Movimento Ele Não

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Movimento Ele Não
Cartaz Ele Não 2018.jpg
Cartaz simbolizando o movimento.
Período 29 de setembro de 2018
Local Brasil — 114 cidades de 26 estados e Distrito Federal; mais de 50 países.
Causas  • Campanha presidencial de Jair Bolsonaro.
Objetivos  • Rejeição à candidatura de Jair Bolsonaro à presidência e suas posições públicas.[1][2]

Os protestos contra Jair Bolsonaro, conhecidos como Movimento Ele Não ou #EleNão, foram manifestações populares lideradas por mulheres que ocorreram em diversas regiões do Brasil e do mundo, tendo como principal objetivo protestar contra a candidatura à presidência da República do deputado federal Jair Bolsonaro. As manifestações ocorreram no dia 29 de setembro de 2018,[3][4] e se tornaram o maior protesto já realizado por mulheres no Brasil e a maior concentração popular durante a campanha da eleição presidencial no Brasil em 2018.[5][6]

As manifestações começaram a ser organizadas nas redes sociais, principalmente no grupo "Mulheres Unidas Contra Bolsonaro" no Facebook.[7][8] Os protestos foram motivados pelas declarações misóginas do candidato e também por suas ameaças à democracia. Movimentos sociais, grupos feministas e partidos também apoiaram e participaram das manifestações.[7][9][10]

Foram realizados atos contrários ao parlamentar em mais de 160 cidades de todos os estados do país.[11][12][13] Capitais brasileiras, como Rio de Janeiro, São Paulo, Belo Horizonte, Brasília, Recife, Porto Alegre, Curitiba e Salvador, foram alvos dos atos ocorridos. Cidades de outros países também registraram manifestações, a exemplo de Nova Iorque, Barcelona, Berlim, Lisboa[14] e Paris.[15][16][17]

Contexto[editar | editar código-fonte]

Bolsonaro discute com Maria do Rosário no plenário da Câmara durante debate sobre a violência contra a mulher.

Durante sua vida política como parlamentar e após a oficialização da sua candidatura à presidência, Bolsonaro foi acusado diversas vezes de homofobia,[18][19][20] desrespeito a negros,[21] misoginia e sexismo contra mulheres.[22][23][24]

Ainda em recuperação após um atentado, Bolsonaro declarou em entrevista na Band que, "Não aceito resultado diferente da minha eleição", afirmando que um resultado diferente do que sua vitória na eleição presidencial seria uma fraude.[25] Bolsonaro já havia questionado a segurança das urnas eletrônicas anteriormente, afirmando que os resultados das urnas eletrônicas poderiam ser adulterados. Sua posição sobre a segurança das urnas eletrônicas foi rebatida pelo ministro do Supremo Tribunal Federal Dias Toffoli.[26]

O grupo "Mulheres Unidas Contra Bolsonaro" foi criado na rede social Facebook em 31 de agosto de 2018, pela publicitária baiana Ludimilla Teixeira, em oposição ao candidato Jair Bolsonaro, tendo atingido 1 milhão de participantes no dia 12 de setembro.[27][28][29][30] No dia 16 de setembro, já com mais de 2 milhões de participantes no grupo exclusivamente do sexo feminino, os perfis das administradoras Maíra Mota, Elis Santos e da própria criadora do grupo, fora invadido. Os invasores modificaram o nome do grupo para "Mulheres Com Bolsonaro #17", inseriram homens e expulsaram as administradoras do grupo. Um dia após o incidente criminoso, o grupo foi restaurado com o seu nome original.[31][32] Após o restauro, o grupo já contabilizava 2,5 milhões de participantes.[33]

#EleNão[editar | editar código-fonte]

Manifestação em Porto Alegre com a hashtag usada na mobilização.
Protesto contra Bolsonaro em Londres, Reino Unido.
Manifestação no Largo da batata, em São Paulo.

