Intervenção militar no Iraque (2014–presente)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Translation Latin Alphabet.svg
Este artigo ou seção está a ser traduzido de «American-led intervention in Iraq (2014–present)» na Wikipédia em inglês. Ajude e colabore com a tradução.
Gnome globe current event.svg
Este artigo ou seção se refere ou tem relação com um conflito armado recente ou ainda em curso.
A informação apresentada pode mudar com frequência. Não adicione especulações, nem texto sem referência a fontes confiáveis. (Editado pela última vez em 20 de outubro de 2017.)
Warfare current.svg
Disambig grey.svg Nota: Este artigo é sobre a intervenção militar ocidental no Iraque. Para a intervenção do Irã, veja Intervenção iraniana no Iraque (2014–presente).
Intervenção militar ocidental no Iraque (2014–presente)
Guerra contra o Estado Islâmico,
Guerra Civil Iraquiana (2011–presente)
FA-18C Fighter Iraq Airstrikes August 7 2014.JPG
Um F/A-18C Hornet estadunidense a bordo do USS George H.W. Bush antes do lançamento das operações sobre o Iraque em 2014.
Data 15 de Junho de 2014 – presente[1][2]
Situação
  • Forças lideradas pelos estadunidenses lançam mais de 6.300 ataques aéreos em posições do Estado Islâmico no Iraque[3]
  • Pesados danos causados à forças do grupo extremista, além disso, o Estado Islâmico perde 40% de seu território no Iraque por volta de janeiro de 2016[4]
  • Esforços multinacionais humanitários e armamento das forças terrestres
  • Assessoria e treinamento das forças terrestres iraquianas e curdas pela Coalizão
Beligerantes
Coalizão de países estrangeiros:

Seal of Combined Joint Task Force – Operation Inherent Resolve.svg CJTF–OIR


Forças locais:
 Iraque
 Curdistão iraquiano

Milícias assírias


Apoio humanitário

 Estado Islâmico do Iraque e do Levante
Comandantes
Estados Unidos Donald Trump

Estados Unidos Barack Obama
Estados Unidos Ashton Carter
Estados Unidos Lloyd Austin
Estados Unidos Andrew J. Loiselle
Reino Unido David Cameron
Reino Unido Theresa May
Reino Unido Michael Fallon
Reino Unido Andrew Pulford
Reino Unido Nick Clegg
Canadá Stephen Harper
Canadá Justin Trudeau
Canadá Rob Nicholson
Canadá Harjit Sajjan
Canadá Thomas J. Lawson
Canadá Yvan Blondin
Austrália Malcolm Turnbull
Austrália Tony Abbott
Austrália Marise Payne
Austrália David Johnston
Austrália Trevor Jones
França François Hollande[32]
França Jean-Yves Le Drian
França Pierre de Villiers
Dinamarca Helle Thorning-Schmidt
Dinamarca Lars Løkke Rasmussen
Dinamarca Peter Bartram
Alemanha Angela Merkel
Alemanha Ursula von der Leyen
Alemanha Volker Wieker
Países Baixos Mark Rutte
Países Baixos Jeanine Hennis-Plasschaert
Países Baixos Frans Timmermans
Países Baixos Sander Schnitger
Turquia Recep Tayyip Erdoğan
Turquia Ahmet Davutoğlu
Turquia Vecdi Gönül
Turquia Necdet Özel
Turquia Hulusi Akar
Jordânia Rei Abdullah II
Jordânia Abdullah Ensour
Marrocos Rei Mohammed VI
Marrocos Abdelilah Benkirane
Marrocos Bouchaib Arroub


Iraque Fuad Masum
Iraque Nouri al-Maliki
Iraque Haider al-Abadi
Curdistão iraquiano Masoud Barzani
Curdistão iraquiano Jaafar Sheikh Mustafa
Curdistão iraquiano Mustafa Said Qadir
Estado Islâmico do Iraque e do Levante Abu Bakr al-Baghdadi (Autoproclamado Califa)[33]

Estado Islâmico do Iraque e do Levante Abu Alaa Afri [34][35]
Estado Islâmico do Iraque e do Levante Abu Mohammad al-Adnani
Abu Ayman al-Iraqi [36][37]
Abu Suleiman al-Naser [37]
Estado Islâmico do Iraque e do Levante Abu Muslim al-Turkmani 
[38]
Estado Islâmico do Iraque e do Levante Abu Waheeb [39]
Estado Islâmico do Iraque e do Levante Abu Hajar al-Souri [40]
Estado Islâmico do Iraque e do Levante Akram Qirbash [35]
Estado Islâmico do Iraque e do Levante Ali Mohammed al-Shayer [41]
Estado Islâmico do Iraque e do Levante Radwan Taleb al-Hamdouni [42]
Estado Islâmico do Iraque e do Levante Hassan Saeed Al-Jabouri [43]
"Príncipe do Nínive" [13]
Abu-Jihad Abdullah Dlemi [44]

Abu Maria  [45]
Sleiman Daoud al-Afari
Baixas
 Estados Unidos:

 França:

  • 130 civis mortos
    (129 em atentados e 1 executado)[53][54]

 Reino Unido:

  • 1 soldado morto (acidental)[55]
  • 2 civis executados[56]

 Canadá:

  • 1 soldado morto, 3 feridos (fogo amigo)[57]

Arábia Saudita:

  • 3 soldados mortos[58]
~ 54 300 mortos[59][60]
1 500 civis mortos por ataques aéreos da coalizão[61][62]
Mais de 5 000 civis executados pelo Estado Islâmico (ONU)[63]

Mais de 550 000 civis deslocados[64][65]

A intervenção militar ocidental no Iraque teve início em 15 de junho de 2014, quando o presidente Barack Obama ordenou que as forças dos Estados Unidos fossem despachadas para a região, em resposta as ofensivas conduzidas pelo Estado Islâmico do Iraque e do Levante (Daesh) em território iraquiano. As tropas estadunidenses foram, a convite do governo iraquiano, para assessorar as forças iraquianas e combater a ameaça representada pelo Estado Islâmico.[66]

No início de agosto de 2014, o Estado Islâmico atacou os territórios mantidos pelos curdos no norte do Iraque e capturou três cidades no norte do país, perto da região autônoma do Curdistão iraquiano.[67] Consequentemente, os Estados Unidos passaram a abastecer com armas as forças curdas Peshmerga em 5 de agosto. Em 7 de agosto, os Estados Unidos também começariam a lançar ajuda humanitária via aérea (como alimentos, água e remédios) para os civis que fugiam do Estado Islâmico nas Montanhas Sinjar.[68] No dia seguinte, em 8 de agosto, os Estados Unidos dariam início aos ataques aéreos contra posições do Estado Islâmico no Iraque. Desde então, nove países, aliados com os Estados Unidos numa coalizão, também tem executado ataques aéreos ao Estado Islâmico no Iraque, mais ou menos em conjunto com a guerra terrestre das forças do governo iraquiano e/ou curdas contra o Estado Islâmico. Houve também confrontos esporádicos entre combatentes do grupo terrorista e tropas estadunidenses e canadenses, vários milhares das quais estão agindo como conselheiros e em missões de combate com as forças iraquianas e curdas.[69][70] Em abril de 2015, o Estado Islâmico tinha perdido 25–30% do território máximo que havia ganho no Iraque em dezembro de 2014 para as forças da coalizão liderada pelos iraquianos e estadunidenses, deixando-os na posse de cerca de 15.000 milhas quadradas do Iraque.[71]

