Denílson Pereira Neves

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Denílson
Denílson
Informações pessoais
Nome completo Denílson Pereira Neves
Data de nasc. 16 de fevereiro de 1988 (26 anos)
Local de nasc. São Paulo, Brasil
Altura 1,78 m[1]
Destro
Informações profissionais
Clube atual Brasil São Paulo
Número 15
Posição Meia de ligação e Volante
Clubes de juventude
2000–2005 Brasil São Paulo
Clubes profissionais2
Anos Clubes Jogos (golos/gols)
2005–2006
2006–2011
2011–
Brasil São Paulo
Inglaterra Arsenal
Brasil São Paulo
0022 0000(0)
0153 000(11)
0161 0000(1)
Seleção nacional
2005
2007
Brasil Brasil Sub-17
Brasil Brasil Sub-20
0006 0000(1)
0012 0000(4)


2 Partidas e gols totais pelo
clube, atualizados até 26 de novembro de 2014.

Denílson Pereira Neves (São Paulo, 16 de fevereiro de 1988) é um futebolista brasileiro que atua como meia de ligação e volante. Atualmente, joga pelo São Paulo.

Infância e juventude[editar | editar código-fonte]

Denílson é o segundo dos quatro filhos de José Neves e Luciene Pereira. Seu pai, José, é um ex-meio-campista, que atuou pelo Botafogo-PB. Apesar de ter nascido em São Paulo, Denílson viveu sua infância na cidade na qual seu pai nasceu, Alagoa Nova, no interior da Paraíba, pelo fato de seu pai jogar no estado.

No entanto, seu pai foi obrigado a abandonar sua carreira no futebol, porque o salário que recebia no Botafogo-PB não era suficiente para sustentar a sua família. Denílson e sua família retornaram então para São Paulo, onde José trabalhou como segurança durante quinze anos. Durante este período, ensinou seus filhos a jogar futebol. Pouco depois de Denílson ter completado dez anos, sua mãe faleceu, vítima de uma doença cardíaca. Antes de morrer, ela disse a Denílson, que ele seria um grande futebolista e que faria "o seu pai e sua família muito feliz".

Denílson e sua família sobreviveram à pobreza extrema nas favelas paulistanas. Muitas vezes, ele e seus irmãos não podiam sair para jogar futebol por causa de um tiroteio, coisa que acontecia frequentemente no conjunto onde morava, e muitos dos seus amigos de infância faleceram devido ao envolvimento com o tráfico de drogas.

Carreira[editar | editar código-fonte]

São Paulo[editar | editar código-fonte]

Foi revelado no São Paulo, chegou ao clube por volta dos 12 anos de idade, inicialmente como atacante, indicado por Bauer.[2] O treinador das categorias de base o colocou no meio-de-campo devido à sua habilidade para marcar e armar o jogo.

Em 2005, subiu para o time profissional e foi levado pelo então técnico Paulo Autuori para o Mundial de Clubes, embora não tenha participado de nenhuma partida. Perdeu espaço com Muricy Ramalho,[2] que assumiu o time no início de 2006, disputando apenas uma partida no Campeonato Brasileiro daquele ano.

Arsenal[editar | editar código-fonte]

Em 31 de agosto de 2006, foi negociado com o Arsenal, da Inglaterra, por cerca de 3 milhões e meio de libras.

No clube, teve poucas chances entre os titulares nas duas primeiras temporadas, porém, após a saída de Mathieu Flamini e Gilberto Silva, o meia ganhou a confiança do técnico Arsène Wenger e aos poucos parecia ter garantido sua vaga no time titular. Em 20 de setembro de 2008, Denílson completou cinqüenta jogos com a camisa do Arsenal, numa partida contra o Bolton Wanderers, onde ainda marcou um gol, ajudando sua equipe a vencer por 3-1.[3] Em 24 de novembro de 2009, na vitória por 2-0 sobre o Standard de Liège, no Emirates Stadium, retornou após um longo período parado devido à uma lesão nas costas. Nesta partida, completou 100 jogos com a camisa do Arsenal e marcou um belo gol num chute de fora da área, o segundo da equipe londrina.

Tais estatísticas pareciam garantir de uma vez por todas sua vaga no time titular de Wenger, entretanto, após a inserção do inglês Jack Wilshere ao time principal, na temporada 2010-11, Denílson voltou a ser reserva, sendo titular apenas em jogos de menor importância, como os da Copa da Inglaterra. Além de ser inglês e ter sido revelado pelas categorias de base do Arsenal, Wilshere é tratado como uma grande promessa da Inglaterra e rapidamente se tornou um "xodó" entre os torcedores do clube, fato que dificultou ainda mais as chances de um retorno de Denílson à equipe, deixando-o insatisfeito no clube inglês.

Retorno ao São Paulo[editar | editar código-fonte]

Em julho de 2011, foi emprestado ao São Paulo, clube que o revelou, que fez uma oferta pelo empréstimo do jogador.[4] Em 18 de julho, após uma longa negociação, o Arsenal confirmou o empréstimo de Denílson por um ano.[5]

Estreou poucos dias após sua apresentação, no empate em 2-2 contra o Atlético Goianiense, em 23 de julho. No seu segundo jogo após o retorno ao São Paulo, frente ao Coritiba, Denílson foi expulso por reclamação excessiva.[6] A partida terminou com a vitória do São Paulo por 4-3; Denílson recebeu o segundo vermelho no São Paulo e o primeiro na Sul-Americana, no jogo contra o Ceará que terminou de 2-1 para o Ceará. Durante sua segunda passagem pelo São Paulo, Denílson foi bastante aproveitado, atuando como titular em boa parte das partidas, totalizando 47 jogos.

