recebendo aclamação pela crítica. Ele venceu o Hugo Award de Melhor Apresentação Dramática e o Saturn Award de Melhor Filme de Ficção Científica, como também indicações ao Oscar, ao Golden Globe e outros. Ronald Reagan até citou o filme em seu Discurso sobre o Estado da União em 1986. Em 2007, a Biblioteca do Congresso americano selecionou o filme para preservação no National Film Registry, e em junho de 2008 a American Film Institute o reconheceu como o 10º melhor filme de ficção científica americano. O filme marcou o início de uma franquia, com as sequências Back to the Future Part II e Back to the Future Part III sendo lançadas em 1989 e 1990, como também uma série de desenhos, um brinquedo de parque de diversões e vários jogos eletrônicos.

Enredo[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

O filme se desenvolve da seguinte maneira:[3]

Marty McFly é um adolescente vivendo com uma família sem vida e sem ambição na cidade de Hill Valley, Califórnia. Seu pai, George McFly, é constantemente intimidado por seu supervisor de trabalho, Biff Tannen, e sua mãe infeliz, Lorraine Baines McFly, está acima do peso e tem um problema com bebida. Os irmãos de Marty, Dave e Linda McFly, também vivem com ele, sendo que ambos são comportamentalmente idênticos à seus pais. Almejando alcançar seu sonho de tornar-se um astro de rock, Marty e sua banda fazem um teste para tocarem em uma festa da escola, no qual acabam sendo rejeitados. Apesar do revés, a namorada de Marty, Jennifer Parker, o encoraja a não desistir de seus objetivos e acreditar em seu futuro. No jantar daquela noite, Lorraine conta à família como ela e George se apaixonaram quando seu pai o atropelou na rua.

A casa usada como residência dos McFly na trilogia Back to the Future.

Na madrugada do dia 25 de outubro de 1985, Marty encontra seu amigo, o cientista Dr. Emmett Brown, no Twin Pines Mall às 1:15 a pedido do Doutor. Lá, ele revela ao rapaz um DeLorean DMC-12 modificado para tornar-se uma máquina do tempo; o deslocamento temporal do veículo é alimentado por uma fissão nuclear e utiliza plutônio como combustível, o que gera 1,21 Gigawatt de eletricidade necessário para o funcionamento do aparato que torna a viagem temporal possível, o "Capacitor de Fluxo". O Doutor explica que o carro viaja para uma data programada ao atingir 88 milhas por hora de velocidade. Entretanto, antes que ele pudesse realizar sua primeira viagem, terroristas líbios - dos quais o Doutor recebera o plutônio para a produção de uma bomba e que ele enganara para poder utilizar o material em sua experiência - aparecem e o baleiam mortalmente. Indefeso, Marty tenta escapar no DeLorean, porém, durante a fuga, acaba alcançando a velocidade de 88 milhas por hora e é transportado para 5 de novembro de 1955, uma data que o Doutor havia programado nos instrumentos de navegação do DeLorean como um exemplo. Marty agora encontra-se sem o plutônio necessário para a viagem de volta e o carro desliga-se, deixando-o preso em 1955.

Ao explorar a Hill Valley daquela década, Marty acidentalmente encontra seu pai, George, como um adolescente que é intimidado por Biff. Quando George está prestes a ser atropelado pelo carro do pai de Lorraine, Marty o empurra salvando-o e recebendo o impacto em seu lugar. Como resultado, a jovem Lorraine fica apaixonada por ele e não por George. Marty fica perturbado pelos flertes dela e parte da residência dos Baines para encontrar o jovem Doutor Brown de 1955. O rapaz eventualmente convence o incrédulo Emmet de que ele é realmente um viajante do tempo e pede sua ajuda para voltar a 1985. O Doutor explica que a única fonte de energia capaz de gerar 1,21 Gigawatts é um raio. Marty então mostra a ele um panfleto que ele havia recebido no dia anterior na praça do relógio da Torre sobre um raio que havia atingido a Torre do Relógio da cidade, desativando-o desde então. O panfleto indicava que um raio iria atingir o relógio da corte judicial de Hill Valey no sábado seguinte às 22h04min. Com esta informação, o Doutor cria um plano para fazer a energia do raio ser direcionada para o Capacitor de Fluxo do DeLorean. Todavia, os dois observam uma complicação ao ver a imagem dos irmãos de Marty desaparecendo em uma foto: Marty impediu que seus pais se encontrassem e comprometeu a existência dele e de sua família.