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

Envolvimento prévio dos Estados Unidos[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Guerra do Iraque

Após a invasão do Iraque em 2003 pelos Estados Unidos, que foi baseada em afirmações de que o país possuía armas de destruição em massa e estaria abrigando terroristas, as forças militares estadunidenses no Iraque atingiram um pico de 170.000 soldados em 2007. Os Estados Unidos, entretanto, retirariam a maior parte de suas tropas do Iraque até 2011. Porém mantiveram uma equipe de 20.000 homens em suas embaixadas e consulados no Iraque, incluindo dezenas de Guardas de Embaixada da Marinha e cerca de 4.500 militares de empresas privadas.

Em 2013, os Estados Unidos começariam a sobrevoar novamente aeronaves de reconhecimento e drones desarmados sobre o Iraque para coletar inteligência sobre combatentes insurgentes islâmicos, principalmente sunitas, que visavam o governo iraquiano durante a insurgência iraquiana.[72][73]

Velhos inimigos[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Insurgência iraquiana

Os Estados Unidos e o Estado Islâmico do Iraque e do Levante são inimigos desde 2003, quando o Estado Islâmico — em suas encarnações anteriores como Jama'at al-Tawhid wal-Jihad, Conselho Shura Mujahideen (CSM) e Estado Islâmico do Iraque (al-Qaeda no Iraque) — começou a interferir e perturbar os planos dos estadunidenses e das Nações Unidas e outras potências ocidentais para o Iraque.

Desde a revolta contra a invasão do Iraque de março de 2003 e outra "humilhante" [74][75] interferência ocidental e da ONU no país, Jama'at e CSM iniciariam em agosto de 2003 uma campanha de terrorismo que jamais terminou, tendo como alvo, além de ao longo dos anos, centenas de iraquianos, vários soldados estadunidenses, em 2010 uma igreja repleta de cristãos, e, presumivelmente, incluindo as decapitações em 2004 de três civis estadunidenses, um britânico, um sul-coreano, e um civil japonês.

Estado Islâmico avança no Norte do Iraque[editar | editar código-fonte]

Após a retirada das tropas estadunidenses do Iraque em dezembro de 2011, a violenta insurgência dos combatentes islâmicos sunitas, visando principalmente o governo iraquiano, continuou.

Entre 5 e 11 de junho de 2014, militantes do grupo jihadista sunita 'Estado Islâmico do Iraque e do Levante' (Daesh), já bem sucedido na Guerra Civil Síria, conquistou as cidades iraquianas de Samarra, Mossul e Tikrit,[76] e ameaçou a Represa de Mossul e Kirkuk, onde as tropas curdas Peshmerga iraquianas assumiram o controle.[77]

Campanhas de decapitações em vídeos na internet (2014-2015)[editar | editar código-fonte]

Em 12 de agosto de 2014, o Estado Islâmico iniciou uma campanha decapitação de reféns civis ocidentais e japoneses, anunciadas em 12 de agosto [78] (James Foley em 19 de agosto, Steven Sotloff em 2 de setembro, David Haines em 13 de setembro, Hervé Gourdel em 24 de setembro, Alan Henning em 3 de outubro, Peter Kassig em 16 de novembro, Haruna Yukawa em algum momento de janeiro de 2015, Kenji Goto em 30 de janeiro de 2015), que não somente através da sua truculência natural, mas talvez ainda mais por serem desafiadoramente coreografadas e roteirizadas, profissionalmente filmadas, e astutamente publicadas, e comercializadas [79] através da internet, chocaram fortemente a opinião pública ocidental.

Embora esta campanha de provocação não daria início a intervenção militar estadunidense — que já tinha começado em 8 de agosto — parece ter contribuído para a decisão dos sete países ocidentais seguintes (começando com a França em 18 de setembro, pelos Países Baixos [80] em 24 de setembro e pela Grã-Bretanha em 26 de setembro), para se juntarem à Guerra contra o Estado Islâmico.

Cronologia[editar | editar código-fonte]

Vigilância e aconselhamento militar dos Estados Unidos no Iraque[editar | editar código-fonte]

Um soldado do Exército dos EUA aconselha e auxilia soldados iraquianos durante um exercício de treinamento, Iraque, 10 de novembro de 2015.

A convite do governo iraquiano, em 15 de junho de 2014, o presidente Obama ordenou dezenas de tropas dos Estados Unidos ao Iraque em resposta a ofensivas pelo Estado Islâmico para avaliar as forças iraquianas e a ameaça do Estado Islâmico.[66][81]

Provavelmente entre 15 e 26 de junho, os Estados Unidos secretamente começaram a sobrevoar também com aeronaves tripuladas sobre o Iraque.[82]

Em 26 de junho de 2014, os Estados Unidos passariam a inspecionar Bagdá também com drones armados "primeiramente" para a proteção de 180 conselheiros militares estadunidenses na área.[73]

Em 29-30 de junho de 2014, os Estados Unidos aumentaram o número de suas tropas no Iraque de 180 a 480 para impedir o Estado Islâmico de tomar o controle do Aeroporto Internacional de Bagdá que, segundo os Estados Unidos, seria fundamental para qualquer evacuação de estadunidenses de Bagdá e proteger os cidadãos e propriedades estadunidenses.[83]

Em julho, Obama anunciou que, devido à contínua violência no Iraque e a crescente influência de atores não-estatais, os Estados Unidos iriam elevar seu compromisso de segurança na região. [carece de fontes?] Aproximadamente 800 soldados dos Estados Unidos protegiam instalações estadunidenses, como a embaixada em Bagdá e o Consulado em Erbil, bem como assumiram o controle de locais estratégicos, como o Aeroporto Internacional de Bagdá. [carece de fontes?]

