Anarquismo social

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Anarquismo Social)
Ir para: navegação, pesquisa
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde setembro de 2016).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde setembro de 2016).
Por favor, adicione mais referências inserindo-as no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

O Anarquismo social, Anarquismo societário ou Anarquismo socialista[1] é uma definição que abarca as diferentes escolas sendo um dos principais ramos de vertentes que divide o anarquismo, em contraposição com o Anarcoindividualismo.

Vertentes[editar | editar código-fonte]

Dentro do Anarquismo social se encontram claramente as seguintes escolas de pensamento anarquista:

Em certas classificações é incluído também dentro do ramo do anarquismo societário o mutualismo de Pierre-Joseph Proudhon. Outros preferem considerá-lo como parte do ramo individualista do anarquismo. Finalmente há autores que sustentam que Proudhon estava a meio caminho entre o individualismo e o coletivismo.

Princípios[editar | editar código-fonte]

Os anarquistas societários consideram que a sociedade é definidora de seus membros, considerem-se eles indivíduos ou não, em contraposição a tese individualista que se centra no indivíduo que ao associar-se a outros formam a sociedade. O objetivo comum é a liberdade e a auto-determinação, a diferença é que os societários partem mais da teoria da transformação no social em como consequência deriva o individual (só em uma sociedade livre os indivíduos podem ser livres). Não se opõe ao individualismo no sentido de ser "contra", mas sim, difere na apreciação primária do psicológico-social. Neste mesmo sentido o anarquismo individualista é mais uma perspectiva filosófica, com suas devidas consequências, que um modelo político definido e fechado.

As vertentes constituintes do ramo do anarquismo social defendem os modelos de propriedade coletiva ou colaborativa, em contraposição aos modelos de propriedade individual ou propriedade privada que são ainda defendidas por alguns ramos individualistas.

Também, este rótulo tem sido utilizado por alguns anarquistas para se diferenciarem daquelas que consideram posições personalistas que antecedem ao individual (no sentido de um "postura estética") ao social ou à luta de classes. Murray Bookchin apresentou estas ideias em um polêmico ensaio crítico chamado "Anarquismo de estilo de vida" (Lifestyle anarchism em inglês). Algumas pessoas que não estão de acordo com esta diferenciação vêem nestas ideias uma posição de sectarismo acintoso.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Ostergaard, Geoffrey. "Anarchism". The Blackwell Dictionary of Modern Social Thought. Blackwell Publishing. p. 14.
  2. Marx contra o Estado Sebastião Neto e Elias Stein.


Ícone de esboço Este artigo sobre Anarquismo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.

{{Navbox |name = Anarquismo2 |titlestyle = background: #ffffff;

|image =

Black flag waving.svg

|state = collapsed |title = Anarquismo |below = Anarquismo
Portal da Anarquia
|belowstyle = background: #ffffff; |groupstyle = background: white; |liststyle = padding-left:0.5em; padding-right:0.5em;

|group1 = Correntes |list1 = Anarquismo insurrecionárioAnarquismo social

|group2 = História |list2 = Ato de Exclusão AnarquistaBatalha de GênovaBatalha de SeattleBiênio VermelhoCaso de Sacco e VanzettiCatalunha AnarquistaComuna de ParisCongresso de Amasterdã de 1907Escola ModernaGreve Geral de 1917Incidente AmakasuIncidente KōtokuInsurreição anarquista de 1918Exército Insurgente MakhnovistaInternacional de Saint-ImierInternacional NegraJornadas de Maio de 1937Levante ZapatistaMaio de 1968Patagônia rebeldePrimeira InternacionalProvosRebelião em OaxacaRebelião da Baixa CalifórniaRevoada dos galinhas-verdesRevolta de HaymarketRevolta de KronstadtRevolução EspanholaRevolução MexicanaRevolução UcranianaSemana Trágica de 1909Semana Trágica de 1919

|group3 = Princípios |list3 = Crítica da dominação: exploração capitalista e pré-capitalista, Estado, religião, educação e mídia, dominação de classe, imperialismo, dominações de gênero e de raçaDefesa da autogestão: socialização da propriedade, autogoverno democrático, cultura autogestionáriaEstratégia: sujeitos revolucionários, estratégias de luta, revolução social e violência

|group4 = Estratégias de luta |list4 = Antiorganizacionais: grupo de afinidade, insurgência, propaganda pelo atoOrganizacionais: anarcossindicalismo, municipalismo, organização específica anarquista, sindicalismo revolucionárioTransversais: cultura autogestionária

|group5 = Economia |list5 = ColetivismoComunismoMutualismo

|group6 = Debates |list6 = Antiorganizacionismo e organizacionismoLimites e possibilidades da culturaMercado autogestionário ou planificação democráticaOrganização específica anarquistaPolítica no local de moradia ou de trabalhoReformas e lutas de curto prazoUtilização da violência

|group7 = Por região |list7 = ÁfricaArgentinaÁustriaBrasilCanadáChinaCoreiaCubaEspanhaEstados UnidosFrançaGréciaÍndiaInglaterraIrlandaIsraelItáliaJapãoMéxicoPolôniaPortugalRússiaSomáliaSuéciaTurquiaUcrâniaVietnã

|group8 = Tópicos |list8 = AmbientalismoArtesCapitalismoDireitos animaisEducaçãoFeminismoIndividualismoMarxismoNacionalismoQuestões étnicasReligiãoSindicalismoViolência

|group9 = Listas |list9 = BiografiasAnarquistas brasileirosAnarquistas portuguesesAnarquistas em prisõesLivrosComunidadesDocumentáriosFilmes de ficçãoMúsicosOrganizaçõesPeriódicos

|group10 = Relacionados |list10 = AnticapitalismoAntiestadismoAntimilitarismoAutonomismoPós-anarquismoSindicalismoSocialismo libertário