Convenção do Metro

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

A Convenção do Metro (no original em língua francesa: Convention du Mètre; por vezes referido como Tratado do Metro) é uma convenção internacional, assinada em Paris a 20 de Maio de 1875 por 17 Estados, com o propósito de estabelecer uma autoridade internacional no campo de metrologia e da qual resultou a adopção do metro como unidade básica de medida do comprimento. A Convenção substituiu a Comissão Internacional do Metro, que funcionava desde 1870, e criou três organizações internacionais destinadas a promover e manter os padrões métricos associados à adopção daquela unidade.

O tratado foi revisto em 1921 e em 1960, tendo nesta última revisão ocorrido a redesignação do sistema, que abandonou a designação de Sistema Métrico para adoptar a de Sistema Internacional de Unidades (em francês Système international d'unités ou abreviadamente SI).

As três organizações criadas pela Convenção, nas quais delega a autoridade para actuar no domínio da metrologia assegurando uma harmonização da definição das diferentes unidades de medida, são:

  • Conferência Geral de Pesos e Medidas (Conférence générale des poids et mesures ou CGPM) – um sistema de reuniões periódicas, realizadas em Paris cada 4 a 6 anos com a presença de delegados de todos os Estados membros, tendo com o objectivo adoptar as medidas de gestão política do sistema;
  • Bureau Internacional de Pesos e Medidas (Bureau international des poids et mesures ou BIPM) – a organização que administra a Convenção, mantendo um centro internacional de metrologia em Sèvres, nos arredores de Pais, no qual estão alojados os antigos padrões internacionais de medida e no qual era feita a comparação e calibração dos protótipos utilizados pelos Estados membros;
  • Comité Internacional de Pesos e Medidas (Comité international des poids et mesures ou CIPM) – um comité administrativo composto por 18 personalidades, eleito na Conferência Geral de Pesos e Medidas, que se reúne anualmente no BIPM e é responsável pela estão corrente do sistema e pela gestão do conjunto de comissões consultivas constituídas por peritos que elaboram as propostas a submeter à Conferência Geral.

A norma ISO 8601 define 1875, o ano em que a Convenção foi assinada, como ano de referência.

Estados signatários[editar | editar código-fonte]

O tratado foi assinado por 17 Estados, número que cresceu para 21 em 1900, 32 em 1950, 44 em 1975, 48 em 1997 e 49 em 2001. Actualmente são 51 os Estados signatários[1] (com o ano de acessão em parêntesis):








Para além dos signatários, que participam activamente na gestão da Convenção, vários Estados mantêm a posição de observadores:

Notas

Ligações externas[editar | editar código-fonte]