Lajeado (Rio Grande do Sul)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Município de Lajeado
Sede da prefeitura.

Sede da prefeitura.
Bandeira de Lajeado
Brasão de Lajeado
Bandeira Brasão
Hino
Aniversário 26 de janeiro
Fundação 20 de março de 1855 (161 anos)
Gentílico lajeadense
CEP 95900-000
Prefeito(a) Marcelo Caumo (PP)
(2017–2020)
Localização
Localização de Lajeado
Localização de Lajeado no Rio Grande do Sul
Lajeado está localizado em: Brasil
Lajeado
Localização de Lajeado no Brasil
29° 28' 01" S 51° 57' 39" O29° 28' 01" S 51° 57' 39" O
Unidade federativa  Rio Grande do Sul
Mesorregião Centro Oriental Rio-grandense IBGE/2008[1]
Microrregião Lajeado-Estrela IBGE/2008[1]
Municípios limítrofes Norte: Arroio do Meio e Marques de Sousa
Sul: Santa Clara do Sul e Cruzeiro do Sul
Leste: Estrela
Oeste: Forquetinha e Santa Clara do Sul
Distância até a capital 120 km
Características geográficas
Área 91,16 km² [2]
População 71 445 hab. Censo IBGE/2010[2]
Densidade 783,73 hab./km²
Altitude 34 m
Clima Subtropical
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,838 muito alto PNUD/2000[3]
PIB R$ 1 620 264,191 mil IBGE/2008[4]
PIB per capita R$ 22 785,00 IBGE/2008[4]
Página oficial

Lajeado é um município brasileiro do estado do Rio Grande do Sul.

História[editar | editar código-fonte]

O nome Lajeado vem do ponto de referência que se dava às sesmarias. No Rio Taquari e no Arroio do Engenho, as águas formavam cascatas sobre lajeiros, daí o nome da cidade. Entretanto, em virtude da barragem de Bom Retiro, os lajeados do Taquari, bem como suas cascatas, estão submersos.

Antônio Fialho de Vargas foi o fundador e patriarca de Lajeado. Tendo sido um dos primeiros a estabelecer-se por Lajeado, adquirindo fazendas e estabelecido casa, senzala e demais dependências, além de ter promovido a colonização local.

As terras foram inicialmente comercializadas pela imobiliária Batista Fialho & Cia.

Lajeado - RS Fonte: Aepan-ONG

Primeiramente, pertenceu o município de Lajeado ao de “Vila Príncipe” (Rio Pardo), criado pelo Alvará Régio de 27 de abril de 1809, juntamente com Porto Alegre, Rio Grande e Santo Antônio da Patrulha. Eclesiasticamente, ficou submetida à Freguesia de Taquari.

Uma vez criada a Freguesia de Estrela pela Lei 875 de 2 de abril de 1873, a ele foi incorporado o território de Lajeado pela Lei 916 de 24 de abril de 1874. Pela Lei 963 de 29 de março de 1875, foi instituído como 2° Distrito de paz da Freguesia de Estrela, compreendendo o território situado a margem direita do Rio Taquari (Lajeado, Arroio do Meio, Encantado e Guaporé).

Pela Lei 1.044 de 20 de maio de 1876 foi criado o município de Estrela, dele fazendo parte o Distrito de Lajeado.

Mais tarde em 27 de maio de 1881, pela Lei provincial 1351, foi criada uma freguesia no 2° Distrito de paz de Estrela, sob a invocação de Santo Inácio. Finalmente pelo Ato 57 de 26 de janeiro de 1891 foi criada a Vila de Lajeado, cuja instalação deu-se em 25 de fevereiro do mesmo ano.

Até 20 de outubro de 1891, a nova comunidade foi administrada por uma Junta Municipal, presidida por Frederico Henrique Jaeger. A 15 de novembro de 1891, foi empossado o 1° Conselho Municipal, e eleito o intendente Frederico Heineck.

A 20 de fevereiro de 1892, foi dissolvido o Conselho Municipal pelo então governador do Estado e nomeada uma Comissão para gerir os negócios da comunidade. A 19 de agosto de 1892, tomou posse do cargo de Intendente Provisório Bento Rodrigues da Rosa que administrou o município até 1894, quando foi substituído por Joaquim de Moraes Pereira. Em 1895 este foi substituído por Júlio May.

Pelo Decreto 618 de 6 de maio de 1903, instituiu a Comarca do Vale do Taquari, com sede em Lajeado, abrangendo o termo de Estrela.

Em 20 de dezembro de 1939, foi a Vila de Lajeado elevada à categoria de cidade.

