Diego Alexsander Garcia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Diego Garcia
Deputado federal pelo Paraná
Período 1º de fevereiro de 2015
até a atualidade
Dados pessoais
Nascimento 10 de outubro de 1984 (36 anos)
Bandeirantes, PR
Alma mater Universidade Norte do Paraná
Prêmio(s) Medalha do Pacificador[1]
Partido PHS (2011-2018)
PODE (2018-presente)
Profissão administrador
Website https://www.diegogarciapr.com.br/
linkWP:PPO#Brasil

Diego Alexsander Gonçalo Paula Garcia (Bandeirantes, 10 de outubro de 1984) é um administrador e político brasileiro, atualmente deputado federal pelo Podemos (PODE).[2]


Nascido em Bandeirantes, interior do Paraná, e residindo em Londrina desde 2018, Diego é casado e possui dois filhos. Ele é integrante da Renovação Carismática Católica (RCC), onde foi Presidente do Conselho Diocesano na Diocese de Jacarezinho.

Vida pública[editar | editar código-fonte]

Foi eleito nas eleições de 2014 deputado federal, com 61.063 votos, em 373 municípios do Paraná, pela coligação Educação e Trabalho com Sustentabilidade (PSDC / PEN / PTB / PHS / PMN / PROS), tomando posse no dia 1º de fevereiro de 2015 para o seu primeiro mandato como deputado federal.

Votou a favor do Processo de impeachment de Dilma Rousseff.[3] Já durante o Governo Michel Temer, votou a favor da PEC do Teto dos Gastos Públicos.[3], e também a favor da cassação do ex-deputado federal Eduardo Cunha. [4]

Em janeiro de 2017 foi escolhido líder da bancada do PHS, na Câmara dos Deputados.[5]

Em agosto de 2017 votou a favor do processo em que se pedia abertura de investigação do então presidente Michel Temer.[3][6] Ainda em novembro deste mesmo ano, votou pela aprovação da PEC da Vida (181/15), que estende a licença maternidade às mães de bebês prematuros e protege a vida desde a concepção.

O parlamentar também já se manifestou contra a Reforma da Previdência e a favor do Fim do Foro Privilegiado. Trocou o PHS pelo PODE em março de 2018.

No dia 09/05/2018 foi eleito o Presidente da Comissão Especial destinada a analisar a PEC 333/2017 e apensados, que dispõem sobre o Fim do Foro Privilegiado para autoridades e políticos.[7]

Em 09/05/2019 após ter chamado o presidente da Câmara dos Deputados de "desleal", Rodrigo Maia imputou a Diego Garcia a responsabilidade da derrubada da MP 870, enfraquecendo o Ministro Sérgio Moro [8]

Atualmente, Diego Garcia é autor de 63 Projetos de Lei[9], sendo que 25 já foram aprovados em comissões e 04 deles já viraram leis federais. Os PLs 3.170/2015, 4.639/2016, 4.580/2016 e 5.808/2016 foram aprovados na Câmara dos Deputados, no Senado Federal e sancionados pelo Presidente da República. O parlamentar é relator de 184 projetos de lei, sendo que 101 de suas relatorias delas já foram aprovadas nas comissões.

O parlamentar é o presidente da Frente Parlamentar em Defesa da Vida e da Família e da Frente Parlamentar de Doenças Raras da Câmara. E ele tem atuado à frente de ações que garantem o direito à vida do nascituro, o respeito dos valores familiares na educação moral, sexual e religiosa, e que protegem a família enquanto base da sociedade. Foi relator do Estatuto da Família em 2016[10] (aprovado na Comissão Especial) e do Estatuto do Nascituro em 2018 na Comissão da Mulher.

Faz parte de 25 comissões na Câmara dos Deputados, entre elas a Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ) de Seguridade Social e Família, Educação e Defesa dos Direitos das Pessoas com Deficiência.

Outro foco do mandato de Diego Garcia é o combate à corrupção. O deputado é autor de 11 propostas que visam combater a corrupção. Inclusive, foi coautor do PL 4850/2016, que dispõe sobre as 10 Medidas Contra a Corrupção.

Diego Garcia votou pelo impeachment de Dilma Rousseff, pela cassação do ex-deputado federal Eduardo Cunha e pelo acolhimento das duas denúncias contra o ex-presidente Michel Temer.

Em 2018, presidiu a Comissão Especial do Fim do Foro Privilegiado[11]. Foram realizados, no total, 17 encontros, entre audiências públicas, reuniões e seminários, sendo que dois deles foram realizados no Paraná. A PEC foi aprovada na comissão.

Em 2019, o parlamentar votou contra a proposta para tirar o COAF do Ministério da Justiça, sob responsabilidade do então Min. Sérgio Moro, também para impedir a limitação dos trabalhos dos Auditores Fiscais da Receita Federal e a criação de novos ministérios.

Diego Garcia é favorável ao parecer do relator Samuel Moreira à PEC 06/2019, que dispõe sobre a Reforma da Previdência. Ele apresentou uma emenda ao texto (emenda nº 20) para que o Benefício de Prestação Continuada (BPC) recebido pela pessoa com deficiência/doença rara não entre no cômputo da renda familiar per capita, o que permitirá que mais de uma pessoa nessas condições receba o benefício dentro de uma mesma família.

Em novembro de 2019, Diego Garcia recebeu o Prêmio Ranking dos Políticos, onde foi classificado como um dos 30 melhores deputados do Brasil.


Referências

  1. «Boletim do Exército do Brasil de julho de 2020». Secretaria Geral do Exército do Brasil (pdf). Consultado em 10 de setembro de 2020 
  2. «Perfil de Diego Garcia no portal da Câmara». Consultado em 5 de fevereiro de 2015 
  3. a b c G1 (2 de agosto de 2017). «Veja como deputados votaram no impeachment de Dilma, na PEC 241, na reforma trabalhista e na denúncia contra Temer». Consultado em 11 de outubro de 2017 
  4. [1]
  5. Deputado Diego Garcia é eleito novo líder do PHS. Site do PHS
  6. Carta Capital (3 de agosto de 2017). «Como votou cada deputado sobre a denúncia contra Temer». Consultado em 18 de setembro de 2017 
  7. [2]
  8. «Câmara adia votação da MP que reestrutura ministérios do governo Bolsonaro». noticias.uol.com.br. Consultado em 9 de maio de 2019 
  9. «Deputado(a) Federal Diego Garcia». Portal da Câmara dos Deputados. Consultado em 22 de maio de 2020 
  10. «Câmara aprova Estatuto da Família formada a partir da união de homem e mulher - Notícias». Portal da Câmara dos Deputados. Consultado em 22 de maio de 2020 
  11. Podemos (11 de maio de 2018). «Deputado Diego Garcia é eleito presidente da Comissão do Fim do Foro Privilegiado | Podemos». Consultado em 22 de maio de 2020