Casa de Farnese

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto.
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Brasão familiar dos Farnese: de or, seis flores de liz de azure colocadas em 3, 2 e 1.
Brasão a partir de 1537, ano em que Pedro Luís Farnésio é nomeado Gonfaloneiro da Igreja.
Brasão entre 1592 e 1731: o escudo original dos Farnese é combinado com o símbolo dos Gonfaloneiro da Santa Sé (cargo na posse da família), tendo as Armas de Portugal sobre o todo, dado Ranuccio I ser o legítimo herdeiro dos Aviz.

A família Farnese, também conhecida sob a grafia portuguesa Farnésio, foi uma influente família italiana da aristocracia que ostentou o ducado de Castro entre 1537 e 1649 e ducado de Parma e Piacenza entre 1545 e 1731. Os seus importantes membros incluíram o Papa Paulo III e os Duques de Parma.[1]

O poderio dos Farnésio e a sua ligação com as mais ilustres famílias romanas teve lugar em tempos de Ranuccio Farnese, o Velho, protegido do Papa Eugénio IV. Ranuccio casou o seu filho Gabrielle Francesco com Isabella Orsini, e o seu filho Pier Luigi, continuador da estirpe, com Giovanella Caetani. Desse matrimónio nasceram o Papa Paulo III e Giulia Farnese.[2]

Entre os séculos XVI e XVII os Farnésio distinguiram-se pela sua protecção às artes, e a eles se deve a construção do Palácio Farnésio (Palazzo Farnese) em Roma, da Villa Farnésio (Villa Farnese) em Caprarola, da Igreja de Jesus em Roma e do Palácio della Pilotta em Parma, actualmente a Galeria Nacional de Parma.

O último Farnésio soberano de Parma foi António Farnésio (Antonio Farnese) (1679- 1731); ao morrer sem sucessão directa, o ducado passou para o filho da sua sobrinha Isabel Farnese e do monarca espanhol Filipe V, o terceiro filho varão infante Filipe de Bourbon-Parma que fundou a Casa de Bourbon-Parma.

Os Farnese, herdeiros da dinastia de Aviz[editar | editar código-fonte]

Com a morte do cardeal-rei Henrique I de Portugal, Rainúncio I Farnésio era o único candidato ao trono de Reino de Portugal que descendia por via legítima de um varão de D. Manuel I: D. Maria, filha mais velha do Infante D. Duarte, quarto Duque de Guimarães, era mãe de Rainúncio.

Mas Ranuccio era ainda criança (em 1580 tinha apenas 11 anos) e seu pai, Alexandre Farnésio, Duque de Parma era governador dos Países Baixos Espanhóis, formalmente um súbdito de Filipe II de Espanha, facto que veio a preterir os Farnésio durante a Crise de sucessão de 1580.

Contudo, os Farnésio colocaram no centro do seu brasão, um escudete com as Armas de Portugal, demonstrando o seu direito inalianável ao trono do país (ver brasão à direita), que passou a ser o brasão da família até à morte do último duque Farnese, António I.

Lista dos membros mais importantes da família Farnese[editar | editar código-fonte]

Cardeal Ranuccio Farnese (Obra de Ticiano, 1542, Galeria Nacional de Arte, Washington, DC.

Ver também[editar | editar código-fonte]

O palácio Farnese della Pillota, em Parma

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]