Grande Prêmio da Hungria de 2018

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Grande Prêmio da Hungria de F-1 2018
Circuit Hungaroring.png
Grande Prêmio da Hungria de 2018.
Detalhes da corrida
Data 29 de julho de 2018
Nome oficial Formula 1 Magyar Nagydíj 2018
Local Hungaroring, Budapeste, Hungria
Total 70 voltas / 306.630 km
Pole
Piloto
Reino Unido Lewis Hamilton Mercedes
Tempo 1:35.658
Volta mais rápida
Piloto
Austrália Daniel Ricciardo Red Bull-TAG Heuer
Tempo 1:20.012 (na volta 46)
Pódio
Primeiro
Reino Unido Lewis Hamilton Mercedes
Segundo
Alemanha Sebastian Vettel Ferrari
Terceiro
Finlândia Kimi Räikkönen Ferrari

Grande Prêmio da Hungria de 2018 (formalmente denominado Formula 1 Magyar Nagydíj 2018) foi a décima segunda etapa da temporada de 2018 da Fórmula 1. Disputada em 29 de julho de 2018 no Circuito de Hungaroring, Budapeste, Hungria.[1]

Relatório[editar | editar código-fonte]

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

Ferrari de luto

De luto pela morte do ex-presidente da Ferrari e da Fiat, o italiano Sergio Marchionne, os membros da Ferrari apareceram no Circuito de Hungaroring, com faixas pretas nos braços.

Sergio Marchionne morreu na manhã desta quarta-feira (25), aos 66 anos de idade, no Hospital Universitário de Zurique, capital da Suíça.

Além disso, Kimi Raikkonen e Maurizio Arrivabene foram dispensados das coletivas de imprensa de pilotos e chefes de equipe, respectivamente. No motorhome da Ferrari, a bandeira da escuderia era vista em meia-haste. Para o adeus ao ex-presidente, o carro também terá uma faixa preta em sua pintura. O ato similar já foi visto antes em duas ocasiões de luto, mas com o bico inteiro na cor preta: no Grande Prêmio da Itália de 2001, após aos ataques de 11 de setembro nos EUA, e no Grande Prêmio do Bahrein de 2005, em função da morte do papa Papa João Paulo II.

Treino Classificatório[editar | editar código-fonte]

Q1

Cerca de 15 minutos antes do treino, começou a chover, e rapidamente a pista ficou molhada, com todos os pilotos utilizando pneus intermediários. Sebastian Vettel fez a melhor volta no começo, mas relatou pelo rádio que a pista estava secando, apesar de o entorno da pista estar com nuvens pesadas e raios.

Com o asfalto melhorando, os pneus intermediários começaram a se desgastar demais, e todos os pilotos arriscaram uma troca para pneus slicks ultramacios. Começou então um revezamento na primeira posição, entre Carlos Sainz, Kevin Magnussen, Nico Hulkenberg, Romain Grosjean, Kimi Raikkonen, Sebastian Vettel e Lewis Hamilton.

Na última volta, Vettel estabeleceu o melhor tempo, com 1m16s666, terminando 0s274 à frente de Verstappen e com Bottas, Hamilton e Raikkonen completando os cinco primeiros. Já Daniel Ricciardo, numa inexplicável decisão da RBR, usou pneus macios e menos aderentes, e correu risco de não avançar ao Q2.

Na confusão que foi o Q1, a surpresa foi a eliminação do badalado Charles Leclerc, que ficou em 17º, duas posições atrás do companheiro Marcus Ericsson, que avançou. Já a Force India, que entrou em administração judicial, viu seus pilotos Esteban Ocon e Sergio Perez eliminados, assim como Stoffel Vandoorne e Sergey Sirotkin.

Eliminados: Stoffel Vandoorne (McLaren), Charles Leclerc (Sauber), Esteban Ocon (Force India), Sergio Pérez (Force India) e Sergey Sirotkin (Williams).

