Martina Navrátilová

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Tenista Martina Navrátilová
Martina Navratilova trim.jpg
País  Estados Unidos
Residência Nokomis, Flórida, Estados Unidos
Data de nasc. 18 de Outubro de 1956 (58 anos)
Local de nasc. Praga, República Checa
Altura 1,73 m
Peso 65 kg
Profissionalização 1975
Aposentadoria 2006
Mão Esquerda, direita a uma mão
Prize money US$ 21 626 089
Inter. Tennis HOF 2000
Simples
Vitórias-Derrotas 1442-219 (86,81%)
Títulos 167 (recorde)
Melhor ranking 1 (10 de julho de 1978)
Resultados de Grand Slam
Open da Austrália V (1981, 1983, 1985)
Open da França V (1982, 1984)
Wimbledon V (1978, 1979, 1982 até 1987, 1990)
U.S. Open V (1983, 1984, 1986, 1987)
Torneios principais
WTA Championships V (1978, 1979, 1981, 1983 até 1986)
Duplas
Vitórias-Derrotas 747-143 (83,93%)
Títulos 177 (recorde)
Melhor ranking 1 (10 de setembro de 1984)
Resultados de Grand Slam de Duplas
Open da Austrália V (1980, 1982 a 1985, 1987 a 1989)
Open da França V (1975, 1982, 1984 a 1988)
Wimbledon V (1976, 1979, 1981 a 1984, 1986)
U.S. Open V (1977, 78, 80, 83, 84, 86, 87, 89, 90)
Torneios principais de duplas
WTA Championships V (1980, 1981 a 1989, 1991)
Última atualização em: 7 de novembro de 2010.
Selo paraguaio de 1986.

Martina Navrátilová (Praga, 18 de outubro de 1956) é uma ex-tenista tcheca. Naturalizou-se norte-americana em 1981.

Especialistas em tênis afirmam que, por sua personalidade carismática, determinada e controvertida, Martina desbancou a mitológica francesa Suzanne Lenglen, que brilhou na década de 20. Navrátilová venceu 18 Grand Slams de simples, 31 Grand Slams de duplas (recorde de todos os tempos), e 10 Grand Slams de duplas mistas.

Após ser eliminada por Chris Evert, sua maior rival e amiga no circuito, na semifinal do Aberto dos Estados Unidos de 1975, ela pediu asilo nos Estados Unidos, iniciando um complicado processo de naturalização que durou seis anos. De 1981 a 1983, Martina contratou para sua técnica a tenista transexual Renée Richards, que fora Richard Raskind até submeter-se a uma operação para mudança de sexo.

No auge de sua carreira, durante os anos 80, Navrátilová sacava a aproximadamente 180 km/h, velocidade alcançada somente vários anos depois, por jogadoras que se valem de novos métodos de treinamento e de modernas gerações de raquetes.

Em Setembro de 1992, Martina Navrátilová enfretou o ex-tenista Jimmy Connors, no Caesars Palace, em Paradise, Nevada, numa partida amistosa. Connors venceu por 7-5 e 6-2, mesmo com regras que favoreceram a tenista (como poder usar a área maior da quadra destinada a duplas, e ele não poder cometer faltas nos saques)[1] . Esta partida ganhou a alcunha de "Battle of Champions" (em português: Batalha de Campeões)[2] .

Abandonou oficialmente o circuito em novembro de 1994, aos 38 anos, como a mais vencedora e premiada jogadora de tênis de todos os tempos. Sua última partida de simples foi disputada no Madison Square Garden, em Nova York, quando perdeu para a argentina Gabriela Sabatini por 6-4 e 6-2, no torneio Virginia Slims Championships, o Masters Feminino.

Navratilova permaneceu no circuito disputando jogos de duplas até o ano de 2006, quando definitivamente deixou as quadras após o título do US Open de duplas mistas conquistado ao lado de seu compatriota Bob Bryan, quando venceram na final Kveta Peschke e Martin Damm, da República Checa, com um placar de 6-2, 6-3.

Ela, Doris Hart e Margaret Court são os únicos tenistas a obter o chamado Boxed Set do tenis. Ou seja, ganhar o torneio de simples, duplas e duplas mistas em todos os 4 torneios do Grand Slam[3]

Martina Navrátilová, Margaret Osborne duPont, Steffi Graf e Rafael Nadal são os únicos tenistas a obter o chamado Década Slam do tênis. Ou seja, ganhar durante dez anos consecutivos pelo menos um dos torneio do Grand Slam por temporada. Não precisa ser o mesmo torneio do Grand Slam, mas tem que ser obrigatoriamente durante dez anos consecutivos e só em simples, duplas ou duplas mistas. No caso de Navrátilová, ela conseguiu uma Década Slam de 1975 a 1984 nas Duplas.