A hashtag #EleNão foi criada no Brasil em 12 de setembro de 2018 pelo grupo do Facebook "Mulheres Unidas Contra Bolsonaro"[29]. Em apenas 12 dias, a hastag #EleNao contabilizou "mais de 1,6 milhão de menções contrárias e a favor do candidato à Presidência da República pelo PSL, Jair Bolsonaro, no Twitter.”[28] Vem sendo usada nas redes sociais, inclusive por celebridades nacionais e internacionais. No fim de semana do dia 16, as citações às hashtags da campanha tiveram seu maior pico no Twitter, logo após o ataque hacker ao grupo "Mulheres Unidas Contra Bolsonaro".[30][34]

Aderiram a esse movimento um grande número de celebridades, nacionais e internacionais, tais como Sônia Braga e Madonna. Esta última, por exemplo, postando em sua conta no Instagram, onde é seguida por mais de 12,1 milhões de seguidores, uma foto na qual aparece com a boca vedada por uma fita onde se lê a palavra freedom (liberdade, em inglês). Na imagem ainda aparecem os dizeres: "Ele não vai nos desvalorizar, ele não vai nos calar, ele não vai nos oprimir”. Há ainda outra hashtag: #EndFascim, ou acabe com o fascismo.”[35]

De acordo com a antropóloga Rosana Pinheiro-Machado e a ativista Joanna Burigo: "#Elenão não é uma simples hashtag, mas um movimento extraordinário de base, capilar e microscópico, que ao mesmo tempo organiza um ato político e serve de ponto de convergência para outras movimentações de mulheres, online e face a face.”[36]

Protestos de 29 de setembro[editar | editar código-fonte]

Manifestação de Porto Alegre
Manifestantes em Vitória
Protesto de Curitiba.
Manifestação de Cuiabá.

Em 29 de setembro, manifestantes convocados majoritariamente pelas redes sociais foram às ruas em todos os 26 estados, incluindo no Distrito Federal, sob o banner "Ele Não". As manifestações tiveram o comparecimento de, além de ativistas e políticos, de artistas e intelectuais. As manifestações foram organizadas por mulheres e o publico foi majoritariamente feminino.[carece de fontes?]Segundo o Grupo de Pesquisa em Políticas Públicas para o Acesso à Informação da USP, o perfil dos manifestantes era composto por pessoas de esquerda, brancas e com escolaridade e renda elevadas.[37]

O movimento foi motivado pelas acusações de machismo, racismo, homofobia, autoritarismo e demais controvérsias envolvendo Jair Bolsonaro. Nos dias anteriores à manifestação, pesquisas de intenção de voto do Ibope e do Datafolha já indicavam um alto percentual de rejeição por parte do eleitorado brasileiro. Metade do eleitorado feminino rejeitava o candidato.[38]

Em São Paulo a concentração ocorreu no Largo da Batata. Organizadores afirmaram a presença de 500 mil manifestantes. A Policia Militar não divulgou a estimativa. No Rio de Janeiro, a concentração ocorreu na Cinelândia, e manifestantes marcharam até a Praça XV, para o encerramento da manifestação. Em momento de pico, manifestantes afirmaram a presença de mais de 200 mil manifestantes;[39] Em Belo Horizonte, Minas Gerais, o ato começou na praça sete, e reuniu por volta de 100 mil manifestantes, segundo estimativa dos organizadores.[40]

No Nordeste as maiores concentrações ocorreram na cidade de Salvador, Recife, Fortaleza. Em Salvador, no estado da Bahia, a manifestação teve o comparecimento e performance de artistas como Daniela Mercury e Maria Gadú. Em Recife também ocorreu uma das principais manifestações do país, onde organizadores estimaram a presença de 150 mil manifestantes; No Ceará, as cidades de Fortaleza e Sobral também presenciaram concentração de manifestantes. Manifestantes em Fortaleza estimaram a presença de 50 mil, enquanto a PM estimou a presença de 12 mil.[12]

No Sul, houve manifestações nas capitais dos principais estados; em Porto Alegre, Rio Grande do Sul, manifestantes estimaram a presença de 25 mil no parque da redenção. As principais ruas da cidade foram fechadas. Em Florianópolis, Santa Catarina, a Policia Militar estimou a presença de mais de 15 mil manifestantes. Em Curitiba, Paraná, manifestantes estimaram a presença de mais de 50 mil manifestantes; a PM, 5 mil.[12]

