Marilena Chaui

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde novembro de 2012). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Marilena de Souza Chaui
Chauí em 2010 (foto: Ivone Perez/Rede Brasil Atual/flickr)
Nome completo Marilena de Souza Chaui
Nascimento 4 de setembro de 1941 (73 anos)
São Paulo, SP
Nacionalidade  brasileira
Cônjuge Michael Hall
Ocupação Professora / Filósofa
Cargo Professora da USP
Magnum opus A Nervura do Real
Página oficial
Currículo Lattes

Marilena de Souza Chaui (São Paulo, 4 de setembro de 1941) é professora de filosofia, historiadora de filosofia brasileira e membro do Partido dos Trabalhadores

É filha do jornalista Nicolau Alberto Chaui, de origem árabe,[1] e da professora Laura de Souza Chaui. Foi casada com o jornalista José Augusto de Mattos Berlinck (1938), com quem teve dois filhos - José Guilherme e Luciana. Atualmente é casada com Michael Hall, historiador e professor da Unicamp.

É professora titular de Filosofia Política e História da Filosofia Moderna da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo (FFLCH-USP), é mestre (1967, com Merleau-Ponty e a crítica do humanismo, sob a orientação do professor Bento Prado de Almeida Ferraz Júnior), doutora (1971, com Introdução à leitura de Espinosa, sob a orientação da professora Gilda Rocha de Mello e Souza) e livre docente de Filosofia (1977, com A nervura do real: Espinosa e a questão da liberdade) pela USP.

Além de extensa produção acadêmica, Marilena também publicou livros paradidáticos de Filosofia, voltados sobretudo para o público jovem ou não especializado. Seu livro O que é Ideologia (Ed. Brasiliense, Coleção Primeiros Passos), foi selecionado pelo Ministério da Educação e Cultura como livro didático obrigatório na rede pública de ensino, tornando-se desta forma um best-seller com mais de cem mil exemplares vendidos[2] , bastante acima da média de vendas dos livros não didáticos no Brasil.

Foi Secretária Municipal de Cultura de São Paulo, de 1989 a 1992, durante a administração de Luiza Erundina. (1988-1992).

Continua ligada ao Partido dos Trabalhadores (PT) e considera que a experiência à frente da Secretaria da Cultura do Município de São Paulo foi de extrema importância para tornar o trabalho ainda mais sintonizado com a realidade e os problemas nacionais.[3]

Polêmicas[editar | editar código-fonte]

Em 2013 causou polêmica em uma palestra em São Paulo ao afirmar que a "classe média" brasileira é fascista [4] . Segundo ela, "(...) a classe média é uma abominação política, porque é fascista, é uma abominação ética porque é violenta e é uma abominação cognitiva porque é ignorante." Apesar de ser largamente veiculada uma versão editada de sua fala, o argumento geral de sua palestra é que o conceito de classe média deve ser problematizado, sobretudo para explicar casos extremos em que membros da classe média assumem comportamentos inadequados em espaços públicos e incongruentes à vida em sociedade.


Na década de 1980, um artigo de autoria do José Guilherme Merquior, diplomata brasileiro, crítico literário e ensaísta foi publicado no jornal a Folha de S. Paulo onde questionava Marilena Chauí de ter feito um plágio do filósofo francês Claude Lefort (1924-2010). Alguns intelectuais saíram em defesa de de Marilena, incluindo o professor Roberto Romano[5] , professor de ética da Unicamp, e Maria Sylvia de Carvalho Franco. As acusações suscitaram um debate sobre os limites entre influência intelectual e plágio e o episódio rendeu a Marilena um poema chamado a “A Xeroxona”, de autoria de Bruno Tolentino [6] .