Navrátilová é membro do International Tennis Hall of Fame desde 2000.

Conquistas[editar | editar código-fonte]

  • Seis títulos seguidos de torneios Grand Slam em catorze meses (1983-1984), igualando os recordes de Margaret Smith Court e Maureen Connolly.
  • Nove títulos em doze finais de Wimbledon.
  • 22 anos de carreira
  • 2120 partidas
  • 167 títulos em simples (record absoluto entre homens e mulheres)
  • 177 títulos de duplas (record absoluto entre homens e mulheres)
  • 20 milhões de dólares em prêmios
  • 1442 vitórias em simples (record absoluto entre homens e mulheres)

Títulos de Grand Slam[editar | editar código-fonte]

Campeonatos (18)[editar | editar código-fonte]

Ano Torneio Adversária Resultado
1978 Wimbledon Estados Unidos Chris Evert 2-6, 6-4, 7-5
1979 Wimbledon Estados Unidos Chris Evert 6-4, 6-4
1981 Aberto da Austrália Estados Unidos Chris Evert 6-7, 6-4, 7-5
1982 Aberto da França Estados Unidos Andrea Jaeger 7-6, 6-1
1982 Wimbledon Estados Unidos Chris Evert 6-1, 3-6, 6-2
1983 Wimbledon Estados Unidos Andrea Jaeger 6-0, 6-3
1983 Aberto dos EUA Estados Unidos Chris Evert 6-1, 6-3
1983 Aberto da Austrália Estados Unidos Kathy Jordan 6-2, 7-6
1984 Aberto da França Estados Unidos Chris Evert 6-3, 6-1
1984 Wimbledon Estados Unidos Chris Evert 7-6, 6-2
1984 Aberto dos EUA Estados Unidos Chris Evert 4-6, 6-4, 6-4
1985 Wimbledon Estados Unidos Chris Evert 4-6, 6-3, 6-2
1985 Aberto da Austrália Estados Unidos Chris Evert 6-2, 4-6, 6-2
1986 Wimbledon Tchecoslováquia Hana Mandlikova 7-6, 6-3
1986 Aberto dos EUA Tchecoslováquia Helena Sukova 6-3, 6-2
1987 Wimbledon Alemanha Steffi Graf 7-5, 6-3
1987 Aberto dos EUA Alemanha Steffi Graf 7-6, 6-1
1990 Wimbledon Estados Unidos Zina Garrison 6-4, 6-1

Autobiografia[editar | editar código-fonte]

Em sua autobiografia Being Myself ("Sendo eu mesma" em tradução livre), lançada em 1985, Navrátilová fala abertamente sobre sua homossexualidade. Conta que, ainda menina, sentia-se atraída por sua professora. Aos 17 anos, apaixonou-se pelo seu único namorado, com quem teve a primeira e última relação sexual com um homem, da qual só guarda a lembrança do medo de engravidar. Já nos Estados Unidos, Navrátilová iniciou um romance com a escritora Rita Mae Brown e, posteriormente, também namorou a jogadora de basquetebol Nancy Lieberman.

Em dezembro de 2014 casou-se com a antiga Miss Rússia Julia Lemigova.[4]

Linha do tempo em Grand Slam[editar | editar código-fonte]

Torneios 1973 1974 1975 1976 1977 1978 1979 1980 1981 1982 1983 1984 1985 1986 1987 1988 1989 1990 1991 1992 1993 1994 1995-2003 2004
Australian Open - - F - - - - SF V F V SF V - F SF QF - - - - - - -
Roland Garros QF QF F - - - - - QF V 4R V F F F 4R - - - - - 1R - 1R
Wimbledon 4R 3R QF SF QF V V SF SF V V V V V V V V V QF SF SF V 3R
U.S. Open 1R 3R SF 1R SF SF SF 4R F QF V V F V V QF F 4R F 2R 4R - - -

Referências

  1. elpais.com/ Connors derrotó a Navratilova con facilidad
  2. New Straits Time The Battle of Champions
  3. tennis.co.uk
  4. Martina Navratilova casou-se com Miss Rússia em Nova Iorque.
Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Martina Navratilova