Críticos do Opus Dei

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Dan Brown, autor de O Código Da Vinci, livro que mundializou e tornou públicas as críticas ao Opus Dei.

Ao longo do tempo, o Opus Dei atraiu muitos críticos, gerando controvérsia ao redor desta instituição da Igreja Católica. No entanto, as críticas dos oponentes do Opus Dei têm-se diferenciado, sendo que uns alegam que os membros do Opus Dei praticam um apostolado agressivo; outros criticam esta instituição pelo seu secretismo e pela sua influência na Igreja, política e sociedade; outros condenam as práticas de mortificação corporal; e ainda outros apontam um suposto conservadorismo na teologia que consideram existir no Opus Dei.

Por outro lado, o Opus Dei foi apoiado por muitos Papas e líderes católicos. Segundo alguns jornalistas que estudaram esta prelatura separadamente, a maioria das críticas dirigidas ao Opus Dei são mitos criados pelos seus oponentes.[1] [2] [3] Segundo estes, os mitos geraram-se devido a rumores sem fundamento ou a interpretações incorretas do espírito e estrutura do Opus Dei ou, até mesmo, da doutrina católica. Para outros, como o cardeal Julián Herranz Casado, as críticas ao Opus Dei resultam de uma desaprovação generalizada da religião, nomeadamente do Catolicismo, dizendo que o "Opus Dei foi vítima de Cristianofobia".[4]

História da oposição[editar | editar código-fonte]

A oposição ao Opus Dei começou nos anos 1940, de acordo com Patrice de Plunkett, com a ala extremista do regime franquista a criar hostilidades em relação ao Opus Dei, devido ao respeito de S. Josemaría Escrivá pela liberdade e pela sua relutância em expressar opiniões políticas e em assumir a ideologia oficial da altura.[5] [6]

Ainda na década de 1940, alguns jesuítas, como o teólogo Ángel Carrillo de Albornoz, interpretaram alguns ensinamentos do Opus Dei como heréticos.[7] O Superior Geral da Companhia de Jesus da altura, Wlodimir Ledóchowski (1866-1942), reportou ao Vaticano que considerava o Opus Dei "muito perigoso para a Igreja em Espanha" e descreveu-o como tendo um "caráter sigiloso", sendo "uma forma de Maçonaria Cristã".[8] Apesar disto, S. Josemaría fez questão de chamar a estas alegações contra o Opus Dei vindas do âmago de eminentes círculos eclesiásticos "a oposição das boas pessoas".[9] Segundo alguns escritores, como é o caso do vaticanista da CNN, John Allen Jr., estas críticas foram a causa das atuais acusações vindas dos mais variados quadrantes. De acordo com este jornalista, uma das origens destas críticas advém do facto de alguns membros da Companhia de Jesus não terem compreendido a grande diferença entre o Opus Dei e as ordens religiosas.[2] Para eles, não era ortodoxo ensinar que leigos podiam ser santos sem votos nem vestes distintas. No entanto, tal como S. Josemaría ensinava, o Opus Dei é composto por cristãos leigos comuns que tentariam alcançar a santidade sem qualquer marca distintiva externa, da mesma forma como os primeiros cristãos não se diferenciavam externamente dos demais cidadãos do Império Romano.[10] Já na década de 1950, alguns jesuítas informaram pais de membros do Opus Dei em Itália que os seus filhos estavam a ser conduzidos à condenação. Um dos jesuítas que atacou o Opus Dei foi Michael Walsh, que posteriormente deixou a Companhia de Jesus.[11]

