Volume Dois

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Amanhã não se Sabe)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Volume Dois
Álbum de estúdio de Titãs
Lançamento 9 de outubro de 1998[1]
Gravação 1998
Gênero(s) Rock and roll
Pop rock
Duração 54:06
Idioma(s) Português
Formato(s) CD
Gravadora(s) WEA
Produção Liminha e Titãs
Opiniões da crítica

O parâmetro das opiniões da crítica não é mais utilizado. Por favor, mova todas as avaliações para uma secção própria no artigo. Veja como corrigir opiniões da crítica na caixa de informação.

Cronologia de Titãs
Acústico MTV
(1997)
As Dez Mais
(1999)

Volume Dois é o nono álbum de estúdio da banda brasileira de rock Titãs, lançado em 1998. O álbum se trata de uma sequência em estúdio do Acústico MTV, gravado no ano anterior.[2] Vendeu 1 milhão de cópias.[3]

Além de regravações de sucessos antigos, o álbum conta com um cover de Roberto Carlos na faixa "É Preciso Saber Viver" e de Germano Mathias em "Senhor Delegado/Eu Não Aguento", além da participação especial do grupo Fat Family nesta mesma faixa, e com canções inéditas ("Sua Impossível Chance", "Amanhã Não Se Sabe" - mais tarde regravada pela banda LS Jack -, "Senhora e Senhor", "Caras Como Eu", "Era Uma Vez" e "Eu e Ela").

Contexto e produção[editar | editar código-fonte]

Nas apresentações finais da turnê do Acústico MTV, os Titãs já anunciavam que entrariam em estúdio para fazer mais um disco com versões acústicas de suas canções. Nas últimas apresentações da turnê a banda inclusive já tocava "É Preciso Saber Viver".[4]

Na época de lançamento do álbum, os membros Tony Bellotto (guitarrista e violonista) e Paulo Miklos (vocalista e saxofonista) comentavam que a banda não queria se render ao eletrônico: "Somos uma banda de palco, gostamos de tocar. Não faz sentido, numa banda numerosa, ficar esperando a sequência de computador para então entrar com a guitarra. Isso aconteceu na época do Õ Blésq Blom (...) Acústico é a valorização das melodias, a 'coisa' eletrônica mais nos atrapalhou que ajudou".[5]

O sucesso "Sonífera Ilha" foi escolhido como abertura por ser "emblemática. Brega, tentado ser pop, inventiva", segundo Tony.[5]

Lançamento, divulgação e recepção[editar | editar código-fonte]

O CD foi apresentado à imprensa em uma coletiva realizada no restaurante Terraço Itália.[5] Uma turnê de divulgação se sucedeu ao lançamento, com shows divididos em três blocos: um eletroacústico, um acústico, e um mais voltado para o rock, com sucessos antigos que não chegaram a ser aproveitados no disco.[1] Em dezembro de 1998, o álbum já havia atingido a marca de 500 mil cópias vendidas.[6] Repetindo o êxito de seu antecessor em 1997, foi eleito pelos leitores da Folha como o melhor disco e show de 1998.[7][8]

Faixas[editar | editar código-fonte]

  1. "Sonífera Ilha" (Branco Mello, Carlos Barmack, Ciro Pessoa, Marcelo Fromer, Tony Bellotto)
    • do álbum de 1984
  2. "Lugar Nenhum" (Arnaldo Antunes, Charles Gavin, Marcelo Fromer, Sérgio Britto, Tony Bellotto)
    • Jesus Não Tem Dentes no País dos Banguelas (1987)
  3. "Sua Impossível Chance" (Nando Reis)
  4. "Desordem" (Charles Gavin, Marcelo Fromer, Sérgio Britto)
    • Jesus Não Tem Dentes no País dos Banguelas (1987)
  5. "Não Vou me Adaptar" (Arnaldo Antunes)
    • Televisão (1985)
  6. "Domingo" (Sérgio Britto, Tony Bellotto)
    • Domingo (1995)
  7. "Amanhã Não Se Sabe" (Sérgio Britto)
  8. "Caras como Eu" (Tony Bellotto)
  9. "Senhora e Senhor" (Arnaldo Antunes, Marcelo Fromer, Paulo Miklos)
  10. "Era uma Vez" (Arnaldo Antunes, Branco Mello, Marcelo Fromer, Sérgio Britto, Tony Bellotto)
  11. "Miséria" (Arnaldo Antunes, Paulo Miklos, Sérgio Britto)
    • Õ Blésq Blom (1989)
  12. "Insensível" (Sérgio Britto)
    • Televisão (1985)
  13. "Eu e Ela" (Nando Reis)
  14. "Toda Cor" (Carlos Barmack, Ciro Pessoa, Marcelo Fromer)
    • do álbum de 1984
  15. "É Preciso Saber Viver" (Erasmo Carlos, Roberto Carlos)
  16. "Senhor Delegado" / "Eu Não Aguento" (Antoninho Lopes, Jaú / Sérgio Boneka, Clover Over, Trambolhinho)
    • "Eu Não Aguento": Domingo (1995)

Créditos[editar | editar código-fonte]

Titãs[editar | editar código-fonte]

Participações especiais[editar | editar código-fonte]

