MTV

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Pranked)
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Este artigo é sobre o canal de televisão norte-americano. Se procura por outras canais da MTV, veja Lista de emissoras da MTV. Para outros significados, veja MTV (desambiguação).
Translation Latin Alphabet.svg
Este artigo ou seção está a ser traduzido de «MTV» na Wikipédia em inglês (desde novembro de 2013). Ajude e colabore com a tradução.
MTV
País  Estados Unidos
Fundação 1º de agosto de 1981
por Warner-Amex Satellite Entertainment
Pertence a Viacom Media Networks
Proprietário Viacom
Nome(s) anteriore(s) MTV: The Music Channel (1980)
MTV: Music Television (1981-2010)[1]
Página oficial mtv.com
Disponibilidade por satélite
DirecTV
Canal 331
Dish Network
Canal 160
Foxtel
Canal 808

MTV (anteriormente um inicialismo de Music Television) é um canal de televisão norte-americano básico por cabo e satélite. Ela é uma subsidiária da "Viacom Music and Entertainment Group", a propriedade principal da divisão Viacom Media Networks da Viacom. O canal possui a sua sede na cidade de Nova Iorque. Lançada em 1 de agosto de 1981,[2] o propósito original do canal foi tocar videoclipes guiados por personalidades televisivas conhecidas como "video jockeys," ou VJs.[3] O atual alvo da audiência do canal são os adolescentes e os jovens adultos, com a sua programação original consistindo principalmente de realities, comédia e drama e alguns programas e filmes não produzidos original para MTV, além de um programação de videoclipes limitada em períodos de menor importância na grade. Em seus primeiros anos, o principal alvo da MTV foram os jovens adultos, mas hoje, a programação da MTV é principalmente voltada aos adolescentes, estudantes de ensino médio, e estudantes em idade escolar.

A crítica tem sido dirigida por essa mudança de foco, uma vez que foi rolada primeiro a sair. A influência da MTV sobre o seu público-alvo, incluindo questões relacionadas com a censura e ativismo social, também tem sido um assunto de debate durante vários anos. Ele a sua programação de videoclipes tem se atenuado significativamente nos últimos anos e tem recebido críticas por isso, tanto por certos segmentos da sua audiência e pelos músicos.

A MTV espalhou inúmeros canais irmãos nos EUA e canais afiliados internacionalmente, alguns dos quais passaram a serem independentes. Desde julho de 2015, aproximadamente 92.188.000 de lares americanos (79.2% dos lares com televisor) recebem a MTV.[4] Nos últimos anos, a MTV começou a lutar com o declínio secular dos meios de comunicação de televisão por cabo de música. A audiência da MTV vem caindo, com os espectadores mais jovens cada vez mais mudando o seu consumo de mídia da televisão para a mídia digital. A queda da audiência da MTV tem sido tão alta quanto 29% no ano após ano, com a dúvida se a marca MTV é mesmo relevante mais com o público jovem.[5][6][7]

Em abril de 2016, o canal anunciou que às suas raízes musicais por reviver o seu clássico programa Unplugged. Também foi anunciado que um retorno de Cribs iria ser feito no Snapchat, e há 14 novos programas musicais relacionados que estão sendo trabalhados. Em 1 de agosto de 2016, a MTV lançou o canal MTV Classic (substituindo o VH1 Classic) por leva ao ar os programas famosos e clássicos que foram levados ao ar na década de 1990 e em meados do início da década de 2000 como Daria, Beavis and Butt-Head, Laguna Beach, Unplugged, e Headbangers Ball. O canal também apresenta videoclipes que foram ao ar na MTV no final da década de 1980 e da década de 1990.

Lançamento[editar | editar código-fonte]

Conceitos anteriores[editar | editar código-fonte]

Muitos conceitos de programação televisiva de vídeos musicais já existiam desde os início da década de 1960.

Os Beatles usaram videoclipes para promover suas gravações inicialmente em meados da década de 1960. O uso criativo de videoclipes dentro de seu filme Os Reis do Iê, Iê, Iê em 1964, particularmente pela performance de "Can't Buy Me Love", levou a MTV décadas depois a honrar o diretor do filme, Richard Lester, com um prêmio por "praticamente inventar" o videoclipe.[8]

Em seu livro The Mason Williams FCC Rapport, o autor Mason Williams afirma que ele teve um ideia para a CBS para um programa de televisão que conta com um "vídeo-rádio", onde DJs tocariam peças de arte de vanguarda coma música no ar. A CBS cancelou a ideia, mas Williams estreou sua própria composição musical, "Classical Gas", no The Smothers Brothers Comedy Hour, onde ele foi o principal escritor.

