Bem de consumo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Bens de consumo, supermercado

Bens de consumo (ou bens de consumo familiar) são os bens utilizados pelos indivíduos ou famílias.[1] Tendo em conta que podem ser utilizados imediatamente na satisfação de uma necessidade, são também considerados bens diretos, por exemplo: a água, o pão, o automóvel. Ao contrário, os bens de produção são indiretos, como por exemplo: o trigo, o petróleo em rama, uma máquina agrícola.[2]

Divisão quanto à sua durabilidade[editar | editar código-fonte]

Os bens de consumo, geralmente, são considerados quanto à sua duração: bens duráveis, bens semi-duráveis e não duráveis. Os bens de consumo duráveis são aqueles que podem ser usados várias vezes e durante longos períodos de tempo, como um carro, um frigorífico ou uma máquina de lavar, os bens de consumo semi-duráveis, são os que se desgastam aos poucos, devido à sua utilização, exemplo, o vestuário e o calçado, por último os bens não duráveis são os destinados a serem consumidos no imediato, como por exemplo, um chocolate ou um gelado.[1]

Bens de consumo versus bens de capital[editar | editar código-fonte]

A quantidade de bens de consumo e de capital que são comercializados num determinado país, reflete o nível de vida da população, os seus gostos e as características da sociedade em questão.[1] Esta análise permite, ainda, avaliar a sua capacidade económica. Assim, importará saber em que proporções a produção se orientou para bens de consumo e de capital, tendo em conta que o desenvolvimento económico exige um certo equilíbrio entre a produção/comercialização de bens de consumo ou bens diretos e bens de capital ou indiretos.[2]


Referências

  1. a b c Pacievitch,Thais, InfoEscola, Economia, Bens de Consumo http://www.infoescola.com/economia/bens-de-consumo/ visitado em 27 de Novembro de 2014.
  2. a b Martínez, Soares, Economia Política, 8ª ed., Coimbra, 1998, pp. 102-103 e pp. 406-407, ISBN 972-40-1146-1

Ver também[editar | editar código-fonte]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Castañeda, José, Lecciones de Teoria Economica, 5ª reimpr., Madrid, 1982, pp.93-142
  • Guitton, Henri e Vitry, Daniel, Économie Politique, 14ª ed., Paris, 1985, pp. 162-177
  • Salozábal, José Maria, Curso de Economia, 4ª ed., Bilbau, 1985, pp. 25 e s.