A partir dos finais dos anos 1950, com a composição do oitavo Governo de Espanha durante a ditadura franquista (1957), e prolongando-se pelas décadas seguintes, alguns membros do Opus Dei tornaram-se ministros dos governos franquistas e pós-franquistas, em geral quadros de perfil tecnocrático. Foram estes que aplicaram o Plano Nacional de Estabilização Económica (1959), gerando o chamado milagre económico espanhol (1959-1973).[12] [13] A partir desta data, o Opus Dei foi criticado pelo seu alegado apoio ao fascismo e associação a regimes de extrema-direita, como foi o caso da ditadura franquista. No entanto, defensores do Opus Dei, como Jack Valero, porta-voz do Opus Dei no Reino Unido, afirmam que os membros têm liberdade política pessoal e que, no Opus Dei, havia tantos apoiantes como oponentes de Franco[14] [15] , tanto que o primeiro presidente do Senado na democracia espanhola, Antonio Fontán Pérez, foi simultaneamente perseguido pelo regime franquista e membro do Opus Dei.

Nas décadas de 1960 e 1970, juntaram-se na crítica ao Opus Dei católicos liberais e apoiantes da Teologia da Libertação (sendo que vários eram jesuítas). Os apoiantes desta teologia criticavam o Opus Dei por considerá-lo como uma força conservadora e tradicionalista dentro da Igreja Católica.[16] [17] Apesar disto, a Igreja Católica sempre condenou o catolicismo dito liberal (aquele que defende o casamento homossexual, o aborto, a ordenação de mulheres, entre outros) e a Teologia da Libertação, por entender que não está de acordo com a doutrina católica e com o ensinamento dos Papas.[18] [19] [20]

Nos anos 1980, o Banco Ambrosiano, do qual o Banco do Vaticano tinha 16% do capital, entrou em bancarrota, devido, entre outras, à corrupção e lavagem de dinheiro do seu presidente, Roberto Calvi. O presidente do Banco do Vaticano, o arcebispo Paul Marcinkus foi indiciado no escândalo. De acordo com os críticos, foi o Opus Dei que resgatou o Banco do Vaticano, usando o seu próprio dinheiro e, assim, ganhando uma grande aceitação junto do Vaticano e do Papa João Paulo II.[21] Segundo John Allen, o ativo total do Opus Dei corresponde a 2,8 biliões de dólares, assemelhando-se (tanto em termos de orçamento como de fiéis) à arquidiocese de Hobart, na Tasmânia. O jornalista afirma que o Opus Dei não teria suficientes recursos financeiros para semelhante operação, para a qual seriam necessários 250 milhões de dólares em espécie guardados em cofres num banco.[22]

Nas décadas de 1990 e 2000, alguns alegados ex-membros que se sentiam prejudicados pelas práticas do Opus Dei, juntaram-se para expressar as suas experiências em grupo. Estas experiências foram descritas em alguns livros e sites, sendo um dos mais conhecidos o Opus Dei Awareness Network.[23] Bryan R. Wilson (1926-2004), membro emérito da Universidade de Oxford e antigo Presidente da International Society for the Sociology of Religion, afirmou que ex-membros destes novos movimentos religiosos aprendem a ensaiar histórias atrócitas nas quais se apresentam como vítimas e se oferecem para revelar "segredos" dos grupos a que outrora pertenciam, normalmente contando como foram manipulados, enganados e coagidos para entrar ou manterem-se no grupo. Sendo assim, fazem sucesso na imprensa, procurando o lucro através da venda de livros e tornando-se figuras centrais na desinformação da opinião pública. Segundo ele, estes ex-membros não têm a menor credibilidade, estando predispostos ao preconceito.[24] Apesar disto, Jack Valero diz não pôr em questão a credibilidade daqueles que contam as suas más experiências, afirmando que no Opus Dei, tal como em todos os outros lugares, existem pessoas melhores e pessoas piores.[25]

A oposição ao Opus Dei atingiu um ponto especial com a publicação do livro O Código Da Vinci em 2003 e o lançamento da sua versão cinematográfica em 2006. Nele, o Opus Dei é apresentado como uma seita rica e discriminatória composta por monges criminosos que praticam mortificações sangrentas.[26] No entanto, o Opus Dei diz que este livro é apenas uma obra de ficção e que faz um retrato incorreto da Prelatura, uma vez que não existem monges no Opus Dei, que as atividades criminosas descritas no livro são falsas, que a prática da mortificação corporal apresentada tanto no livro como no filme é exagerada e distorcida e que o Opus Dei é uma instituição católica e não uma seita, entre outras.[27] Seja como for, tanto oponentes como apoiantes afirmam que o livro e o filme levaram a uma maior perceção do Opus Dei, trazendo até um aumento de membros e uma consolidação das forças dos oponentes.