Durante toda a semana seguinte, Marty tenta consertar o erro e salvar seu futuro com seus pais, porém ele só consegue que o interesse de Lorraine por ele vá gradativamente aumentando. Para poder fazer os dois se apaixonarem, Marty planeja fazer George "resgatar" Lorraine dos avanços sexuais encenados por ele na noite do baile "Encantamento do Fundo-do-Mar". Entretanto, o plano não corre exatamente como o planejado, já que Marty é interrompido por um embriagado Biff que inesperadamente surge, tirando Marty do carro e abusando de Lorraine. George aparece como planejado para resgatá-la de Marty, porém acaba encontrado Biff. Apesar das ameaças de Biff, George abandona sua costumeira submissão e o enfrenta pela primeira vez, lhe dando um forte soco no rosto, deixando-o inconsciente. Lorraine e George vão para o baile onde eles se beijam pela primeira vez, assegurando a existência de Marty e seus irmãos.

Com seu futuro salvo, Marty chega na cena do antecipado raio na torre do relógio onde o Doutor está fazendo os preparativos finais. Marty tenta avisá-lo sobre seu assassinato em 1985 com uma carta, porém o Doutor a rasga sem ler, com medo de alterar o futuro. Um enorme galho de árvore acidentalmente desconecta o arranjo de fios do Doutor para capturar a energia do raio, porém os dois consertam as conexões a tempo de enviar Marty e o DeLorean de volta para 1985. Apesar de Marty chegar tarde demais para impedir que o Doutor fosse baleado, o Doutor revela que ele juntou os pedaços da carta, descobrindo sobre seu iminente assassinato. Assim sendo, muniu-se previamente com um colete à prova de balas.

O Doutor deixa Marty em sua casa e vai para o futuro. Marty acorda na manhã seguinte para descobrir que sua família melhorou significativamente e está mais feliz. Lorraine está bem fisicamente, George se tornou auto-confiante e um autor de ficção científica de sucesso, Dave é agora um empresário e Linda não têm mais problemas em encontrar namorados. Mais notavelmente, George e Lorraine tem uma relação íntima que eles nunca tiveram, enquanto Biff se tornou um frentista de um posto de gasolina, além de agora ser submisso a George. No momento que Marty reencontra Jennifer, o Doutor aparece, insistindo para que eles o acompanhem no futuro para resolver um problema com seus filhos. Com o Doutor no volante, Marty e Jennifer entram no melhorado DeLorean, agora um carro voador, e vão para o futuro.

Gtk-paste.svg Aviso: Terminam aqui as revelações sobre o enredo.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Atriz/Ator Personagem Dublagem Brasileira:BKS(Rede Globo/TV Paga) Dublagem Brasileira:Double Sound(DVD/TV Paga)
Michael J. Fox Marty McFly Orlando Viggiani Manolo Rey
Christopher Lloyd Dr. Brown Eleu Salvador Selbach Mauro Ramos
Lea Thompson Lorraine Baines Neuza Azevedo Miriam Ficher Zonenschein
Crispin Glover George Mcfly Ézio Ramos Alexandre Alves Moreno
Thomas F. Wilson Biff Tannen Renato Márcio Héliobas "Hélio" Ribeiro
James Tolkan Sr.Strickland Marcos Lander Luiz Carlos Persy
Claudia Wells Jennifer Parker Denise Simonetto Flávia Saddy
Marc McClure Dave McFly Flávio Dias Éttore Zuim
Wendie Jo Sperber Linda McFly Ivete Jayme Guilene Conte
George DiCenzo Sam Baines Carlos Campanile Carlos Seidl
Donald Fullilove Goldie Wilson Leonardo Camilo Jorge Eduardo Lucas
Will Hare Velho Peabody Mário Jorge Montini Dário de Castro
Ivy Bethune Ma Peabody Maria Helena Pader
Harry Whatters Jr. Marvin Berry João Francisco Garcia Maurício Berger
Lee McCain Stella Baines Arlete Montenegro Nádia de Almeida Carvalho
Norman Alden Lou Carethers Jorge Pires José Santa Cruz
George Buck Flower Prefeito Red Thomas Mário Ribeiro Vilela
Elsa Raven Mulher com o Jornal Zaíra Zordan Geisa Vidal
Huey Lewis Juíz do concurso de bandas Eudes Carvalho Ronaldo Júlio
Jason Hervey Milton Baines Ivete Jayme João Capelli
Billy Zane Match Luiz Antônio Lobue Marco Antônio Soares da Costa
Locutores Carlos Alberto Vaccari Leonardo José

Desenvolvimento[editar | editar código-fonte]

Roteiro[editar | editar código-fonte]

