Batistas do Sétimo Dia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Wikitext.svg
Este artigo ou seção precisa ser wikificado (desde dezembro de 2012).
Por favor ajude a formatar este artigo de acordo com as diretrizes estabelecidas no livro de estilo.

Os Batistas do Sétimo Dia são batistas tradicionais, porque praticam os princípios batistas, porém com uma pequena diferença, pois guardam o sábado, o sétimo dia da semana, como dia santo ao Senhor. São pessoas do convênio, baseadas no conceito da sociedade regenerada, do batismo do crente, do governo congregacional e da base escriturística de opinião e prática.

Os batistas do sétimo dia apresentam o sábado como um sinal de obediência em um relacionamento de aliança com Deus e não como uma condição de salvação.

A Conferência Geral dos Batistas do Sétimo Dia foi organizada em 1801 e reúne membros de 20 países.

Declaração de Fé[editar | editar código-fonte]

Searchtool.svg
Esta página ou secção foi marcada para revisão, devido a inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa. Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a consistência e o rigor deste artigo. Considere utilizar {{revisão-sobre}} para associar este artigo com um WikiProjeto e colocar uma explicação mais detalhada na discussão.

Liberdade de Consciência

Os Batistas do Sétimo Dia consideram a liberdade de consciência debaixo da direção do Espírito Santo como essencial à convicção e prática cristãs. Então nós encorajamos o estudo e a discussão aberta das Escrituras. Defendemos a liberdade individual de consciência em procurar entender e obedecer a vontade de Deus. Por isso, não temos um credo obrigatório. Não é nossa pretensão que a declaração seguinte seja exaustiva, mas é uma convicção comum que é derivada de nossa compreensão das Escrituras (II Coríntios 3:17, 18; II Timóteo 2:15; 3:16, 17; Romanos 12:2; 10:17; Efésios 4:3-6,15, Mateus 18:15-20; Lucas 22:24-27; Atos 6:1-6; 2:44, 45; Colossenses 3:15-17; I Pedro 5:1-5).

Deus, o Pai

Nós cremos em um Deus, infinito e perfeito, o criador e sustentador do universo, que existe eternamente em três pessoas, Pai, Filho e Espírito Santo, e deseja compartilhar o seu amor de uma maneira pessoal com cada um. Cremos em Deus, o Pai, que é soberano acima de tudo, manifestando seu imenso amor e justiça, tanto perdoando o arrependido como condenando o que não se arrepende (Gênesis 1:1; Isaías 25:1-9; Salmos 90:1, 2; 91:2; João 4:24; 5:24; 3:16-18; I Timóteo 1:17; Deuteronômio 6:4-9; I Reis 8:27; I João 1:5; Atos 17:24, 25,28; II Pedro 3:9; I Coríntios 8:6; Efésios 4:6; Ezequiel 33:11; II Tessalonicenses 1:6-8).

Deus, o Filho

Nós cremos em um Deus, infinito e perfeito, o criador e sustentador do universo, que existe eternamente em três pessoas, Pai, Filho e Espírito Santo, e deseja compartilhar o seu amor de uma maneira pessoal com cada um. Cremos em Deus, o Filho, encarnado na pessoa de Jesus Cristo, nosso Senhor e Salvador. Ele se deu na cruz como sacrifício completo e final pelo pecado. Como nosso Senhor ressurreto, ele é o mediador entre Deus, o Pai e o ser humano (João 1:14-18,34; 3:16; 12:32; 14:6; Hebreus 1:3; Romanos 1:3-5; I João 3:16; 2:1, 2; Gálatas 4:4-6; I Pedro 2:24; Hebreus 10:10-14; I Coríntios 15:20-23; I Timóteo 2:5; Efésios 1:18-23).