Nas regiões Norte e Centro-Oeste aconteceram também manifestações em todas as capitais de todos os estados. Em Brasília, organizadores estimaram o comparecimento de 30 mil manifestantes, enquanto a policia militar estimou a presença de 7 mil. Em Manaus, houve a estimativa por parte dos organizadores do comparecimento de 3 mil manifestantes.[41] O número de manifestantes no total não foi divulgado.[5][12]

Manifestantes também se concentraram em cidades no exterior. Em Berlim, organizadores estimaram o comparecimento de 150 manifestantes. Atos também ocorreram em Lisboa, Londres, Paris, Cidade do Cabo, Nova York, Dublin, entre outras.[15]

Céli Regina Jardim Pinto, docente da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, em entrevista à BBC Brasil, afirmou que esta foi a maior manifestação por mulheres da história do país, e poderia representar uma popularização do feminismo e do anticonservadorismo, que em sua opinião, seriam movimentos até então vistos como estranhos pela população, e restritos aos acadêmicos.[42]

Manifestação no Largo da Batata, em São Paulo.

Reação[editar | editar código-fonte]

Em reação às manifestações, foram organizados protestos a favor de Jair Bolsonaro, chamado Movimento #EleSim.[43] Foram manifestações populares que ocorreram pelo Brasil, tendo como principal objetivo protestar a favor da candidatura à presidência do deputado federal Jair Bolsonaro. As manifestações ocorreram em 29 de setembro de 2018 e em 30 de setembro de 2018, durante a campanha presidencial de Jair Bolsonaro.[44]

Foram quarenta cidades em dezesseis estados com atos favoráveis ao parlamentar em 29 de setembro de 2018.[45] Em 30 de setembro de 2018, os atos aconteceram em vinte cidades em nove estados, incluindo capitais, como Belo Horizonte e Brasília.[46]

