Iúçufe (profeta)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Iúçufe[nota 1] (em árabe: يوسُف - Yūsuf) é considerado pelos muçulmanos como um profeta, também é considerado o mesmo José da Bíblia Hebraica.

O capítulo Yusuf (sura xii.) é dedicado a ele, a única instância no Alcorão em que um capítulo inteiro é dedicadoa à história de um único profeta. É descrito como a "melhor das histórias".

Diz-se que Iúçufe (José) era extremamente bonito, o que atraiu a esposa de seu mestre egípcio para tentar seduzi-lo. Acredita-se que Maomé tenha dito uma vez: "Metade de toda a beleza que Deus distribuiu para a humanidade foi para José e sua mãe; a outra metade foi para o resto da humanidade." [1]

A história tem muito em comum com a narrativa bíblica, mas com algumas diferenças. No Alcorão, os irmãos pedem a Iacube (Jacó) para deixar Iúçufe (José) ir com eles. Iúçufe é jogado em um poço e levado como escravo por uma caravana que passava. Quando os irmãos revelaram ao pai que um lobo havia comido Iúçufe, ele teve paciência. [2]

Na Bíblia, José se revela a seus irmãos antes que eles voltem para o pai pela segunda vez, depois de comprar grãos. Mas no Islã eles voltaram deixando Benjamim para trás porque a tigela de mezena do rei foi encontrada em sua bolsa. Da mesma forma, o filho mais velho de Jacó decidiu não deixar a terra por causa do juramento feito para proteger Benjamim de antemão. Quando Jacó soube da história deles após seu retorno, ele chorou de tristeza até perder a visão por causa da tristeza. Ele então encarregou seus filhos de irem perguntar sobre José e seu irmão e não se desesperarem com a misericórdia de Deus.

Foi durante esse retorno ao Egito que José revelou sua verdadeira identidade a seus irmãos. Ele os advertiu e perdoou, enviou também sua vestimenta que curou os olhos do patriarca assim que foi lançada em seu rosto.

Os versos restantes descrevem a migração da família de Jacó para o Egito e o encontro emocionante de Jacó e seu filho há muito perdido, Iúçufe. A família prostrou-se diante dele, portanto, a realização de seu sonho anterior.

A história termina com Iúçufe (José) orando "meu senhor, você realmente me concedeu a soberania e me ensinou algo sobre a interpretação dos sonhos - o (único) criador dos céus e da terra! Você é meu guardião neste mundo e no além. Faça-me morrer como um muçulmano e junte-se a mim com os justos" (Alcorão 12: 101). [1]

Notas e referências

Notas

  1. A grafia original do nome do biografado, é Yusuf que em português é equivalente a José.

Referências

  1. a b «Read Full Story Of Prophet Yusuf (Joseph) in Islam». My Islam (em inglês). Consultado em 1 de agosto de 2021 
  2. «5 Life Lessons We Can Learn From Prophet Yusuf's (A.S.) Story». muslim.sg. Consultado em 1 de agosto de 2021