André da Grécia e Dinamarca

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou se(c)ção não cita fontes fiáveis e independentes (desde julho de 2014). Por favor, adicione referências e insira-as no texto ou no rodapé, conforme o livro de estilo. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
André da Grécia e Dinamarca
Príncipe da Grécia e Dinamarca
Laszlo - Prince Andrew of Greece.jpg
Príncipe André, num retrato de Philip de László
Governo
Consorte Alice de Battenberg
Casa Real Casa de Schleswig-Holstein-Sonderburg-Glücksburg
Vida
Nascimento 20 de Janeiro de 1882
Atenas, Grécia
Morte 3 de dezembro de 1944 (62 anos)
Monte Carlo, Mónaco
Sepultamento Cemitério Real do Palácio de Tatoi, Grécia Grécia
Filhos Princesa Margarida
Princesa Teodora
Princesa Cecília
Princesa Sofia
Príncipe Filipe
Pai Jorge I da Grécia
Mãe Olga Constantinovna da Rússia

André da Grécia nascido Πρίγκιπας Ανδρέας της Ελλάδας, (20 de janeiro/2 de fevereiro de 18823 de dezembro de 1944) da casa de Schleswig-Holstein-Sonderburg-Glücksburg, foi a sétima criança e quarto filho a nascer do rei Jorge I da Grécia e da grã-duquesa Olga Constantinovna da Rússia.

Iniciou a sua carreira militar cedo e foi nomeado oficial do exército grego. As suas posições de comando eram nomeações reais e não honorários e ele prestou serviço durante as Guerras dos Balcãs. Em 1913, o seu pai foi assassinado e o irmão mais velho de André, Constantino, tornou-se rei. Insatisfação com a política de neutralidade do irmão durante a Primeira Guerra Mundial, levou à sua abdicação e ao exílio de grande parte da família real, incluindo André. No seu regresso alguns anos mais tarde, o Príncipe prestou serviço na Guerra Greco-Turca de 1920 - 1921, que acabou mal para a Grécia. André acabou sendo culpado pela perda de parte do território grego, tendo de se exilar novamente em 1922. Passou grande parte de sua vida na França.

Em 1930, ele encontrava-se afastado da sua mulher, a Princesa Alice de Battenberg. O seu filho, o príncipe Filipe, serviu na marinha britânica durante a Segunda Guerra Mundial, enquanto que as suas filhas eram casadas com nobres alemães, três deles com ligações Nazi. Separado da mulher e dos filhos devido à guerra, André veio a morrer em Monte Carlo em 1944. Não os via desde 1939.

Infância e juventude[editar | editar código-fonte]

Nascido em Atenas, o príncipe André aprendeu inglês com seus tutores à medida que crescia, mas só falava grego com seus pais, língua que tinha mais facilidade de falar do que seus irmãos. Falava também alemão, dinamarquês, russo e francês. Andou na escola de cadetes e na faculdade militar em Atenas e, apesar das suas dificuldades visuais, juntou-se ao exército.

Casamento e descendência[editar | editar código-fonte]

Em 1902, o príncipe André conheceu a princesa Alice de Battenberg na coroação do seu tio Eduardo VII em Londres. A princesa Alice era a filha do príncipe Louis de Battenberg e da princesa Vitória de Hesse e do Reno. Eles apaixonaram-se e no ano seguinte, a 6 de outubro de 1903, casaram-se pelo civil em Darmstadt. No dia seguinte voltaram a casar em duas cerimónias, uma luterana e uma ortodoxa.

O príncipe e a princesa Alice tiveram cinco filhos, todos eles com descendência.

Nome Nascimento Morte Observações
Margarida da Grécia e Dinamarca 18 de abril de 1905 24 de abril de 1981 Casou-se em 1931 com SAS Godofredo, 9° Príncipe de Hohenlohe-Langenburg.
Teodora da Grécia e Dinamarca 13 de maio de 1906 16 de outubro de 1969 Casou-se em 1931 com SAR Bertolo de Baden.
Cecília da Grécia e Dinamarca 22 de junho de 1911 16 de novembro de 1937 Casou-se em 1931 com Jorge Donatus.
Sofia da Grécia e Dinamarca 26 de junho de 1914 3 de novembro de 2001 Casou-se primeiramente em 1930 com o príncipe Cristóvão de Hesse-Cassel. Casou-se pela segunda vez em 1946 com o príncipe Jorge Guilherme de Hanôver.
Filipe, Duque de Edimburgo 10 de junho de 1921 Casou-se em 1947 com Isabel II do Reino Unido. Foi titulado mais tarde Duque de Edimburgo.

Primeiros anos de carreira[editar | editar código-fonte]

Em 1909, a situação política na Grécia levou a um golpe de estado, uma vez que o governo de Atenas se recusava a apoiar o parlamento de Creta que tinha pedido a união com a Grécia (na altura a ilha ainda pertencia ao Império Otomano). Um grupo de oficiais insatisfeitos formaram uma Liga Militar nacionalista que eventualmente levou o Príncipe André a despedir-se do exército e a subida ao poder de Eleftherios Venizelos.

