Cinema da década de 1990

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou se(c)ção não cita fontes fiáveis e independentes (desde maio de 2010). Por favor, adicione referências e insira-as no texto ou no rodapé, conforme o livro de estilo. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.

No cinema da década de 1990, o "pop" casa-se com o "clássico" nas telas. A palavra de ordem é diversidade. O Silêncio dos Inocentes entra para a História ao ganhar os cinco principais Oscars; A Lista de Schindler emociona e choca multidões de pessoas pelo mundo; Forrest Gump apresenta um astro definitivo, Tom Hanks; Quentin Tarantino é revelado como um dos grandes gênios da modernidade e muda o rumo dos acontecimentos ao revolucionar com Pulp Fiction; Um Sonho de Liberdade emociona com uma das mais belas histórias do cinema; e Sharon Stone cruza fatalmente suas pernas em Instinto Selvagem.

A platéia se toca com histórias sensíveis, como a de The Piano e Magnolia. Tom Hanks ganha dois Oscares consecutivos e Julia Roberts se torna a musa da década ao estrelar Pretty Woman.

No Brasil, o cinema é novamente tratado como assunto sério e Central do Brasil conquista a crítica do mundo todo, vencendo o Festival de Berlim e o Globo de Ouro.

1990[editar | editar código-fonte]

1991[editar | editar código-fonte]

1992[editar | editar código-fonte]

1993[editar | editar código-fonte]

1994[editar | editar código-fonte]

1995[editar | editar código-fonte]

1996[editar | editar código-fonte]

1997[editar | editar código-fonte]

1998[editar | editar código-fonte]

1999[editar | editar código-fonte]