Deus, o Espírito Santo

Nós cremos em um Deus, infinito e perfeito, o criador e sustentador do universo, que existe eternamente em três pessoas, Pai, Filho e Espírito Santo, e deseja compartilhar o seu amor de uma maneira pessoal com cada um. Cremos em Deus, o Espírito Santo, o Consolador que dá o nascimento espiritual, vive nos crentes, e capacita-os para o testemunho e serviço. Nós cremos que o Espírito Santo inspirou as Escrituras, convence o ser humano do pecado e instrui o crente na verdade e retidão (João 14:16, 17,26; 16:7-14; Atos 1:8; Romanos 5:5; II Pedro 1:20, 21; I Coríntios 12:4-11).

A Bíblia

Nós cremos que a Bíblia é a Palavra inspirada de Deus e é nossa autoridade final em assuntos de fé e prática. Cremos que Jesus Cristo, em sua vida e ensinos como registrado na Bíblia, é o intérprete supremo da vontade de Deus para o ser humano (II Tim 3:14-17; II Pedro 1:20, 21; 3:1, 2, 15,16; Hebreus 4:12; 1:1, 2; João 20:30, 31; Romanos 3:2; Mateus 5:17-19; Salmos 119:105).

O Ser Humano

Nós cremos que o ser humano foi criado à imagem e semelhança de Deus e é a obra mais nobre de toda criação. Cremos que os seres humanos têm responsabilidades morais, e foram criados para desfrutar de uma comunhão com Deus e com os demais seres humanos, como filhos de Deus (Gênesis 1:26, 27: Salmos 8:3-8; Miquéias 6:8; Mateus 5:44-48).

Pecado e Salvação

Nós cremos que pecado é a desobediência a Deus e o fracasso em viver de acordo com a sua vontade. Por causa do pecado todas as pessoas se separaram de Deus. Acreditamos em virtude de sermos pecadores, necessitamos de um Salvador. Cremos que a salvação do pecado e da morte é o dom de Deus manifestando seu amor na redenção através da morte e ressurreição de Cristo, e só é recebido por arrependimento e fé nele. Cremos que todos que se arrependem do pecado e recebem a Cristo como Salvador não serão castigados no julgamento final, mas desfrutarão da vida eterna (I João 1:3, 8-10; 3:4, 5; João 1:12; 3:16-18,38; 14:6; Romanos 3:21-25; 5:6-8,10; 6:23; Efésios 2:8, 9; II Tessalonicenses 1:5-9; Apocalipse 20:11-15; Isaías 59:2; Hebreus 9:10-14; I Pedro 1:3; Mateus 25:41, 46).

A Vida Eterna

Nós cremos que Jesus ressuscitou da morte e vive eternamente com o Pai, e que ele virá novamente com poder e grande glória. Cremos que a vida eterna começa no conhecimento de Deus através de um compromisso com Jesus Cristo. Cremos que porque ele morreu e ressuscitou, a ressurreição com corpos espirituais e imperecíveis é o dom de Deus aos crentes (João 3:14-16; 6:40; 10:27, 28; 17:1-3; Romanos 6:23; 5:14; 17:6-11; Lucas 24:1-6; Mateus 28:1-8; 23:12, 13,30; 25:31-34,46; I Coríntios 15:20-22, 42-44, 53-54; I João 5:11-13; Colossenses 3:1-4; I Tessalonicenses 4:13-18; Tito 2:13).

A Igreja

Nós cremos que a igreja de Deus é constituída de todos os crentes reunidos pelo Espírito Santo e unidos em um corpo do qual Cristo é a cabeça. Cremos que a igreja local é uma comunidade de crentes organizada numa relação de aliança, ou pacto, para adoração, companheirismo e serviço, praticando e proclamando convicções comuns, enquanto cresce na graça e no conhecimento de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo. Cremos no sacerdócio de todos os crentes e procuramos trabalhar juntos para testemunho mais efetivo (Atos 20:28; 2:42; I Coríntios 12:13, 14,27; Colossenses 1:18; Romanos 12:4, 5; I Pedro 2:4-10; Mateus 18:20; Efésios 2:19-22; 4:11-16; II Pedro 3:18; Hebreus 10:25, 25).