Terra Natal do cantor e compositor de MPB Filipe Catto

Colonização de Lajeado[editar | editar código-fonte]

A colonização de Lajeado remonta a 1853, com o estabelecimento da Colônia Conventos, fundada por Antônio Fialho de Vargas. Ficava esta colônia situada no lugar denominado Conventos Velhos, próximo a atual sede do município, onde por volta de 1830 se estabelecera José Inácio Teixeira, “dono de muitos escravos” que construiu casas e adquiriu alguns lotes de terras repassando tudo para Antônio Fialho de Vargas. Em 1835 já havia muitos moradores em ambas as margens do Rio Taquari. Fialho de Vargas fez grandes derrubadas de matos e vendeu lotes de terras a pessoas de outros municípios que atraídos pela grande quantidade de terras para lavouras, mudaram-se e fixaram residência no território que aos poucos foi se desenvolvendo.

Em 1855 recebia a Colônia Conventos os primeiros imigrantes e, em 1857, já possuía 168 habitantes, dos quais 81 homens e 87 mulheres, sendo 49 deles chegados naquele ano da Europa. No ano seguinte chegavam mais 20 colonos ficando assim distribuída a população segundo religião e a nacionalidade: Brasileiros: 76, Alemães: 112 – Católicos: 71, Protestantes: 117. Deste total 100 eram do sexo masculino e 88 do feminino. A colônia produzia feijão, milho, batatas, trigo, favas e cevada.

No ano de 1860 a população já havia aumentado para 231 indivíduos.

Houve também imigração italiana, notadamente nos antigos distritos de Marques de Souza, Progresso e Fão, iniciada anos mais tarde. Também houve colonização de luso-brasileiros em menor escala. Pesquisa: Airton Engster dos Santos - Publicado no Jornal Folha de Estrela - Coluna Histórias da Nossa História.


Símbolos oficiais[editar | editar código-fonte]

O Brasão de Armas de Lajeado adotado pelo município está em vigor desde 06 de julho de 1965, quando, no governo de Dalton de Bem Stumpf, foi sancionado pela lei 1175. De inspiração portuguesa, colaborando a influência interna nos mais diferentes setores da vida nacional, o brasão foi desenhado pelo Dr. Adalberto Breier e evidencia:

Escudo português plano encimado por coroa mural de quatro torres, em ouro. Ao alto, em campo de prata, a Cruz de Cristo, em goles (vermelho), centrada de ouro. No centro, em campo de sinople (verde), um lavrador em trabalho com arado rústico a boi, em ouro, e ao fundo, também em sinople, o Morro de conventos. E embaixo, cinco faixas onduladas, paralelas, alternadamente em prata e azul (blau), o ustel em azul (blau), carregado em letras e números em ouro é completado nas laterais do escudo por um pé de fumo e outro de milho, nas cores naturais.

O escudo português simboliza a origem lusa de nossa nacionalidade. A cruz, nossa fé cristã. O Morro dos conventos é um marco histórico da colonização alemã a partir de 1854. O lavrador exprime a base econômica do município, figurando no listel o fumo e o milho. As faixas onduladas representam o Rio Taquari. Em 1891, Lajeado foi emancipado. Em primeiro de janeiro de 1939 foi elevado à categoria de cidade. As cores lembram as bandeiras do Brasil e do Estado. O ouro, a riqueza; a prata, lisura, serenidade; o vermelho, a coragem, a fé, o amor; o verde é esperança; e o azul, serenidade, bondade e nobreza, características do gaúcho.

A Bandeira de Lajeado adotada pelo Lajeado está em vigor desde 27 de abril de 1973 quando, no governo de Alipio Hüffner, foi sancionada pela Lei nº 2.641/1973. A Bandeira possui três listéis em sentido horizontal, sendo o primeiro da cor azul celeste, o do meio na cor branca e o inferior na cor vermelha, tendo ao centro o Brasão do Município nas cores aprovadas pela Lei nº 1.175 de 06 de julho de 1965. As cores significam:

  • Azul: As águas do Rio Taquari que banham o Município;
  • Branco: É a cor da luz, associada à paz, calma, ordem e que é formada pelo conjunto e junção de todas as demais cores, por isto, representa, na Bandeira, a diversidade: étnica, cultural, econômica, social.
  • Vermelho: A inserção do Município dentro do Estado do Rio Grande do Sul, através da cor vermelha da Bandeira do Estado.[5]

Geografia[editar | editar código-fonte]

Uma das célebres características da cidade é o rio Taquari, o qual consiste-se em um importante modal locomotivo voltado ao transporte de carga muito utilizado antigamente e provém água aos habitantes, fatores que possibilitaram a fundação bem como o desenvolvimento da cidade e região. O rio marca, também, a divisa entre o município de Estrela.