Na pesquisa eleitoral lançada pelo IBOPE um dia depois dos protestos contra o presidenciável, Bolsonaro teve um crescimento de dois pontos percentuais ante a última pesquisa. Além disso, a rejeição do candidato caiu de quarenta e seis pontos percentuais para quarenta e quatro, demonstrando um possível "impulso" dado pelos protestos à sua candidatura.[47][48]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Manifestações de sábado, 29 de setembro, contra e a favor de Bolsonaro; FOTOS». G1. Consultado em 3 de outubro de 2018 
  2. «Famosos se reúnem em protestos contra Jair Bolsonaro pelo mundo - Entretenimento - BOL Notícias». BOL Notícias. Consultado em 3 de outubro de 2018 
  3. «Mulheres lideram multidão contra Bolsonaro em São Paulo, Rio e Recife». El País. 30 de setembro de 2018. Consultado em 30 de setembro de 2018 
  4. Mariana Fonseca (30 de setembro de 2018). «15 imagens que resumem os atos a favor e contra Jair Bolsonaro pelo Brasil». Exame. Consultado em 30 de setembro de 2018 
  5. a b Toledo, José Roberto de (29 de setembro de 2018). «Um protesto histórico, menos na tevê». Revista Piauí 
  6. Coletta, Carla Jiménez, Heloísa Mendonça, Regiane Oliveira, Marina Rossi, Ricardo Della (30 de setembro de 2018). «Mulheres quebram o jejum das ruas no Brasil com manifestações contra Bolsonaro». EL PAÍS 
  7. a b «Atos de mulheres contra Bolsonaro reúnem milhares em mais de 30 cidades». Folha de S. Paulo. 29 de setembro de 2018. Consultado em 30 de setembro de 2018 
  8. Belloni, Luiza; Martinelli, Andréa; Fernandes, Marcella; Antunes, Leda (29 de setembro de 2018). «Mulheres vão às ruas contra Bolsonaro: 'A eleição dele nos coloca em risco'». HuffPost Brasil. Consultado em 30 de setembro de 2018. Cópia arquivada em 30 de setembro de 2018 
  9. Martinelli, Andréa; Antunes, Leda (29 de setembro de 2018). «'Ele não, ele de jeito nenhum': As mulheres que vão para as ruas contra Jair Bolsonaro». HuffPost Brasil. Consultado em 30 de setembro de 2018 
  10. Ramil, Tatiana (29 de setembro de 2018). «Protesto contra Bolsonaro convocado por mulheres reúne milhares em diversas cidades». UOL Economia. Consultado em 30 de setembro de 2018 
  11. «Protesto contra Bolsonaro: vídeo mostra atos no Brasil e no mundo». UOL. 29 de setembro de 2018 
  12. a b c d «Protestos contra Bolsonaro ocorrem em 26 e DF; atos a favor, em 16». G1. 29 de setembro de 2018. Consultado em 30 de setembro de 2018 
  13. Phillips, Dom (30 de setembro de 2018). «Huge protests in Brazil as far-right presidential hopeful returns home». the Guardian (em inglês). Consultado em 30 de setembro de 2018 
  14. «Protesto contra Bolsonaro lota praça histórica em Lisboa; imagens». Mundo ao Minuto. 29 de setembro de 2018. Consultado em 30 de setembro de 2018 
  15. a b «Manifestantes vão às ruas em 26 estados e no DF contra o candidato Jair Bolsonaro». G1. 29 de setembro de 2018. Consultado em 30 de setembro de 2018 
  16. «Tens of thousands say 'Not him' to leading Brazil candidate» (em inglês). The Associated Press. 29 de setembro de 2018. Consultado em 30 de setembro de 2018 
  17. «Brazilian women lead nationwide protests against far-right candidate» (em inglês). Reuters. 30 de setembro de 2018. Consultado em 30 de setembro de 2018 
  18. «Ellen Page confronta Jair Bolsonaro em cena de documentário». O Globo. 11 de março de 2016. Consultado em 30 de setembro de 2018 
  19. «Bolsonaro é condenado a pagar R$ 150 mil por declarações homofóbicas». G1. 30 de setembro de 2018. Consultado em 30 de setembro de 2018. Cópia arquivada em 30 de setembro de 2018 
  20. «Jair Bolsonaro ataca gays em entrevista para documentário inglês: 'Nós, brasileiros, não gostamos dos homossexuais'». Jornal Meia Hora. 22 de outubro de 2013. Consultado em 30 de setembro de 2018 
  21. «MPF processa Bolsonaro por ofensas à população negra em evento no Rio». G1. 10 de abril de 2017. Consultado em 30 de setembro de 2018 
  22. Meio, Débora (18 de agosto de 2018). «Bolsonaro afirmou, sim, que não empregaria mulher com mesmo salário de homem». HuffPost Brasil. Consultado em 30 de setembro de 2018 
  23. «Bolsonaro e Marina têm confronto sobre direitos da mulher e elevam tensão em debate». Folha de S. Paulo. 18 de agosto de 2018. Consultado em 30 de setembro de 2018 
