Filipe, o Árabe

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou se(c)ção não cita fontes fiáveis e independentes (desde janeiro de 2012). Por favor, adicione referências e insira-as no texto ou no rodapé, conforme o livro de estilo. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Filipe, o Árabe
Imperador Romano
Bust of emperor Philippus Arabus - Hermitage Museum.jpg
Busto do imperador Filipe, o Árabe, Museu Hermitage
Governo
Reinado 244249
Consorte Márcia Otacília Severa
Antecessor Gordiano III
Sucessor Décio
Vida
Nome completo Marcus Iulius Philippus (do nascimento até ascensão ao trono);
Caesar Marcus Iulius Philippus Augustus (como imperador)
Nascimento ca. 204
Shahba
Morte 249 (45 anos)
Veranna
Filhos Filipe II de Roma
Júlia Severa
Quinto Filipe Severo
Pai Júlio Marino

Marco Júlio Filipe (em latim Marcus Iulius Philippus; c. 204249), conhecido como Filipe, o Árabe (devido à origem de sua família), foi imperador Romano entre 244 a 249.

Modo de vida[editar | editar código-fonte]

Moeda de Marcia Otacilia Severa, esposa de Filipe.

Pouco é sabido sobre o modo de vida e a carreira de Filipe. Viveu em Shahba, a 55 milhas ao sul-sudeste de Damasco, na província da Síria. Era filho de Júlio Marino, um cidadão romano local, possivelmente de alguma importância. Muitos historiadores acreditam que apesar da ascendência árabe, ganhou cidadania romana, graças ao seu pai, um homem de influência considerável. O nome de sua mãe é desconhecido, mas consta o nome de um irmão, Caio Júlio Prisco. Filipe casou-se com Márcia Octacília Severa e em 238 teve com ela um filho, Marco Júlio Severo Filipe, o futuro Filipe II e, de acordo com a evidência numismática, tiveram uma filha chamada Júlia Severa ou Severina, que as fontes romanas antigas não mencionam. Muitos cidadãos das províncias faziam exames para conseguir cidadania romana; isto trazia dificuldades para quem tinha sangue árabe. Entretanto, documenta-se que Roma usou a tribo dos Gassânidas de Azd a Yemen como vassalos para manter os árabes do norte longe da verificação. Os oráculos árabes falam de um xeque local, Uthaina, que foi relatado por ter levantado das tropas para comandar os exércitos orientais do Império Romano. Filipe, o árabe pôde ter algum grau de descendência dele.

Carreira política[editar | editar código-fonte]

Era descendente de uma aristocrática família de origem árabe. Firmou a paz com o exército persa, mas foi derrotado pelos exércitos das províncias danubianas, sob o comando de Décio, que o sucedeu. Pela tradição, teria sido o primeiro imperador cristão, batizado pelo papa Fabiano. Durante o seu governo, procedeu-se à celebração do milénio da cidade de Roma (247).


Precedido por
Gordiano III
SPQRomani.svg
Imperador romano
244 — 249
Sucedido por
Décio