Leão V, o Armênio

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Leão V
Imperador bizantino
Leo5.jpg
Moeda da época de Leão V
Governo
Reinado 813 - 25 de dezembro de 820
Consorte Teodósia
Antecessor Miguel I
Sucessor Miguel II, o Amoriano
Vida
Nascimento 775
Morte 25 de dezembro de 820 (45 anos)
Filhos Constantino
Basílio
Gregório
Teodósio
Ana?
Pai Bardas

Leão V, o Arménio (Λέων Ε΄), (r. 77525 de dezembro de 820), foi imperador bizantino entre 813 e 820.

Vida[editar | editar código-fonte]

Leão era filho do patrício Bardas, de origem arménia. Prestou serviço sob o comando do general rebelde Bardanes Turcos, cujo partido abandonou a favor de Nicéforo I, o Logóteta. O imperador recompensou-o com dois palácios, mas mais tarde exilou-o por ser ter casado com a filha de outro rebelde, o patrício Arsabero. Chamado por Miguel I em 811, Leão tornou-se governador do thema da Anatólia e saiu-se bem na guerra contra os árabes em 812. Leão sobreviveu à batalha de Versinikia em 813 por ter fugido do campo de batalha, mas ainda assim tirou partido desta derrota para obrigar Miguel I a abdicar do trono a seu favor em 11 de Julho de 813.

Com Constantinopla sujeita a cerco terrestre por Krum, Leão V tornou-se imperador numa situação precária para o império. Propôs negociar em pessoa com o invasor e tentou fazê-lo cair numa emboscada. O estratagema falhou, e embora Krum tivesse abandonado o cerco da cidade, capturou e despovoou Adrianópolis e Arcadiópolis. Quando Krum morreu na primavera de 814, Leão V derrotou os búlgaros nos arredores de (Nesebar) e os dois Estados firmaram pazes para 30 anos em 815.

Como a política iconódula dos seus antecessores estava associada com as derrotas às mãos dos búlgaros e dos árabes, Leão V reinstituiu a iconoclastia depois de depôr o patriarca de Constantinopla Nicéforo I, o Logóteta e de convocar um sínodo para Constantinopla em 815. O imperador utilizou a sua política iconoclasta para confiscar os bens de iconódulos e de mosteiros, tais como o rico mosteiro de Stoudios, cujo influente abade iconódulo, Teodoro Estudita mandou para o exílio.

Leão V nomeou comandantes militares competentes de entre os seus próprios antigos camaradas de armas, incluindo Miguel, o Amoriano e Tomás, o Eslavo. Também perseguiu os paulicianos. Quando Leão mandou encarcerar Miguel por suspeitas de conspiração, este último fugiu da prisão e organizou o assassinato do imperador na catedral de Santa Sofia no dia de Natal de 820.

Leão estava a rezar sozinho diante do altar, com guardas no exterior da igreja. Os conspiradores disfarçaram-se de padres e de monges, comandados por Miguel, que tinha sido libertado pelos seus partidários apenas horas antes dos acontecimentos. Leão ainda tentou defender-se dos atacantes com uma grande cruz de madeira numa mão e um turíbulo na outra, mas o imperador acabou por sucumbir aos ferimentos. Miguel foi imediatamente aclamado imperador, enquanto as grilhetas ainda pendiam dos seus pulsos.

Família[editar | editar código-fonte]

Todos os filhos de Leão V são tradicionalmente considerados como sendo de Teodósia. José Genésio relata quatro[1] :

  • Simbácio (em grego: Συμβάτιος), renomeado Constantino, co-imperador entre 814 e 820. Castrado e exilado após a morte do pai.
  • Basílio. Castrado e exilado após a morte do pai. Ainda estava vivo em 847, pois aparece apoiando a eleição do patriarca Inácio de Constantinopla.
  • Gregório. Castrado e exilado após a morte do pai. Ainda estava vivo em 847, pois aparece apoiando a eleição do patriarca Inácio de Constantinopla.
  • Teodósio, morreu em 820 logo depois de sua castração.

A existência de uma filha tem sido debatida por historiadores e genealogistas. Por vezes aparece o nome "Ana".

Referências

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • The Oxford Dictionary of Byzantium, Oxford University Press, 1991.
Precedido por
Miguel I
Imperador bizantino
813 - 820
Sucedido por
Miguel II, o Amoriano