O tamanho de seu território geográfico é relativamente restrito, resultado da emancipação de vários municípios à sua volta. Atualmente Lajeado contém aproximadamente 90 quilômetros quadrados e é uma cidade predominantemente urbana, com área rural restrita a cerca de 2% de seu território.

População[editar | editar código-fonte]

Lajeado possuía em 2010, 71.445 habitantes. Destes, apenas 265 (0,37%) residem na zona rural. A média de moradores por domicílio particular é de 2,84.[6]

A tabela a seguir mostra informações sobre o gênero dos lajeadenses, baseada no Censo de 2010.

Informações sobre o gênero dos lajeadenses
Gênero Porcentual da população Quantidade da população
Feminino 51,38% 36.714
Masculino 48,62% 34.731

Transporte[editar | editar código-fonte]

Lajeado conta com ampla diversidade em termos de vias de transporte, para escoamento da produção e para integração com os outros centros econômicos do país e do exterior. A cidade localiza-se à beira da BR-386, RS-130 e à margem do Rio Taquari.

Também tem de longe a maior frota do Vale do Taquari: 62.337 veículos.[7] Confira o gráfico:

Gráfico - Veículos de Lajeado.png

Esporte[editar | editar código-fonte]

Lajeado é a cidade de origem do patinador Marcel Ruschel Stürmer, primeiro brasileiro a ser tetracampeão dos Jogos Pan-americanos (2003, 2007, 2011 e 2015). Marcel venceu também os Jogos Mundiais de 2013. A cidade tem um dos mais tradicionais times de futebol do estado, o Clube Esportivo Lajeadense, que em 2011 retornou à 1ª divisão do Campeonato Gaúcho de Futebol, atualmente disputa a série D do Campeonato Brasileiro de Futebol.

Economia[editar | editar código-fonte]

Suas principais atividades econômicas são voltadas à indústria alimentícia. É conhecida por ser a "capital do Vale do Taquari", tendo em vista a importância sócio-econômica no mesmo.

Lajeado é um polo da alimentação, contando com grandes empresas do setor, como Brasil Foods e Minuano (frangos), Docile Alimentos e Florestal Alimentos (balas e doces), Fruki (refrigerantes) e Sorvebom (sorvetes). Além disso, a cidade conta com uma distribuidora de combustíveis de nível estadual (Charrua) e um centro universitário (Univates).

Ainda conta com um dos maiores shoppings do Rio Grande do Sul, o Shopping Lajeado, que é sede do supermercado Rissul, e possui grandes marcas de lojas e restaurantes como Lojas Renner, Burger King, Lojas Americanas, Subway, Bloom's Burger, Moinho di Trento. O Shopping também possui as únicas salas de cinema do Vale do Taquari.

Em 2010 passou a contar com uma loja da multinacional Wal-mart, tendo a bandeira Maxxi Atacado, sendo este o quarto hipermercado de Lajeado, já que o Rissul, Supercenter, Imec e STR Supermercados também são de grande porte.

Turismo[editar | editar código-fonte]

Possuindo uma ampla área de turismo, Lajeado destaca-se por ser uma cidade limpa e com vários locais de lazer.

Principais pontos turísticos da cidade:

  • Parque Professor Theobaldo Dick, mais conhecido como parque dos Dick
  • Praça da Matriz
  • Igreja da matriz Santo Inácio de Loiola, em frente a praça
  • Casa de cultura, a qual é uma das mais belas do estado
  • Parque do engenho, o qual serve de área de estudos de biologia
  • Ciclovia na beira do rio Taquari
  • Jardim botânico de Lajeado
  • Parque histórico

A cada dois anos acontece a feira mais importante da região a Expovale, no mês de novembro.

Cultura[editar | editar código-fonte]

A população de Lajeado é formada por descendentes de alemães e italianos, principalmente.

A cidade conta com o Parque Histórico, onde foram realocadas casas típicas alemãs da região, construídas na época da imigração, e onde foi gravado o filme "A Paixão de Jacobina".

