Economia do Líbano

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Economia do Líbano
Moeda libra libanesa
Ano fiscal Ano calendário
Blocos comerciais OMC, CCG e outros
Estatísticas
PIB 58,65 bilhões (2010) (87º lugar)
Variação do PIB 7,2% (2010)
PIB per capita 14.200 (2010)
PIB por setor agricultura 5,1%, indústria 15,9%, comércio e serviços 79% (2010)
Inflação (IPC) 3,7% (2010)
População
abaixo da linha de pobreza
28% (1999)
Força de trabalho total 1 481 000 (2010)
Força de trabalho
por ocupação
n/d
Desemprego n/d
Principais indústrias bancos, turismo, processamento de alimentos, vinho, joalheria, cimento, têxteis, produtos químicos e minerais, madeira e móveis, refino de petróleo, fabricação de metais
Exterior
Exportações 5 187 milhões (2010)
Produtos exportados joias, metais de base, produtos químicos, bens de consumo diversos, frutas e legumes, tabaco, materiais de construção, máquinas para geração de energia, fibras têxteis, papel
Principais parceiros de exportação Suíça 22%, Emirados Árabes Unidos 10%, Iraque 8%, Arábia Saudita 7%, Síria 6% (2009)
Importações 17 970 milhões (2010)
Produtos importados derivados de petróleo, automóveis, produtos medicinais, roupas, carne e animais vivos, bens de consumo, papel, tecidos para confecção, tabaco, máquinas e equipamentos elétricos, produtos químicos
Principais parceiros de importação Estados Unidos 11%, França 10%, República Popular da China 9%, Itália 8%, Alemanha 8%, Turquia 4% (2009)
Dívida externa bruta 34,45 bilhões (2010)
Finanças públicas
Receitas 9 001 milhões (2010)
Despesas 10 950 milhões (2010)
Fonte principal: CIA World Fact Book
Salvo indicação contrária, os valores estão em US$

A economia do Líbano, tal como a sua qualidade de vida, já foi das mais prósperas de todo o Oriente Médio, porém com a guerra civil libanesa entre 1975 e 1990, toda a economia do país foi abalada, a produção nacional foi cortada pela metade e o país deixou de figurar como centro financeiro regional1 .

Com o término do conflito interno e a recuperação da estabilidade política, o país mobilizou-se na reconstrução. Para realizá-la, o Líbano recebeu de imediato cerca de US$ 15 bilhões de países como França e Alemanha e, atualmente, também dos Estados Unidos. Com a infra-estrutura reconstruída, a economia voltou a crescer com uma das mais altas taxas do mundo, tornando-se um pólo de crescimento na região. A capital, Beirute (apelidada de "a Paris do Oriente") voltou a ganhar destaque no cenário regional, sediando vários eventos.

O país voltou a ser chamado de "Suíça do Oriente" devido às atividades financeiras ali realizadas. A reconstrução de monumentos e infra-estrutura tem atraído o turismo que cresce a cada ano.

Atualmente, o país voltou a ter um dos mais elevados padrões de vida do Oriente Médio. Sua economia é baseada no livre mercado e não há restrições do governo aos investimentos estrangeiros. Entretanto, o clima dos investimentos sofre com subornos, corrupção, decisões arbitrárias de licenciamentos, altos impostos e taxações, legislação arcaica e pouca proteção aos direitos de propriedade intelectual1 . Os serviços, principalmente os bancos e o turismo, são importantes fontes de riqueza1 .

O PIB do Líbano tem mantido uma alta taxa de crescimento anual que, desde o final da guerra, tem se mantido entre 5,5% a 7% anuais.

Produto Interno Bruto (2003): US$ 19 bilhões.

Participação no PIB: Turismo e comércio: 60%, Agricultura: 20%, Indústria: 20%

Principais produtos agropecuários: cítricos, uva, tomate, maçã, hortaliças, batata, azeitona, tabaco; criação de ovelhas e cabras

Referências

Ícone de esboço Este artigo sobre economia é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.


Flag-map of Lebanon.svg Líbano
História • Política • Subdivisões • Geografia • Economia • Demografia • Cultura • Turismo • Portal • Imagens