O roteirista e produtor Bob Gale concebeu a ideia para Back to the Future depois de visitar seus pais em St. Louis, Missouri, após a estréia de Used Cars. Revirando seu porão, Gale encontrou o anuário da época de colégio de seu pai, descobrindo que ele foi presidente de classe no seu ano de formatura. Gale pensou no presidente de sua própria classe de formatura, que era uma pessoa que nada tinha a ver com ele.[4] Gale se perguntou se ele teria sido amigo de seu pai se os dois tivessem estudado juntos. Quando ele retornou para a Califórnia, ele contou a Robert Zemeckis sobre seu novo conceito.[5] Zemeckis subsequentemente pensou sobre uma mãe afirmando que nunca havia beijado um menino na escola, quando na verdade ela era muito promíscua.[6] Os dois levaram o projeto até a Columbia Pictures, e fizeram um acordo de desenvolvimento para um roteiro em setembro de 1980.[5]

Zemeckis e Gale colocaram a história em 1955 porque, eles afirmaram, matematicamente, um jovem de 17 anos viajando para encontrar seus pais na mesma idade significaria viajar para aquela década. A época também marcou a ascensão dos adolescentes como um importante elemento cultural, o nascimento do rock n' roll e a expansão dos subúrbios, que dariam um sabor a história.[7] Originalmente Marty seria um pirata de vídeo, a máquina do tempo seria um refrigerador, e ele precisaria usar a energia de uma explosão nuclear na Área de Testes de Nevada para voltar até sua própria época. Zemeckis ficou "preocupado que crianças intencionalmente iriam se trancar dentro de refrigeradores", e o clímax original foi considerado muito caro. A máquina do tempo DeLorean foi escolhida porque seu desenho tornou crível a piada sobre a família de fazendeiros a confundindo por um disco voador. Os roteiristas acharam difícil criar uma amizade crível entre Marty e o Dr. Brown antes de criarem o amplificador gigante, e apenas resolveram o Complexo de Édipo com sua mãe ao escreverem a fala "É como se eu estivesse beijando o meu irmão". Biff Tannen foi nomeado por causa do executivo da Universal Pictures Ned Tannen, que se comportou de forma agressiva com Zemeckis e Gale durante uma reunião de roteiro para I Wanna Hold Your Hand.[6]

O primeiro rascunho de Back to the Future foi finalizado em fevereiro de 1981. A Columbia colocou o filme em uma virada. "Eles acharam que era um filme muito bom, fofo e emotivo, mas não muito sexual", disse Gale. "Eles sugeriram levá-lo até a Disney, porém decidimos ver se algum outro grande estúdio queria um pedaço de nós".[5] Todos os grandes estúdios rejeitaram o roteiro nos quatro anos seguintes, enquanto Back to the Future passou por mais dois rascunhos. Durante o início da década de 1980, comédias adolescentes populares (como Fast Times at Ridgemont High e Porky's) eram picantes e com temas adultos, então o roteiro foi comumente rejeitado por ser muito leve.[6] Zemeckis e Gale finalmente decidiram mostrar o projeto a Disney. "Eles nos disseram que uma mãe se apaixonando por seu filho não era apropriado para um filme família sob o estandarte da Disney", disse Gale.[5]

Os dois ficaram tentados a se aliarem com Steven Spielberg, que produziu Used Cars e I Wanna Hold Your Hand, ambos fracassos. Spielberg inicialmente estava ausente do projeto porque Zemeckis achou que se ele produzisse outro fracasso com ele na direção, ele nunca mais iria conseguir fazer outro filme. Gale disse, "tínhamos medo de adquirir a reputação de ser dois caras que só conseguiam arranjar um trabalho porque éramos amigos de Steven Spielberg".[8] Um produtor se interessou, porém mudou de ideia quando descobriu que Spielberg não estava envolvido. Zemeckis então decidiu dirigir Romancing the Stone, que foi um sucesso de bilheteria. Agora um diretor de alto nível, Zemeckis mostrou o projeto a Spielberg, e o filme foi estabelecido na Universal Pictures.[6]

O executivo Sidney Sheinberg fez algumas sugestões no roteiro, como mudar o nome da mãe de Marty de Meg para Lorraine (o nome de sua esposa, a atriz Lorraine Gary) e de substituir o chimpanzé de estimação de Brown por um cachorro.[6] Sheinberg também queria que o título fosse alterado para Spaceman from Pluto, convencido de que nenhum filme de sucesso tinha a palavra "futuro" no título. Ele sugeriu que Marty se apresentasse como "Darth Vader do planeta Plutão" enquanto se dirigia ao seu pai para convencê-lo a convidar sua mãe para o baile (ao invés de "...do planeta Vulcano"), e que o quadrinho do filho do fazendeiro tivesse o título de Spaceman from Pluto ao invés de Space Zombies from Pluto. Spielberg ditou um memorando de volta para Sheinberg, onde ele o convenceu que todos acharam o título uma piada, assim o envergonhando e o fazendo desistir da ideia.[9]

