Consórcio Unileste

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Consórcio Unileste é um consórcio de empresas de ônibus. É responsável pelo transporte de milhares de usuários diariamente nos municípios da denominada Área 4: Biritiba Mirim, Ferraz de Vasconcelos, Guararema, Itaquaquecetuba, Mogi das Cruzes, Poá, Salesópolis, Suzano e São Paulo.

Empresas[editar | editar código-fonte]

As empresas responsáveis são:

Tem sede na cidade de Suzano e opera 50 linhas com 358 veículos no Sistema Regular desde 2006. O gerenciamento e a fiscalização do serviço são feitos pela EMTU-SP. Foi eleita pela EMTU, em 2007, a melhor operadora de ônibus da Grande São Paulo.[1]

Saída da CS Brasil do consórcio e problemas enfrentados[editar | editar código-fonte]

A CS Brasil deixou de operar gradativamente no consórcio no dia 23 de Outubro de 2016, finalizando o repasse em 6 de Novembro de 2016 [2] , alegando baixa rentabilidade das linhas e que não concordava com a extensão do contrato de forma emergencial, visto que a concessão se encerrou em setembro de 2016, após 10 anos da assinatura da mesma. As linhas e os ônibus ficaram em sua maioria com a Radial Transporte [3] e uma menor parcela com a Viação Jacareí.

Na semana em que a Radial Transporte recebeu as primeiras linhas que eram da CS Brasil, promoveu um corte drástico na tabela horária e frota de algumas de suas linhas originais sem autorização da EMTU, sendo as linhas mais longas as mais afetadas: 205 - Poá (Term. Kemel) x São Paulo (Parque Dom Pedro II), que teve redução de quatro veículos na frota e deixou de operar aos domingos e feriados, 076 - Poá (Term. São José) x São Paulo (Metrô Brás) e 328 - Poá (Term. São José) x São Paulo (São Mateus), que tiveram redução drástica na frota e deixaram de operar os finais de semana. Passageiros descontentes com a situação, passaram a registrar inúmeras reclamações na EMTU e nos jornais da região, visto que nenhuma das mudanças foram anunciadas pela empresa e nem mesmo publicadas no site da EMTU. Até Fevereiro de 2017, vários meses depois, ainda constavam horários antigos e operação integral todos os dias nas linhas citadas, diferente do que estava sendo realizado na prática. Além disso, linhas oriundas da CS Brasil operaram precariamente de forma parcial, como as linhas do Metrô Brás, ou ficaram inoperantes mesmo ainda constando no sistema, como a linha 435 - Itaquaquecetuba (Manoel Feio) x São Paulo (Guaianases).[4]

No ano de 2016, a linha 205 - Poá (Term. Kemel) x São Paulo (Parque Dom Pedro II) foi a linha mais reclamada da EMTU na Região Metropolitana de SP, com 214 reclamações, sendo um número bastante alto comparado com as outras linhas que constavam na lista, considerando a proporção de passageiros transportados. Outras 7 linhas do Consórcio Unileste também constavam na lista, todas elas operadas pela Radial.

Por conta de tudo isso, um abaixo assinado foi realizado por moradores da cidade de Poá e enviado para o Ministério Público de São Paulo com 2,7 mil assinaturas.[5]

Curiosidades[editar | editar código-fonte]

  • No início toda frota do consórcio era formada apenas por um modelo de carroceira, eram quase 350 Caio Apache VIP I, agora possui também as carrocerias Caio Apache VIP II, Caio Apache VIP III, Caio Apache VIP IV, Caio Millennium II, Busscar Urbanuss Pluss, Comil Svelto 2008, Marcopolo Torino 2007, Marcopolo Torino 2014, além dos rodoviários Busscar El Buss, Busscar Vissta Buss, Marcopolo Ideale, Marcopolo Viaggio e Marcopolo Paradiso.
  • Existem algumas linhas que partem e interligam os municípios de Arujá, Santa Isabel e Guarulhos, que pertencem a área 3, de abrangência do Consórcio Internorte.

Referências

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]