Q2

No exato instante em que começou o Q2 e vários pilotos já aguardavam na saída dos boxes com pneus slicks, a chuva voltou, e com força. Sebastian Vettel e a Ferrari tiveram tempo para colocar pneus intermediários, e o alemão foi o único a fazer uma volta com a pista ainda em condições razoáveis. Os demais tiveram de voltar aos boxes para colocar pneus intermediários.

Mas aí o temporal desabou de vez, principalmente na reta dos boxes, e todos inicialmente permaneceram na pista na expectativa de as condições melhorarem minimamente, o que não aconteceu. Com isso, os classificados para o Q3 ficaram definidos, e surpreenderam as eliminações de Daniel Ricciardo e Nico Hulkenberg.

Já Fernando Alonso, com a chuva nivelando o desempenho dos carros, ficou próximo de avançar ao Q3, mas ficou em 11º. Também foram eliminados os menos cotados Marcus Ericsson e Lance Stroll, que foi o único a bater no Q2, o que danificou a asa dianteira.

Eliminados: Fernando Alonso (McLaren), Daniel Ricciardo (Red Bull), Nico Hülkenberg (Renault), Marcus Ericsson (Sauber) e Lance Stroll (Williams).

Q3

A chuva continuou caindo com força no início do Q3, e todos os pilotos entraram na pista com pneus de chuva extrema. Lewis Hamilton começou com tudo, melhorando seu tempo a cada volta, dando a impressão de que ficaria com a pole position. Mas aí apareceu Kimi Raikkonen para tomar o primeiro lugar.

Nos minutos finais, a pista melhorou um pouco mais, e todos partiram para sua últimas tentativas. Vettel chegou a assumir o segundo lugar, mas Bottas foi ainda mais rápido e ultrapassou a dupla da Ferrari. Só que Hamilton colocou as coisas no lugar e na última volta do treino sacramentou mais uma pole position na carreira.

Grid de Largada

Corrida[editar | editar código-fonte]

A largada foi tranquila para a Mercedes, que seguiu com Hamilton e Bottas em primeiro e segundo. Logo atrás, Vettel subiu para terceiro, mesmo que usando pneus menos aderentes que Kimi. Verstappen, Gasly, Magnussen, Sainz, Hartley e Hülkenberg – com bela largada – fechavam o top-10. Mais atrás, Ricciardo quase estragou uma corrida de recuperação ao tocar com mais força na traseira de Ericsson.

O primeiro abandono veio ao fim da primeira volta, quando Leclerc sofreu uma quebra e recolheu para os boxes.

Na frente, Hamilton encaixava volta mais rápida atrás de volta mais rápida. O britânico precisava escapar para não dar chance à estratégia diferente de Vettel, que ficava preso atrás de Bottas.

Quem também tinha problemas para ultrapassar era Ricciardo. O australiano terminou a primeira volta em 14º e precisou tentar três vezes até conseguir superar Vandoorne e subir para 13º. Mas não era de todo ruim. Afinal, o carro ainda estava funcionando normalmente, ao contrário do de Verstappen, que perdeu potência, forçando um abandono imediato.

A quebra de Verstappen colocava Gasly em quinto. Magnussen, Sainz, Hartley e Hülkenberg também ganhavam posições, enquanto Grosjean entrava na zona de pontos.

Ricciardo entrou na zona de pontos na volta 11, quando passou Grosjean. O australiano tirava proveito da zona de DRS da reta principal, encaixando manobras na curva 1 com certa tranquilidade. Na volta 13, a vitíma foi Hülkenberg. Na 14, Hartley, subindo para oitavo.

Räikkönen foi o primeiro piloto de ponta a visitar os boxes. O finlandês colocou macios na volta 15, talvez com a expectativa de pressionar a Mercedes. A equipe alemã reagiu, chamando Bottas para fazer o mesmo na 16. Enquanto isso, Hamilton empilhava voltas mais rápidas, indicando que o pit-stop estava próximo.