Por volta de 13 de julho, um relatório militar confidencial concluiu que muitas unidades do exército iraquiano estavam profundamente infiltradas quer por informantes extremistas sunitas quer pelo pessoal xiita apoiado pelo Irã, o que traria perigo aos conselheiros estadunidenses às forças iraquianas.[84][85][86]

Por volta de 5 de agosto, as forças militares estadunidenses no Iraque estavam agindo para "avaliar e aconselhar [as forças de segurança iraquianas] visto que enfrentam [o Estado Islâmico] e a situação de segurança complexa em terra." [87]

Conquistas e massacres pelo Estado Islâmico e a dupla reação dos Estados Unidos[editar | editar código-fonte]

Durante os primeiros 15 dias de agosto de 2014, o Estado Islâmico expandiu seus territórios no norte do Iraque. Em 3 de agosto, conquistou Sinjar e a área circundante, incluindo Wana e Zumar,[67] matando possivelmente 2.000 homens yazidis no Massacre de Sinjar, tomando mulheres yazidis à escravidão e provocando a fuga de 50.000 yazidis para as Montanhas Sinjar. Durante toda a sua ofensiva de agosto, o Estado Islâmico massacrou 5.000 yazidis.[63] Em 7 de agosto, o Estado Islâmico conquistou Qaraqosh, a maior cidade cristã do Iraque, e cidades vizinhas, levando a fuga de 100.000 civis cristãos.[88]

Em reação, em 5 de agosto, as forças armadas iraquianas começaram a lançar alimentos e água para dezenas de milhares de yazidis nas Montanhas Sinjar,[89] e os Estados Unidos deram início ao fornecimento direto de armas aos curdos iraquianos para combater o Estado Islâmico. Em 7 de agosto os Estados Unidos também começaram a lançar comida e água para os civis curdos yazidis presos nas Montanhas Sinjar.[68]

Decisão de Obama de intervir[editar | editar código-fonte]

O presidente Obama faz uma declaração sobre o Iraque e como lidar com o Estado Islâmico, 7 de agosto de 2014.

Na noite de 7 de agosto, o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama fez um discurso ao vivo para a Nação. Ele descreveu o recente avanço do Estado Islâmico em todo o Iraque e disse que a perseguição e as ameaças a extinção dos yazidis, uma minoria religiosa no norte do Iraque, incluindo especialmente os yazidis que haviam fugido para as Montanhas Sinjar,[90][91] em particular, lhe haviam convencido de que uma ação militar dos Estados Unidos era necessária. O presidente afirmou que ordenou ataques aéreos:

  • para proteger diplomatas, civis e militares estadunidenses em Erbil, no consulado estadunidense ou aconselhar as forças iraquianas;
  • para evitar um massacre em potencial (genocídio) pelo Estado Islâmico de milhares de yazidis no Monte Sinjar; e
  • para parar o avanço do Estado Islâmico em Erbil, capital da Região Autônoma Curda,[91] na qual os Estados Unidos tinham um consulado e um centro de operações conjuntas com as forças armadas iraquianas.[92]

Os Estados Unidos também passaram a considerar uma operação com tropas terrestres estadunidenses para resgatar os yazidis nas Montanhas Sinjar.[93]

Primeiros ataques aéreos dos Estados Unidos nas áreas de Erbil e Sinjar[editar | editar código-fonte]

Caças F/A-18 da Marinha dos Estados Unidos bombardeiam a artilharia do Estado Islâmico em 8 de Agosto de 2014.

Em 8 de agosto de 2014, caças McDonnell Douglas F/A-18 Hornet da Marinha dos Estados Unidos bombardearam uma unidade de artilharia do Estado Islâmico fora de Erbil, e quatro caças estadunidenses mais tarde bombardearam comboios militares do Estado Islâmico,[90] alguns deles avançando para Erbil e sitiando as forças curdas que defendiam a cidade.[90][92] Outra rodada de ataques aéreos dos Estados Unidos no período da tarde, atingiria oito alvos do grupo islamita perto de Erbil. Além disso, drones armados bem como aeronaves de asa fixa foram utilizados nos ataques estadunidenses.[94]

Em 8 e 9 de agosto, Obama ampliou os efeitos dos ataques aéreos de 8 de agosto visando:[90][92][95] i.) proteger os estadunidenses no Iraque; ii.) ajudar as minorias iraquianas retidas no Monte Sinjar; iii.) "romper o cerco do Monte Sinjar";[91] iv.) prevenir massacres (genocídios) aos yazidis e outros grupos minoritários como anunciado pelo Estado Islâmico;[90][91] e v.) ajudar os iraquianos a combater a ameaça do Estado Islâmico.

Em 9 de agosto, as forças dos Estados Unidos lançaram quatro ataques aéreos contra combatentes do Estado Islâmico que ameaçavam civis no Monte Sinjar, desta vez destinados principalmente a veículos blindados de combate. Uma combinação de aviões e drones estadunidenses destruíram quatro veículos blindados de transporte de pessoal.[96][97] Os ataques aéreos dos Estados Unidos nesse dia mataram 16 combatentes do Estado Islâmico conforme relataram as autoridades iraquianas.[98]

Em 10 de agosto, as forças estadunidenses lançaram uma série de cinco ataques aéreos que visavam veículos armados do Estado Islâmico, bem como uma posição de morteiro. Auxiliadas por estes ataques aéreos, as forças curdas iraquianas afirmaram ter recapturado as cidades norte iraquianas de Mahmour e Gweyr [99] do controle do Estado Islâmico. Os bombardeios iraquianos conduzidos entre 9 e 11 de agosto em Sinjar mataram 45 militantes do grupo extremista.[98] Em 10 de agosto, o Reino Unido também iniciaria os lançamentos aéreos de ajuda humanitária para os — inicialmente 50.000 — yazidis retidos nas Montanhas Sinjar.

Entre os dias 9 e 13 de agosto, os curdos e estadunidenses permitiriam que possivelmente 35.000 a 45.000 dos yazidis retidos nas Montanhas Sinjar escapassem ou fossem evacuados para a Síria. Em 11 de agosto, o tenente-general William Mayville Jr., diretor das operações dos Estados Unidos, disse que os ataques aéreos desde 7 de agosto perto de Erbil e Monte Sinjar haviam diminuído o ritmo operacional do Estado Islâmico e temporariamente interrompido seus avanços em direção a Erbil.[100] Em 12 de agosto, os Estados Unidos realizaram ataques aéreos contra posições de morteiros do Estado Islâmico no norte de Sinjar, após o grupo disparar contra forças curdas que protegiam os yazidis na área.[101]

Em 13 de agosto, o governo dos Estados Unidos concluiu que a situação dos yazidis restantes nas Montanhas Sinjar era "muito mais gerenciável" e menos perigosa, e que uma operação de resgate estadunidense não seria, portanto, intensamente necessária.[93] Presumivelmente, alguns milhares [93] ou entre 5.000 e 10.000[102] yazidis ainda permaneciam naquelas montanhas.

Retomando a Represa de Mossul[editar | editar código-fonte]

Em 16 de agosto, drones e bombardeiros estadunidenses começaram uma campanha apoio aéreo aproximado destinado a apoiar o avanço dos combatentes curdos que se deslocavam em direção à Represa de Mossul. Fontes curdas comentaram que isso foi o "mais pesado bombardeio estadunidense a posições militantes desde o início dos ataques aéreos." [103][104] Houve nove ataques aéreos dos Estados Unidos no norte do Iraque, no dia 17 de agosto de 2014.[105]

O presidente Obama, em uma carta ao Congresso em 17 de agosto, explicou este uso das forças estadunidenses como suporte para a campanha das forças iraquianas contra grupo terrorista Estado Islâmico.[106][107] Obama disse em 18 de agosto que os combatentes Peshmerga curdos e tropas iraquianas, com a ajuda dos Estados Unidos, haviam retomado a Represa de Mossul do Estado Islâmico.[104]

Setembro de 2014[editar | editar código-fonte]

Locais onde os Estados Unidos lançaram ataques aéreos contra o Estado Islâmico no Iraque (a partir de 16 de setembro.)

