John Crichton-Stuart, 7.º Marquês de Bute

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Johnny Dumfries)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde junho de 2018). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Johnny Dumfries
Informações pessoais
Nome completo John Colum Crichton-Stuart, 7º Marquês de Bute
Nacionalidade britânico
Nascimento 26 de abril de 1958 (60 anos)
Rothesay, Reino Unido
Registros na Fórmula 1
Temporadas 1986
GPs disputados 16 (15 largadas)
Títulos 0 (13º em 1986)
Vitórias 0
Pódios 0
Pontos 3
Pole positions 0
Primeiro GP Brasil GP do Brasil, 1986
Último GP Austrália GP da Austrália, 1986
Registros nas 24 Horas de Le Mans
Edições 1987–1991
Equipes 5 (Kouros Racing, Silk Car Jaguar, Tom Walkinshaw Racing,
Toyota Team Tom's e Courage Compétition
Vitórias em classe(s) 1

John Colum Crichton-Stuart, 7º Marquês de Bute (Rothesay, 26 de abril de 1958), conhecido como Johnny Dumfries, é um ex-piloto automobilístico britânico.[1]

Carreira[editar | editar código-fonte]

Como a maioria dos pilotos, Johnny Dumfries iniciou sua carreira no kart, em 1980. Sofreu um acidente no mesmo ano, quebrando os dois tornozelos.

Depois de competir na Fórmula Ford 1600, ingressou na Fórmula 3 inglesa, onde foi apenas um coadjuvante na disputa entre Ayrton Senna e Martin Brundle, apesar de ter brigado pela vitória em Silverstone com o brasileiro, que chegou a jogar Dumfries fora da pista quando estava sendo ultrapassado, mas o escocês voltou e seguiu Senna até o acelerador quebrar.

Correndo em paralelo nas Fórmulas 3 europeia e inglesa, Dumfries venceu 10 corridas na série inglesa, e na série europeia, brigou pelo título com Ivan Capelli até o final, mas acabaria derrotado pelo italiano.

Fórmula 3000[editar | editar código-fonte]

Seu desempenho chamou a atenção das principais equipes de Fórmula 1, e em 1984 testou para Brabham, Ferrari, McLaren e Lotus, sendo que em 1985 assinou contrato exclusivo com a escuderia italiana para ser piloto de testes da Scuderia, enquanto competia pela nascente Fórmula 3000, inicialmente com a equipe Onyx, e posteriormente, com a Lola Motorsport, onde não conquistou mais que um 6º lugar.

Fórmula 1[editar | editar código-fonte]

No final de 1985, a Lotus começava a dar sinais de desgaste e estava nas mãos de seu patrocinador, a John Player Special, tendo Ayrton Senna como primeiro piloto.

Desgastado com Elio De Angelis, seu companheiro de time desde 1985, Senna veta a contratação do inglês Derek Warwick, que havia sido sugerido por Peter Warr, então chefe de equipe da Lotus. O futuro tricampeão de Fórmula 1 pediu a contratação de seu compatriota Maurício Gugelmin para o time inglês, mas este ainda não tinha experiência em pilotar um carro da categoria, e a saída foi sugerir a contratação de Dumfries, então com 27 anos de idade, para substituir De Angelis, recém-contratado pela Brabham.

O escocês estreou no GP do Brasil, largando em 8º lugar e, quando estava entre os 6 primeiros colocados, seu carro quebrou. A primeira vez que Dumfries completou uma prova na zona de pontuação foi no GP da Hungria, chegando em 4º. Sua última corrida, na Austrália, culminou com o terceiro e último ponto dele na F-1.

Saída da Lotus, negociação com a Zakspeed e adeus à F-1[editar | editar código-fonte]

Com a saída da JPS da Lotus, a situação de Dumfries tornou-se complicada, e a escolha da Honda no lugar da Renault como nova fornecedora de motores inviabilizou de vez as chances de permanecer. Com sua vaga herdada pelo japonês Satoru Nakajima, Johnny iniciou negociações com a Zakspeed, que optou em contratar Martin Brundle, e sem chance de voltar à titularidade em outra equipe de F-1, vai para a Benetton como piloto de testes, função que exerceria até 1990, quando deixou de vez a categoria máxima do automobilismo.

Volta à Fórmula 3000, frustração nas negociações com a CART e final de carreira[editar | editar código-fonte]

Em 1988, Dumfries retornou à Fórmula 3000 pela equipe GEM Motorsport, correndo 2 etapas, terminando o GP de Dijon-Prenois em 13º lugar e abandonando a etapa de Zolder.

Chegou a negociar uma proposta de correr na CART em 1992, porém os problemas financeiros de seu patrocinador fizeram com que Johnny encerrasse sua carreira no automobilismo, aos 34 anos.

Resultados completos nas 24 Horas de Le Mans[editar | editar código-fonte]

Entre 1987 e 1991, Dumfries disputou as 24 Horas de Le Mans, tendo conquistado a vitória na edição de 1988 em parceria com Andy Wallace e Jan Lammers. Esta foi, também, a única vez em que ele obteve classificação para o grid.

Ano Equipe Veículo Co-Piloto(1) Co-Piloto(2) Colocação Razão de falha
1987 Suíça Kouros Racing Sauber C9 Estados Unidos Chip Ganassi Nova Zelândia Mike Thackwell DNF Caixa de engrenagem
1988 Reino Unido Silk Cut Jaguar Jaguar XJR-9 LM Países Baixos Jan Lammers Reino Unido Andy Wallace Vitória global(394 voltas, Classe C1)
1989  Japão Toyota Team Tom’s Toyota 89C Reino Unido Geoff Lees Reino Unido John Watson DNF Acidente
1990 Japão Toyota Team Tom’s Toyota 90C Japão Aguri Suzuki Itália Roberto Ravaglia DNF Acidente
1991  França Courage Compétition Courage C26S Suécia Anders Olofsson Suécia Thomas Danielsson DNF Motor

Vida pessoal[editar | editar código-fonte]

Depois que seu pai, também chamado John Crichton-Stuart, adoeceu (posteriormente, veio a falecer em 1993), Johnny Dumfries passou a se dedicar aos negócios da família, e também às artes plásticas, ganhando reputação como pintor ou decorador - o inglês Julian Bailey chegou a dizer que o ex-piloto "falava como um decorador".

No Festival da Velocidade de 2000, em Brands Hatch, apareceu com o Jaguar com o qual venceu em Le Mans, mas durante uma volta, errou ao dar uma freada e subiu com o carro morro acima até bater. Ao perceber o erro, Dumfries levantou as mãos e colocou-as no capacete, em desespero pelo carro destruído.

Apesar de ostentar o título de Conde de Dumfries, ele prefere usar John Bute ou manter o nome que utilizava quando ainda pilotava. É pai de 4 filhos (Caroline, Cathleen e John Bryson, do casamento com Carolyn Waddell, e Lola Affrica Crichton-Stuart, nascida em 1999).

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Fred Sabino (26 de abril de 2018). «Johnny Dumfries, o aristocrata que, do nada, virou companheiro de Ayrton Senna». GloboEsporte.com