Rainbow (álbum de Mariah Carey)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Rainbow
Álbum de estúdio de Mariah Carey
Lançamento 2 de novembro de 1999 (1999-11-02)
Gravação 29 de maio de 1999 - 21 de outubro de 1999
Gênero(s) R&B, pop, hip hop
Duração 55:49
Gravadora(s) Columbia
Produção Mariah Carey, Diane Warren, Shawn Carter, Jimmy Jam and Terry Lewis, James Wright, David Foster, Jermaine Dupri, Bryan-Michael Cox, Missy Elliott, DJ Clue, Steve Mac
Cronologia de Mariah Carey
Último
Último
#1's
(1998)
Valentines
(2000)
Próximo
Próximo
Singles de Rainbow
  1. "Heartbraker"
    Lançamento: 21 de agosto de 1999 (1999-08-21)
  2. "Thank God I Found You"
    Lançamento: 1 de fevereiro de 2000 (2000-02-01)
  3. "Can't Take That Away (Mariah's Theme)"
    Lançamento: 6 de junho de 2000 (2000-06-06)
  4. "Crybaby"
    Lançamento: 20 de julho de 2000 (2000-07-20)
  5. "Against All Odds (Take a Look at Me Now)"
    Lançamento: 3 de outubro de 2000 (2000-10-03)

Rainbow é o sétimo álbum de estúdio da artista musical estadunidense Mariah Carey. O seu lançamento ocorreu em 2 de novembro de 1999 pela Columbia Records. O álbum seguiu o mesmo padrão do anterior de Carey, Butterlfy (1997), em que ela começou sua transição para o estilo R&B. O disco possui uma mistura de gêneros como o hip hop e o R&B, bem como uma variedade de baladas lentas. No álbum, Carey trabalhou com produtores como David Foster e Diane Warren, que substituiu Walter Afanasieff, principal produtor de baladas que trabalhou com a cantora em seus projetos anteriores. Com a separação de seu então marido Tommy Mottola, Carey teve mais controle no estilo musical do álbum, colaborando com cantores como Jay-Z, Usher e Snoop Dogg.

Em seu álbum anterior Butterfly, Carey incorporou estilos musicais até então inéditos em seu repertório musical, como o hip-hop e o R&B. Para ir além em seus horizontes musicais, a intérprete colaborou com Jay-Z no primeiro single do disco, sendo esta a primeira faixa de Carey a ser lançada como o primeiro single de algum disco contando com outro artista. Carey compôs baladas em que seu gênero principal é o R&B e não o pop, e trabalhou com Snoop Dogg e Usher em músicas como "Crybaby" e "How Much", ambas contando com fortes batidas e ritmos de R&B. Diversas das baladas que Carey compôs durante o período de elaboração do disco, incluindo "Thank God I Found You" (junto com Terry Lewis) e "After Tonight" (junto com Diane Warren), refletem sentimentos que ela experimentou em sua vida pessoal.

Rainbow recebeu revisões mistas por parte da mídia especializada, a qual prezou a contínua mudança do gênero adulto de seu passado. Entretanto, sua produção foi criticada por parte dos avaliadores, que sentiram que o álbum não era tão forte ou tão distinto como Butterfly. O disco obteve um bom desempenho comercial, liderando as tabelas musicais da Europa e da França, ao passo que qualificou-se entre os cinco álbuns mais vendidos na Alemanha, na Austrália, na Áustria, na Bélgica (região da Valônia), na Finlândia e na Suíça. Nos Estados Unidos, o projeto converteu-se no primeiro de Carey a não liderar a Billboard 200, estreando na segunda posição com vendas de 322 mil cópias em sua semana de lançamento. Foi certificado como platina tripla pela Recording Industry Association of America (RIAA), denotando vendas de três milhões de cópias do disco em território estadunidense. Na Europa, foi certificado como platina pela Federação Internacional da Indústria Fonográfica (IFPI), vendendo mais de um milhão de cópias no continente.