Em 8 de setembro, o exército iraquiano, com o apoio aéreo aproximado de aeronaves estadunidenses F-18, conseguiu retomar a importante represa de Haditha. Após a recaptura, as tropas iraquianas se moveram para recapturar a cidade de Barwana. A televisão estatal iraquiana informou que 15 militantes do Estado Islâmico foram mortos na batalha.[108] Após a vitória do Iraque, o Estado Islâmico respondeu com a execução pública de David Haines.[56]

Em 18 de setembro, a França decidiu iniciar ataques aéreos contra o Estado Islâmico também ("Operação Chammal").

Por volta de 23 de setembro, Lloyd Austin, o general encarregado do Comando Central dos Estados Unidos, foi confirmado como sendo o oficial superior encarregado da campanha contra o Estado Islâmico no Iraque e na Síria.[109]

Em 24 de setembro, o governo holandês decidiu enviar seis caças para contribuir para a "batalha internacional contra o Estado Islâmico".

Em 26 de setembro, o Parlamento britânico decidiu autorizar ataques aéreos contra o Estado Islâmico. A Grã-Bretanha, em seguida, anunciou a cooperação com as agências de inteligência iraquianas e curdas ("Operação Shader"). Além disso, o Parlamento belga naquele mesmo dia decidiria iniciar ataques aéreos ao Estado Islâmico também.

Por volta de 28 setembro de 2014, os ataques aéreos por parte da coalizão liderada pelos Estados Unidos, em conjunto com as forças terrestres do exército iraquiano, confrontaram os militantes do Estado Islâmico interrompendo uma ofensiva dos mesmos a Amariya al-Falluja, 40 km (25 milhas) a oeste de Bagdá, capital do Iraque.[110]

Em 30 de setembro, os Estados Unidos lançaram onze ataques aéreos no Iraque e o Reino Unido realizou seus dois primeiros ataques aéreos no Iraque nesta intervenção. Juntamente com onze ataques dos Estados Unidos na Síria contra o Estado Islâmico, estes 24 ataques foram o mais alto número de ataques contra o Estado Islâmico em um dia desde 8 de agosto.[111]

Até o final de setembro de 2014, a Marinha e a Força Aérea dos Estados Unidos haviam realizado 240 ataques aéreos no Iraque e na Síria, bem como 1.300 missões de reabastecimento aéreo, num total de 3.800 investidas por todos os tipos de aeronaves.[112]

Outubro de 2014[editar | editar código-fonte]

Em 3 de outubro de 2014, o governo australiano autorizou ataques aéreos ao Estado Islâmico no Iraque ("Operação Okra"). No início de outubro, o Parlamento da Dinamarca também parece ter aprovado o bombardeio. Em 7 de outubro, o parlamento canadense votou a favor dos ataques aéreos ("Operação Impact").

Em 11 de outubro, 10.000 militantes do Estado Islâmico liderados de Mossul e da Síria se dirigem à capital iraquiana, a cidade de Bagdá,[113] e o grupo esteve a ponto de tomar toda a província de Anbar, a oeste de Bagdá.[114] O vice-chefe do conselho provincial, al-Issawi disse, em seguida, que solicitou ao governo do Iraque que pedisse aos Estados Unidos o envio das forças terrestres; o governo iraquiano no entanto inequivocamente negou ter recebido tal demanda de Anbar.[114] Em 12 de outubro, o Estado Islâmico estava a 25 km (15,5 milhas) do aeroporto de Bagdá, relatou o general Dempsey. Os Estados Unidos, em seguida, implantaram helicópteros de ataque Apache a baixa altitude para manter o Estado Islâmico a distância.[115][116]

Até 22 de outubro, os Estados Unidos tinham gasto $424 milhões em ambas as suas campanhas de bombardeio contra Estado Islâmico no Iraque e na Síria.[112]

Novembro de 2014[editar | editar código-fonte]

No final de novembro de 2014, o Marrocos respondeu a um apelo estadunidense e enviou vários caças F-16 para combater o Estado Islâmico.[117]

Dezembro de 2014[editar | editar código-fonte]

Durante as primeiras horas da manhã de 14 de dezembro, as forças terrestres dos Estados Unidos supostamente entraram em confronto com o Estado Islâmico ao lado das forças do exército iraquiano e das forças tribais perto da base de Ein al-Asad, a oeste de Anbar, em uma tentativa de repeli-los da base, na qual incluía cerca de 100 conselheiros estadunidenses nela, quando o Estado Islâmico tentou invadir a base. Um comandante de campo do exército iraquiano na província de Anbar afirmou que "a força estadunidense equipada com armas leves e médias, apoiada por F-18, foi capaz de infligir baixas contra os combatentes da organização Estado Islâmico, e os forçou a retirar-se da área de al-Dolab, que fica a 10 km da base de Ain al-Assad". O Xeique Mahmud Nimrawi, um proeminente líder tribal da região, acrescentou que "as forças dos Estados Unidos intervieram porque o Estado Islâmico começou a chegar perto da base, onde estão estacionados tão fora da autodefesa", ele reagiu, acolhendo a intervenção dos Estados Unidos, e dizendo "que espero que possa" não ser a última." [69][118][119][120][121] Isto foi dito ser o primeiro contato entre os Estados Unidos e o Estado Islâmico, em quatro anos. No entanto, esta alegação foi declarada como "falsa" pelo Pentágono.[122][123]

Na ofensiva curda de Sinjar, em 17-22 de dezembro, as tropas curdas, auxiliadas por ataques aéreos estadunidenses, conectaram as Montanhas Sinjar ao território Peshmerga, permitindo que os yazidis que ficaram nas montanhas fossem evacuados.[124] Em 22 de dezembro, as forças Peshmerga curdas investiram na cidade de Sinjar, tomando o controle de grande parte da cidade.

Em 25 de dezembro de 2014, Hassan Saeed Al-Jabouri, o governador do Estado Islâmico para Mossul, que também era conhecido como Abu Taluut, foi morto por um ataque aéreo da coalizão liderada pelos Estados Unidos em Mossul. Também foi revelado que os Estados Unidos planejavam retomar a cidade de Mosul em janeiro de 2015.[43]

Janeiro de 2015[editar | editar código-fonte]

Em meados de janeiro de 2015, soldados canadenses nas linhas de frente entre as tropas iraquianas e do Estado Islâmico trocaram fogo com combatentes do grupo terrorista. Os canadenses não foram feridos, porém "neutralizaram" um número desconhecido de militantes.[70]

Em 20 de janeiro de 2015, o Observatório Sírio de Direitos Humanos informou que al-Baghdadi, líder do Estado Islâmico, tinha sido ferido em um ataque aéreo em Alcaim, uma cidade na fronteira com o Iraque mantida pelo Estado Islâmico, e, como resultado, retirou-se para a Síria.[125]

Em 21 de janeiro de 2015, os Estados Unidos começaram a coordenar ataques aéreos com uma ofensiva lançada pelos curdos para ajudá-los a iniciar uma operação planejada para retomar a cidade de Mossul.[126]

Em 29 de janeiro de 2015, forças especiais canadenses no Iraque ficaram sob o fogo das forças do Estado Islâmico, fazendo com que as tropas canadenses revidassem, matando alguns militantes do grupo islamita.[127]

Fevereiro de 2015[editar | editar código-fonte]

A Jordânia, que vinha conduzindo ataques aéreos sobre o Estado Islâmico na Síria desde setembro de 2014, passou a bombardear alvos do Estado Islâmico no Iraque em 4 de Fevereiro de 2015.

