MASH (filme)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
MASH
MASH (PT/BR)
Pôster oficial do filme.
 Estados Unidos
1970 • cor • 116 min 
Direção Robert Altman
Roteiro Richard Hooker (livro)
Ring Lardner Jr.
Elenco Donald Sutherland
Sally Kellerman
Elliott Gould
Tom Skerritt
Robert Duvall
Género Comédia, guerra
Idioma Inglês
Distribuição 20th Century Fox
Orçamento US$ 3.025.000[1]
Receita US$ 81.600.000[2]
Página no IMDb (em inglês)

MASH (ou na forma estilizada do cartaz do filme M*A*S*H), mesmo título no Brasil e em Portugal, é um filme satírico norte-americano de 1970 dirigido por Robert Altman para a 20th Century Fox. O roteiro é de Ring Lardner, Jr. que adaptou o romance de Richard Hooker chamado MASH: A Novel About Three Army Doctors.

A história é sobre uma unidade médica militar (sigla MASH - Mobile Army Surgical Hospital ou em tradução livre "Hospital Cirúrgico Móvel do Exército") que opera durante a Guerra da Coreia mas com alusões a Guerra do Vietnã que estava em andamento na época do lançamento do filme [3] . Com o sucesso alcançado deu origem a aclamada série homônima, exibida originalmente entre 1972 a 1983.

O filme ganhou uma de cinco indicações para o Óscar, inclusive de Melhor Filme. Venceu como melhor roteiro adaptado.

O tom antibelicista do roteiro de Ring Lardner Jr. pode ser atribuído à prisão dele na década de 1950. O escritor fez parte do Hollywood 10, grupo de roteiristas e diretores que foram denunciados pelo Comitê de Atividades Anti-Americanas que na época perseguia prováveis comunistas em Hollywood.

Elenco[editar | editar código-fonte]

  • Donald Sutherland .... cap. Benjamin Franklin "Hawkeye" Pierce
  • Elliott Gould .... cirurgião-chefe John Francis Xavier "Trapper John" McIntyre
  • Tom Skerritt .... cap. Augustus Bedford "Duke" Forrest
  • Sally Kellerman .... enfermeira-chefe Margaret "Lábios-Quentes" O'Houlihan
  • Robert Duvall .... mj. Frank Burns
  • Roger Bowen .... tte.-cel. Henry Braymore Blake
  • Rene Auberjonois .... pe. John Patrick "Dago Red" Mulcahy
  • David Arkin .... sgt. Vollmer
  • Jo Ann Pflug .... tte. Maria Schneider
  • Gary Burghoff .... cb. Walter "Radar" O'Reilly
  • Fred Williamson .... cap. Oliver Harmon "Spearchucker" Jones
  • Michael Murphy .... cap. Ezekiel Bradbury "Me Lay" Marston, IV
  • Indus Arthur .... tte. Leslie
  • Kim Atwood .... Ho-Jon
  • Carl Gottlieb .... cap. "Ugly John" Black
  • G. Wood...General de Brigada Charlie Hammond
  • James B. Douglas...Coronel Wallace C. Merril (não creditado)

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

Em 1951, os capitães "Hawkeye" Pierce e "Duke" Forrest chegam num jipe roubado à 4077ª Unidade Médica Cirúrgica Móvel do Exército (sigla "MASH" em inglês) para servirem como médicos cirurgiões convocados. Ambos são excelentes médicos mas completamente rebeldes e subversivos em relação aos regulamentos e comportamentos do Exército. Imediatamente eles antipatizam com Frank Burns, fanático religioso e cirurgião limitado. Eles tentam pressionar o comandante do lugar, Tenente-coronel Henry Blake, para removê-lo. Pouco depois eles requisitam um especialista toráxico e quem chega é o Capitão "Trapper" John McIntyre, com o mesmo comportamento indisciplinado dos outros dois. Outro oficial recém-chegado é a enfermeira-chefe Major Margaret O'Houlihan, uma oficial de carreira e mulher reprimida que não gosta do jeito que os médicos tratam Burns e também se torna alvo da antipatia deles. A narrativa vai se desenvolvendo episodicamente: o padre Mulcahy conta a Hawkeye sobre um problema do dentista Walt Waldowski que, investigando depois, descobre que foi causado por ele falhar sexualmente pela primeira vez com uma mulher, o que o fez entrar em depressão achando que era homossexual; os médicos apostam que a enfermeira-chefe não é loura natural e depois armam para realizar a "verificação"; Trapper é chamado para ir a Kokura, Japão, para operar um filho de congressista e leva Hawkeye como assistente e os dois entram em conflito com o arrogante comandante do hospital, Coronel Wallace Merrill;e, no clímax do filme, uma partida de futebol americano da 4077 MASH contra o time do General Hammond, quando novamente se acerta uma vultosa aposta. Não querendo perder, Hawkeye chama para o time o neurocirurgião e ex-profissional "Spearchucker" Jones (Dr. Oliver Harmon Jones) mas não sabe que os adversários também contam com seu atleta ex-profissional. Na sequência final, Hawkeye e Duke recebem ordens para voltarem para casa - e deixam a unidade no mesmo jipe roubado em que chegaram.

Produção[editar | editar código-fonte]

Helicóptero com a identificação (ficticia) e as cores da unidade MASH 4077

O roteiro diverge radicalmente do livro. Em comentários do DVD, Altman descreve a história como "pretty terrible" ("bonita terrível") e um pouco "racista" (o único personagem negro importante tem o apelido de "Spearchucker" ou "arremessador"), dizendo que o roteiro foi usado apenas como ponto de partida. Na verdade existem algumas improvisações no filme e apesar de mudanças de Altman, a maior parte das sequências está no roteiro. A principal alteração é o retorno de Ho-Jon ao 4077 como um falecimento. Quando Radar rouba sangue de Henry, era para a cirurgia dele feita por Trapper e Hawkeye. No final, quando os cirurgiões jogam pôquer após a partida de futebol americano e ignoram resolutamente um corpo sendo transportado para fora da unidade — este era Ho-Jon. Os principais desvios do roteiro foram em relação aos diálogos.