Cinco singles foram lançados do álbum: dois foram lançados internacionalmente, dois foram lançados promocionalmente e um foi lançado no continente europeu. O primeiro, "Heartbreaker", conta com a participação do rapper Jay-Z e tornou-se o décimo quarto single de Carey a liderar a tabela musical Billboard Hot 100, enquanto liderou as tabelas musicais do Canadá, da Espanha e da Nova Zelândia. O segundo single lançado foi "Thank God I Found You". Conta com a participação de Joe e 98 Degrees e foi o décimo quinto single de Carey a atingir a primeira posição da tabela Billboard Hot 100. Os dois singles sucessores, "Can't Take That Away (Mariah's Theme)" e "Crybaby", foram laçados como um duplo lado A. Estas duas faixas foram centro de uma disputa pública entre Carey e a Sony, devido a uma alegação de que a Sony não teria promovido estas duas canções como "Heartbreaker" e "Thank God I Found You". "Against All Odds (Take a Look at Me Now)" — regravação da original interpretada por Phil Collins —, foi lançada apenas na Europa, liderando as tabelas musicais da Irlanda e do Reino Unido, sendo que no último país citado "Against All Odds (Look at Me Now)" tornou-se o segundo single de Carey a liderar a tabela UK Singles Chart. A artista promoveu Rainbow em sua quarta turnê (sendo sua segunda mundial), intitulada Rainbow World Tour. A turnê passou por países como a Espanha, a França, a Itália e a Singapura.

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

Desde seu álbum de estreia homônimo, lançado em 1990, Carey foi fortemente representada e controla por seu então marido e chefe de sua antiga gravadora Sony Music Entertainment, Tommy Mottola.[1] Durante anos, os discos de Carey constituíam principalmente em lentas e significativas baladas, desprovidas de qualquer influência do hip hop. Enquanto gravava seu quinto álbum de estúdio Daydream em janeiro de 1995, Carey teve mais controle sobre seu estilo musical, bem como novas influências.[1] Ela contou com as habilidades e as rimas de Ol' Dirty Bastard, que é o artista participante no remix de seu single "Fantasy". Enquanto Mottola estava hesitante no início, o esforço da cantora valeu a pena:[1] a canção liderou diversas tabelas musicais ao redor do mundo, com a crítica especializada citando a faixa como uma das primeiras de Carey a juntar o pop e o R&B.[2]

Durante a gravação e a concepção de seu sexto álbum de estúdio Butterfly em 1997, Carey se separou de Mottola, deixando o período de controle do disco inacabado.[2] Após a sua separação com Mottola, Carey colaborou com artistas mais jovens do R&B e do hip hop, além de seu trabalho já considerado "habitual" com os produtores de baladas Walter Afanasieff e Kenneth "Babyface" Edmonds.[3] Ao passo que o álbum incorporou gêneros e componentes que não estavam presentes nos projetos anteriores de Carey, Butterfly também incluiu canções influenciadas por suas baladas clássicas, bem como composições que infundiram o R&B.[3] Enquanto a Sony concordou que Carey trabalhasse com novos produtores e compositores como P. Diddy e Bone Thugs-n-Harmony, a gravadora estava focada em promover as baladas do disco. Depois de "Honey", lançada como o primeiro single de Butterfly em setembro de 1997, a Sony suspendeu a promoção de composições influenciadas pelo R&B e lançou a balada "My All" como o segundo single do disco. Rainbow foi inspirado por Butterfly e inclui influências do R&B e do hip hop.[3]

Desenvolvimento e gravação[editar | editar código-fonte]

"Eu amo Nova Iorque. Mas se eu estiver lá, eu quero sair; os amigos vêm para o estúdio, o telefone toca constantemente. Mas, em Capri, eu estou em um lugar remoto, e eu não posso encontrar com ninguém. Senti que em Capri eu seria capaz de terminar o álbum de forma eficaz e em um cronograma mais curto. E eu consegui. Eu fiz isso em três meses, eu estava tipo 'tirem-me desta gravadora!' Eu não podia levá-la. A situação [entre mim e a Sony] estava se tornando cada vez mais difícil.