  • Liminha: violão, guitarra, baixo, violão, banjo, tamboura e programação eletrônica
  • Fat Family: vocais ("É Preciso Saber Viver")
  • Jaques Morelenbaum: violoncelo ("Toda Cor"); arranjo de cordas e metais (exceto em "Eu e Ela", "Miséria" e "Sonífera Ilha")
  • Eumir Deodato: arranjo de cordas e metais em "Eu e Ela" e "Miséria"
  • Marcelo Martins: saxofone tenor e flauta; arranjo de cordas e metais em "Sonífera Ilha"
  • Flávio Guimarães: gaita ("Domingo" e "Lugar Nenhum")
  • Ramiro Mussoto: percussão ("Sonífera Ilha", "Domingo", "Miséria", "Toda Cor", "Senhor Delegado", "Senhora e Senhor" e "Amanhã Não Se Sabe")
  • William Magalhães: teclados ("Amanhã Não Se sabe")
  • Antonella "Fievel" Pereschi: violino
  • Mariana "Rapunzel" Salles: violino
  • Paschoal Perrota: violino
  • Giancarlo Pereschi: violino
  • José Alves: violino
  • Bernardo Bessler: violino
  • Alfredo Vidal: violino
  • Walter Hack: violino
  • Vera Barreto: violino
  • Paula Barreto: violino
  • Ricardo Amado: violino
  • Marie Cristine Bessler: viola
  • Frederick Stephany: viola
  • Jesuína Passarotto: viola
  • Jairo Diniz: viola
  • Cassia Menezes: violoncelo
  • Alceu Reis: violoncelo
  • Yura Ranevsky: violoncelo
  • Marcus de Oliveira: violoncelo
  • Marcio Malard: violoncelo
  • Altair Martins: flugel e trompete
  • Daniel Garcia: flauta e saxofone tenor
  • Vitor Santos: trombone
  • Antonio Cândido: trompa
  • Zdfenek Svab: trompa
  • Ismael de Oliveira: trompa
  • Phillip Doyle: trompa
  • Henrique Band: saxofone barítono
  • Marcelo Martins: saxofone tenor e flauta
  • Zé Carlos: saxofone tenor
  • José Canuto: saxofone alto, saxofone tenor e flauta
  • Eduardo Morelenbaum: clarone e clarinete
  • Flavio Melo: flugel, trompete e trompete piccolo
  • Vitor Santos: trombone tenor
  • Jessé Sadoc: trompete e flugel
  • Flavio Santos: trompete
  • Paulo Roberto Mendonça: trompete
  • Gilberto de Oliveira: trombone baixo
  • José Machado Ramad: saxofone tenor
  • Paschoal Perrota: arregimentação
  • Jaques Morelenbaum: regência, exceto "Sonífera Ilha"
  • Marcelo Martins: regência de "Sonífera Ilha"

Pessoal técnico[editar | editar código-fonte]

  • Produção executiva: Nelson Damascena
  • Direção artística: Paulo Junqueiro
  • Gravação e mixagem: Unidade Móvel Nas Nuvens (Rio de Janeiro), entre Maio e Agosto de 1998
  • Engenharia de gravação: Vitor Farias, Fabio Henriques e Liminha
  • Engenheiro adicional: Mario Léo
  • Mixagem: Vitor Farias e Liminha, exceto em "Miséria" e "Senhora e Senhor" (Fábio Henriques, Vitor Farias e Liminha) e "Desordem" (Fábio Henriques e Liminha)
  • Engenharia de masterização: Ricardo Garcia, Magic Master
  • Assistentes de estúdio: Mario Léo, Breno Gradel, Breno Maia e Renato Pagiacci
  • Assistentes técnicos: Paulo Henrique Lima
  • Coordenação gráfica: Silvia Panella e Cristina Portela
  • Capa: Toni Vanzolini, Gualter Pupo e João Bonelli
  • Fotos: Juan Esteves
  • Assistentes de fotos: Fred Gardiano
  • Fotos de colagem: Juan Esteves e arquivo pessoal Titãs
  • Roadie: Sombra Jones, Patuá, Sérgio Molina e Gerson Molina

Referências

  1. a b Pombo, Cristiano Cipriano (29 de outubro de 1998). «Titãs buscam essência em novo show». Folha de S.Paulo. Grupo Folha. Consultado em 28 de março de 2017 
  2. Sanches, Pedro Alexandre (4 de outubro de 2001). «Titãs vêm enfrentar o presente e o futuro». Folha de S.Paulo. Grupo Folha. Consultado em 1 de agosto de 2015 
  3. Ivanov, Ricardo (3 de outubro de 2015). «Quarentões, Titãs não querem carregar rótulo adolescente». Terra. Telefónica. Consultado em 1 de agosto de 2015 
  4. Citero, Priscila (4 de abril de 1998). «Titãs fazem último "Acústico" e preparam o próximo disco». Folha de S.Paulo (25203): Especial 1. Consultado em 9 de julho de 2017 
  5. a b c Vieira, Paulo (7 de outubro de 1998). «Titãs querem ser "adultos' com canções da juventude». Folha de S.Paulo. Grupo Folha. Consultado em 28 de março de 2017 
  6. Garcez, Bruno (4 de dezembro de 1998). «Do rock 'light' ao metal». Folha de S.Paulo (25447): GR58. Consultado em 10 de julho de 2017 
  7. «Hall of Fame 98». Folha de S.Paulo (25471): Folhateen 2. 28 de dezembro de 1998. Consultado em 10 de julho de 2017 
  8. «Hall of Fame 98». Folha de S.Paulo (25471): Folhateen 1. 28 de dezembro de 1998. Consultado em 10 de julho de 2017