Constâncio II

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde outubro de 2013). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Constâncio
Imperador romano
Bust of Constantius II (Mary Harrsch).jpg
Busto de Constâncio II,
Museu de Arqueologia da Universidade da Pensilvânia
Governo
Reinado 337-361
Antecessor Constantino I
Sucessor Juliano, o Apóstata
Dinastia Dinastia constantiniana
Vida
Nome completo Flavius Iulius Constantius
Nascimento 7 de agosto de 317
Sírmio, Panônia
Morte 3 de novembro de 361 (44 anos)
Mopsuéstia, Cilícia
Cônjuges
Filha de Júlio Constâncio
Eusébia
Faustina
Filhos Com Faustina:
Flávia Máxima Constância
Pai Constantino I
Mãe Fausta

Flávio Júlio Constâncio (em latim: Flavius Iulius Constantius; 7 de agosto de 3173 de novembro de 361), segundo filho de Constantino, o Grande (r. 306–337), com sua segunda esposa, Fausta, governou o Império Romano do Oriente, em Constantinopla, de 337 a 361. Após a morte de Constantino I, o Império Romano foi dividido em três regiões administrativas diferentes e governado por seus três filhos. O mais velho, Constantino II, governou a parte Ocidental, que abrangia a Hispânia e a Gália, com capital em Augusta Treveroro (atual Tréveris). Constante I, o terceiro filho, governou a parte central (Itália e Ilíria), com capital em Mediolano (atual Milão).

Biografia[editar | editar código-fonte]

Juventude[editar | editar código-fonte]

Constâncio II nasceu a 7 de agosto de 317 em Sirmio na Panónia, segundo filho do imperador romano Constantino I e de Fausta, e recebeu o nome de seu avô paterno, o imperador tetrarquico Constâncio Cloro. Constantino e Fausta tiveram outros dois filhos, Constantino II e Constante I, e duas filhas, Constantina e Helena.[1]

A 13 de Novembro[2] de 324, na Nicomédia, Constâncio foi elevado à categoria de César, com a idade de sete anos; dois anos depois, realizou o seu primeiro consulado, juntamente com seu pai. Quando Constantino II foi enviado por seu pai para lutar na fronteira do Danúbio, em 332, Constâncio foi enviado para governar a Gália; o irmão mais velho obteve uma vitória sobre os Godos que também permitiu a Costâncio reivindicar o título de Germanicus maximus (a prática de assumir títulos obtidos de colegas governantes, de origem tetrarquica, permitiu-lhe obter o título de Sarmaticus maximus após a vitória de Constante sobre Sármatas em 338). [3]

Em 335, com a elevação a césar do neto Dalmácio (filho do meio-irmão Dalmácio), Constantino I delineou aquela que deveria ter sido a divisão do Império romano após a própria morte: para os quatro imperadores - Constantino II, Constante I, Dalmácio e Constâncio II - foram atribuídas quatro porções do império, respectivamente a província correspondente à prefeitura da Gália, Itália e África, a Grécia, e por fim, a Constâncio, o Oriente.

Em 336, na altura da celebração da tricenalia de Constantino, Constâncio desposou em Constantinopla a filha de Júlio Constâncio, meio irmão de Constantino, e de Gala, reforçando assim a legitimidade por parentesco, bem como a tomada da dinastia constantiniana do Império.[3]

Situação do Império no inicio do reinado de Constâncio[editar | editar código-fonte]

Divisão do Império romano entre os quatro césares, de maio a setembro de 337, entre a morte de Constantino I e a elevação a augusto dos seus três filhos.
  Constâncio II

O reinado de Constâncio II deve ser entendido dentro do processo de transformação do Império que tinha sido iniciado pela tetrarquia, revigorado e continuado por Constantino I e que seria concluído com o fim da dinastia constantiniana em 363. Em particular, o reino de Constantino foi importante por duas razões: a primeira foi a mudança do centro do poder imperial do Ocidente para o Oriente, cuja importância estava já a crescer, em particular com a fundação da nova capital, Constantinopla; a segunda razão é o apoio que deu ao cristianismo, que em poucas décadas se tornou a religião de Estado.

Ambos estes aspectos da política imperial, contudo, mantiveram-se até à morte de Constantino, e deste passaram a seus filhos e sucessores, em particular a Constâncio, onde caiu a gestão da parte oriental do império. A escolha da colocação da capital em Constantinopla foi devida á vontade de colocar o centro do poder imperial a certa distância das duas principais fronteiras do império, a danubiana e a sul do Eufrates; não obstante, Constantino não podia consolidar ambas, tanto que, no momento da sua morte, preparava uma campanha contra inimigos no Oriente, os Sassânidas.

