Comunidade de Santo Egídio

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

A Comunidade de Santo Egídio é uma organização católica fundada em 1968 no bairro de Trastevere, em Roma, Itália, dedicada à caridade, evangelização e promoção da paz.[1]

Fundada por Andrea Riccardi, também é conhecida como "a pequena ONU do Trastevere" pela dedicação aos pobres.[2] [3] [4] São cerca de 50 mil leigos em trabalho em mais de 70 países.[1]

O nome desta comunidade é referência ao local de implantação, ou seja, nas proximidades da Praça de Santo Egídio.[5]

História[editar | editar código-fonte]

Igreja de Santo Egídio, em Roma, sede da comunidade

Em 1968, o filho de um presidente de banco[6] e estudante Andrea Riccardi, educado no ambiente de tolerância[6] , reúne, no clima de renovação do Concílio Vaticano II, um grupo de jovens católicos com o intuito de ouvir o Evangelho e colocá-lo em prática.[2] A partir daí, a comunidade cresceu no ambiente estudantil por meio de ações concretas em benefício dos marginalizados.[2]

Posteriormente, as atividades evangelizadoras na periferia romana levaram à formação da comunidade de adultos.[2]

Em 1973, a igreja de Santo Egídio em Trastevere, a primeira igreja da comunidade, começou a se dedicar à oração vespertina, prática que começou a acompanhar a vida de várias outras comunidades.[2]

Na segunda metade dos anos 70, a comunidade chegou a outras cidades italianas.[2]

Nos anos 80, a comunidade começou a se internacionalizar ao chegar à Europa, África, América e Ásia com sua identidade original, como serviço aos pobres, defesa da paz e dignidade humana, comunicação do Evangelho, amizade com imigrantes, doentes terminais, soropositivos, presidiários (especialmente condenados à morte), vítimas de guerras, dependentes de drogas e atuação em diversas formas de pobreza.[2]

Em 18 de maio de 1986, o pontíficio conselho de leigos decretou a elevação da Comunidade de Santo Egídio a uma "associação internacional de fiéis de direito pontifício".[2]

Nos anos 90, a comunidade passou a desenvolver vários projetos como Viva os Idosos, Escola do Evangelho (para adultos e famílias), Povo de Paz (para imigrantes).[2] A comunidade está ligada a organizações não governamentais que desenvolvem iniciativas de cooperação e desenvolvimento em países como Kosovo, Albânia, El Salvador e Guatemala.[2]

Em 1992, a comunidade contribuiu para o tratado de paz que acabou com a guerra civil em Moçambique.[7]

Em 16 de novembro de 2011, o fundador Andrea Riccardi passou a integrar o governo italiano como ministro da Cooperação Internacional.[3]

Em 29 de novembro de 2011, a comunidade organizou uma jornada mundial contra a pena de morte que teve a adesão de cerca de 1.400 cidades de 87 países. [8] As boas-vindas às delegações em Roma foram feitas pelo Papa Bento XVI.[8]

Características[editar | editar código-fonte]

O termo comunidade corresponde a uma exigência natural de fraternidade, especialmente em resposta a formas de dispersão (familiar, profissional e civil) características das grandes cidades modernas.[2]

De acordo com o portal oficial do Vaticano, "a amizade é um tratamento característico de Santo Egídio, tanto internamente como também atitude de simpatia e atenção em nível mundial".[2]

Assim, o diálogo inter-religioso e ecumênico são algumas das marcas da Comunidade de Santo Egídio.[9]

A comunidade teve atuação em acordos de paz em países como Argélia e Burundi.[4]

Atividades[editar | editar código-fonte]

Entre suas atividades estão a administração de escolas de pintura, idiomas para imigrantes, creches, escolas para adolescentes, abrigos de idosos, ambulatórios médicos, centro de cuidados de doentes psiquiátricos etc.[2]

Uma das suas características é a realização, desde 1992 do almoço de Natal.[10] Em 2009, o almoço contou com a presença do Papa Bento XVI como "gesto de solidariedade no clima do Natal como forma de resgate da dignidade dos seres humanos e tantos 'fantasmas' que diariamente vagam pelas ruas da cidade em busca de sobrevivência em meio à indiferença da maioria".[11]