Alguns anos mais tarde, com o rebentar das Guerras dos Balcãs, André foi readmitido novamente como tenente coronel no terceiro regimento de cavalaria e colocado no comando dos hospitais de campo. Durante a guerra, o seu pai foi assassinado e André herdou uma villa na ilha de Corfu chamada de Mon Repos. Em 1914, André (como muitos outros príncipes europeus) detinha posições militares honorárias no exercito russo e no alemão, bem como no Prussiano, Dinamarquês e Italiano.

Durante a Primeira Guerra Mundial ele continuou a visitar Berlim apesar das acusações abafadas no parlamento europeu de que ele era um agente alemão. O seu irmão, o rei Constantino, enveredou uma política de neutralidade, mas o governo eleito de Venizelos apoiava os Aliados. Em junho de 1917, as políticas neutrais do rei forçaram a família ao exílio. Durante os anos que se seguiram, grande parte da família real grega viveu na Suíça.

Anos no exílio[editar | editar código-fonte]

Durante três anos, o segundo filho de Constantino, Alexandre, foi rei da Grécia até à sua morte prematura derivada de uma dentada de macaco. Constantino foi restaurado ao trono e André novamente aceite no exército, desta vez como General-Major. A família passou a viver em Mon Repos.

André recebeu comando do Segundo Exército durante a Batalha de Sakarya, que efectivamente marcou a derrota da Grécia na Guerra Greco-Turca de 1919-1922. A 19 de setembro de 1921, André recebeu ordens para atacar as posições turcas, o que ele considerou um movimento desesperado e pouco distante do “pânico mal escondido”. Recusando-se a colocar os seus homens em perigo, André seguiu o seu próprio plano de batalha, desagradando o comandante geral Anastasios Papoulas. Retirado das suas funções como chefe e recebendo um traje de Papoulas, André ofereceu-se para se demitir do seu comando, mas Papoulas recusou. Os turcos invadiram e atacaram as tropas gregas do príncipe e elas foram obrigadas a bater em retirada. André foi então transferido para o Conselho Militar Supremo e depois nomeado comandante do Quinto Exército. Papoulas foi substituído pelo general Georgios Hatzianestis.

A insatisfação com o processo da guerra levou a outro golpe de estado em 1922 durante o qual André foi preso, julgado e considerado culpado por “desobedecer a uma ordem” e “agir por iniciativa própria” durante a batalha do ano anterior. Muitas das testemunhas a favor nos julgamentos de traição foram fuziladas, incluindo Hatzianestis e cinco polícias experientes. Os diplomatas britânicos assumiram que André poderia estar em perigo mortal. Apesar de poupado, o príncipe foi condenado ao banimento e saiu da Grécia na companhia da esposa e filhos a bordo do navio britânico HMS Calypso. A família passou então a viver numa pequena casa que lhes foi emprestada pela cunhada abastada de André, a princesa Marie Bonaparte, em Saint-Cloud nos arredores de Paris.

Príncipe André na sua juventude

Em 1930, André publicou um livro intitulado “A Caminho do Desastre: O Exercito Grego na Ásia Menor em 1921", no qual defendeu as suas acções durante a Batalha de Sakarya, mas essencialmente viveu uma vida de isolação forçada apesar de estar apenas nos seus 40 anos.

Durante o tempo de exílio, a família tornou-se cada vez mais dispersa. Alice sofreu um esgotamento nervoso e foi internada na Suíça. As suas filhas mudaram-se para a Alemanha após os seus casamentos, separadas de André, e Filipe foi enviado para uma escola no Reino Unido onde era criado pelos parentes maternos. André foi viver para o Sul de França.

Na Riviera Francesa, André viveu num pequeno apartamento, em quartos de hotel e a bordo de um Iate com a sua amiga, a Condessa Andrée de La Bigne. O seu casamento com Alice encontrava-se efectivamente acabado e após a cura e recuperação, ela voltou para a Grécia. Em 1936, a sentença de exílio dele foi terminada devido a leis de emergência que também restauraram terra e direitos ao Rei. André regressou à Grécia para uma breve visita nesse Maio. No ano seguinte, a sua filha Cecília, o marido dela e os filhos morreram num acidente aéreo em Ostend, na Bélgica. Ele viu a sua esposa Alice pela primeira vez em seis anos no funeral em Hermann Göring.

No inicio da Segunda Guerra Mundial, André viu-se preso na França enquanto que o seu filho Filipe lutava pelo lado britânico. Eles não podiam ver-se ou sequer manter correspondência. Dois dos genros de André lutaram pelo lado alemão: o príncipe Cristóvão de Hesse era um membro do NSDAP e das SS, e Bertoldo de Baden, ficou invalidado do exército alemão em 1940 após um ferimento grave na França. Durante cinco anos, André não viu nem a sua esposa nem o seu filho. Viria a morrer no Hotel Metropolitano em Monte Carlo, Mónaco de paragem cardíaca e esclerose das artérias perto do final da guerra.

André foi enterrado primeiro na Igreja Ortodoxa Russa de Nice, mas em 1946 os seus restos mortais foram transferidos num navio grego para o cemitério real do Palácio de Tatoi, perto de Atenas.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre André da Grécia e Dinamarca
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.