Apostolado[editar | editar código-fonte]

Ao longo do tempo, uma crítica dirigida ao Opus Dei é a de praticar táticas de recrutamento (neste contexto, será mais correto o uso do termo apostolado) desleais e agressivas. Por isto, Kenneth Woodward chama aos membros do Opus Dei "Católicos Mórmons" e Ann Schweninger diz que "que se está no Opus Dei, está-se a recrutar".[28] De acordo com os críticos do Opus Dei, os membros desta prelatura são incentivados a rezar fervorosamente a Deus pela vocação de um potencial novo membro,[29] e a desenvolver amizades e frequentar eventos sociais com a finalidade de proselitismo.[30] Para isto, dizem os críticos, os membros do Opus Dei recorrem de técnicas, tais como o bombardeamento de amor (que consiste em tratar os potenciais membros com lisonja e admiração), o uso de obras corporativas, fazer pressão para os potencias membros se juntarem (através de falsas "crises de vocação"), não explicar todos os detalhes sobre o Opus Dei à partida (o chamado "plano inclinado") e a alienação das famílias.[30]

Secretismo[editar | editar código-fonte]

Os críticos argumentam que o Opus Dei possui um acentuado caráter secreto; por exemplo, os membros geralmente não divulgam publicamente sua afiliação ao Opus Dei. Esta suposta prática teria favorecido especulações sobre a pertença de pessoas eminentes em todo o mundo, incluindo ministros, senadores, presidentes, jornalistas.

William O'Connor explica que esse mito vem do erro de achar que o Opus Dei é uma ordem religiosa. Pessoas de ordens religiosas geralmente vestem algum tipo de hábito, e tem letras depois do seu nome para mostrar sua ordem, assim como outras manifestações públicas de seu status. De fato, esse testemunho é parte da vocação dos religiosos. Mas, em contraste, se pessoas leigas usassem uma placa dizendo "eu estou tetando ser um cristão exemplar", isso não seria secular. Os membros do Opus Dei não escondem o fato de serem membros, mas também não o alardeiam. [31]

Mortificação[editar | editar código-fonte]

Os críticos também consideram como práticas reprováveis a mortificação corporal (uma prática em que são usados cilícios com espinhos na perna) e a penitência.[32]

O próprio Escrivá recebeu muitas críticas. Seus oponentes indicam que suas práticas pessoais do mortificação eram ainda mais extremas do que aquelas executadas pelos numerários, incluindo o extenso uso de disciplinas.[33] Seus oponentes também criticam máxima de Escrivá sobre o sofrimento: "Amada seja dor. Santificada seja a dor. Glorificada seja a dor".[34]

Política[editar | editar código-fonte]

Os críticos também afirmam que Escrivá e a organização favoreceu os governos de Francisco Franco[35] e Augusto Pinochet.[36] Chegou-se a alegar que Escrivá simpatizasse com Adolf Hitler.[37] [38]

No Brasil: "as domésticas do Opus Dei"[editar | editar código-fonte]

Operando desde fins da década de 1950 no Brasil,[39] as críticas ao Opus Dei aumentaram a partir de 2005, quando ex-membros da Prelazia vieram a público e lançaram livros (seis até 2014) contra a instituição. Além de "Memórias Sexuais no Opus Dei" e "Opus Dei - a santa intransigência, a santa coação e a santa desvergonha", foram lançadas recentemente duas obras ("O Opus Dei e as mulheres" e "Sob o Jugo do Opus Dei") e uma reportagem especial na revista Época,[39] sobre a vida das "numerárias auxiliares", responsáveis pelas tarefas domésticas dos centros mantidos pela organização.