—Carey falando sobre a decisão de gravar Rainbow em Capri.[4]

Durante a primavera estadunidense de 1999, Carey iniciou o desenvolvimento de seu último álbum com a Sony, gravadora de seu ex-marido.[4] Luis Miguel, namorado da cantora na época, estava embarcando em uma turnê europeia. Para passar mais tempo com Miguel, ela decidiu gravar o disco em uma ilha isolada em Capri, Itália, descobrindo que o isolamento iria ajuda-la a completar o álbum mais rápido.[4] Nesta época, a relação tensa entre a artista e a Sony afetou a sua parceria com Walter Afanasieff, que trabalhou extensivamente com Carey em sua fase de maior sucesso.[4] Além de suas crescentes diferenças criativas, Mottola concedeu à Afanasieff mais oportunidades de trabalhar com outros artistas.[5] Ela sentiu que Mottola estava tentando separá-la de Afanasieff apenas para manter a sua relação com a Sony permanentemente tensa.[5] Devido à pressão e o relacionamento que Carey já tinha desenvolvido com a Sony, ela completou o álbum em um período de três meses no verão estadunidense de 1999, mais rápido do que qualquer um de seus outros álbuns.[5]

Assim como em seus lançamentos anteriores, Carey co-compôs e co-produziu o material do disco, trabalhando com diversos artistas e produtores do hip hop e do R&B, como Jay-Z, Terry Lewis, Usher, Snoop Dogg, Missy Elliott, Jermaine Dupri e Bryan-Michael Cox.[5] Para o primeiro single do álbum, a intérprete trabalhou com Jay-Z e DJ Clue.[6] Na primeira estadunidense de 1999, Carey trabalhou com Clue em diversos ganchos e melodias para o single carro-chefe. Após algumas horas, eles decidiram uma estrela do hip hop da faixa, que eventualmente foi Jay-Z.[6] Trey Lorenz, amigo e vocalista de apoio de longa data da cantora — que também participa na regravação de "I'll Be There", dos The Jackson 5 —, adicionou alguns "vocais [de apoio] masculinos e suaves".[6] A artista trabalhou com Lewis e Jam na balada "Thank God I Found You".[7] Ela já havia estado no estúdio com a dupla várias vezes antes de chama-los para encontrá-la no estúdio, dizendo que já havia concebido o título, o gancho e a melodia do tema. Geralmente, quando Carey estava escrevendo as músicas para Rainbow, James "Big Jim" Wright iria tocar o órgão ou o piano e ajudar Carey para encontrar a "melodia certa".[7] No entanto, desde que Wright não estava presente, Lewis tocou o órgão, enquanto Carey dirigiu-o com seus registros baixos, proporcionando a progressão de acordes. Eles compuseram a canção e gravaram os vocais da cantora. Sabendo que ela queria introduzir um vocalista masculino na faixa, Lewis levou para o estúdio o cantor de R&B Joe e o grupo pop 98 Degrees.[7] Pouco tempo depois, o grupo e Joe gravaram todos os seus vocais e a canção foi completada.[7] Em uma entrevista com Fred Bronson, Lewis comentou sobre a noite em que Carey compôs "Thank God I Found You":