Esse ímpeto do Hamilton não durou para sempre. O britânico logo começou a perder vantagem para Vettel, que diminuiu a vantagem de 8s6 para 6s5 em sete voltas. Mesmo assim, a Mercedes não dava sinais de que faria um pit-stop.

Mais atrás, Ricciardo seguia fazendo ultrapassagens. Na altura da volta 24, o australiano já tinha passado até Magnussen, tendo apenas Gasly dentre os pilotos do pelotão intermediário adiante. A briga seria pelo quinto lugar.

Hamilton veio aos boxes na volta 26, colocando pneus macios. Em teoria, a Mercedes não faria mais paradas, seguindo com o composto por 44 voltas. O problema é o desgaste seria acentuado na reta final da corrida.

Logo atrás, Ricciardo completou a parte fácil da recuperação ao passar Gasly e subir para quinto. O australiano agora estava 7s atrás de Räikkönen, isso com cada um teoricamente precisando fazer mais uma parada.

A corrida estava mudando rapidamente. Na altura da volta 33, a situação favorecia a Ferrari: Vettel não permitia a aproximação de Hamilton, inclusive expandindo a vantagem de 13s para 14s. Logo atrás, Räikkönen colava em Bottas na briga pelo terceiro lugar.

Na volta 39, Räikkönen partiu para o segundo pit-stop do dia, voltando a colocar macios. Na 40, Vettel veio – e teve um pequeno revés. O alemão teve uma parada lenta e voltou logo atrás do Bottas. Agora o finlandês poderia agir como escudeiro de Hamilton, que começava a sofrer com desgaste mais acentuado.

E assim aconteceu. Vettel até ensaiou uma ofensiva nas duas primeiras voltas, mas sem sucesso. Depois, Bottas começou até mesmo a abrir vantagem sobre o alemão, que também precisava pensar em administrar o desgaste. Em questão de poucas voltas, a corrida começou a ficar com jeitinho de Hamilton, que agora tinha condições perfeitas para administrar os pneus e evitar problemas no fim.

Mais atrás, quem também fez a estratégia de pneus funcionar foi a McLaren. A equipe, que começou a prova fora da zona de pontos, cresceu muito ao retardar a primeira parada. Foi assim que Alonso e Vandoorne subiu para oitavo e nono. Mas o belga não iria muito além: na volta 51, o carro quebrou, causando um breve acionamento do safety-car virtual.

Era uma oportunidade para novas paradas, mas que ninguém aproveitou. A corrida entrava em um momento de maior calma: Bottas seguia segurando Vettel, que não parecia reagir.

A mudança só veio na volta 64: Vettel finalmente passou Bottas na saída da curva 1. Na curva 2, o finlandês tentou dar o troco de qualquer jeito, e falhou. Valtteri errou a freada, atingindo a traseira de Sebastian. A asa dianteira do finlandês quebrou, enquanto o alemão teve sorte ao escapar ileso.

Bottas caiu para quarto e perdeu muito ritmo. O finlandês logo virou alvo de Ricciardo, que tentou a ultrapassagem. Mas foi vítima de outro toque de Valtteri. Depois do incidente, o australiano herdou o quarto lugar.

Com duas voltas restando, mais nada mudaria: Hamilton confirmou uma vitória importante, com Vettel e Räikkönen completando o pódio.

Resultado da corrida

Pneus[editar | editar código-fonte]

Os compostos de pneus fornecidos pela Pirelli para este Grande Prêmio[2]
Nome do composto Cor Banda de rolamento Condições de Tempo Dry Type Aderência Longevidade
Ultra Macio F1 tire Pirelli PZero Purple.svg Slick
(P Zero)
Seco Ultrasoft Médio Médio
Macio F1 tire Pirelli PZero Yellow.svg Slick
(P Zero)
Seco Soft Médio Médio
Médio F1 tire Pirelli PZero White.svg Slick
(P Zero)
Seco Medium Médio Médio
Intermediário F1 tire Pirelli Cinturato Green.svg Sulcos
(Cinturato)
Molhado Intermediate
(água não estagnante)
Chuva F1 tire Pirelli Cinturato Blue.svg Sulcos
(Cinturato)
Molhado Wet
(água estagnante)