Ambos estes problemas comprometeram o reino de Constâncio.[3]

Ascensão ao trono[editar | editar código-fonte]

Constantino I morreu a 22 de maio de 337, quando preparava uma campanha militar contra os sassanídas: não nomeou o seu sucessor, mas a situação viu o poder repartido entre os seus césares. Constâncio, que estava comprometido na Mesopotâmia setentrional a supervisionar a construção de fortificações fronteiriças,[4] apressou-se a voltar a Constantinopla, onde organizou e presenciou a cerimónia fúnebre do pai: com este gesto reforçou o seu direito como sucessor e obteve o apoio do exército, componente fundamental da política de Constantino.[5]

Durante o verão de 337, houve um massacre por mãos do exército, dos membros masculinos da dinastia Constantiniana e de outros representantes de grande relevo do estado: apenas os três filhos de Constantino e dois de seus netos crianças (Galo e Juliano, filhos do meio-irmão Júlio Constâncio) foram poupados.[6] As razões por trás deste massacre não são claras: de acordo com Eutrópio Constâncio não estava entre os seus promotores, mas não estava tão certo deste se opõr a ela e perdoar os assassinos;[7] Zósimo afirma que Constâncio foi o organizador do massacre.[8] Em setembro do mesmo ano, os restantes três césares (Dalmácio tinha sido vítima da purga) reuniram-se em Sirmio na Panónia, onde a 9 de setembro foram aclamados imperadores pelo exército, e dividiram o ipério: Costanzo viu reconhecida a soberania do Oriente.

A divisão de poder entre os três irmãos não durou muito tempo: Constantino II morreu em 340, enquanto ele tentava derrubar Constante, e Constâncio ganhava os Balcãs; Constante foi derrubado em 350 pelo usurpador Magnêncio, e Constâncio torna-se o único imperador.[8]

Confronto com os Sassânidas (338-350)[editar | editar código-fonte]

Moeda de Sapor II, governante dos Sassânidas (309-379), um contemporâneo de Constâncio: todo o reino de Constâncio foi caracterizado por hostilidade de alta e baixa intensidade com os vizinhos de Leste, com os dois soberanos que obtiveram vitórias e derrotas, sem nunca dar o golpe decisivo.

Depois de ser proclamado imperador, Constâncio foi para Antioquia, na Síria, a cidade que foi a capital durante os últimos anos como César, onde ele poderia lidar melhor com a fundamental fronteira leste do que se permanecesse na capital imperial de Constantinopla. Aqui, manteve-se de 338 para 350.[9]

Durante todo o tempo de seu reinado Constâncio II esteve envolvido em guerras romano-persianas contra o rei sassânida Sapor II. Se antes de morrer Constantino I pretendia resolver de uma vez por todas o problema da fronteira oriental, tocou a Constâncio resolver este problema, obtendo resultados variáveis. Havia dois principais pontos de colisão entre os dois grandes impérios: a fronteira leste, com a contenção da província da Mesopotâmia, e o controle do reino da Armênia, que estava entre as órbitas das duas potências vizinhas.[9]

Constâncio primeiro enfrentou o problema da Arménia. Após a morte de Tirídates III, fiel aliado dos Romanos em todo o seu longo reinado, os seus sucessores foram influenciados pelo partido pró-persa e o país tinha entrado na esfera de influência dos sassânidas. Constâncio foi capaz de ganhar a lealdade do soberano Ársaces II (Arshak) e da aristocracia arménia através dos canais diplomáticos, já em 341, graças aos dons prodigali concedidos à classe dominante do país, que ficou sob influência romana para todos os anos 340.[9] [10]

O conflito na Mesopotâmia era totalmente militar, mas Constâncio fez, neste caso, uma escolha original, pelo menos de acordo com a estratégia romana consolidada: em vez de escolher a opção da maciça campanha militar destinada a atacar o coração do Estado inimigo, como previa fazer Constantino e como havia mais tarde feito Juliano, Constâncio preferiu contar com uma linha de fortificações de fronteira dispostas em profundidade, girando em cima delas para conter ataques Sassanianos; Por isso, era uma guerra defensiva, em que foram evitadas, tanto quanto possíveis manobras em campo aberto com o exército para concluir. Essa escolha, embora muito eficaz e barata em termos de mobilização de tropas, não era certa para atender a expectativa de vitórias decisivas que existiam no mundo romano;[9] entre os principais episódios da guerra havia algumas vitórias obtidas por seu General, o que lhe permitiu se orgulhar em 338 do título de Persicus e em 343 do de Adiabenicus Maximus[3] , os dois cercos incorridos pela fortaleza de Nusaybin (346 e 350, após o cerco do verão de 337) e o único confronto militar de grande escala, a batalha do Singara (344 ou 348), teve lugar perto de outra fortaleza de fronteira, em que a vitória de Constâncio foi diminuída pela falta de disciplina das tropas.[9]

Quando em 350 se deu a rebelião de Magnêncio no Ocidente, Constâncio estava em Antioquia, mas as suas forças estavam ocupadas a defender Nisibi do terceiro cerco Sasanida. Apesar da ameaça representada por Magnêncio, Constâncio deu prioridade à fronteira oriental e esperou que Sapore se retirasse, após quatro meses, antes de voltar ao Ocidente para enfrentar o usurpador. No entanto, o proposto ataque Sasanida para 351 não aconteceu, enquanto Sapore estava ocupado a sufocar a revolta do povo do Afeganistão.[4]

Usurpação de Magnêncio (350-353)[editar | editar código-fonte]

Moeda cunhada de Magnêncio, o usurpador que derrubou Constante I (350), reinou sobre a Britânia, Gália e Hispânia, apenas para ser derrotado por Constâncio II (353).