Em 17 de fevereiro, foi revelado que o Estado Islâmico havia lançado mais uma grande investida em Erbil, chegando a 45 quilômetros (28 milhas) da cidade.[128]

Ao final de fevereiro, foi relatado que o Estado Islâmico estaria começando a usar armas químicas, devido ao enfraquecimento gradual da organização,[129] e que o exército iraquiano era esperado para se juntar a libertação de Mossul em algum momento de abril de 2015.[130]

Março de 2015[editar | editar código-fonte]

Aeronaves da força aérea britânica sobrevoando o Iraque.

Em 25 de março de 2015, a coalizão liderada pelos estadunidenses se juntaria a Segunda Batalha de Tikrit com o lançamento de seus primeiros ataques aéreos contra alvos do Estado Islâmico no centro da cidade.[131][132] Naquela noite, aviões estadunidenses efetuaram 17 ataques aéreos no centro de Tikrit, que atingiu um prédio do Estado Islâmico, duas pontes, três postos de controle, duas áreas de teste, duas bermas, uma barricada e uma instalação de comando e controle.[133] A coalizão liderada pelos Estados Unidos continuaria realizando ataques aéreos em Tikrit até 31 de março,[133] quando as forças iraquianas entraram no centro da cidade.[134]

Abril de 2015[editar | editar código-fonte]

Em 8 de abril de 2015, as forças iraquianas, com base nos seus avanços em Salah-ad-Din, lançaram uma ofensiva para libertar a província de Anbar da ocupação do Estado Islâmico, começando com uma ofensiva na região em torno do leste de Ramadi, apoiada por aviões da coalizão.[135] Em retaliação, o Estado Islâmico executaria 300 pessoas na província de Anbar. Também foi relatado que 10.000 combatentes tribais sunitas iriam participar na ofensiva de Anbar.[136]

Em 12 de abril, o governo iraquiano declarou que Tikrit estava livre de forças extremistas, declarando que era seguro para os residentes regressar para suas casas. No entanto, muitos refugiados de Tikrit ainda temiam voltar à cidade.[137] Em 12 de abril, Abu Maria, o líder máximo do Estado Islâmico em Tikrit, foi morto pelas forças iraquianas no campo petrolífero de Ajeel perto de Tikrit, junto com seu assessor, depois que ambos foram pegos tentando fugir da cidade.[45] No entanto, os relatórios posteriores revelaram que a resistência do Estado Islâmico persistiu até 17 de abril.[138]

Em meados de abril de 2015, o Estado Islâmico havia perdido 25-30%, de 5.000 a 6.500 milhas quadradas, no Iraque desde o auge da sua influência territorial em agosto de 2014 para as forças da coalizão estadunidense e iraquiana, deixando-os ainda possuir 15.000 milhas quadradas no Iraque.[71]

Em 17 de abril, as forças iraquianas em Tikrit localizaram e mataram 130 agentes adormecidos do Estado Islâmico, finalmente, concluindo a Segunda Batalha de Tikrit. .[138][139] No entanto, as operações de limpeza para remover os 5.000-10.000 artefatos explosivos improvisados deixados para trás pelo grupo terrorista deveriam levar pelo menos vários meses.[140]

Em 22 de abril de 2015, fontes do governo iraquiano informaram que Abu Alaa Afri, o vice do autoproclamado Califa e um ex-professor de física iraquiano, fora instalado como o substituto do líder enquanto Baghdadi se recupera de seus ferimentos.[141]

Caças F-22 americanos voando sobre o território iraquiano.

Maio de 2015[editar | editar código-fonte]

Em 3 de maio de 2015, o The Guardian relatou que o líder do Estado Islâmico Abu Bakr al-Baghdadi estava se recuperando de lesões graves que recebeu de um bombardeio em 18 de março de 2015 em uma parte de Mossul. Também foi relatado que a lesão espinhal de al-Baghdadi, que o deixou incapacitado, indica que jamais poderá retomar plenamente ao comando direto do Estado Islâmico.[33]

De acordo com o Ministério da Defesa iraquiano, Abu Ali al-Anbari, o vice-líder do Estado Islâmico, foi morto em 12 de maio de 2015 em um ataque aéreo da coalizão liderada pelos Estados Unidos contra uma mesquita em Tel Afar, onde al-Afri mantinha uma reunião com outros altos dirigentes do Estado Islâmico. O ataque aéreo teria provocado a morte de dezenas de outros militantes do grupo islamita que estavam presentes.[35] Akram Qirbash, um importante juiz do grupo, também foi morto no ataque aéreo.[142][143] O Departamento de Defesa dos Estados Unidos afirmou que não poderia corroborar o relato.[142]

Outubro de 2015[editar | editar código-fonte]

Em 22 de outubro de 2015, trinta forças especiais dos Estados Unidos da Delta Force e membros de uma unidade de contraterrorismo curdo realizaram uma incursão em um composto de prisão do Estado Islâmico a 7 km (4,3 milhas) ao norte da cidade de Hawija, na província de Kirkuk.[144][145][146] A incursão libertou cerca de 70 reféns, incluindo mais de 20 membros das forças de segurança iraquianas. O Governo Regional do Curdistão solicitou as forças de operações especiais estadunidenses que apoiassem uma operação para libertar reféns que estavam sendo mantidos dentro da prisão e iriam ser executados; o oficial Joshua Wheeler foi morto no ataque, sendo o primeiro membro do serviço estadunidense morto em ação como resultado de um ataque inimigo enquanto combatia o Estado Islâmico e na ocasião foi o primeiro estadunidense a ser morto em ação no Iraque desde novembro de 2011.[147]

Janeiro de 2016[editar | editar código-fonte]

A coalizão liderada pelos Estados Unidos passou a alvejar a infra-estrutura de armas químicas do Estado Islâmico com ataques aéreos e incursões das forças especiais. A coalizão se concentra em destruir laboratórios e equipamentos, ao passo que outras forças especiais planeja incursões para atingir especialistas em armas químicas do Estado Islâmico.[148]

Abril de 2016[editar | editar código-fonte]

Uma aeronave dinamarquesa em missão no Iraque.

