Imnos is tin Eleftherian

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este artigo não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde junho de 2010). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Ὕμνος εἰς τὴν Ἐλευθερίαν
(Imnos eis ten Elevtherian)
Português:  Hino à Liberdade

Hino Nacional  Grécia
 Chipre

Letra Dionýsios Solomós, 1823
Composição Nikolaos Mantzaros
Adotado 1865 (Grécia)
1970 (Chipre)

Imnos is tin Eleftherian (em grego: Ύμνος εις την Ελευθερίαν, "Hino à Liberdade") é o hino nacional da Grécia e de Chipre. Foi extraído de um longo poema de 158 estrofes, porém somente as duas primeiras são parte oficial da composição musical. O texto foi escrito por Dionýsios Solomós e musicado por Nikolaos Mantzaros, tendo sido oficialmente adotado em 1865. Trata-se duma ode à liberdade alcançada em 1821, após séculos de domínio otomano.

O hino é tocado em todas as cerimónias de encerramento de Jogos Olímpicos como tributo à Grécia por ser o seu berço histórico e primeiro país a organizar os Jogos na era moderna.

Letra[editar | editar código-fonte]

Versão original[editar | editar código-fonte]

Ύμνος εις την Ελευθερίαν
Σε γνωρίζω απο την κόψη,
του σπαθιού την τρομερή
Σε γνωρίζω απο την όψη,
που με βιά μετράει τη γη

Απ' τα κόκκαλα βγαλμένη,
των Ελλήνων τα ιερά.
Και σαν πρώτα ανδρειωμένη,
Χαίρε, Ώ χαίρε ελευθεριά!


Transliteração[editar | editar código-fonte]

Ýmnos is tin Eleftherían
Se gnorízo apó ten gópse,
Tou spathiou ten tromeré
Se gnorízo apó ten ópse,
pou me biá metraei te ge

Ap' ta kókkala vgalmene,
ton ellénon ta ierá.
Kai san próta, andreioméne,
Khaire, O khaíre Elevtheriá.


Tradução em português[editar | editar código-fonte]

Hino à Liberdade
Reconheço-te pelo gume
Do teu temível gládio;
Reconheço-te por esse rápido olhar
Com que fitas o horizonte.

Saída das ossadas
Sagradas dos Helenos,
E pujante da tua antiga bravura,
Saúdo-te, saúdo-te, Ó Liberdade.