Centro Universitário do Leste de Minas Gerais

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: "Unileste" redireciona para este artigo. Para o consórcio de empresas de ônibus da Região Metropolitana de São Paulo, veja Consórcio Unileste.
Centro Universitário do Leste de Minas Gerais
Vista do campus de Coronel Fabriciano
Logotipo
Unileste
Nomes anteriores ● Universidade do Trabalho (UT)
● Campus da PUC-Minas
● Instituto Católico de Minas Gerais (ICMG)
Fundação 1 de abril de 1969 (50 anos)[1]
Tipo de instituição Universidade privada
Mantenedora UBEC
Localização Coronel Fabriciano, Minas Gerais, Brasil
Campus Coronel Fabriciano e Ipatinga
Cores da escola azul      e branco     
Afiliações Colégio Padre de Man
Página oficial www.unileste.edu.br

O Centro Universitário do Leste de Minas Gerais (Unileste) é uma instituição de ensino superior particular brasileira com sede no município de Coronel Fabriciano, no interior do estado de Minas Gerais. Foi criado pela Associação Padres do Trabalho em 1969, configurando-se como a primeira escola de nível técnico e superior da atual Região Metropolitana do Vale do Aço,[2] e seu complexo está distribuído em dois campi — um principal em Coronel Fabriciano e outro em Ipatinga.

História[editar | editar código-fonte]

Unileste na década de 1990
Unileste em 2010

A implantação das grandes indústrias da atual Região Metropolitana do Vale do Aço, bem como em outras cidades do leste de Minas Gerais, implicou um forte processo de transformação socioeconômica e cultural na região. O crescimento demográfico acelerado e, por vezes, sem controle, favoreceu o aumento do déficit habitacional e da violência. Dessa forma, a Igreja Católica passou a intervir com ensinamentos religiosos e a organização de projetos sociais.[2][3]

Em 1964, houve em Coronel Fabriciano a instalação da Associação Padres do Trabalho, que, sob liderança de padre José Maria de Man e apoio da então Diocese de Itabira, foi a responsável pela criação da Universidade do Trabalho (UT) e, em anexo a esta, do Colégio Técnico de Coronel Fabriciano (CTCF) — atual Colégio Padre de Man. O complexo passou a constituir a primeira escola de nível técnico e superior do Vale do Aço.[2][3] O CTCF entrou em funcionamento em 1967 e os cursos superiores de Letras e Estudos Sociais da universidade foram iniciados em 1968, mas a fundação da UT ocorreu em 1º de abril de 1969, com a inauguração da Escola de Engenharia.[1] Em 1972, a Associação Padres do Trabalho se transformou na Sociedade Educacional e Técnica (SEUT),[1] sendo encarregada da construção dos bairros Universitário, visando a servir de moradia aos estudantes, e Professores, conjunto de moradias elitizado criado a fim de abrigar os professores e funcionários em Coronel Fabriciano.[4]

Em 1976, a propriedade da SEUT foi doada à Sociedade Mineira de Cultura (SMC), mesma mantenedora da Universidade Católica de Minas Gerais (UCMG), atual Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC-Minas),[5] mantendo assim a antiga Universidade do Trabalho como campus da PUC até 1990. Neste ano, uma série de reivindicações que não foram acatadas pela PUC, como a criação de novos cursos, investimentos e autonomia social e econômica em relação ao campus principal de Belo Horizonte, associadas a problemas financeiros nos últimos anos da década de 80, levou ao anúncio do fechamento do campus de Coronel Fabriciano pela PUC.[6][7] A desativação era dada como certa e houve manifestações na cidade contra o fim das atividades, culminando na devolução de seu patrimônio à SEUT e na posterior criação do Instituto Católico de Minas Gerais (ICMG), que passa a ser seu mantenedor sob a direção de Dom Lélis Lara.[6] Em 2000, a instituição foi transformada no Centro Universitário do Leste de Minas Gerais (Unileste), tendo a União Brasiliense de Educação e Cultura (UBEC) como mantenedora desde 2005.[8]

Cursos e infraestrutura[editar | editar código-fonte]

Vista da "Fazendinha"