Também foi acusada de plágio pelo colunista da revista Veja Reinaldo Azevedo pelo conteúdo de seu livro “Convite à Filosofia”. Em seu blog, Reinaldo reproduziu uma carta de um leitor comunicado que o livro de Chauí, teria plagiado a obra “Introduccion a la filosofia”, escrita em 1947, de autoria do filósofo espanhol Julián Marías. Segundo a a carta, o livro de Chauí ao abordar o tema das três concepções de verdade (p. 99) este seria uma cópia do livro de Marías, pois na página 104 da 3º edição da versão espanhola, traz o subtítulo “Três conceptos de la verdad”. Ainda segundo o blog de Reinaldo Azevedo, a afirmação de plágio também teria sido divulgada pelo ensaísta e filósofo Olavo de Carvalho.[7]

Frases e Comentários[editar | editar código-fonte]

“Se abandonar a ingenuidade e os preconceitos do senso comum for útil; se não se deixar guiar pela submissão às idéias dominantes e aos poderes estabelecidos for útil; se buscar compreender a significação do mundo, da cultura, da história for útil; se conhecer o sentido das criações humanas nas artes, nas ciências e na política for útil; se dar a cada um de nós e à nossa sociedade os meios para serem conscientes de si e de suas ações numa prática que deseja a liberdade e a felicidade para todos for útil, então podemos dizer que a Filosofia é o mais útil de todos os saberes de que os seres humanos são capazes.”

"A alegria é o que sentimos quando percebemos o aumento de nossa realidade, isto é, de nossa força interna e capacidade para agir. Aumento de pensamento e de ação, a alegria é caminho da autonomia individual e política. A tristeza é o que sentimos ao perceber a diminuição de nossa realidade, de nossa capacidade para agir, o aumento de nossa impotência e a perda da autonomia. A tristeza é o caminho da servidão individual e política, sendo suas formas mais costumeiras o ódio e o medo recíprocos."

"Desejo é relação entre seres humanos carentes. Por isso amamos até à loucura e odiamos até a morte: nosso ser está em jogo em cada e em todos os afetos. Desejo é paixão,diziam os clássicos."

"As pessoas que, desgostosas e decepcionadas, não querem ouvir falar em política, recusam-se a participar de atividades sociais que possam ter finalidade ou cunho políticos, afastam-se de tudo quanto lembre atividades políticas, mesmo tais pessoas, com seu isolamento e sua recusa, estão fazendo política, pois estão deixando que as coisas fiquem como estão e, portanto, que a política existente continue tal qual é. A apatia social é, pois, uma forma passiva de fazer política."

Alguns prêmios e títulos[editar | editar código-fonte]

Livros[editar | editar código-fonte]

Portal A Wikipédia possui o:
Portal de Filosofia

Marilena Chauí é autora de vários livros, dentre os quais [por ordem alfabética]:

  • "A Ideologia da Competência",
  • "A Nervura do Real",
  • "Brasil: Mito Fundador e Sociedade Autoritária",
  • "Boas-vindas à Filosofia",
  • "Cidadania Cultural",
  • "Conformismo e Resistência",
  • "Contra a Servidão Voluntária",
  • "Cultura e Democracia, o Discurso Competente",
  • "Da Realidade sem Mistérios ao Mistério do Mundo",
  • "Desejo, Paixão e Ação na Ética de Espinosa",
  • "Dialética Marxista e Dialética Hegeliana",
  • "Direitos Humanos, Democracia e Desenvolvimento",
  • "Eja - Filosofia e Sociologia",
  • "Escritos Sobre a Universidade",
  • "Espinosa: Uma Filosofia da Liberdade",
  • "Experiência do Pensamento",
  • "Filosofia: Volume Único",
  • "Ideologia e Mobilização Popular",
  • "Introdução à História da Filosofia" (Vol. I e II),
  • "Manifestações Ideológicas do Autoritarismo Brasileiro",
  • "O Convite à Filosofia",
  • "O que é Ideologia",
  • "O Ser Humano é um Ser Social",
  • "Política em Espinosa" ,
  • "Professoras na Cozinha",
  • "Repressão Sexual",
  • "Simulacro e poder".

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Marilena Chauí