Em 18 de abril de 2016, as forças especiais estadunidenses e as forças curdas lançaram um ataque a Hammam al-'Alil que matou Salman Abu Shabib al-Jebouri; um alto comandante do Estado Islâmico, que era um dos principais membros do conselho militar do grupo, dois de seus assessores também foram mortos. O secretário de Defesa dos Estados Unidos Ash Carter anunciou que os Estados Unidos iriam enviar 200 soldados adicionais; a maioria deles sendo forças especiais e helicópteros de combate Apache para o Iraque, o restante irá incluir instrutores, forças de segurança para os assessores e equipes de manutenção para os Apaches, aumentando o número de militares estadunidenses no país para cerca de 4.100. Os Estados Unidos também planejam dar as forças Peshmerga curdas mais de US $ 400 milhões em assistência.[149]

Em 25 de abril, um bombardeiro estadunidense lançou uma bomba guiada que destruiu um SUV ocupado pelo líder do Estado Islâmico Raphael Saihou Hostey perto de Mossul, Hostey era um recrutador para o grupo; os operadores de drones estadunidenses vinham perseguindo-o por dias antes da chegada da ordem para matá-lo.[150]

Outubro de 2016[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Batalha de Mossul

Em outubro de 2016, aeronaves da Coalizão ocidental (liderados pelos Estados Unidos) lançaram uma grande campanha aérea na província de Ninawa, para apoiar a ofensiva terrestre do exército iraquiano para retomar a cidade de Mossul.[151]

Julho de 2017[editar | editar código-fonte]