O Batismo

Cremos que o batismo de crentes em obediência à ordem de Cristo é um testemunho à aceitação de Jesus Cristo como Salvador e Senhor. Nós cremos no batismo por imersão como um símbolo da morte para o pecado, um penhor para uma vida nova nele (Mateus 28: 19,20; Romanos 6:3, 4,11; Atos 2:38-41; Colossenses 2:12; I Pedro 3:21; Gálatas 3:26, 27).

A Ceia do Senhor

Nós cremos que a Ceia do Senhor rememora a Paixão e a morte do Redentor da humanidade até que ele volte, e é um símbolo da fraternidade cristã e um penhor da renovada lealdade ao nosso Senhor ressurreto. Cremos também que o lava-pés foi praticado e ordenado por Jesus, e que como um ato de fé, humildade e amor, deve anteceder à comunhão da Ceia do Senhor (Marcos 14:22-25; I Coríntios 10:16, 17; 11:23-30; Mateus 26:26-29).

O Sábado Sagrado

Nós cremos que o sábado sagrado da Bíblia, o sétimo dia da semana, é tempo sagrado, um dom de Deus para todas as pessoas, instituído na criação, afirmado nos dez mandamentos e reafirmado no ensino e exemplo de Jesus e dos apóstolos. Cremos que o dom do repouso do sábado sagrado é uma experiência da presença eterna de Deus com seu povo. Acreditamos que em obediência a Deus e em resposta amorosa à sua graça em Cristo, o sábado sagrado deveria ser observado fielmente como um dia de descanso, adoração e celebração. (Gênesis 2:2, 3; Êxodo 16:23-30; 20:8-11; Marcos 2:27, 28; Lucas 4:16; Atos 13:14, 42-44; 16:11-13; 17:2, 3; 18:4-11; João 14:15; Mateus 5:17-19; Isaías 58:13,14; Ezequiel 29:19, 20; Heb 4:9, 10).

Evangelismo

Nós cremos que Jesus Cristo nos comissiona a proclamar o evangelho, fazer discípulos, batizar e ensinar a observância de tudo aquilo que ele ordenou. Nós somos chamados para ser testemunhas de Cristo para todo o mundo e em todas as relações humanas (Mateus 28:18-20; 24:14; Atos 1:8; II Coríntios 4:1, 2, 5,6; 5:17-20; Salmos 96:2, 3; I Pedro 3:15, 16; Efésios 6:14-20; Marcos 16:15).

Origens na Inglaterra[editar | editar código-fonte]

Os Batistas do Sétimo Dia datam sua origem com o movimento separatista do século XVII, na Inglaterra. Com a ênfase renovada nas Escrituras para a doutrina e a prática livres da igreja, homens tais como James Ockford, William Saller, Peter Chamberlain, Francis Bampfield, Edward e Joseph Stennett concluíram que se observar o Sábado do sétimo dia era uma exigência imprescindível do cristianismo bíblico. Permaneceram unidos dentro da irmandade batista tendo convicções compartilhadas, praticando, porém, a observância confidencial Sábado do sétimo dia. A partir do momento em que o poder do Estado foi usado para impor a conformação a um dia comum da adoração, a separação tornou-se necessária.

Têm-se registros deles desde 1617, na Inglaterra, quando a primeira Igreja Batista a guardar o sábado foi organizada, a Mill Yard Seventh Day Baptist Church, estabelecida em Londres, liderada por Peter Chamberlain. O primeiro livro de registro da Mill Yard foi destruído num incêndio, mas o segundo começa em 1673. Esta igreja batista do sétimo dia continua suas atividades até o presente (2010).