Após a publicação do artigo na revista Época e dos referidos livros, várias numerárias auxiliares e ex-numerárias auxiliares externaram publicamente suas discordâncias com os referidos conteúdos, esclarecendo como tornaram-se membros da prelazia, como vivem (ou viveram) num Centro do Opus Dei e, para aquelas que deixaram a prelazia, as suas posteriores relações com o Opus Dei. Uma ex-numerária formada em Comunicação Social, Danielle Jung aponta imprecisões e preconceitos[40] no texto da revista Época.[39] Em outro artigo, "Oposição ao mundo self-service: numerária auxiliar, vocação profética",[41] a professora Lenise Garcia afirma que as numerárias são conscientes de que a sua profissão não é uma profissão de segunda categoria e que por isso, capacitam-se para exercê-la bem.

A numerária auxiliar Rosana de Lima comenta em [42] que passou a valorizar o trabalho doméstico num Centro do Opus Dei. Também esclarece que independente do nível social, todos os membros do Opus Dei, inclusive as numerárias auxiliares, recebem um sólida formação cultural, profissional e espiritual. Cleusa, outra numerária auxiliar, ao completar 25 anos como membro da prelazia, relata em [43] o seu crescimento profissional e espiritual durante este período. As ex-numerárias auxiliares Maria Raimunda Tomasi [44] e Maria Paulino [45] comentam que utilizam o que aprenderam num Centro do Opus Dei para ajudar seus esposos na manutenção de seus lares e no sustento de seus filhos. Indignada com o tratamento dado ao assunto pela mídia, a ex-numerária auxiliar Márcia Gonçalves [46] afirma ter se colocado a disposição de grandes redes de comunicação. Porém, não foi procurada.

A administração dos centros registra legalmente as numerárias auxiliares como funcionárias, todavia, segundo denuncia uma ex-integrante da categoria (a baiana Rosidalva Julião), como a doação do salário é automática (uma das regras da organização), as auxiliares nunca chegam a receber qualquer pagamento e dependem da organização para tudo. Rosidalva é enfática em sua acusação: "eu era uma escrava. Diziam que meu salário era para Deus. Mas eu tinha de assinar os recibos".[39]

Além de domésticas, as numerárias auxiliares são também operárias. No Sítio da Aroeira, mantido pela organização em Santana do Parnaíba, São Paulo, as mulheres fabricam os instrumentos de mortificação utilizados pelos membros da Prelazia: cilícios e chicotes, conhecidos como "disciplinas". Note-se que, além de fabricá-los, as auxiliares devem também utilizá-los. Rosidalva afirma que a produção de cilícios e hóstias acabou fazendo com que ela desenvolvesse uma tendinite.[39]

Segundo esclarece a prelazia, numerárias auxiliares são membros do Opus Dei. São mulheres que se comprometem a viver em celibato e dedicam-se principalmente aos trabalhos domésticos dos Centros da prelazia. A primeira numerária auxiliar, Dora de Hoyo, pediu admissão em 1946 e mudou-se para Roma no mesmo ano para trabalhar no primeiro Centro do Opus Dei na capital italiana. Faleceu em 2004. Seus restos mortais estão na Cripta da Igreja Prelatícia de Santa Maria da Paz junto com o fundador do Opus Dei e seu sucessor (D. Alvaro del Portillo)[47] .

Além disso, nem todas numerárias auxiliares se dedicariam aos trabalhos domésticos nos Centros do Opus Dei. Por exemplo, a numerária auxiliar Katia Blondeau, formada em Hotelaria, trabalha atualmente (2007) como monitora na Escola de Hotelaria Dosnon (Soissons, França). Ela esclarece que é contratada pela escola, que arca com suas despesas pessoais e que também contribui economicamente com diversas iniciativas sociais, culturais e educativas [48] .