Após quase nove meses de intensos combates, as forças militares do governo iraquiano declararam Mossul segura e afirmaram ter derrotado o Estado Islâmico na porção norte do país. Aviões e forças especiais da OTAN (encabeçados por Estados Unidos, Reino Unido e França) contribuíram de forma decisiva na campanha.[152]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Defense.gov News Article: DoD Authorizes War on Terror Award for Inherent Resolve Ops». Defense.gov 
  2. «Global War on Terrorism Expeditionary Medal authorized for Operation Inherent Resolve». Stars and Stripes 
  3. «Airstrikes in Iraq and Syria». US Department of Defense. 7 de agosto de 2015 
  4. «ISIS Lost 40 Percent of Territory in Iraq, 20 Percent in Syria: Coalition Spokesman». nbcnews.com. 5 de janeiro de 2016 
  5. «Australia says it is deploying warplanes to join Iraq campaign». The Daily Telegraph. Yahoo. 22 de setembro de 2014 
  6. Battling Dutch, Belgium prepare to send forces, MSN .
  7. «Denmark, Belgium Join Fight Against ISIS In Iraq», The Huffington Post, 26 de setembro de 2014 .
  8. a b «Sweden rejects calls for military support to Iraq». The Local. SE. 18 de agosto de 2014 
  9. «Islamic State: France ready to launch Iraq air strikes». BBC. 18 de setembro de 2014 
  10. «France bombs Isis depot in Iraq». The Guardian. 21 de setembro de 2014 
  11. «Germany decides to send more troops to Iraq». Iraqi News 
  12. «German Tornado jets begin mission against 'IS'». Deutsche Welle 
  13. a b «Jordan carries out air strikes in Iraq, killing 55 IS militants». i24 News. i24 News. 4 de fevereiro de 2015 
  14. «Morocco Sends its F16s to Syria and Iraq to Fight ISIS». The Moroccan Times 
  15. Dutch send fighter jets to strike Iraq, Yahoo .
  16. a b «Britain ready to supply Kurds with arms». Reuters 
  17. «RAF jets sent on Iraqi combat mission», BBC, 27 de setembro de 2014 .
  18. Van Heuvelen, Ben. «Amid turmoil, Iraq's Kurdish region is laying foundation for independent state». The Washington Post. Kurdistan's military forces... have taken over many of the northernmost positions abandoned by the national army, significantly expanding the zone of Kurdish control... ‘In most places, we aren't bothering them [ISIS], and they aren’t bothering us – or the civilians,’ said Lt. Gen. Shaukur Zibari, a pesh merga commander. 
  19. «Greece Brings War Against the Islamic State». Greek Reporter. 25 de setembro de 2014 
  20. «Canada to join anti-Islamic State air strikes». BBC News. 3 de outubro de 2014 
  21. «Italy Send Aid to Iraq». RIA. RU. 15 de agosto de 2014 
  22. «Renzi arrives in Baghdad for meetings with Iraq leaders». Gazzetta del Sud. Italy 
  23. Singapore to join coalition against ISIS, The Daily Star, 3 de novembro de 2014 
  24. a b Nissenbaum, Dion (14 de agosto de 2014). «US Military Shifts to Helping Kurds Fight Back». The Wall Street Journal 
  25. Weaver, Matthew (14 de agosto de 2014). «Iraq crisis: EU backs plans by member states to arm Kurd fighters». The Guardian 
  26. Likmeta, Besar (27 de agosto de 2014). «Albania Starts Shifting Weapons to Iraqi Kurds». Balkan Insight 
  27. «До 2020 година 1.8 млрд. лв. ще бъдат вложени в армията» [1.8 bln. lv will be invested in the military by 2020] (em búlgaro). BG: Dir. 20 de setembro de 2014. Shalamanov does not consider the conflict in Ukraine to be the only short-term threat for Bulgarian national security, which is why our country is sending armaments to the opponents of Islamic State... According to him, the events in northern Iraq and Syria represent a growing risk that threatens our national interests. 
  28. «Hrvatska u borbi protiv islamista: Na zahtjev SAD-a šaljemo oružje za iračku vojsku». Jutarnji list (em croata). HR. 21 de agosto de 2014 
  29. «Slovakia Launches Aid for Displaced Civilians in Northern Iraq». Emerging Europe (blog). The Wall Street Journal. 14 August 2014  Verifique data em: |data= (ajuda)
  30. «Norway Pledges Super Hercules Aircraft for Iraq Aid Effort». The Wall Street Journal 
  31. «Polish Aid For Refugees from Nineveh in Iraq». PL: MSZ 
  32. «France strikes Islamic State group's depot in Iraq», Go, ABC News .
  33. a b Mamoun, Abdelhak. «ISIS leader al-Baghdadi is incapacitated, says the Guardian». Iraqi news 
  34. «Report: A former physics teacher is now leading ISIS - Business Insider». Business Insider. 23 de abril de 2015 
  35. a b c «ISIS' Abu Alaa al-Afri killed alongside dozens of followers in air strike - Daily Mail Online». Mail Online 
  36. «Military Skill and Terrorist Technique Fuel Success of ISIS». New York Times. 27 de agosto de 2014 
  37. a b Alessandria Masi (11 de novembro de 2014). «If ISIS Leader Abu Bakr al-Baghdadi Is Killed, Who Is Caliph Of The Islamic State Group?». International Business Times 
  38. Matt Bradley and Ghassan Adnan in Baghdad, and Felicia Schwartz in Washington (10 de novembro de 2014). «Coalition Airstrikes Targeted Islamic State Leaders Near Mosul». WSJ 
  39. «IS Governor of Anbar killed in Airstrike - BasNews». basnews.com 
  40. al-Obaidi, Hassan (8 de setembro de 2014). «Iraqi airstrike kills key ISIL leader». Al Shorfa 
  41. «3 ISIL leaders killed in Iraqi airstrike north of Mosul». Al Shorfa. 11 de setembro de 2014 
  42. «Top ISIS Leader Killed in Mosul by US Coalition Airstrike». Christian Post 
  43. a b Per Liljas (25 de dezembro de 2014). «Iraqi Police: Coalition Airstrikes Kill ISIS Governor of Mosul». Time 
  44. «Top ISIS leader who was once Saddam general killed in Fallujah». Rudaw 
  45. a b Kukil Bora (13 de abril de 2015). «ISIS Leader Abu Maria Killed By Iraqi Forces In Tikrit: Report». International Business Times 
  46. a b «OPERATION INHERENT RESOLVE (OIR) U.S. CASUALTY STATUS» (PDF). defense.gov. 9 de setembro de 2015 
  47. «Marine, 19, becomes second U.S. military death in campaign against ISIS just one month after deployment to Iraq». Mail Online. Consultado em 1 de dezembro de 2014 
  48. «Marine is first US death in operations against Islamic State». The Times of India. Reuters. 4 de outubro de 2014 
  49. https://web.archive.org/web/20160204203958/http://icasualties.org/. Arquivado do original em 4 de fevereiro de 2016  Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  50. «Soldier Shot in Nose First US Combat Casualty in Fight Against ISIS». Military.com. Consultado em 8 de agosto de 2015 
  51. Starr, Barbara; Sciutto, Jim (20 de março de 2016). «U.S. Marine killed in Iraq after rocket attack». cnn.com. Consultado em 15 de janeiro de 2016 
  52. «Isil using anti-aircraft batteries captured in Iraq», The World Tribune, 12 de setembro de 2014 
  53. «BBC News – Libya hotel attack: Five foreigners among nine killed». BBC News. 27 de julho de 2017 
  54. IS beheads French hostage in video, Sky 
  55. «L/Cpl Scott Hetherington: UK soldier died 'in shooting accident'». BBC. 3 de janeiro de 2017 
  56. a b «David Haines's 'evil murder' condemned by PM». BBC News. Consultado em 14 de setembro de 2014 
  57. «Sgt. Andrew Doiron, Canadian soldier killed in Iraq, made military his 'mission'». 9 de março de 2015. Consultado em 8 de agosto de 2015 
  58. «BBC News – Saudi guards killed in attack on Iraq border». BBC News. 27 de julho de 2017 
  59. «US Special Ops chief: More than 60,000 ISIS fighters killed». CBS. Consultado em 14 de fevereiro de 2017 
  60. «28 months of bombing by the international coalition kills more than 6900 persons in Syria, including 820 Syrian civilians». SOHR. 23 de janeiro de 2017. Consultado em 27 de julho de 2017 
  61. Erro de citação: Código <ref> inválido; não foi fornecido texto para as refs de nome IBC2014
  62. Erro de citação: Código <ref> inválido; não foi fornecido texto para as refs de nome IBC2015
  63. a b Hopkins, Steve (14 de outubro de 2014). «Full horror of the Yazidis who didn't escape Mount Sinjar: UN confirms 5,000 men were executed and 7,000 women are now kept as sex slaves». The Daily Mail 
  64. «Iraq crisis: Islamists force 500,000 to flee Mosul». BBC News. 11 de junho de 2014 
  65. «10,000 Yazidis rescued through safe corridor, as ISIL 'fire on aid helicopters'» 
  66. a b «DoD Authorizes War on Terror Award for Inherent Resolve Ops». Defense.gov. Department of Defense. 31 de outubro de 2014 
  67. a b Arango, Tim (3 de agosto de 2014). «Sunni Extremists in Iraq Seize 3 Towns From Kurds and Threaten Major Dam». The New York Times 
  68. a b Erro de citação: Código <ref> inválido; não foi fornecido texto para as refs de nome abc7Aug14
  69. a b «First ground clash between ISIS and US forces in Iraq». Shafaq News. 16 de dezembro de 2014 
  70. a b Austen, Ian (19 de janeiro de 2015). «Canada: Troops Clash With ISIS in Iraq». The New York Times 