Batistas do Sétimo Dia nos EUA[editar | editar código-fonte]

Os Batistas do Sétimo Dia não cresceram muito na Inglaterra, mas atraíram adeptos na América do Norte e entre os Alemães. O estudo das Escrituras na América do Norte trouxe Samuel e Tacy Hubbard ao princípio batista do batismo do crente, em 1647, e a participação como membros da primeira igreja batista de Newport, Rhode Island. Começando em 1665, sua família e diversas outras se tornaram convencidas acerca do sábado do sétimo dia, unindo-se em aliança com Stephen Mumford e sua esposa, que haviam apreendido convicções acerca do Sábado, quando membros de uma igreja bapista em Tewksbury, Inglaterra. Quando assumiram publicamente suas convicções sobre o Sábado do sétimo dia, os demais entenderam ser difícil compartilhar da comunhão com eles dentro da primeira igreja batista de Newport. Assim, cinco membros juntaram-se com os Mumfords em um relacionamento de convênio, estabelecendo a Primeira Igreja Batista do Sétimo Dia na América do Norte, em 23 de dezembro de 1671. A igreja de Newport já não existe mais e muitos de seus membros também o eram da Igreja Batista do Sétimo Dia Ocidental. Esta igreja observou o sábado regularmente na casa de John Crandall, durante trinta anos. Em 1708 as duas igrejas se tornaram congregações separadas, mas mantiveram um companheirismo íntimo por muitos anos. A igreja Ocidental é chamada a Primeira Igreja Batista do Sétimo Dia de Hopkinton, cuja qual também está em plena atividade.

Uma separação similar ocorreu em 1705, em Piscataway, New Jersey, quando um diácono da igreja batista, Edmund Dunham, se tornou convencido da base bíblica para a observância do Sábado. Dunham e dezesseis outros retiraram-se para dar forma a sua própria igreja. Um terceiro grupo de igrejas saiu do Quakerismo, na área de Filadélfia, aproximadamente em 1700.

Outra Igreja Batista do Sétimo Dia antiga, também ainda em atividade, está em Nova Jersey. A Igreja Batista do Sétimo Dia de Shiloh, Nova Jersey, foi fundada em 22 de novembro de 1737, quando cerca de 40 homens se reuniram na casa de um membro da igreja de Shiloh.

Batistas do Sétimo Dia entre Germânicos[editar | editar código-fonte]

Um movimento pietista Dunker entre imigrantes alemães foi influenciado por aquele grupo oriundo do Quakerismo, aceitando a doutrina batista do sétimo dia, em Ephrata, Pensilvânia, aproximadamente entre 1728 e 1735. Isto conduziu à formação de uma conferência de irmãos denominada Sociedade Religiosa Alemã dos Batistas do Sétimo Dia, em 1814. Desde o começo, os batistas do sétimo dia seguiram a migração na direção ocidental, chegando na costa do Pacífico dos Estados Unidos por volta de 1900.

Batistas do Sétimo Dia na Austrália[editar | editar código-fonte]

É impossível falar da história dos batistas do sétimo dia na Austrália sem referência prévia aos batistas do sétimo dia da Nova Zelândia. A Igreja Batista do Sétimo Dia de Auckland se formou nos idos de 1930, com um grupo de ex-adventistas, sob a liderança do Rev. Francis Johnson. Admitiu-se como membro da Conferência Geral (EUA) em 1940. Por esta mesma época, um outro grupo de observadores do Sábado, foi trazido da Christchurch, sob a liderança do Rev. Edward Barrar M.A. B.D. que havia estudado no Melbourne College of Divinity and the Australian Missionary School, em Auckland, em 1941. Em 1942 Edward Barrar publicou um periódico chamado The Gospel Messenger. Nesse mesmo ano, viajou para a Austrália e pôde fazer contato com diversos Sabatistas australianos. Em 1944 a igreja Christchurch foi admitida na Conferência.

Fontes:Historia dos Batistas do Sétimo Dia - Don A. Sanford

Batistas do Sétimo Dia no Brasil[editar | editar código-fonte]

A Igreja Batista do Sétimo Dia no Brasil remonta de 1913, quando alguns alemães, membros da Igreja Adventista do Sétimo Dia de Curitiba, rejeitaram as profecias da Sra. Ellen G. White. E, 1916 eles organizaram a Igreja Evangélica Adventista. Em 1950 o grupo uniu-se com a Igreja Batista do Sétimo Dia dos Estados Unidos, adotando o presente nome e a identidade batista.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]