Questionado pela reportagem da revista Época sobre as graves denúncias feitas contra a organização, dom Dimas Lara Barbosa, secretário-geral da CNBB, declarou em nota oficial que "a CNBB não tem nenhuma autoridade para interferir nos assuntos internos do Opus Dei".[39]

Réplicas às críticas[editar | editar código-fonte]

Sobre as críticas, os defensores do Opus Dei afirmam que o Opus Dei foi falsamente caluniado.[49] [50] Segundo John Allen, vaticanista da CNN : "Há dois Opus Dei: um Opus Dei do mito e um Opus Dei da realidade". [51] [52] Por exemplo,os defensores dizem que a acusação de segredo tem origem na equiparação equivocada de seus membros a monges ou religiosos. Os membros do Opus Dei são membros laicos, como qualquer cidadão corrente e, por isso, não apresentam qualquer representação externa (por exemplo, algum tipo de traje clerical) de sua pertença à instituição. Entretanto, o Opus Dei, como instituição, fornece abundante informação. [53]

Para explicar o celibato apostólico vivido pelos numerários e seu relacionamento com sua família, os defensores do Opus Dei citam comentários de Jesus Cristo "quem ama seu pai ou serve sua mãe a mais do que a mim não é digno de mim"[54] e "Por que há eunucos que o são desde o ventre de suas mães, há eunucos tornados tais pelas mãos dos homens e há eunucos que a si mesmo se fizeram eunucos por amor do Reinos dos Céus. Quem puder compreender, compreenda" (Mt 19,12). Fontes oficiais católicas dizem o Opus Dei está sob o controle da Igreja, visto que o seu prelado (o Presidente da Prelazia) é nomeado pelo Papa e que seus membros estão "ainda mais conscientes de pertencer à Igreja".[55] [56]

A mortificação corporal, que é praticada com moderação e senso comum, pertence ao patrimônio espiritual da Igreja e é entendida como um sacrifício mental ou físico aos olhos de Deus. Pode cingir-se à renúncia de algum alimento pelo qual a pessoa que se mortifica tenha preferência ou simplesmente por não beber água imediatamente quando se tem sede, por exemplo. Estes sacrifícios são vistos como uma união à paixão e à cruz de Jesus Cristo e, portanto, como meio de participação na Redenção. Muitos santos a praticaram.

Os defensores negam que o apoio a Franco durante a guerra civil espanhola era exclusivo ao Opus Dei. Como um autor observou: "vale a pena notar que no contexto da guerra civil espanhola, em que as forças republicanas anti-clericais mataram 13 bispos, 4.000 sacerdotes diocesanos, 2.000 religiosos e 300 freiras, virtualmente todo grupo e em todo nível hierárquico da Igreja Católica da Espanha eram `pro-Franco'".[2] O historiador Peter Berglar argumenta que estabelecer conexão entre o Opus Dei e o governo de Franco é "um calúnia grosseira"[57] e outros defensores dizem que havia membros notáveis do Opus Dei que faziam críticas abertas ao regime de Franco.[58] Similarmente Álvaro del Portillo, primeiro sucessor de Escrivá, disse que as acusações de que Escrivá apoiasse Hitler são "mentiras patentes", que eram parte "de uma campanha caluniosa".[59] Alvaro del Portillo e outros afirmaram que Escrivá condenava Hitler classificando-o como um "malvado", um "racista" e um "tirano".[60]

Os defensores também questionam a motivação e a confiabilidade de alguns críticos. Indicam que ex-membros de qualquer instituição podem ter motivações psicológicas ou emocionais para criticar o grupo a que pertenciam, e reivindicam que tais indivíduos estão propensos a criar histórias fictícias de atrociadade que não correspondem a realidade.[61] Muitos defensores do Opus Dei expressam a opinião que as críticas ao Opus Dei se origina de uma desaprovação generalizada da espiritualidade, do Cristianismo, ou do Catolicismo. Expressando este sentimento, o Cardeal Julian Herranz, membro do Opus Dei, afirma que "o Opus Dei tornou-se vítima da Cristianofobia."[62]