Em 1970, o DJ erradicado na Filadélfia Bob Whitney criou o The Now Explosion, uma série de televisão filmado em Atlanta e transmitida em syndication para outras estações de televisão locais ao redor dos Estados Unidos. A série, que mostra clipes promocionais de vários artistas populares, foi cancelado por seu distribuidor em 1971.

Muitos programas musicais também surgiram fora dos Estados Unidos, incluindo o australiano Countdown e o britânico Top of the Pops, que inicialmente exibiu videoclipes ao invés de performances de artistas que não estavam disponíveis para performances ao vivo, passando a apresenta-lo regularmente no começo dos anos 1970.

Em 1974, Gary Van Haas, vice-presidente da Televak Corporation, introduziu um conceito para distribuir um canal de videoclipes em lojas de discos em todo os Estados Unidos, e promoveu o canal, Music Video TV, para distribuidores e varejistas na publicação de maio de 1974 da Billboard.[9][10] O canal, que mostrava DJs no vídeo, entrou em acordo com a US Cable para expandir sua audiência do varejo para a televisão a cabo. O serviço não existia mais quando a MTV foi lançada em 1981.

Pré-história (1977–1981)[editar | editar código-fonte]

A pré-história da MTV começa em 1977, quando a Warner Cable (uma divisão da Warner Communications da Warner Bros.), um antecessor da Warner-Amex Satellite Entertainment (WASEC) lança o primeiro sistema bidirecional interativo de televisão a cabo, QUBE, em Columbus, Ohio. O sistema QUBE oferecia diversos canais segmentados. Um desses canais segmentados era o Sight On Sound, um canal de música que apresentava concertos filmados e programas orientados para a música; com o serviço QUBE, os telespectadores podiam votar em seus sons e artistas favoritos.

O formato original da programação da MTV foi criado pelo executivo de mídia Robert W. Pittman, que mais tarde iria se tornar o diretor executivo (CEO) da MTV Networks.[11] Pittman testou o formato musical apresentado um programa de 15 minutos, Album Tracks, no canal de televisão WNBC da Cidade de Nova Iorque no final dos anos de 1970.

O chefe de Pittman, o executivo vice-presidente John Lack da WASEC, foi guiado pelo PopClips, uma série de televisão criada por Michael Nesmith, ex-integrante do The Monkees, cuja atenção se voltou para o formato de videoclipes no final da década de 1970.[12] A inspiração para o PopClips veio de um programa similar da rede de televisão da Nova Zelândia TVNZ, Radio with Pictures, que estreou em 1976. O conceito em si existe desde 1966, quando as maiores gravadoras começam a preencher a New Zealand Broadcasting Corporation com clipes musicais promocionais para tocar no ar sem custo (muitos artistas fizeram longas viagens para aparecer ao vivo na Nova Zelândia).

Estreia da Music Television[editar | editar código-fonte]

No sábado, dia 1° de agosto de 1981, ao meio-dia do horário oriental dos Estados Unidos, a MTV foi lançada com as seguintes palavras “Damas e cavalheiros, rock and roll” ditas por John Lack, em cima das cenas da contagem regressiva do lançamento do primeiro ônibus espacial de Colúmbia, que aconteceu no começo do ano, e o lançamento do Apollo 11. Essas palavras foram logo seguidas pelo tema sonoro original da MTV, uma canção de crunching rock composta por Jonathan Elias e John Petersen, sob as imagens do pouso do Apollo 11 na Lua, com uma bandeira apresentando o logotipo da MTV se alterando em várias cores, texturas e designs. Os produtores da MTV Alan Goodman and Fred Seibert usaram essa sequência de imagem de domínio público como um conceito. Seibert disse que inicialmente foi planeado usar a citação “One small step” de Neil Armstrong, mas os advogados lhe disseram que Armstrong é o dono desse nome e seus semelhantes, e por causa da recusa de Armstrong, a citação foi substituído por um som de bip.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]