O campus principal do Unileste, em Coronel Fabriciano, possui cerca de 128 mil m², dos quais 18 mil m² eram de áreas construídas até 2008.[9] Em 2015, a instituição disponibilizava 23 cursos de graduação[10] e 12 de pós-graduação, distribuídos entre as escolas de Ciências Sociais e Aplicadas, Politécnica e de Educação e Saúde.[11] A unidade de Ipatinga corresponde à Escola de Saúde.[9] O campus de Coronel Fabriciano é equipado com o Auditório Padres do Trabalho (com 99 lugares), Auditório Sr. Zezinho (110 lugares), o Centro Esportivo Aldir Castro Chaves (três quadras esportivas e dois campos) e laboratórios das áreas de química, eletrônica, mecânica, elétrica, telecomunicações e automação industrial.[12]

O campus do Unileste de Coronel Fabriciano abriga ainda marcos como a Fazendinha, que foi planejada como réplica da sede da fazenda que existia anteriormente à construção do centro universitário e funcionou inicialmente como casa de hóspedes; o Teatro João Paulo II, construído em 1978 no andar térreo do Colégio Padre de Man, no campus II da universidade; e o Museu Padre Joseph Cornélius Marie de Man, que tem formato de um círculo e foi implantado em 1993. Essas três construções são tombadas como patrimônios culturais de Coronel Fabriciano.[13] Também cabe ser ressaltada a Biblioteca Dom Serafim Cardeal Fernandes Araújo (Biblioteca Central), que é aberta ao público e possui um dos maiores acervos bibliográficos da região.[14]

Imagens[editar | editar código-fonte]

Centro Esportivo Aldir Castro Chaves, inaugurado em 29 de maio de 1981.
Biblioteca Dom Serafim Cardeal Fernandes Araújo (Biblioteca Central), inaugurada em 26 de fevereiro de 1999.
Colégio Padre de Man, no campus II do Unileste.
Entrada principal do Teatro João Paulo II, no Colégio Padre de Man.
Capela Santíssima Trindade
Interior da Capela Santíssima Trindade
Museu Padre Joseph Cornelius Maria de Man
Bloco E do Unileste, faculdade de arquitetura e urbanismo.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c Moreira 2008, p. 62–64
  2. a b c Moreira 2008, p. 13
  3. a b Dom Odilon Guimarães Moreira (2007). «Livro da Caminhada - Diocese de Itabira-Cel. Fabriciano» (PDF). p. 8–9. Consultado em 9 de setembro de 2014. Cópia arquivada em 9 de setembro de 2014 
  4. Leonardo Gomes (janeiro de 2012). «Grande Guia dos Bairros de Coronel Fabriciano». Revista Nosso Vale (nº 10): pags. 4–6; 10; 12–14. Consultado em 9 de setembro de 2014 
  5. Moreira 2008, p. 76
  6. a b Moreira 2008, p. 121–125
  7. Moreira 2008, p. 179
  8. Moreira 2008, p. 174
  9. a b Moreira 2008, p. 161–162
  10. Plox (10 de novembro de 2015). «Últimos dias de inscrição do Vestibular Unileste 2016». Consultado em 1 de março de 2016. Cópia arquivada em 1 de março de 2016 
  11. Jornal Diário Popular (18 de novembro de 2015). «Abertas inscrições para cursos de pós-graduação no Unileste». Consultado em 1 de março de 2016. Cópia arquivada em 1 de março de 2016 
  12. Colégio Padre de Man (2011). «Infraestrutura». Consultado em 9 de setembro de 2014. Cópia arquivada em 9 de fevereiro de 2014 
  13. Assessoria de Comunicação (1 de março de 2012). «Patrimônio Cultural». Prefeitura de Coronel Fabriciano. Consultado em 9 de setembro de 2014. Cópia arquivada em 30 de outubro de 2013 
  14. Plox (4 de fevereiro de 2016). «Sistema de Bibliotecas do Unileste inaugura campanha de preservação e conservação do acervo». Consultado em 1 de março de 2016. Cópia arquivada em 1 de março de 2016 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Unileste
Ícone de esboço Este artigo sobre educação ou sobre um educador é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.