Massimo Introvigne afirma que alguns críticos empregam termos pejorativos em relação ao Opus Dei com a intenção de estigmatizá-lo. Fazem isto por intolerância: "não podem tolerar 'o retorno à religião' de uma sociedade secularizada".[63]

Por fim, alguns defensores viram a controvérsia que cerca a instituição como "sinal de contradição", referindo-se às citações biblicas que mostravam Jesus Cristo como um "sinal a que todos combatem"[64] [65] [66]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Whitehouse, Maggy. Opus Dei: The Truth Behind the Myth (em inglês). [S.l.]: Hermes House, 2006. 96 p. ISBN 9780681355842
  2. a b c Allen, John. Opus Dei: An Objective Look Behind the Myths and Reality of the Most Controversial Force in the Catholic Church (em inglês). 1ª ed. [S.l.]: Doubleday Religion, 2005. 416 p. ISBN 9780385514491
  3. Messori, Vittorio. Opus Dei: Leadership and Vision in Today's Catholic Church (em inglês). Washington, DC (Estados Unidos da América): Regnery Publishing, 1997. 201 p. ISBN 9780895264503
  4. Sheehan, Gerard. Entrevista com Javier Espinoza. Opus Dei Is Not a Sect. Ohmmy News. 21 de março de 2006. (em inglês) Página visitada em 25 de abril de 2012.
  5. Plunkett, Patrice. L'Opus Dei: enquête sur le "monstre" (em francês). [S.l.]: Presses de la Renaissance, 2006. 333 p. ISBN 9782750902384
  6. Gabinete de Informação do Opus Dei na Internet. Quem denunciou Escrivá ao Tribunal para a repressão do Comunismo e da Maçonaria? Que aconteceu a essa denúncia? (em português). S. Josemaría Escrivá. Fundador do Opus Dei. Página visitada em 20 de abril de 2012.
  7. Vázquez de Prada, Andrés. Josemaría Escrivá (em português). Lisboa (Portugal): Verbo, 2003. Capítulo: XIII. , 606 p. p. 372. 3 vol. vol. II - Deus e Audácia. ISBN 9789722222280
  8. Greer, Charles Douglas. Religions of Man: Facts, Fibs, Fears and Fables (em inglês). Bloomington, Indiana (Estados Unidos da América): AuthorHouse, 2008. 380 p. p. 192. ISBN 9781438908311
  9. Martin Frost. Opus Dei (em inglês). Página visitada em 20 de abril de 2012.
  10. Mario Arroyo Martínez (15 de setembro de 2010). Newman e Josemaría Escrivá (em português). Opus Dei. Página visitada em 20 de abril de 2012.
  11. Michael Walsh. (26 de janeiro de 2005). "The secret life of Opus Dei" (em inglês). The Guardian. Página visitada em 20 de abril de 2012. Este artigo escrito por Michael Walsh comprova a sua crítica ao Opus Dei.
  12. Vaca de Osma, José Antonio. Historia de España para jóvenes del siglo XXI (em espanhol). 4ª ed. Madrid (Espanha): RIALP, 2010. Capítulo: XXXVII. , 495 p. p. 436 e 437. ISBN 9788432134395 Neste livro, o autor afirma: "E aparecem no governo [de Franco] os chamados «tecnocratas», personagens alheios às formações que até então haviam integrado o regime, recrutados em função da sua competência profissional. (...) Alguns deles são membros do Opus Dei."
  13. El franquismo: Evolución política, económica y social desde 1959 hasta 1975. La oposición al régimen. (em espanhol). Selectividad. Página visitada em 23 de abril de 2012.
  14. Franco y el Opus Dei (em espanhol). Opus Dei - Blog no oficial (1 de abril de 2001). Página visitada em 23 de abril de 2012.
