Balduíno da Bélgica

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Balduíno I da Bélgica)
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde dezembro de 2014). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Balduíno
Rei dos Belgas
Rei da Bélgica
Reinado 17 de julho de 1951
a 31 de julho de 1993
Predecessor Leopoldo III
Sucessor Alberto II
Esposa Fabíola de Mora e Aragão
Nome completo
Balduíno Alberto Carlos Leopoldo Axel Maria Gustavo
Casa Saxe-Coburgo-Gota
Pai Leopoldo III da Bélgica
Mãe Astrid da Suécia
Nascimento 7 de setembro de 1930
Laeken, Bélgica
Morte 31 de julho de 1993 (62 anos)
Motril, Espanha
Enterro Igreja de Nossa Senhora de Laeken

Balduíno (Laeken, 7 de Setembro de 1930Motril, 31 de Julho de 1993) foi o Rei dos Belgas[1] de 1953 até sua morte. Era o filho do rei Leopoldo III e de sua primeira esposa a princesa Astrid da Suécia. Ele ascendeu ao trono após a abdicação do pai e acabou sendo sucedido por seu irmão mais novo Alberto II.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Balduíno era o filho mais velho do rei Leopoldo III da Bélgica e de sua primeira esposa, a rainha Astrid da Suécia, falecida em um acidente de automóvel em 1935.

O jovem príncipe recebeu poderes reais a partir de 1º de Agosto de 1950 e, no ano seguinte, ascendeu ao trono com a abdicação de seu pai, o qual foi um monarca impopular a partir da Segunda Guerra Mundial (La "Question Royale").

Durante seu reinado, assistiu-se a independência do Congo em 1960, pondo fim à condição da Bélgica como potência colonial. Ainda no mesmo ano, em Bruxelas, Balduíno casou-se, com a nobre espanhola Fabiola de Mora y Aragón (1928-2014), filha de dom Gonzalo, marquês de Casa Riera e 2.° conde de Mora. O casal não teve filhos, pois Fabiola, nas cinco vezes em que ficou grávida, sofreu abortos espontâneos.

A 24 de Agosto de 1982 recebeu o Grande-Colar da Ordem do Infante D. Henrique de Portugal.[2]

Devido às suas convicções católicas, Balduíno renunciou, entre 4 e 5 de Março de 1990, às suas funções como chefe de Estado ao recusar assinar a lei de despenalização do aborto no país.

No final de Julho de 1993, durante uma estadia na sua vila de Motril, em Espanha, o rei sofreu um ataque cardíaco que lhe tirou a vida. Seu corpo foi sepultado na Cripta Real da Igreja de Nossa Senhora de Laeken.[3]

Alberto II (antes chamado "Príncipe de Liège"), irmão mais novo sucedeu a Balduíno como rei no dia 9 de Agosto de 1990.

Ancestrais[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Christophe Giltay (20 de Julho de 2013). «Pourquoi dit-on roi des Belges et pas roi de Belgique ?». RTL Info. Consultado em 14 de Dezembro de 2015. 
  2. «Cidadãos Estrangeiros Agraciados com Ordens Portuguesas». Resultado da busca de "Rei Balduíno I". Presidência da República Portuguesa. Consultado em 2016-04-11. 
  3. «Baudouin». Monarchie belge. Consultado em 07/12/2014. 
Balduíno da Bélgica
Casa de Saxe-Coburgo-Gota
Ramo da Casa de Wettin
7 de setembro de 1930 – 31 de julho de 1993
Precedido por
Leopoldo III
Great Coat of Arms of Belgium (Ten provinces).svg
Rei da Bélgica
17 de julho de 1951 – 31 de julho de 1993
Sucedido por
Alberto II
Ícone de esboço Este artigo sobre reis é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.