Seleção de elenco[editar | editar código-fonte]

Michael J. Fox era a primeira escolha para interpretar Marty McFly, porém ele estava comprometido com a série de televisão Family Ties.[10] O produtor de Family Ties, Gary David Goldberg, achava que Fox era essencial para o sucesso do programa. Com a co-estrela Meredith Baxter em licença maternidade, ele se recusou a dar um tempo extra a Fox para trabalhar no filme. Back to the Future estava originalmente agendado para estrear em maio de 1985, e era final de 1984 quando descobriu-se que Fox não estaria disponível.[6] As duas próximas escolhas de Zemeckis eram C. Thomas Howell e Eric Stoltz, o último impressionou tanto os produtores com sua interpretação de Roy L. Dennis no filme Mask—que ainda não havia sido lançado—que eles o selecionaram para fazer Marty McFly.[4] Devido ao difícil processo de seleção de elenco, a data de lançamento foi adiada duas vezes.[11]

Depois de quatro semanas de filmagens, Zemeckis determinou que a escolha de Stoltz havia sido um erro. Apesar dele e Spielberg terem percebido que refilmar o filme adicionaria mais US$ 3 milhões ao orçamento de US$ 14 milhões, eles decidiram reescalar o papel. Spielberg explicou que Zemeckis achou que Stoltz não era muito engraçado e que ele havia feito uma "incrível interpretação dramática". Gale foi além e explicou que, para ele, Stoltz estava simplesmente representando, enquanto Fox tinha uma personalidade como a de Marty McFly. Ele achou que Stoltz estava desconfortável ao andar de skate, enquanto Fox não. Stoltz confessou ao diretor Peter Bogdanovich durante um telefonema, duas semanas após o início das filmagens, que ele estava inseguro sobre a direção de Zemeckis e Gale, e concluiu que ele era a pessoa errada para o papel.[6]

A agenda de Fox se abriu em janeiro de 1985, quando Meredith Baxter retornou para Family Ties depois da licença maternidade. A equipe de Back to the Future se encontrou com Goldberg novamente, e fizeram um acordo em que a prioridade de Fox seria Family Ties, e que se um conflito de agendamento aparecesse, "nós vencemos". Fox amou o roteiro e ficou impressionado com a sensibilidade de Zemeckis e Gale ao tirarem Stoltz, porque mesmo assim eles "falaram muito bem dele".[6] Per Welinder e Bob Schmelzer o auxiliaram nas sequências de skate;[12] Fox achou que sua interpretação foi muito pessoal. "Tudo o que eu fazia no colegial era andar de skate, ir atrás de garotas e tocar em bandas. Eu até sonhei em me tornar um astro de rock".[10]

Christopher Lloyd foi escolhido como o Dr. Emmett Brown depois da primeira escolha, John Lithgow, ter ficado indisponível.[6] Tendo trabalhado com Lloyd em The Adventures of Buckaroo Banzai Across the 8th Dimension, o produtor Neil Canton o sugeriu para o papel. Lloyd originalmente recusou o papel, porém mudou de ideia depois de ler o roteiro e de sua esposa ter persistido para ele aceitar o trabalho. Ele improvisou algumas de suas cenas,[13] se inspirando em Albert Einstein e no maestro Leopold Stokowski.[14] Brown pronuncia gigawatts como "jigowatts", que era a maneira que um físico pronunciou a palavra quando ele se encontrou com Zemeckis e Gale enquanto faziam pesquisa para o roteiro.[12]

Crispin Glover interpretou George McFly. Zemeckis disse que Glover improvisou muitos dos maneirismos nerds de George, como suas mãos tremulas. O diretor brincou que ele "estava o tempo todo jogando uma rede sobre Crispin porque ele estava completamente fora por volta de cinquenta por cento em sua interpretação do personagem".[6] Devido a um desacordo de contrato, Glover foi substituído por Jeffrey Weissman em Part II e Part III.[15]

Lea Thompson foi escalada como Lorraine McFly porque ela havia atuado com Stoltz em The Wild Life. Sua maquiagem prostética para as cenas do início do filme, em 1985, levavam três horas e meia para serem aplicadas.[16]

Thomas F. Wilson foi selecionado para interpretar Biff Tannen porque a escolha original, J. J. Cohen, não foi considerado convincente na hora de atormentar Stoltz.[6] Cohen foi reescalado como um dos membros da gangue de Biff. Se Fox tivesse sido escalado desde o início da produção, Cohen provavelmente teria ficado com o papel por ser muito mais alto que Fox.[12]

Produção[editar | editar código-fonte]

A praça da Corte Judicial da cidade de Hill Valley.