Países lusófonos[editar | editar código-fonte]

Em países lusófonos, a comunidade tem especial atuação na recuperação de tuberculosos em Guiné Bissau e na prevenção contra a Aids e assistência de soropositivos em Moçambique por meio do desenvolvimento do programa Dream (Drug Resource Enhancement against AIDS and Malnutrition)[2] [7] , cujas atividades incluem o acesso ao tratamento antiretroviral.[12]

Prêmios[editar | editar código-fonte]

Em 2004, a comunidade recebeu o Prêmio Balzan pela defesa da convivência pacífica entre grupos de etnias diferentes e por desenvolver ações humanitárias, de paz e fraternidade entre os povos, independentemente da crença religiosa, como o programa Dream.[5]

Em 2009, Andrea Riccardi, o fundador, recebeu o prêmio Carlos Magno.[13]

Em 2010, a comunidade, por meio de Mario Giro, recebeu o prêmio da Fundação Chirac pela atuação na prevenção de conflitos.[14]

Referências

  1. a b (em inglês)Murphy, Mimi (3 de abril de 2008). Andrea Riccardi. Revista Time, acesso em 14 de dezembro de 2011
  2. a b c d e f g h i j k l m n (em italiano) Sítio Oficial do Vaticano/Livraria e Editora do Vaticano (2004). Associazioni Internazionali di fedeli, Repertorio, acesso em 12 de deembro de 2011
  3. a b Kaiser, Henning (16 de novembro de 2011). Fundador da Comunidade de Santo Egídio faz parte do novo gabinete da Itália. Revista Veja, acesso em 12 de dezembro de 2011
  4. a b (em italiano) Cazzullo, Aldo (19 de dezembro de 2010). Sant'Egidio, diplomazia dei poveri. Corriere della Sera, acesso em 12 de dezembro de 2011
  5. a b (em italiano) Fondazione Internazionale Premio Balzan (18 de novembro de 2004). Premio Balzan 2004 per l'umanità, la pace e la fratellanza fra i popoli, acesso em 12 de dezembro de 2011
  6. a b (em francês) Leymarie, Philippe (setembro de 2000). Les bâtisseurs de paix de Sant’Egidio. Le Monde Diplomatique, acesso em 12 de dezembro de 2011
  7. a b Bah, Abdoulaye; Góes, Paula (14 de setembro de 2011). Moçambique: A luta da comunidade de Sant'Egidio contra o HIV/AIDS , acesso em 12 de dezembro de 2011
  8. a b Lusa/SOL (30 de novembro de 2011). Cerca de 1.400 cidades de 87 países associaram-se à campanha, acesso em 12 de dezembro de 2011
  9. (em italiano) Martini, Carlo Maria (15 de junho de 1997). La Comunita' di Sant' Egidio esempio per Chiesa e societa' tra preghiera e opera di pace, Corriere della Sera, Riflessione, p.11, acesso em 12 de dezembro de 2011
  10. Comunidade de Santo Egídio. O almoço de Natal da Comunidade de Santo Egídio, acesso em 12 de dezembro de 2011
  11. (em italiano) Corriere della Sera (27 de dezembro de 2009). Esplora il significato del termine: Benedetto XVI a pranzo con i poveri «Nessuno sia solo ed emarginato», Roma/Cronaca, acesso em 12 de dezembro de 2011
  12. Movimento para o Acesso ao Tratamento em Moçambique (28 de Novembro de 2005). Workshop de Lançamento da campanha sobre Direitos Humanos & Acesso ao Tratamento no Contexto do HIV/SIDA, acesso em 12 de dezembro de 2011
  13. (em alemão) Internationaler Karlspreis zu Aachen (2009). Der Karlspreisträger 2009 Andrea Riccardi, acesso em 12 de dezembro de 2011
  14. (em inglês) Fondation Chirac (2011). Merci d'avoir suivi la retransmission du prix 2011 de la fondation Chirac pour la prévention des conflits, acesso em 12 de dezembro de 2011

Ligações externas[editar | editar código-fonte]