Resultados[editar | editar código-fonte]

Treino Classificatório[editar | editar código-fonte]

Pos. Piloto Construtor Q1 Q2 Q3 Grid
1 44 Reino Unido Lewis Hamilton Mercedes 1:17.419 1:31.242 1:35.658 1
2 77 Finlândia Valtteri Bottas Mercedes 1:17.123 1:32.081 1:35.918 2
3 7 Finlândia Kimi Räikkönen Ferrari 1:17.526 1:32.762 1:36.186 3
4 5 Alemanha Sebastian Vettel Ferrari 1:16.666 1:28.636 1:36.210 4
5 55 Espanha Carlos Sainz Jr. Renault 1:17.829 1:30.771 1:36.743 5
6 10 França Pierre Gasly Toro Rosso-Honda 1:18.577 1:31.286 1:37.591 6
7 33 Países Baixos Max Verstappen Red Bull-TAG Heuer 1:16.940 1:31.178 1:38.032 7
8 28 Nova Zelândia Brendon Hartley Toro Rosso-Honda 1:18.429 1:32.590 1:38.128 8
9 20 Dinamarca Kevin Magnussen Haas-Ferrari 1:18.314 1:32.968 1:39.858 9
10 8 França Romain Grosjean Haas-Ferrari 1:17.901 1:33.650 1:40.593 10
11 14 Espanha Fernando Alonso McLaren-Renault 1:18.208 1:35.214 11
12 3 Austrália Daniel Ricciardo Red Bull-TAG Heuer 1:18.540 1:36.442 12
13 27 Alemanha Nico Hülkenberg Renault 1:17.905 1:36.506 13
14 9 Suécia Marcus Ericsson Sauber-Ferrari 1:18.641 1:37.075 14
15 18 Canadá Lance Stroll Williams-Mercedes 1:18.560 S/Tempo PL 1
16 2 Bélgica Stoffel Vandoorne McLaren-Renault 1:18.782 15
17 16 Mónaco Charles Leclerc Sauber-Ferrari 1:18.817 16
18 31 França Esteban Ocon Force India-Mercedes 1:19.142 17
19 11 México Sergio Pérez Force India-Mercedes 1:19.200 18
20 35 Rússia Sergey Sirotkin Williams-Mercedes 1:19.301 19
Tempo dos 107%: 1:22.032
Fonte:[3]
Notas
  • ↑1  – Lance Stroll foi obrigado a partir do pit lane devido à modificação do carro durante as condições do Parque Fechado.

Corrida[editar | editar código-fonte]

Pos. Nu. Piloto Construtor Voltas Tempo/Retirado Grid Pontos
1 44 Reino Unido Lewis Hamilton Mercedes 70 1:37:16.427 1 25
2 5 Alemanha Sebastian Vettel Ferrari 70 +17.123 4 18
3 7 Finlândia Kimi Räikkönen Ferrari 70 +20.101 3 15
4 3 Austrália Daniel Ricciardo Red Bull-TAG Heuer 70 +46.419 12 12
5 77 Finlândia Valtteri Bottas Mercedes 70 +1:00.000 2 2 10
6 10 França Pierre Gasly Toro Rosso-Honda 70 +1:13.273 6 8
7 20 Dinamarca Kevin Magnussen Haas-Ferrari 69 +1 volta 9 6
8 14 Espanha Fernando Alonso McLaren-Renault 69 +1 volta 11 4
9 55 Espanha Carlos Sainz Jr. Renault 69 +1 volta 5 2
10 8 França Romain Grosjean Haas-Ferrari 69 +1 volta 10 1
11 28 Nova Zelândia Brendon Hartley Toro Rosso-Honda 69 +1 volta 8
12 27 Alemanha Nico Hülkenberg Renault 69 +1 volta 13
13 31 França Esteban Ocon Force India-Mercedes 69 +1 volta 17
14 11 México Sergio Pérez Force India-Mercedes 69 +1 volta 18
15 9 Suécia Marcus Ericsson Sauber-Ferrari 68 +2 voltas 14
16 35 Rússia Sergey Sirotkin Williams-Mercedes 68 +2 voltas 19
17 18 Canadá Lance Stroll Williams-Mercedes 68 +2 voltas PL
Ret 2 Bélgica Stoffel Vandoorne McLaren-Renault 49 Caixa de Câmbio 15
Ret 33 Países Baixos Max Verstappen Red Bull-TAG Heuer 5 Perda de potência 7
Ret 16 Mónaco Charles Leclerc Sauber-Ferrari 0 Suspensão 16
Fonte:[4]
Notas