Depois da saída de Stoltz, a agenda de Fox durante os dias de semana consistia nas gravações de Family Ties durante o dia, e Back to the Future das 18:30 até às 2:30. Ele tinha uma média de cinco horas de sono durante cada dia. Nas sextas-feiras, ele filmava das 22:00 até às 6:00 ou 7:00, e depois ia gravar as cenas exteriores durante o fim de semana, já que esse era o único momento em que ele estava disponível durante o dia. Fox achou que tudo foi exaustivo, porém "era meu sonho estar tanto na televisão quanto no cinema, apesar de eu não saber que estaria nos dois simultaneamente. Era essa estranha aventura que eu embarquei".[17] Zemeckis concordou, chamando Back to the Future de "o filme que não iria acabar". Ele lembra que por filmarem dia e noite, ele sempre estava "meio sonolento" e "mais gordo, fora de forma e doente como eu jamais estive".[6]

Os cenários da Lyon Estates usados em Back to the Future.

As cenas da praça central de Hill Valley foram filmadas na Praça da Corte Judicial, localizada nos estúdios da Universal. Gale explicou que seria impossível filmar em locação "porque nenhuma cidade iria deixar uma equipe de cinema remodelar sua praça para ficar igual aos anos 1950". Os cineastas decidiram "filmar tudo dos anos 50 primeiro, e fazer a cidade ficar muito bonita e maravilhosa. Então nos iriamos bagunçá-la e fazê-la bem sem vida e feia para as cenas dos anos 1980".[17] Os interiores da casa do Dr. Brown foram filmados na Robert R. Blacker House, enquanto os exteriores foram gravados na Gamble House.[18] As tomadas exteriores do Twin Pines Mall, posteriormente Lone Pine Mall, foram filmadas no estacionamento do Puente Hills Mall, em Industry, Califórnia. As tomadas exteriores e algumas das interiores da Hill Valley High School foram gravadas na Whittier High School, em Whittier, Califórnia, enquanto os testes para as bandas e o baile do "Encanto Submarino" foram filmados no ginásio da Hollywood United Methodist Church. As cenas do lado de fora da casa dos Baines na década de 1950 foram filmadas na Bushnell Avenue, South Pasadena, Califórnia.[19]

As filmagens se encerraram depois de 100 dias, em 20 de abril de 1985, e o filme foi adiado de maio para agosto. Porém depois de uma exibição teste altamente positiva ("Eu nunca havia visto uma pré-estréia como aquela", disse o produtor executivo Frank Marshall, "o público foi até o teto"), Sheinberg decidiu mudar a data de lançamento para 3 de julho. Para garantir que o filme alcançasse sua nova data de estréia, dois editores, Arthur Schmidt e Harry Keramidas, foram contratados para trabalharem no filme, com muitos editores de som trabalhando em turnos de 24 horas. Oito minutos de imagens foram cortadas, incluindo Marty vendo sua mãe colar em uma prova, George ficando preso em uma cabine telefônica antes de resgatar Lorraine, como também muito de Marty fingindo ser "Darth Vader do planeta Vulcano". Zemeckis quase cortou a sequência de "Johnny B. Goode", já que ele achava que ela não avançava a história, porém os públicos teste amaram a cena, então ele a deixou. A Industrial Light & Magic criou as 32 tomadas de efeitos do filme, que não satisfizeram Zemeckis e Gale até uma semana antes da data de finalização do filme.[6]

Música[editar | editar código-fonte]

Alan Silvestri havia colaborado com Zemeckis em Romancing the Stone, porém Spielberg ficou insatisfeito com sua trilha inicial para Back to the Future. Zemeckis aconselhou que Silvestri fizesse com que suas composições fossem grandes e épicas, apesar da pequena escala do filme, para impressionar Spielberg. Silvestri começou a retrabalhar sua trilha duas semanas antes da primeira pré-estréia. Ele também sugeriu que Huey Lewis and the News criasse uma canção tema. A primeira tentativa da banda foi rejeitada pela Universal, antes deles gravarem "The Power of Love".[17] O estúdio adorou a canção final, porém ficou desapontado que a letra não tinha o título do filme, então eles enviaram memorandos para as estações de rádio sempre mencionarem a associação com Back to the Future.[6] No final, a faixa "Back in Time" apareceu no filme, tocada quando Marty acorda depois de retornar de 1955, e mais tarde durante os créditos finais. Huey Lewis faz uma ponta no filme como o professor escolar que rejeita a banda de Marty por tocarem muito alto.[17]

Apesar de parecer que Michael J. Fox está realmente tocando uma guitarra, o supervisor musical Bones Howe contratou o professor de guitarra e músico Paul Hanson para ensinar Fox como simular todas as suas partes e fazer com que tudo parecesse realista, incluindo tocar com a guitarra atrás da cabeça. O músico veterano Tim May tocou as verdadeiras partes da guitarra com Mark Campbell fazendo o trabalho vocal em "Johnny B. Goode", com Hanson tocando a seção do começo do filme durante a cena com os testes para bandas.