Parque Histórico[editar | editar código-fonte]

Local onde foram instalados, em dimensões originais, vários prédios antigos do tipo "enxaimel", uma característica das habitações dos primeiros colonizadores alemães do município. O conjunto arquitetônico do Parque Histórico forma uma autêntica "aldeia-museu", com escola, salão de baile, ferraria, moinho e todos os demais prédios que formavam uma "colônia" dos tempos dos pioneiros. No prédio destinado ao Museu do Livro Antigo será oferecido acesso a um verdadeiro acervo histórico (documentos, livros, retratos), que servirá de fonte de pesquisa regional, nacional e internacional. Além de seu valor histórico-cultural, este é um local destinado à realização de eventos de lazer e gastronomia. O Parque está localizado ao lado do Parque do Imigrante e foi inaugurado no dia 8 de novembro de 2002.

Atrações culturais[editar | editar código-fonte]

Casa da Cultura

O prédio foi inaugurado em 21 de agosto de 1900 onde funcionava a Prefeitura Municipal. Em 1984 o prédio foi tombado pelo Patrimônio Histórico do Estado e passou oficialmente a chamar-se Casa de Cultura do Município de Lajeado onde, atualmente, também funciona a Secretaria de Cultura e Turismo da cidade e o Museu Municipal Bruno Born. Onde ocorrem exposições, cursos, palestras e outras atividades culturais.

Biblioteca João Frederico Schaan

Atualmente, a biblioteca conta com mais de 20000 volumes e atende cerca de 300 pessoas diariamente. Possui ainda uma ala infantil, um auditório para 60 pessoas, gabinetes para pesquisa individuais e em grupos.

Arquivo Histórico Municipal

Funciona no mesmo prédio da Biblioteca Pública Municipal, com acervo de documentos, fotos e mapas antigos da cidade. São fontes primárias de pesquisa sobre os mais diversos assuntos, atendendo a estudantes, historiadores, antropólogos, sociólogos e aos público em geral.

Igreja Matriz St. Inácio

Destaca-se pela sua beleza interior, onde encontramos 36 anjos adoradores, 6 lustres suspensos, imagens em gesso, bancos de madeira com capacidade para 860 fiéis sentados. Além disso, possui uma torre de 65,6m, acompanhada de duas menores e três sinos altamente sintonizados. Na sua fachada há um relógio que pode ser visto de quase todos os pontos do centro da cidade

Torre e igreja evangélica

Símbolo de Lajeado, a torre histórica com características neo-góticas e 27 metros de altura foi inaugurada em 12 de fevereiro de 1928 e atualmente encontra-se ao lado da Igreja Moderna, no centro da cidade. No seu interior destaca-se a imagem de Cristo Crucificado, esculpida em madeira.

Parque do Imigrante

Com uma área de 62000m², trata-se de um parque de eventos, com uma infraestrutura para grandes feiras, exposições e competições esportivas. Possui três ginásios de esporte, churrasqueira, pavilhão para exposição agropecuária e restaurante.

Museu Histórico Bruno Born

Objetos relacionados às imigrações italiana e alemã.

Museu de Ciências Naturais da Univates

Dividido por áreas de pesquisa: Arqueologia, Entomologia, Ecologia, Botânica e Paleobotânica, Sensoriamento Remoto e Geoprocessamento, Zoologia de Vertebrados. A Sala de Exposição tem área de 130 metros quadrados onde são expostos os resultados das atividades de pesquisa. O acervo total é de aproximadamente 25 mil peças.

Centro Cultural Univates

Inaugurado em 2014, o espaço conta com cerca de 10 mil m² de construção, abrigando um Teatro, com 1.160 lugares, e uma Biblioteca, com espaço para 300 mil livros, salas especiais e áreas de lazer. A estrutura moderna do Teatro permite a realização de todos os tipos de espetáculo, enquanto a Biblioteca figura entre as mais modernas e tecnológicas do país.

Mídia[editar | editar código-fonte]

Em Lajeado existem retransmissoras de TV em UHF e VHF no Bairro Jardim do Cedro que retransmite os sinais das seguintes emissoras de televisão:

A cidade ainda tem sinal destas emissoras de rádio:

Possui três jornais em circulação: O Informativo do Vale, A Hora do Vale e uma edição local de Zero Hora.

Referências

  1. a b «Divisão Territorial do Brasil». Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 1 de julho de 2008. Consultado em 11 de outubro de 2008 
  2. a b «Lajeado». IBGE. Consultado em 12 de dezembro de 2016 
  3. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil». Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2000. Consultado em 11 de outubro de 2008 
  4. a b «Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 11 dez. 2010 
  5. «Prefeitura Municipal de Lajeado» 
  6. «Lajeado: Censo demográfico 2010: Sinopse». Censo demográfico do Brasil de 2010. IBGE. Consultado em 12 de dezembro de 2016 
  7. «Lajeado: Frota - 2015». IBGE. Consultado em 12 de dezembro de 2016 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]