  71. a b ISIL Loses Control of Once-dominated Iraq Territory, US: Department of Defense, 13 de abril de 2015 .
  72. «U.S. Secretly Flying Drones Over Iraq». WSJ. 12 de junho de 2014 
  73. a b «U.S. has armed drones over Baghdad, official says». CNN. 27 de junho de 2014 
  74. «Frontline (U.S. TV series)» (transcript) (TV program). PBS. 21 de fevereiro de 2006 
  75. «Al-Qaeda group claims Salim death». BBC News. 19 de maio de 2004 
  76. Roggio, Bill (10 de junho de 2014). «ISIS takes control of Mosul, Iraq's second largest city». The Long War Journal 
  77. «Kurdish peshmerga seize a chaotic victory in Kirkuk». The Guardian. 12 de junho de 2014 
  78. «Jihadists sent chilling email to Foley family before execution». Big News Network. 22 de agosto de 2014 
  79. «Beheadings as Terror Marketing». The Atlantic 
  80. «Wat bracht James Foley naar Syrië, en hoe is hij verdwenen?» [What brought James Foley to Syria, and how did he disappear?], NL, NRC Handelsblad (em holandês), 20 de agosto de 2014 .
  81. «US Ops in Iraq Have Cost €550 Million Since June», Defense News, 29 de agosto de 2014 .
  82. «Armed U.S. aircraft now flying over Iraq: defense officials». Reuters. 27 de junho de 2014 
  83. Youssef, Nancy A. (30 de junho de 2014). «480 U.S. troops now in Baghdad as officials move to secure access to airport». Washington, DC: McClatchy DC 
  84. «U.S. Sees Risks in Assisting a Compromised Iraqi Force», The New York Times, 13 de julho de 2014 .
  85. Cox, Carmen (15 de julho de 2014). «Report: Iraqi Army Infiltrated with Extremists from Both Sides». ABC News Radio Online 
  86. «Pentagon report warns of security risks for US advisers in Iraq». The Hill. 14 de julho de 2014 
  87. Jacob Siegel (7 de agosto de 2014). «Will U.S. Troops Stand By While ISIS Starves Thousands?». The Daily Beast 
  88. «Iraq Christians flee as Islamic State takes Qaraqosh». BBC News. 7 de agosto de 2014 
  89. Salih, Mohammed; van Wilgenburg, Wladimir (5 de agosto de 2014). «Iraqi Yazidis: 'If we move they will kill us'». Aljazeera 
  90. a b c d e U.S. jet fighters, drones strike ISIS figtrers, convoys in Iraq. CNN, 9 August 2014.
  91. a b c d «Statement by the President». The White House. 7 de agosto de 2014 
  92. a b c «U.S. airstrikes target Islamic State militants in northern Iraq». The Washington Post. 8 de agosto de 2014 
  93. a b c «Militants' Siege on Mountain in Iraq Is Over, Pentagon Says». The New York Times. 13 de agosto de 2014 
  94. «The New York Times». nytimes.com 
  95. «Obama Says Iraq Airstrike Effort Could Be Long-Term». The New York Times. 9 de agosto de 2014 .
  96. «U.S. Launches Four More Airstrikes Against ISIS in Iraq». NBC News. 9 de agosto de 2014 
  97. «Iraq Airstrikes From US Military». Business Insider. 9 de agosto de 2014 
  98. a b «Iraq: Troops swell in Baghdad amid humanitarian chaos». CNN. 11 de agosto de 2014 
  99. «Kurdish forces claim to recapture 2 Iraqi towns from IS with US air support (+ video)». Christian Science Monitor. 10 de agosto de 2014 
  100. Harper, Jon (11 de agosto de 2014). «General: Iraq airstrikes have limited, 'temporary effect'». Stars and Stripes (newspaper) 
  101. «Officials: More U.S. advisers being sent to Iraq». CNN. 13 de agosto de 2014 
  102. Shelton, Tracey (29 de agosto de 2014). «'If it wasn't for the Kurdish fighters, we would have died up there'». Global Post 
  103. «Iraq crisis: US strikes aid Kurdish bid to retake dam». BBC. 16 de agosto de 2014 
  104. a b «Iraq crisis: Mosul dam recaptured from militants – Obama». BBC. 18 de agosto de 2014 
  105. US Operation Against ISIL in Iraq Remains Nameless. Military.com, 18 August 2014.
  106. ‘Letter from the President -- War Powers Resolution Regarding Iraq’. The White House, 17 August 2014.
  107. Bill Roggio (18 de agosto de 2014). «US airpower supports Peshmerga, Iraqi forces to retake Mosul Dam». The Long War Journal 
  108. John Beck (8 de setembro de 2014). «Iraqi Forces Have Pushed Back Islamic State Fighters From the Haditha Dam». Vice News 
  109. «Meet The 'Invisible General' Leading The War On ISIS». Business Insider. 24 de setembro de 2014 
  110. «Islamic State crisis: Iraq air strikes 'halt IS advance'». BBC News. 29 de setembro de 2014 
  111. «U.S. and Britain combine to launch the largest day yet for airstrikes in Iraq and Syria». The Washington Post. 30 de setembro de 2014 
  112. a b «US spending on ISIL growing». Federal News Radio. 22 de outubro de 2014 
  113. 10,000 ISIS fighters head to Baghdad. CNN (video), 11 October 2014.
  114. a b Leaders of Iraq’s Anbar province call for U.S. ground forces to stop ISIS. CNN, 12 October 2014.
  115. ISIS could hold swath from northern Syria to the gates of Baghdad. CNN, 13 October 2014.
  116. Mary Grace Lucas, CNN (12 de outubro de 2014). «ISIS nearly made it to Baghdad airport, Dempsey says - CNN.com». CNN 
  117. Schmitt, Eric (26 de novembro de 2014). «US Adds Planes to Bolster Drive to Wipe Out ISIS». The New York Times 
  118. «US servicemen in first ground battle with ISIS – Kurdish media». Russia Today. 17 de dezembro de 2014 
  119. «Reports of U.S. Ground Fighters Emerge as ISIS Gains in Iraq». The Fiscal Times. 17 de dezembro de 2014 
  120. «American troops battle ISIS for first time as they see off attempted attack by militants on Iraqi base». Daily Mail. 17 de dezembro de 2014 
  121. «U.S. Ground Troops Fighting Isis In Iraq». Fox News Radio. 18 de dezembro de 2014 
  122. «Pentagon: US Troops Not in Ground Combat with ISIS In Iraq». Breitbart 
  123. «Hundreds of US troops now deployed in Iraq's Anbar province». Stars and Stripes 
  124. «ISIL land mines frustrate effort to get aid to freed Mount Sinjar Yazidis». Aljazeera America. 19 de dezembro de 2014 
  125. «Iraq: ISIS leader Baghdadi injured, stays in Syria». Syrian Observatory For Human Rights 
  126. Morris, Loveday (January 21, 2015) Kurds say they have ejected Islamic State from large area in Northern Iraq The Washington Post.
  127. «Canada's top general says special forces' role in Iraq has evolved». The Globe and Mail 
  128. Tim Lister (18 de fevereiro de 2015). «Kurds: ISIS launches 'major' assault near Irbil». CNN 
  129. Mohammed, Riyadh. «ISIS Turns to Chemical Weapons As It Loses Ground in Iraq». The Fiscal Times. Cópia arquivada em 23 de fevereiro de 2015 
  130. Greg Botelho and Barbara Starr, CNN (20 de fevereiro de 2015). «Official: Iraqi troops plan Mosul offensive in spring - CNN.com». CNN 
  131. «Islamic State conflict: US launches Tikrit air strikes». BBC News 
  132. «Opening New Iraq Front, U.S. Strikes ISIS in Tikrit». The New York Times. 26 de março de 2015 
  133. a b «Map of Countires Supporting the Proliferation Security Initiative» 
  134. «Iraq premier: Troops in center of Islamic State-held Tikrit». AOL 
  135. Sarhan, Amre. «Military operation began to liberate Anbar, says Anbar Council». Iraqi news 
  136. Mamoun, Abdelhak. «ISIS executes 300 people west of Anbar». Iraqi news 
  137. Tears for Tikrit, Iraq: Keye TV .
  138. a b Mamoun, Abdelhak. «130 ISIS elements killed, sleeper cells found in Tikrit». Iraqi news 
  139. «Liberated from Islamic State, Tikrit struggles with reconciliation». PBS News Hour 
  140. «Lessons From the Second Battle of Tikrit: March 2-April 4, 2015». The Huffington Post 
  141. Moore, Jack (22 de abril de 2015). «ISIS Replace Injured Leader Baghdadi With Former Physics Teacher». Newsweek 
  142. a b Starr, Barbara; Walsh, Nick Paton; Alkhshali, Hamdi (13 de maio de 2015). «ISIS' No. 2 leader Abu Alaa al-Afri killed, Iraq says». CNN 
  143. «Islamic State deputy leader killed in Iraq air strike». News. BBC. 13 de maio de 2015 
  144. «DoD Identifies Army Casualty». U.S. Department of Defense. U.S. Department of Defense. 23 de outubro de 2015 
  145. «DoD identifies soldier killed in commando raid in Iraq». Armytimes. 23 de outubro de 2015 
  146. «U.S. soldier killed in Iraq raid rushed into firefight: Carter». reuters. 23 de outubro de 2015 
  147. «U.S. Identifies American Killed in Iraq Raid as Master Sgt. Joshua Wheeler». Wall Street Journal. 23 de outubro de 2015 
  148. «Head of Isis chemical weapons program captured by US in Iraq last month». the telegraph. 9 de março de 2016 
  149. «US extra troops to boost fight against IS in Iraq». BBC. 18 de abril de 2016 
  150. «U.S. Military Says it has Killed more than 120 Islamic State Leaders». military.com. 12 de junho de 2016 
  151. "Watch a US-led coalition airstrike wipe out an ISIS staging area near Mosul". Página acessada em 30 de outubro de 2016.
  152. "Primeiro-ministro iraquiano proclama vitória contra Estado Islâmico em Mossul". Página acessada em 9 de julho de 2017.