O lançamento original de 1985 do álbum oficial da trilha sonora incluía apenas duas faixas das composições de Silvestri para o filme, ambas as faixas de Huey Lewis, as canções tocadas pelo Marvin Berry and The Starlighters (e Marty McFly), uma das canções da década de 1950 do filme, e duas canções pop que apareceram brevemente no/ao fundo. Em 24 de novembro de 2009, uma edição autorizada, e limitada, de 2 CDs contendo a trilha sonora completa de Silvestri, e algumas versões alternativas não usadas, foi lançada pela Intrada Records.[20] [21]

Repercussão[editar | editar código-fonte]

Lançamento[editar | editar código-fonte]

Back to the Future estreou no dia 3 de julho de 1985 em 1.200 salas na América do Norte. Zemeckis estava preocupado que o filme seria um fracasso por Fox estar gravando um especial de Family Ties em Londres e não estava disponível para promover o filme. Gale também estava insatisfeito com a tagline criada pela Universal: "Você está me dizendo que minha mãe tem tesão por mim?". Mesmo assim, Back to the Future passou 11 semanas como número um nas bilheterias.[6] Gale lembra "Nossa segunda semana foi melhor que a primeira, o que indica um excelente boca a boca. National Lampoon's European Vacation veio em agosto e nos tirou da primeira posição por uma semana e depois nós voltamos para o número um".[8] O filme acabou arrecadando US$ 210.609.762 na América do Norte e US$ 170.500.000 em outros territórios, acumulando um total mundial de US$ 381.109.762.[2] Back to the Future teve o quarto melhor fim de semana de estreia de 1985, e foi o filme de maior arrecadação do ano.[22] O filme recebeu um re-lançamento especial de 25 anos nos Estados Unidos e no Reino Unido em outubro de 2010 para coincidir com o lançamento em Blu-ray e DVD de 25 anos da Universal Studios Home Video.[23] [24] Para o re-lançamento, Back to the Future foi restaurado e remasterizado.[25]

Crítica[editar | editar código-fonte]

Back to the Future foi aclamado pela crítica especializada. Roger Ebert sentiu que o filme possuía temas similares aos filmes de Frank Capra, especialmente It's a Wonderful Life. Ebert comentou que "Steven Spielberg está emulando o grande e autentico passado do cinema clássico de Hollywood, que se especializou em combinar o diretor certo (Robert Zemeckis) com o projeto certo".[26] Janet Maslin, do The New York Times, acredita que o filme tem uma linha de história equilibrada: "É uma invenção cinematográfica do humor e caprichosos contos por um longo tempo ainda por vir".[27] Christopher Null, que assistiu ao filme pela primeira vez quando adolescente, o chamou de "um excelente filme dos anos 1980, que combina ficção científica, ação, comédia e romance em um perfeito pequeno pacote que tanto crianças e adultos irão devorar".[28] Dave Kehr, do Chicago Reader, achou que Gale e Zemeckis haviam escrito um roteiro que equilibrava perfeitamente ficção científica, seriedade e humor.[29] A Variety aplaudiu as interpretações, argumentado que Fox e Lloyd imbutiram em Marty e Brown uma amizade com qualidade reminiscente de Rei Artur e Merlin.[30] A BBC elogiou os meandros do "espetacularmente executado" roteiro, afirmando que "ninguém diz algo que não vai se tornar importante para o enredo mais tarde".[31]

O agregador Rotten Tomatoes relata que 97% dos críticos deram a Back to the Future uma resenha positiva, baseado em 61 resenhas, com uma nota média de 8,6/10, e o consenso, "Inventivo e engraçado, Back to the Future é uma maravilhosa aventura de viagem no tempo com um espírito inesquecível".[32]

Prêmios[editar | editar código-fonte]