  15. Andy Beckett. (28 de janeiro de 2005). "The dictator, the saint and the minister" (em inglês). The Guardian. Página visitada em 23 de abril de 2012.
  16. José Comblin: crepúsculo de um profeta? (em português). CEBI - Centro de Estuos Bíblicos (6 de março de 2011). Página visitada em 24 de abril de 2012.
  17. Shaka Kama-Hari (19 de maio de 2010). A Obra de Deus ou Opus Dei (em português). Páginas de Sociologia. Página visitada em 24 de abril de 2012.
  18. Catecismo da Igreja Católica (terceira parte, segunda secção, capítulo segundo) (em português). Vaticano (11 de outubro de 1992). Página visitada em 24 de abril de 2012. Ver números 2270 a 2275 e 2357 a 2359 para as questões do aborto e do casamento homossexual, respetivamente.
  19. Papa João Paulo II (22 de maio de 1994). Carta Apostólica Ordenatio Sacerdotalis do Papa João Paulo II sobre a Ordenação Sacerdotal reservada somente aos homens (em português). Vaticano. Página visitada em 24 de abril de 2012.
  20. Joseph Ratzinger (6 de agosto de 1984). Instrução sobre alguns aspetos da «Teologia da Libertação» (em português). Vaticano. Página visitada em 24 de abril de 2012.
  21. Atile Sinke Guimarães (29 de junho de 2009). Saint Wojtyla? Not so fast! (em inglês). Tradition in Action. Página visitada em 25 de abril de 2012.
  22. Allen, John. Entrevista com Mark Dowd. Roma. (em inglês) Página visitada em 25 de abril de 2012.
  23. ODAN Home (em inglês). ODAN - Opus Dei Awareness Network (19 de dezembro de 2011). Página visitada em 25 de abril de 2012.
  24. Bryan Ronald Wilson (3 de dezembro de 1994). Apostates and New Religious Movements (PDF) (em inglês). Página visitada em 25 de abril de 2012.
  25. Valero, Jack. Entrevista com Mark Dowd. Londres. (em inglês) Página visitada em 25 de abril de 2012.
  26. Brown, Dan. O Código Da Vinci (em português). 4ª ed. Lisboa (Portugal): Bertrand, 2004. 544 p. ISBN 9789722513524
  27. O "Código Da Vinci", a Igreja Católica e o Opus Dei (em português). Opus Dei (17 de maio de 2006). Página visitada em 25 de abril de 2012.
  28. James Martin. (25 de fevereiro de 1995). "Opus Dei In the United States" (em inglês). America. Página visitada em 26 de abril de 2012.
  29. Abbott Koloff. (14 de maio de 2006). "Opus Dei members: Da Vinci distorted" (em inglês). Daily Record. Página visitada em 27 de novembro de 2006.
  30. a b Opus Dei's Questionable Practices (em inglês). ODAN - Opus Dei Awareness Network (16 de novembro de 2003). Página visitada em 26 de abril de 2012.
  31. http://horatio.uap.edu.ph/opusdei/opusdei_chapter8.html
  32. Scalia and Opus Dei. Counterpunch (January 17,2004).
  33. Behind The Shroud Of Opus Dei. CBS News (April 30, 2006).
  34. The Way. EscrivaWorks.org. Página visitada em 2006-11-27.
  35. Giles Tremlett (October 5, 2002). Sainthood beckons for priest linked to Franco. The Guardian. Página visitada em 2006-11-28.
  36. Deborah Kovach. Princeton Catholic Divided. The Trenton Times. Página visitada em 2006-11-27.
  37. Barry James (April 14, 1992). Rocky Road to Sainthood for a 'Choleric' Cleric. International Herald Tribune. Página visitada em 2006-11-28.
  38. Robert Hutchinson. Their Kingdom Come: Inside the Secret World of Opus Dei. [S.l.]: Thomas Dunne Books, 1999. 15 p. ISBN 0-312-19344-0
