Antioquia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Antioquia da Síria)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Este artigo é sobre a cidade antiga. Para a cidade moderna, veja Antáquia. Para outros significados, veja Antioquia (desambiguação).
Antioquia
Αντιόχεια
Antioch Saint Pierre Church Front.JPG
Localização atual
Antioquia está localizado em: Turquia
Antioquia
Coordenadas 36° 12' N 36° 09' E
País  Turquia
Dados históricos
Região histórica Síria
Província romana Síria

Antioquia (em grego Αντιόχεια[1], do nome próprio Αντίοχος, talvez vindo de αντι: em lugar de, igual a, em comparação de + οχειον: garanhão), conhecida também por Antioquia-nos-Orontes, foi uma cidade erguida na margem esquerda do rio Orontes. Atualmente é a moderna Antáquia na Turquia.

História[editar | editar código-fonte]

Foi fundada nos finais do século IV a.C. por Seleuco I Nicátor, que a tornou a capital do seu império. Seleuco servira como um dos generais de Alexandre III da da Macedônia, e o nome Antíoco ocorria frequentemente entre membros da sua família.

Muralhas de Antioquia no monte Sílpio, durante as Cruzadas

Flávio Josefo descreveu Antioquia como tendo sido a terceira maior cidade do Império Romano e também do mundo, com uma população estimada em mais de meio milhão de habitantes, depois de Roma e Alexandria. Cresceu a ponto de se tornar o principal centro comercial e industrial da província romana da Síria. Era considerada como a porta para o Oriente. Júlio César, Augusto e Tibério utilizavam-na como centro de operações. Era também chamada de "Antioquia, a bela", "rainha do Oriente", devido às riquezas romanas que a embelezavam, desde a estética grega até o luxo oriental.

O culto à deusa Astarte pelas mulheres da cidade de Antioquia chocava os cristãos, de forma que foi abolido por Constantino I. A maioria da população era síria ("gentios"), embora houvesse numerosa colônia judaica. A cultura era tipicamente grego-helenista.

A cidade conservou uma grande opulência e a Igreja continuou a crescer enquanto durou o Império Romano. Em 538, o rei Cosroes I a tomou e destruiu. O imperador Justiniano reconstruiu-a, mas no ano 635, os sarracenos a tomaram, e em 1084 passou para o domínio do Império Seljúcida. Excetuando o período decorrente entre 1068 e 1269, em que foi sede de um reino cristão fundado pelos cruzados, o Principado de Antioquia, tem continuado em poder dos muçulmanos. Hoje a moderna Antáquia, permanece sede de um patriarcado das igrejas católica romana e ortodoxa.

O cristianismo na cidade[editar | editar código-fonte]

Antioquia no século XIX
Charlotte Mary Yonge

Antioquia ocupa um importante lugar na história do cristianismo. Foi onde Paulo Tarso pregou o seu primeiro sermão (numa sinagoga), e foi também onde os seguidores de Jesus foram chamados pela primeira vez de cristãos (Atos 11:26)[2].

Sítio arqueológico[editar | editar código-fonte]

Escavações arqueológicas têm descoberto numerosas ruínas do passado, como o circo, um dos maiores templos romanos, a acrópole, numerosos banhos, vilas e cemitérios romanos e belos pisos de mosaico que datam do período apostólico[3].

Referências

  1. «Strong's Greek Concordance». Bible Hub 
  2. «Occurrences in the Bible». Bible Hub 
  3. «Imagem de satélite e planta de Antioquia.». Bible Atlas from Space, sponsored by www.DeeperStudy.com 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Antioquia
Ícone de esboço Este artigo sobre arqueologia ou arqueólogos é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.