  24. Resende, Leandro (23 de Abril de 2018). «No Datena, Bolsonaro volta a falar sobre salário de mulheres e homens». Agência Lupa 
  25. «Bolsonaro diz: 'Não aceito resultado das eleições diferente da minha eleição'». G1. 28 de setembro de 2018. Consultado em 30 de setembro de 2018 
  26. «Após Bolsonaro questionar urnas eletrônicas, Toffoli diz que elas são 'confiáveis'». Estadão. 17 de setembro de 2018. Consultado em 30 de setembro de 2018 
  27. Becker, Fernanda (30 de setembro de 2018). «#EleNão: Após tomar as redes, movimento liderado por mulheres contra Bolsonaro testa força nas ruas». El País. Consultado em 30 de setembro de 2018 
  28. a b Simões, Daniela (26 de setembro de 2018). «Movimento #elenão atinge mais de 1,2 milhão de menções contra Bolsonaro». Época Negócios. Consultado em 6 de outubro de 2018 
  29. a b Oliveira, Joana (13 de setembro de 2018). «Um milhão de mulheres contra Bolsonaro: a rejeição toma forma nas redes». EL PAÍS. Consultado em 10 de julho de 2019 
  30. a b Becker, Fernanda (30 de setembro de 2018). «#EleNão: Após tomar as redes, movimento liderado por mulheres contra Bolsonaro testa força nas ruas». EL PAÍS 
  31. «Após invasão, grupo 'Mulheres Contra Bolsonaro' volta ao ar». VEJA. 17 de setembro de 2018. Consultado em 30 de setembro de 2018 
  32. «Grupo "Mulheres Unidas Contra Bolsonaro" é retomado após ataque». BOL Online. 20 de setembro de 2018. Consultado em 30 de setembro de 2018 
  33. Potter, Hyury (17 de setembro de 2018). «Mulheres, uma frente contra Bolsonaro». Deutsche Welle Brazil. Consultado em 30 de setembro de 2018 
  34. «Grupo "Mulheres Unidas contra Bolsonaro" sofre ataque de hackers». EXAME. Consultado em 10 de julho de 2019 
  35. Sousa, Silvana (28 de setembro de 2018). «#EleNão: Madonna adere à campanha contra Bolsonaro e pede o fim do fascismo». Correio Brasiliense. Consultado em 6 de outubro de 2018 
  36. Pinheiro-Machado,, Rosana (28 de setembro de 2018). «#Elenão deixou de ser uma simples hashtag: é um movimento feminista e político que pode mudar o Brasil». The Intercept Brasil. Consultado em 6 de outubro de 2018 
  37. Schreiber, Mariana (1 de outubro de 2018). «Eleições 2018: elite de esquerda era maioria em protesto #EleNão contra Bolsonaro em SP, aponta pesquisa da USP». BBC Brasil. Consultado em 7 de outubro de 2018 
  38. «Datafolha de 29 de setembro para presidente: rejeição dos candidatos por região, renda, sexo, faixa etária e religião». G1. 29 de setembro de 2018. Consultado em 2 de outubro de 2018 
  39. «Atos de mulheres contra Bolsonaro se tornam o maior dessas eleições». Universa. UOL. 29 de setembro de 2018 
  40. «Rio de Janeiro tem manifestações a favor e contra Bolsonaro». Estadão. 29 de setembro de 2018. Consultado em 2 de outubro de 2018 
  41. «Protestos contra Bolsonaro ocorrem em 26 estados e DF; atos a favor, em 16». G1. 29 de setembro de 2018 
  42. «#EleNão: A manifestação histórica liderada por mulheres no Brasil vista por quatro ângulos». BBC Brasil. 30 de setembro de 2018. Consultado em 2 de outubro de 2018 
  43. «Movimento # Ele Sim foi realizado neste domingo em Amargosa». Criativa. 30 de setembro de 2018. Consultado em 30 de setembro de 2018 
  44. Mariana Fonseca (30 de setembro de 2018). «15 imagens que resumem os atos a favor e contra Jair Bolsonaro pelo Brasil». Exame. Consultado em 30 de setembro de 2018 
  45. «Protestos contra Bolsonaro ocorrem em 26 e DF; atos a favor, em 16». G1. 29 de setembro de 2018. Consultado em 30 de setembro de 2018 
  46. «Manifestantes fazem atos de Bolsonaro em Belo Horizonte e Brasília e outras 18 cidades na manhã deste domingo». G1. 30 de setembro de 2018. Consultado em 30 de setembro de 2018 
  47. País, El (2 de outubro de 2018). «Ibope: Bolsonaro volta a crescer e vai a 31% enquanto Haddad vê rejeição disparar». EL PAÍS. Consultado em 24 de agosto de 2019 
  48. «Pesquisa Ibope para presidente: Bolsonaro, 31%; Haddad, 21%; Ciro, 11%; Alckmin, 8%; Marina, 4%». G1. Consultado em 24 de agosto de 2019 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Media relacionados com Movimento Ele Não no Wikimedia Commons