Enquanto o álbum ainda estava imerso no território R&B mainstream, Carey incluiu algumas de suas baladas clássicas e canções amorosas no álbum, trabalhando com compositores e produtores como David Foster e Diane Warren.[5] A ideia de trabalhar com Warren foi sugerido por Foster, que achou que os dois seriam capazes de "criar uma boa balada" juntos.[5] Eles compuseram e produziram a música "After Tonight". Carey sentiu que a canção era uma metáfora perfeita para o seu relacionamento com Miguel, descrevendo seu romance em Capri. Enquanto a canção foi considerada um sucesso em ambas as partes, eles descreveram a sua relação de trabalho com uma mistura de sentimentos.[5] De acordo com Foster, que esteve envolvido na sessão de composição, Carey e Warren nem sempre concordam com as letras e a estrutura melódica do canção. Ele descreveu isso como um "relacionamento dado e levado". Warren ofereceu algumas letras, e Carey não gostou de algumas delas; ela queria algo mais complexo e detalhado. Carey produziu ganchos e letras que Warren achou que não eram um ajuste perfeito.[5] No final, Foster sentiu que elas trabalharam de uma "maneira boa". Depois de gravar a faixa, Carey convidou Miguel para gravar a canção com ela como uma espécie de dueto.[8] No entanto, após a gravação repentina dos versos, Foster e Carey perceberam que a canção não saiu da maneira como eles planejaram.[8] Foster disse que a chave da canção era "muito alta"; as vozes não harmonizaram bem. Carey não teve tempo de voltar a gravar seus vocais em uma chave menor para acomodar os versos de Miguel.[8] Posteriormente, Miguel, furioso com a falha da colaboração, enviou a Foster uma fita de demonstração. Carey, Warren e Foster também escreveu "Can't Take That Away (Mariah's Theme)", uma das baladas apresentadas em Rainbow.[8]

Recepção[editar | editar código-fonte]

Críticas profissionais
Avaliações da crítica
Fonte Avaliação
allmusic 3 de 5 estrelas.Star full.svgStar full.svgStar empty.svgStar empty.svg [9]
Rolling Stone 3 de 5 estrelas.Star full.svgStar full.svgStar empty.svgStar empty.svg [10]

Rainbow estreou em segundo lugar na parada americana Billboard 200, com mais de 323 mil cópias vendidas, o maior número de vendas em uma semana da cantora (superado pelo álbum E=MC²).[11] Estava atrás somente do álbum do Rage Against the Machine chamado Battle of Los Angeles. Na segunda semana Rainbow continuou em segundo lugar com mais de 228 mil cópias, dessa vez atrás do álbum de Faith Hill, Breathe. O álbum continuou entre os vinte mais vendidos por dez semanas em sua trigésima quarta semana fez uma re-entrada. O álbum em sua oitava semana foi certificada tripla platina pela RIAA com vendas de 369 mil cópias (estava na nona posição). Foi o primeiro álbum da cantora desde Emotions (1991) a não alcançar a primeira posição nos Estados Unidos, no mundo o álbum foi entre os 10 mais vendidos.

Compactos[editar | editar código-fonte]

Rainbow produziu dois compactos a atingir o primeiro lugar na parada americana Billboard Hot 100: "Heartbreaker" e "Thank God I Found You". Um cover da versão de Phil Collins da canção "Against All Odds (Take a Look at Me Now)" com a participação da banda irlandesa Westlife foi lançada no Reino Unido e se tornou o segundo compacto a atingir o primeiro lugar neste país. Já o compacto com as duas canções do álbum, "Can't Take That Away (Mariah's Theme)"/"Crybaby", foi o primeiro da cantora a não conseguir entrar entre os vinte mais vendidos nos EUA.

Rainbow foi certificado platina na Europa pela IFPI pelas vendas de 1 milhão de cópias.[12]

Em 2008, "How Much" foi incluída na compilação The Ballads, mesmo não tendo sido lançada como compacto. A música possui algumas mudanças da versão original.

Trívia[editar | editar código-fonte]

Broom icon.svg
Seções de curiosidades são desencorajadas pelas políticas da Wikipédia.
Ajude a melhorar este artigo, integrando ao corpo do texto os itens relevantes e removendo os supérfluos ou impróprios.

Em 1999, Mariah foi ao Brasil para promover Rainbow e fez uma apresentação no programa da Rede Globo, "Domingão do Faustão". Cansado de falar Mariah Carey, Fausto Silva apelidou a cantora de "Maria do Café". Passou também pelo programa Hebe onde cantou hits do álbum como "Heartbreaker" e "Against All Odds (Take a Look at Me Now)", além de ganhar de Hebe um lindo sapato de Fernando Luiz sem esquecer de mencionar participou de uma entrevista no programa "Planeta Xuxa" gravada na casa da apresentadora Xuxa Meneghel.