As filmagens foram difíceis devido as tensões entre o diretor e o elenco. Sutherland e Gould passaram um terço do tempo tentando afastar Altman [4] . O diretor, relativamente principiante no meio cinematográfico americano, não possuía muitas credenciais que justificassem seus meios heterodoxos de filmagem e tinha um histórico de recusar trabalhos e evitar criar produções de baixa qualidade [5] . Altman: "I had practice working for people who don't care about quality, and I learned how to sneak it in." (tradução livre:"Eu tinha experiência em trabalhar para pessoas que não se preocupavam com qualidade, e aprendi a como me esquivar delas") [6] . Altman mais tarde comentou que se soubesse sobre Gould e Sutherland, teria deixado a direção [7] . Gould depois enviou uma carta de desculpas e Altman o chamaria para outros filmes. Mas o diretor nunca mais voltaria a trabalhar com Sutherland.

Na primeira versão editada, havia pouco uso de transmissões pelos auto-falantes. Quando Altman achou que precisava de uma maior estruturação narrativa para ligar os diferentes episódios, o editor Danford Greene sugeriu aumentar esse recurso. Ele pegou uma segunda unidade técnica e fez filmagens adicionais com os auto-falantes. Na mesma noite que essas cenas foram realizadas, os astronautas americanos chegaram à Lua [8] .

Durante a produção, um aviso que menciona a Coreia foi adicionado no início do filme [9] , conforme requisição da 20th Century Fox [10] .

Música[editar | editar código-fonte]

Johnny Mandel compôs a música incidental ouvida durante o filme. Outras ouvidas são vocalizações em japonês de canções como "Tokyo Shoe Shine Boy", "My Blue Heaven","Happy Days are Here Again", "Chattanooga Choo Choo" e "Hi-Lili, Hi-Lo"; "Onward, Christian Soldiers", "When the Lights Go On Again", e "Hail to the Chief" por membros do elenco; e a instrumental "Washington Post March" durante a partida de futebol americano. Columbia Records lançou a trilha sonora em disco em 1970.

A canção-tema de MASH é "Suicide Is Painless" (algo como "suicídio indolor"), com música de Mandel e letra de Mike Altman, filho do diretor que tinha então 14 anos de idade. A versão ouvida durante os créditos de abertura (acompanhando as imagens soturnas de helicópteros transportando macas com combatentes feridos) teve como vocalistas (não creditados) John Bahler, Tom Bahler, Ron Hicklin e Ian Freebairn-Smith (no disco lançado, a canção é atribuída a "The Mash"); é reprisada cantada pelo soldado Seidman (interpretada por Ken Prymus) na cena da "terapia de recuperação" do oficial dentista (que incluía um suicídio simulado e indolor, como diz o título). Altman comentou em uma entrevista que seu filho ganhou mais dinheiro rápido com os direitos da gravação do que os 70.000 dólares que ele próprio recebera como pagamento pela direção do filme.

Prêmios e indicações[editar | editar código-fonte]

Oscar (1971)

Melhor filme
Melhor diretor
Oscar de melhor atriz coadjuvante (Sally Kellerman)
Melhor edição.

Globo de Ouro (1971)

Melhor diretor
Melhor ator em comédia ou musical (Donald Sutherland e Elliott Gould)
Melhor atriz coadjuvante (Sally Kellerman)
Melhor roteiro

Festival de Cannes (1970)

Referências

  1. Solomon, Aubrey. Twentieth Century Fox: A Corporate and Financial History. [S.l.]: Scarecrow Press, 1989. p. 256. ISBN 978-0-8108-4244-1
  2. M.A.S.H. (1970) (em inglês) Box Office Mojo. Página visitada em 4 de fevereiro de 2013.
  3. The Entertainment Weekly Guide to the Greatest Movies Ever Made. New York: Warner Books, 1996. p. 49.
  4. Film Curator, (NCMA), the North Carolina Museum of Art in Raleigh, North Carolina "Gould e Sutherland se rebelaram no set, convencidos que a direção desestruturada de Altman destruiria as respectivas carreiras ainda incipientes"
  5. Film Curator, (NCMA), the North Carolina Museum of Art in Raleigh, North Carolina.Tradução livre: "Entre 1957 e 1964 ele trabalhou em cerca de 20 programas de TV ... despedido das maioria por suas experimentações com as narrativas não-lineares e sonorização sobreposta"
  6. Film Curator, (NCMA), the North Carolina Museum of Art in Raleigh, North Carolina, citação atribuída a Robert Altman
  7. Robert Altman (director commentary). M*A*S*H [DVD]. Twentieth Century Fox Home Entertainment.
  8. "Enlisted: The Story of M*A*S*H" (documentário making-of), Twentieth Century Fox Home Entertainment, 2001
  9. Robert Altman (comentário do diretor). M*A*S*H [DVD]. Twentieth Century Fox Home Entertainment. Acessado em 15-05-2007.
  10. Film Curator, (NCMA), the North Carolina Museum of Art in Raleigh, North Carolina. "Não existia absolutamente nenhuma menção à Coreia no filme, e a Fox insistiu que isso fosse consertado. Um texto introdutório e locuções foram usados..."

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Applications-multimedia.svg A Wikipédia possui o
Ícone de esboço Este artigo sobre um filme é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.