Back to the Future venceu o Oscar de Melhor Edição de Som, para Charles Campbell e Robert Rutledge, enquanto "The Power of Love" foi indicada para Melhor Canção Original, Zemeckis e Gale para Melhor Roteiro Original e Bill Varney, B. Tennyson Sebastian II, Robert Thirlwell e William B. Kaplan para Melhor Mixagem de Som.[33] O filme venceu o Hugo Award de Melhor Apresentação Dramática[34] e o Saturn Award de Melhor Filme de Ficção Científica. Fox e os desenhistas de efeitos visuais também venceram em suas respectivas categorias, enquanto Zemeckis, Silvestri, os figurinistas e os coadjuvantes Lloyd, Thompson, Glover e Wilson também foram indicados.[35] O filme também recebeu várias indicações ao BAFTA Awards, nas categorias de Melhor Filme, Melhor Roteiro Original (Zemeckis e Gale), Melhores Efeitos Visuais Especiais (Kevin Pike e Ken Ralston), Melhor Desenho de Produção (Lawrence G. Paull) e e Melhor Edição (Harry Keramidas e Arthur Schmidt).[36] No Golden Globe Awards, Back to the Future foi indicado nas categorias de Melhor Filme – Comédia ou Musical, Melhor Canção Original (por "The Power of Love"), Melhor Ator – Comédia ou Musical (Fox) e Melhor Roteiro (Zemeckis e Gale).[37]

Legado[editar | editar código-fonte]

A Máquina do Tempo montada em um DeLorean DMC-12.

O Presidente Ronald Reagan, um fã do filme, se referiu a ele em seu Discurso sobre o Estado da União de 1986, dizendo "Nunca houve um período mais excitante para se viver, um período de maravilhas estimulantes e realizações heroicas. Como eles dizem no filme Back to the Future, 'Para onde vamos, não precisamos de estradas'".[38] Quando ele viu pela primeira vez a piada sobre ele ser o Presidente dos Estados Unidos, Reagan fez o projecionista do cinema parar o filme, rebobiná-lo, e exibir a cena novamente.[4]

O filme está na 28ª posição da lista da Entertainment Weekly dos "50 Melhores Filmes Colegiais".[39] Em 2008, Back to the Future foi votado como o 23º melhor filme da história pelos leitores da Empire.[40] Ele também foi colocado em uma lista similar pelo The New York Times, uma lista de 1000 filmes.[41] Em janeiro de 2010, a Total Film incluiu o filme em sua lista dos "100 Melhores Filmes de Todos os Tempos".[42] Em 27 de dezembro de 2007, Back to the Future foi selecionado para preservação no National Film Registry da Biblioteca do Congresso dos Estados Unidos, sendo considerado "culturalmente, historicamente ou esteticamente significante".[43] Em 2006, o roteiro original de Back to the Future foi selecionado pelo Writers Guild of America como o 56º melhor roteiro da história.[44]

Em junho de 2008, o American Film Institute revelou sua AFI's 10 Top 10—os dez melhores em dez gêneros "clássicos" do cinema americano—depois de uma pesquisa com mais de 1.500 pessoas da comunidade criativa. Back to the Future foi reconhecido como o 10º melhor filme do gênero de ficção científica.[45]

O DeLorean está permanentemente estacionado no parque da Universal Studios Hollywood em Orlando, Flórida, para os visitantes tirarem fotos.

The original Back to the Future DeLorean is permanently parked at Universal Studios Hollywood! 

Existe também uma banda com o nome McFly, dedicado a este filme.