Lista das faixas[editar | editar código-fonte]

Edição padrão
N.º Título Compositor(es) Produtor(es) Duração
1. "Heartbreaker" (com de Jay-Z) Mariah Carey, Shawn Carter, Narada Michael Walden, Shirley Ellison, Lincon Chase, Jeffrey Cohen Carey, DJ Clue 4:46
2. "Can't Take That Away (Mariah's Theme)"   Carey, Diane Warren Carey, Jimmy Jam e Terry Lewis 4:32
3. "Bliss"   Carey, James Harris III, Terry Lewis, James "Big Jim" Wright Carey, Harris III, Lewis 5:44
4. "How Much" (com Usher) Carey, Bryan-Michael Cox, Jermaine Dupri, Tupac Shakur, Darryl Harper Carey, Cox, Dupri 3:30
5. "After Tonight"   Carey, Warren, David Foster Carey, Warren, Foster 4:15
6. "X-Girlfriend"   Carey, Kandi Burruss, Kevin Briggs Carey, Burruss 3:58
7. "Heartbreaker (Remix)" (com Da Brat e Missy Elliott) Carey, N.M. Walden, Shawntae Harris, Melissa Elliott, Calvin Broadus, Andre Young, Warren Griffin III Carey, Elliot, Broadus 4:36
8. "Vulnerability (Interlude)"   Carey Carey 1:12
9. "Against All Odds (Take a Look at Me Now)"   Phil Collins Carey, Harris III, Lewis 3:25
10. "Crybaby" (com Snoop Dogg) Carey, Broadus, Trey Lorenz, Teddy Riley, Gene Griffin Carey, Scram Jones 5:19
11. "Did I Do That?" (com Mystikal e Master P) Carey, Craig B., Tracey Waples, Joseph Johnson, Wardell Querzergue Carey, Waples 4:15
12. "Petals"   Carey, Harris III, Lewis, Wright Carey, Lewis, Wright 4:23
13. "Rainbow (Interlude)"   Carey, Harris, Lewis Carey, Lewis 1:32
14. "Thank God I Found You" (com Joe e 98 Degrees) Carey, Harris, Lewis Carey, Lewis 4:17
Duração total:
55:49

Posição nas paradas[editar | editar código-fonte]

Parada Melhor
posição
Certificação Vendas/Fabricados
 Argentina - Albums Chart[13] 1 Gold.png Ouro 30.000[14]
 Austrália - Albums Chart[15] 4 Gold.png Ouro 45.000[16]
 Áustria - Albums Chart[17] 4
 Bélgica - Flandres Albums Chart[18] 14 Platinum.png Platina 50,000[19]
 Bélgica - Valônia Albums Chart[20] 5
 Brasil - Albums Chart 1 Platinum.png Platina 250.000[21]
 Canadá - Albums Chart[22] 6 Double Platinum.png 2× Platina 400.000[23]
 Países Baixos - Albums Chart[24] 4 Gold.png Ouro 100.000[25]
União Europeia - Albums Chart[26] 1 Platinum.png Platina 3.500.000[27]
 Finlândia - Albums Chart[28] 2
 França - Albums Chart[29] 1 Platinum.png Platina 900.000[30]
 Alemanha - Albums Chart[31] 3 Platinum.png Platina 400.000[32]
 Hungria - Albums Chart[33] 4
 Itália - Albums Chart[34] 10 Platinum.png Platina 100.000[35]
 Japão - Albums Chart[36] 2 Milhão 1.900.000[37]
 México - Albums Chart[38] 1 Gold.png Ouro 100.000[39]
 Nova Zelândia - Albums Chart[40] 11 Platinum.png Platina 25.000[41]
 Noruega - Albums Chart[42] 11
 Espanha - Albums Chart[43] 7 Platinum.png Platina 300.000[44]
 Suécia - Albums Chart[45] 15
Suíça - Albums Chart[46] 2 Gold.png Ouro 25.000[47]
 Reino Unido - Albums Chart[48] 8 Gold.png Ouro[49] 150.000[49]
 Estados Unidos Billboard 200[50] 2 Triple Platinum.png 3× Platina[51] 4.000.000[52]

Referências