Curiosidade[editar | editar código-fonte]

  • O pódio de Kimi Raikkonen foi seu nono na Hungria, um recorde para o circuito. Apesar disso, ele só ganhou uma vez aqui, em 2005.
  • O setimo lugar de Kevin Magnussen foi a primeira vez que o dinamarquês marcou pontos na Hungria.
  • Sainz, que terminou o P9, marcou nos últimos três Grandes Prémios da Hungria.
  • Foi o aniversário de Fernando Alonso aos 37 anos, no dia da corrida, e ele manteve o seu recorde de sempre marcar pontos no dia de seu aniversário - ele foi o quinto na Hungria em 2012.

Voltas na Liderança[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Commons Categoria no Commons
Nº de Voltas Piloto Voltas
56 Reino Unido Lewis Hamilton 1-26 41-70
14 Alemanha Sebastian Vettel 27-40

2018 DHL Fastest Pit Stop Award[editar | editar código-fonte]

Resultado[editar | editar código-fonte]

Pos. Nu. Piloto Construtor Tempo Pontos
1 35 Rússia Sergey Sirotkin Williams-Mercedes 2.10 25
2 3 Austrália Daniel Ricciardo Red Bull-TAG Heuer 2.22 18
3 10 França Pierre Gasly Toro Rosso-Honda 2.27 15
4 18 Canadá Lance Stroll Williams-Mercedes 2.36 12
5 77 Finlândia Valtteri Bottas Mercedes 2.51 10
6 7 Finlândia Kimi Räikkönen Ferrari 2.52 8
7 8 França Romain Grosjean Haas-Ferrari 2.67 6
8 44 Reino Unido Lewis Hamilton Mercedes 2.72 4
9 2 Bélgica Stoffel Vandoorne McLaren-Renault 2.73 2
10 28 Nova Zelândia Brendon Hartley Scuderia Toro Rosso- Honda 2.79 1
Fonte: [5]

Classificação[editar | editar código-fonte]

Tabela do campeonato após a corrida[editar | editar código-fonte]

Somente as cinco primeiras posições estão incluídas nas tabelas.

Referências

  1. «Formula 1 Pirelli Magyar Nagydíj 2018» (em inglês). Formula 1.com 
  2. «Pirelli announces compound choices and mandatory sets for the 2018 Hungarian Grand Prix» (em inglês). news.pirelli.com 
  3. «Qualyfing». Formula 1® - The Official F1® Website (em inglês). Consultado em 21 de julho de 2018 
  4. «Formula 1 Rolex Magyar Nagydíj 2018 – Race Result». Formula1.com. Formula One World Championship Limited. 29 de Julho de 2018. Consultado em 29 de Julho de 2018 
  5. «2018 DHL Fastest Pit Stop Award» (em inglês). Formula1.com 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Prova Anterior:
GP da Alemanha de 2018
Campeonato do Mundo FIA de Fórmula 1
Temporada 2018
Próxima Prova:
GP da Bélgica de 2018

Prova Anterior:
GP da Hungria de 2017
Grande Prêmio da Hungria Próxima Prova:
GP da Hungria de 2019