Referências

  1. http://www.imdb.com/title/tt0088763/releaseinfo Datas de lançamento do Filme, segundo o IMDB
  2. a b c Back to the Future (1985) Box Office Mojo. Visitado em 18 de setembro de 2011.
  3. Zemeckis, Robert (Diretor). Back to the Future. Estados Unidos: Universal Pictures, 1985.
  4. a b c (DVD) Back to the Future, The Complete Trilogy - "The Making of the Trilogy, Part 1". Universal Home Video. 2002.
  5. a b c d Klastornin & Hibbin 1990, pp. 1–10
  6. a b c d e f g h i j k l m n o Freer, Ian. (janeiro de 2003). "The making of Back to the Future". Empire: pp. 183–187.
  7. Klastornin & Hibbin 1990, pp. 61–70
  8. a b Holleran, Scott (18 de novembro de 2003). Brain Storm: An Interview with Bob Gale Box Office Mojo. Visitado em 21 de setembro de 2011.
  9. McBride 1997, pp. 384–385
  10. a b Klastornin & Hibbin 1990, pp. 11–20
  11. Kagan 2003, pp. 63–92
  12. a b c Zemeckis, Robert; Gale, Bob. (DVD) Back to the Future: The Complete Trilogy - "comentários em áudio". Universal Home Video. 2005.
  13. Klastornin & Hibbin 1990, pp. 31–40
  14. Zemeckis, Robert; Gale, Bob. (DVD) Back to the Future: The Complete Trilogy - "Q&A". Universal Home Video. 2002
  15. Hickerson, Michael (19 de março de 2010). Glover Says Why He Was Left Out of “Back to the Future” Sequels Slice of SciFi. Visitado em 21 de setembro de 2011.
  16. Klastornin & Hibbin 1990, pp. 21–30
  17. a b c d Fox, Michael J.; Zemeckis, Robert, Gale, Bob; Spielberg, Steven; Silvestri, Alan. The Making of Back to the Future (especial para a televisão). 1985. NBC.
  18. Klastornin & Hibbin 1990, pp. 41–50
  19. (DVD) Back to the Future, The Complete Trilogy - "notas da produção". Universal Home Video. 2002.
  20. Thanks to Intrada, We're Going BACK TO THE FUTURE (via Alan Silvestri and his score)! Ain't It Cool News (24 de novembro de 2009). Visitado em 21 de setembro de 2011.
  21. BACK TO THE FUTURE (2 CD SET) Intrada Records. Visitado em 21 de setembro de 2011.
  22. 1985 Yearly Box Office Results Box Office Mojo. Visitado em 22 de setembro de 2011.
  23. Cericola, Rachel (29 de julho de 2010). Back to the Future: 25th Anniversary Trilogy Coming to Blu-ray Big Picture Big Sound. Visitado em 22 de setembro de 2011.
  24. ‘Back To The Future’ To Receive 25th Anniversary Theatrical Re-Release Icon vs. Icon (28 de setembro de 2010). Visitado em 22 de setembro de 2011.
  25. 'Back to the Future' 25 years later The Independent (29 de setembro de 2010). Visitado em 22 de setembro de 2011.
  26. Ebert, Roger (3 de julho de 1985). Back To The Future (PG) Chicago Sun-Times. Visitado em 22 de setembro de 2011.
  27. Maslin, Janet. (3 de julho de 1985). "Back to the Future". The New York Times.
  28. Null, Christopher. Back to the Future FilmCritic.com. Visitado em 22 de setembro de 2011.
  29. Kehr, Dave (26 de fevereiro de 2007). Back to the Future Chicago Reader. [ligação inativa]
  30. Back to the Future Variety (1 de julho de 1985). Visitado em 22 de setembro de 2011.
  31. Back to the Future (1985) BBC. Visitado em 22 de setembro de 2011.
  32. Back to the Future (1985) Rotten Tomatoes. Visitado em 22 de setembro de 2011.
  33. Back to the Future Academy Awards Database The Academy of Motion Picture Arts and Sciences. Visitado em 22 de setembro de 2011.
  34. 1986 Hugo Awards The Hugo Awards. Visitado em 22 de setembro de 2011.
  35. Past Saturn Awards Saturn Awards. Visitado em 22 de setembro de 2011.
  36. Back to the Future Awards Database British Academy of Film and Television Arts. Visitado em 22 de setembro de 2011.
  37. BACK TO THE FUTURE Awards Search Hollywood Foreign Press Association. Visitado em 22 de setembro de 2011.
  38. ADDRESS BEFORE A JOINT SESSION OF THE CONGRESS REPORTING ON THE STATE OF THE UNION Reagan 2020 (4 de fevereiro de 1986). Visitado em 22 de setembro de 2011.
  39. Cruz, Gilbert (31 de julho de 2008). Head of the Class: The 50 Best High School Movies Entertainment Weekly. Visitado em 22 de setembro de 2011.
  40. The 500 Greatest Films Of All Time Empire (2008). Visitado em 22 de setembro de 2011.
  41. The Best 1,000 Movies Ever Made The New York Times (29 de abril de 2003). Visitado em 22 de setembro de 2011.
  42. 100 Greatest Movies Of All Time Total Film (25 de janeiro de 2010). Visitado em 22 de setembro de 2011.
  43. Films Selected to the National Film Registry, Library of Congress - 2007 National Film Registry. Visitado em 22 de setembro de 2011.
  44. 101 List Writers Guild of America (2006). Visitado em 22 de setembro de 2011.
  45. AFI Crowns Top 10 Films in 10 Classic Genres ComingSoon.net (17 de junho de 2008). Visitado em 22 de setembro de 2011.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Kagan, Norman. The Cinema of Robert Zemeckis. Lanham: Rowman & Littlefield, 2003. Capítulo: Back to the Future I (1985), II (1989), III (1990). ISBN 0-87833-293-6.
  • Klastornin, Michael; Hibbin, Sally. Back To The Future: The Official Book Of The Complete Movie Trilogy. Londres: Hamlyn, 1990. ISBN 0-600-571041.
  • McBride, Joseph. Steven Spielberg: A Biography. Nova Iorque: Faber and Faber, 1997. ISBN 0-571-19177-0.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Back to the Future