A 18 de janeiro de 350, o augusto do Ocidente, Constante I, foi derrubado e morto por um de seus generais, Flávio Magnêncio, que se proclamou imperador em Autun e foi reconhecido na Britânia, Gália e Hispânia. Constâncio estava na época ocupado na fronteira oriental, a lutar contra a ofensiva Sasanida sobre Nusaybin, e decidiu não sair imediatamente para defrontar diretamente o usurpador.

Vetrânio proclamou-se imperador em março de 350, oscilou entre Constâncio e outro usurpador Magnêncio, mas foi enfim deposto por Constâncio em dezembro daquele mesmo ano.

A 1º de março do mesmo ano, o magister militum Vetrânio proclamou-se imperador, por sua vez, por instigação de Constantina (irmã de Constante e Constâncio); este foi reconhecido imperador pelas tropas do Danúbio. Constâncio reconheceu Vetrânio como seu colega, enviando-lhe o diadema imperial e o dinheiro, enquanto, provavelmente, tentava comprometer Magnêncio opondo-lhe outro usurpador; o jogo era muito perigoso, prevendo-se um jogador adicional: Vetrânio, na verdade, vacilou na sua lealdade para com Constâncio quando Magnêncio lhe propôs uma aliança.[10]

Para consertar as coisas no Oriente, Constâncio dirige-se com o exército no Ocidente. Para Heraclea Sintica na Trácia, reuniu os embaixadores de Magnentius, que lhe ofereceu a reconhecê-lo como colega e selar uma aliança com um casamento duplo, de Magnentius com Constantino e filha de Costanzo Magnenzio; a alternativa era a guerra civil. Costanzo presos rebeldes como embaixadores todos, mas um, que enviou para Magnentius com a sua resposta negativa indignado. Em seguida, foi para Serdica (Sofia moderno, Bulgária), onde conheceu Vetranio e seu exército. [15] A reunião era para ser o reconhecimento da existência de dois imperadores legítimos, mas virou-se na deposição do usurpador idosos. Costanzo construiu uma plataforma na planície, em que subiu na Vetranio e, antes que os exércitos aliados, começou um discurso no qual ele disse que um filho do grande Constantino era digno para manter o império sozinho: os gritos de aclamação das tropas, Vetranio inclusive que ele tinha sido enganado, tirou a coroa da cabeça e se ajoelhou e reconhecidos somente imperador Constâncio (25 de Dezembro de 350). [16] Costanzo Vetranio permissão para retirar-se para a vida privada e mudou-se para o Ocidente. [17]

Precedido por
Constantino I, o Grande
SPQRomani.svg
Imperador romano
(co-imperador, junto com
Constantino II e Constante I)

337 — 361
Sucedido por
Juliano
Ícone de esboço Este artigo sobre Roma Antiga e o Império Romano é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.

Referências

  1. Cameron, Averil. The Cambridge Ancient History - Volume XIII The Late Empire 337-425. [S.l.]: Cambridge University Press, 1925. p. 11-32. ISBN 0-521-30200-5.
  2. AE 1937, 119. Anche la data dell'8 novembre è stata proposta (Lendering).
  3. a b c d Jona Lendering. [livius.org Constantius II]. Visitado em 2 de janeiro de 2015.
  4. a b Bagnell Bury, John. The Cambridge Ancient History. [S.l.: s.n.], 1925. ISBN 0-521-30200-5
  5. Chronicon paschale, p. 533, 5-17;Passio Artemii, 8 (8.12-19);Giovanni Zonara, xiii.4, 25-28.
  6. Giuliano. Lettera agli Ateniesi. [S.l.: s.n.].
  7. Eutropio. Breviarium ab Urbe condita. [S.l.: s.n.]. Capítulo: ix. ,
  8. a b Zosimo. Ἱστορία νέα (Storia nuova). [S.l.: s.n.].
  9. a b c d e Bagnell Bury, John. The Cambridge Ancient History - Volume XIII The Late Empire 337-425. [S.l.]: Cambridge University Press, 1925. p. 11-32. ISBN 0-521-30200-5
  10. a b Smith, William. Arsaces II in Dictionary of Greek and Roman Biography and Mythology. [S.l.: s.n.], 1849. p. 363. vol. 1.