No mês de julho de 2012, retornou ao Arsenal, onde aguarda uma decisão do clube a respeito do seu futuro para a temporada 2012-13, porém, após muitas reuniões, Denílson renova seu contrato de empréstimo até junho de 2013.[7]

No dia 6 de outubro de 2012, quando estava completando 89 jogos pelo São Paulo, o jogador marca o seu primeiro gol com a camisa tricolor diante do rival Palmeiras. O atleta acertou um belo chute de fora da área e a bola entrou caprichosamente no ângulo de um dos gols do Morumbi. Na comemoração, o atleta se emocionou sobre o escudo do clube diante de, aproximadamente, 35 mil torcedores. O jogo terminou 3 a 0 para o São Paulo e, após o jogo, o jogador respondeu à imprensa: "Sempre falei que quando fizesse o primeiro gol pelo São Paulo, eu dedicaria para a minha mãe. Ela morreu quando eu tinha dez anos, mas nunca esqueci a figura dela na minha vida. Sempre foi uma pessoa fundamental para mim", completou o volante.[8]

Em fevereiro de 2013, a diretoria são-paulina confirmou que pretende renovar com o jogador em 30 de junho, quando acaba seu contrato. Ainda, porém, não definiu como desfechará o negócio: se através de uma renovação de empréstimo junto ao Arsenal, da Inglaterra, proprietário de seus direitos, ou se através de uma compra, para tê-lo em definitivo.[9]

Mesmo ante as indefinições tricolores, no início de junho, o Arsenal confirmou a rescisão de contrato com o volante ao final do mês. Dessa forma, o jogador Denílson ficou livre para assinar com qualquer clube, firmando um contrato de 4 anos com o equipe do Morumbi, sem nenhum ônus.[10]

Com a sua renovação, pelas próximas quatro temporadas, com o clube, Ney Franco comemorou a permanência, agora em definitivo. Para o treinador, que considerou Denílson "raro", é "difícil encontrar um jogador que saiba desarmar e tenha qualidade no passe".[11]

Seleção Brasileira[editar | editar código-fonte]

Denílson foi capitão das seleções brasileiras de base desde a Sub-15. Pelo Sub-17, conquistou o Sul-Americano, em 2005.

Em novembro de 2006, foi convocado pelo técnico Dunga para um amistoso contra a Suíça, mas não chegou a entrar em campo.

Personalidade[editar | editar código-fonte]

Denílson é descrito como "muito calmo e educado" pelos seus companheiros de equipe e é frequentemente comparado com Gilberto Silva, que durante dois anos também foi seu companheiro no Arsenal, entre 2006 e 2008.[carece de fontes?]

Se diz muito agradecido a Gilberto pelo seu sucesso atual que, segundo Denílson, é muito devido ao apoio que recebeu do outro brasileiro quando chegou à Londres, e que Gilberto teria agido como uma espécie de "pai" para ele quando chegou ao clube londrino.[carece de fontes?]

É um grande apreciador da música brasileira, principalmente o samba, podem ser encontrados no YouTube vários vídeos de Denílson cantando e dançando o ritmo com seus ex-companheiros de Arsenal, Gilberto Silva e Júlio Baptista.[onde?]

Frequentemente comemora seus gols sambando na frente dos torcedores, como fez quando marcou seu primeiro gol na Premier League e quando marcou um gol em sua centésima partida pelo Arsenal, em 24 de novembro de 2009, pela UEFA Champions League 2009-10.[carece de fontes?]

Estatísticas[editar | editar código-fonte]

Até 26 de novembro de 2014.

Clubes[editar | editar código-fonte]

Clube Temporada Liga Copa Competições
continentais¹
Outros
torneios²
Total
Jogos Gols Assist. Jogos Gols Assist. Jogos Gols Assist. Jogos Gols Assist. Jogos Gols Assist.
São Paulo 2005 11 0 0 0 0 0 0 0 11 0
2006 2 0 0 0 0 0 0 0 9 0 11 0
Total 13 0 0 0 0 0 0 0 9 0 22 0
Arsenal 2006–07 10 0 1 8 0 0 1 0 0 19 0 1
2007–08 13 0 2 6 2 1 4 0 0 23 2 3
2008–09 37 3 7 2 0 0 12 0 0 51 3 7
2009–10 20 4 2 1 1 0 7 1 0 28 6 2
2010–11 16 0 0 11 0 0 5 0 0 32 0 0
Total 96 7 12 28 3 1 29 1 0 153 11 13
São Paulo 2011 14 0 0 0 0 0 2 0 0 16 0 0
2012 31 1 1 8 0 0 9 0 1 17 0 2 65 1 4
2013 17 0 0 0 0 0 16 0 0 12 0 1 45 0 1
2014 25 0 1 1 0 0 6 0 0 3 0 0 35 0 1
Total 87 1 2 9 0 0 33 0 1 32 0 3 161 1 6
Total na carreira 196 8 14 37 3 1 62 1 1 41 0 336 12 19

¹Estão incluídos jogos e gols da Copa Libertadores da América, Copa Sul-Americana, Recopa Sul-Americana e UEFA Champions League.
²Estão incluídos jogos e gols pelo Campeonato Paulista e jogos amistosos.

Títulos[editar | editar código-fonte]

São Paulo

Seleção[editar | editar código-fonte]

Seleção Brasileira

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]