  39. a b c d e f BRUM, Eliane. (2007). As domésticas do Opus Dei. "Revista Época". 9 de julho de 2007. pp. 124-128
  40. Danielle Jung. Esclarecendo o artigo da revista Época. Opus Alegria. Página visitada em 2007-08-25.
  41. Lenise Garcia. Oposição ao mundo self-service: numerária auxiliar, vocação profética. Opus Alegria. Página visitada em 2007-08-25.
  42. Rosana de Lima. São Josemaria: precursor na valorização do setor de serviços. Opus Alegria. Página visitada em 2007-09-30.
  43. Cleusa O.. Bodas de Prata como membro do Opus Dei. Opus Alegria. Página visitada em 2007-09-30.
  44. Maria Raimunda Marques Ferreira Tomasi. Minha casa hoje traz algumas coisas que aprendi no Opus Dei. Opus Alegria. Página visitada em 2007-09-30.
  45. Maria da Consolação Paulino. Como se tratam entre si com carinho e amor!. Opus Alegria. Página visitada em 2007-09-30.
  46. Márcia Filomena Gonçalves. Fui da Obra! Que alegria.. Opus Alegria. Página visitada em 2007-09-30.
  47. [http://www.opusdei.org.br/art.php?p=7408 Falece Dora del Hoyo, a primeira numerária auxiliar]. Página visitada em 2007-09-29.
  48. Eu gosto de servir!. Página visitada em 2007-09-30.
  49. Peter Gould. The rise of Opus Dei. BBC News. Página visitada em 2006-11-27.
  50. Kim Lawton (June 29, 2001). Opus Dei. PBS Religion & Ethics Newsweekly. Página visitada em 2006-11-28.
  51. Interview with John L. Allen. Kansas City Star. Página visitada em 2006-11-27.
  52. Interview with John Allen. PBS:Religion&Ethics. Página visitada em 2006-11-27.
  53. Edward Pentin. Profiles: John Allen. The American. Página visitada em 2006-11-27.
  54. Christoph Schonborn, O.P.. Are there sects in the Catholic Church?. Eternal Word Television Network. Página visitada em 2006-11-27., Matthew 10:37
  55. Place in the Church. Opus Dei Official Site. Página visitada em 2006-11-27.
  56. Francesco Monterisi. The Personal Prelature: a Framework which Enriches the Communion of the Church. Opus Dei website. Página visitada em 2007-02-17.
  57. Berglar, P., Opus Dei, 1987
  58. Ver en:Antonio Fontan e en:Rafael Calvo Serer
  59. del Portillo, Alvaro; Cesare Cavalleri. Immersed in God: Blessed Josemaria Escriva, Founder of Opus Dei As Seen by His Successor, Bishop Alvaro Del Portillo. [S.l.]: Scepter Publishers, 1996. ISBN 0-933932-85-5
  60. Ver Pilar Urbano (1995). El hombre de Villa Tevere. Página visitada em 2007-01-28.
  61. Bryan Ronald Wilson (December 3, 1994). Apostates and New Religious Movements. Página visitada em 2006-11-28.
  62. en:Julian Cardinal Herranz, quoted in Javier Espinoza. Opus Dei is not a Sect. OhmyNews. Página visitada em 2006-11-27.
  63. Massimo Introvigne (1994). Opus Dei and the Anti-cult Movement. Página visitada em 2006-11-28.
  64. You can trust them to sell you a car. The Daily Telegraph. Página visitada em 2006-11-27.
  65. Messori, Vittorio. Opus Dei, Leadership and Vision in Today's Catholic Church. [S.l.]: Regnery Publishing, 1997. ISBN 0-89526-450-1
  66. Richard Gordon. What is Opus Dei, and what role does it play at Franciscan University?. The University Concourse. Página visitada em 2006-11-27.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]