Miqueias

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Profeta Miqueias (1450-1500) por um pintor anônimo catalão, no Museu Nacional de Arte Antiga.

Miqueias ou Michaías[1][2] (em hebraico: מִיכָיְהוּ, Mikhayhu; em latim: Michaeas) é um personagem bíblico, profeta do século VIII a.C., morador de Morasti-Gat, na Shefelá em Judá, talvez tenha sido um líder (ancião, heb. zaqen) da comunidade. Atuou em Judá no período de Jotão, Acaz e Ezequias.

O Profeta Miqueias denunciava os governantes, chefes e ricos das cidades de Jerusalém e Samaria, prestava também assistência a usuários pobres e sem conhecimento. Estes estavam roubando o povo através da língua enganosa, com armadilhas, exigiam presentes e subornos. Miqueias também denunciou a cobiça, os ganhos imorais, a maldade planejada, a balança desonesta e o crime organizado. O conteúdo deste livro apesar de ter quase 2700 anos é bem atual.

O profeta[editar | editar código-fonte]

Miqueias nasceu em Morasti (Moréshet[3]), uma vila no interior do reino de Judá, a oeste de Hebron. Por sua origem camponesa se assemelha à Amós, com quem compartilha uma aversão às grandes cidades e uma linguagem concreta e franca, nas comparações breves e nos jogos de palavras. Ele exerceu sua atividade entre os reinados de Jotão (Iotâm), Acaz, Ezequias e Manassés, isto é entre 750 e 680 AC[4], antes e depois da tomada de Samaria pelos assírios em 721 a.C., tendo sido contemporâneo de Oséias e de Isaías[5].

O livro[editar | editar código-fonte]

"Atrela o cavalo ao carro, morador de Laquis": Miqueias 1:13

O livro de Miqueias, escrito em hebraico, é de difícil leitura, pois o texto encontra-se corrompido, para tanto os tradutores da Bíblia utilizam-se de guias como as versões em língua grega, síria e copta.

No livro atual de Miqueias existem também promessas e esperanças. Entre elas se destaca o anúncio do surgimento do Messias na pequena cidade de Belém (5:1-3). O Novo Testamento retomará essa profecia e atribuirá ao nascimento de Jesus (cf. Mt 2:6)[6].

Trechos do livro[editar | editar código-fonte]

'1:7 - Todos os seus ganhos imorais serão consumidos pelo fogo; 2:1 - Aí daqueles que planejam maldade, dos que tramam o mal em suas camas e no alvorecer o executam. 2:2 - Cobiçam terrenos e se apoderam deles; cobiçam casas e as tomam. Fazem violência ao homem e à sua família; a ele e aos seus herdeiros. 2:8 - Mas ultimamente como inimigos vocês atacam o meu povo. Além da túnica, arrancam a capa deles. 3:1 - Ouçam, vocês que são chefes e governantes da nação. Vocês deveriam conhecer a justiça. Mas odeiam o bem e amam o mal; arrancam a pele do meu povo e a carne dos seus ossos. 6:9-13 - A voz do Senhor está clamando à cidade; é sensato temer o seu nome. Ouçam: Não há na casa do ímpio, o tesouro da impiedade e a medida falsificada, que é maldita? Poderia alguém ser puro com balanças desonestas e pesos falsos? Os ricos que vivem entre vocês são violentos; o seu povo é mentiroso e as suas línguas falam enganosamente. Por isso, eu mesmo os farei sofrer, e os arruinarei por causa dos seus pecados. 7:2 - Os piedosos desapareceram do país; não há um justo sequer. Todos estão à espreita para derramar sangue; cada um caça seu irmão com uma armadilha. Com as mãos prontas para fazer o mal o governante exige presentes, o juiz aceita suborno, os poderosos impõem o que querem; todos tramam em conjunto.'[7]

Referências

  1. Echegary, J. González et ali (2000). A Bíblia e seu contexto 2 2 ed. (São Paulo: Edições Ave Maria). p. 1133. ISBN 978-85-276-0347-8. 
  2. Pearlman, Myer (2006). Através da Bíblia. Livro por Livro 23 ed. (São Paulo: Editora Vida). p. 439. ISBN 978-85-7367-134-6. 
  3. Tradução Ecumênica da Bíblia, Ed. Loyola, São Paulo, 1994, p 931
  4. Não durante todo esse período, mas sua atividade não é anterior a 750 AC e não é posterior à 680 a.C.
  5. Bíblia de Jerusalém, Nova Edição Revista e Ampliada, Ed. de 2002, 3ª Impressão (2004), Ed. Paulus, São Paulo, p 1.248
  6. Miquéias, Edição Pastoral da Bíblia, acessado em 05 de setembro de 2010
  7. http://www.bibliaonline.com.br/nvi/mq
  • Wolff, H.W. (1981). Biblischer Kommentar Altes Testament: Dodekapropheton (em alemão) 4 (Micha: Neukirchner). .
  • Stahlhoefer, A. B. (2005). Exegese de Miquéias 2.6-11 (São Bento do Sul: FLT). 
  • Champlin, Russel Norman (2001). O Antigo Testamento interpretado: versículo por versículo. dicionário - M-Z 7 2 ed. (São Paulo: Hagnos). 
Ícone de esboço Este artigo sobre a Bíblia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.