2012 (filme)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
2012
2012 (PT/BR)
 Estados Unidos
2009 • cor • 158 min 
Direção Roland Emmerich
Produção Roland Emmerich
Mark Gordon
Harald Kloser
Larry J. Franco
Ute Emmerich
Roteiro Harald Kloser
Roland Emmerich
Elenco John Cusack
Chiwetel Ejiofor
Amanda Peet
Thandie Newton
Oliver Platt
Danny Glover
Woody Harrelson
Género Ficção científica
Aventura
Idioma Inglês
Música Harald Kloser
Thomas Wander
Cinematografia Dean Semler
Edição David Brenner
Peter S. Elliott
Estúdio Centropolis Entertainment
The Mark Gordon Company
Distribuição Columbia Pictures
Lançamento Estados Unidos 13 de Novembro de 2009
Brasil 13 de Novembro de 2009
Portugal 12 de novembro de 2009
Orçamento US$ 200 milhões
Receita US$ 769.679.473 [1]
Site oficial
Página no IMDb (em inglês)

2012 é um filme de catástrofe de 2009 dirigido por Roland Emmerich e estrelado por John Cusack, Chiwetel Ejiofor, Amanda Peet, Oliver Platt, Danny Glover, Thandie Newton e Woody Harrelson.[2] Foi distribuído pela Columbia Pictures. As filmagens começaram em agosto de 2008 em Vancouver, no Canadá.

O filme faz referências ao Maianismo, ao Calendário de Contagem Longa e ao fenômeno 2012 em um retrato de eventos cataclísmicos que se desenrola no ano de 2012. Na trama, devido a bombardeamentos de erupções solares, o núcleo da Terra começa a aquecer a um ritmo sem precedentes, provocando o deslocamento da crosta terrestre. Isso resulta em vários tipos de cenários apocalípticos, que vão desde a Califórnia caindo no Oceano Pacífico, a erupção do supervulcão de Yellowstone, grandes terremotos e vários megatsunamis ao longo de cada costa na Terra, mergulhando o mundo em caos. A película centra-se em torno de um elenco de personagens e em como eles escaparem das catástrofes múltiplas em um esforço para atingir alguns navios construídos no Himalaia, junto com cientistas e governos do mundo todo que estão tentando salvar tantas vidas quanto podem antes das catástrofes decorrentes.

Críticas do filme têm sido mistas, com os críticos apontando a impossibilidade da ocorrência dos cenários apocalípticos retratados no filme. O filme lançou uma campanha de marketing viral muito criticada pela criação da organização fictícia Institute for Human Continuity, de um livro fictício escrito pela personagem Jackson Curtis intitulado "Adeus Atlântida" e por streaming media, atualizações do blog e transmissões de rádio do personagem fanático apocalíptico Charlie Frost, no seu site "This Is The End". A NASA considerou o filme um dos mais absurdos de sempre.[3]

Enredo[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

Em 2009, o geólogo estadunidense Adrian Helmsley (Chiwetel Ejiofor) encontra seu amigo, o Dr. Santam Tsurutani (Jimi Mistry), na Índia. Santam descobriu que os neutrinos de uma enorme tempestade solar estão agindo como a radiação de microondas, fazendo com que a temperatura do núcleo da Terra aumente rapidamente. Adrian informa o Chefe de Gabinete da Casa Branca, Carl Anheuser (Oliver Platt), e o Presidente dos Estados Unidos, Thomas Wilson (Danny Glover), que isso vai desencadear uma cadeia catastrófica de desastres naturais. Na cúpula do G8, em 2010, outros chefes de Estado e chefes de governo ficam cientes da situação. Eles começam um enorme projeto secreto que visa garantir a sobrevivência da humanidade. Cerca de 400.000 pessoas são escolhidas para embarcar em uma série de navios (chamados "Arcas", em referência à Arca de Noé), que estão sendo construídos nos Himalaia. A maioria dos bilhetes a bordo destes navios são reservados para importantes funcionários do governo e para pessoas selecionadas, enquanto o financiamento adicional para o projeto é gerado com a venda de ingressos para o setor privado, ao preço de 1 bilhão por pessoa.

Em 2012, Jackson Curtis (John Cusack) é um escritor em Los Angeles que trabalha a tempo parcial como um motorista de limusine para o rico empresário russo Yuri Karpov (Zlatko Burić). Sua ex-mulher, Kate Jackson (Amanda Peet) e seus filhos Noah (Liam James) e Lily (Morgan Lily) vivem com o padrasto, o cirurgião plástico e piloto amador Gordon Silberman (Thomas McCarthy). Jackson leva Noah e Lily em um acampamento ao Parque Nacional de Yellowstone, onde se encontram com Charlie Frost (Woody Harrelson), um teórico conspiracionista que vive como um eremita e apresenta um programa de rádio a partir do parque. Charlie então se refere a uma teoria que sugere que os maias previram que o mundo chegaria ao fim em 2012, e alega possuir conhecimento sobre a possível catástrofe, além de possuir um mapa de um suposto projeto secreto de uma "nave espacial". Como prova de suas alegações, ele observa as mortes suspeitas de muitos cientistas que tentaram alertar o público com informações sobre a catástrofe. A família regressa a casa enquanto enormes rachaduras se desenvolvem ao longo da falha de San Andreas, na Califórnia, e terremotos ocorrem em muitos lugares ao longo da Costa Oeste dos Estados Unidos. As suspeitas de Jackson então crescem e ele aluga um avião para resgatar a sua família. Ele recolhe a sua família e Gordon quando o deslocamento da crosta terrestre começa e eles escapam de Los Angeles que desliza para o Oceano Pacífico.

Enquanto milhões morrem em terremotos e megatsunamis catastróficos no mundo, onde cidades como Washington D.C. e Rio de Janeiro são destruídas, o grupo voa para Yellowstone para recuperar mapa de Charlie. O grupo escapa logo depois da erupção do supervulcão de Yellowstone. Charlie, que ficou para trás para transmitir a erupção, é morto na explosão. Com a informação de que as Arcas estão na China, o grupo aterrissa em Las Vegas, onde se encontram com Yuri, seus filhos, a namorada Tamara (Beatrice Rosen) e o piloto Sasha (Johann Urb). Eles então se juntam a família de Yuri para garantir a entrada em um Antonov An-225, fugindo de Las Vegas quando ela é destruída. O grupo voa para a China, passando por Honolulu, no Havaí, que é incinerada por lava derretida. Também com destino às Arcas a bordo do Air Force One estão Anheuser, Adrian e a filha do presidente, Laura Wilson (Thandie Newton). O Presidente Wilson opta por permanecer em Washington, D.C. para enfrentar o mundo sobre a ocorrência de desastres. Após sobreviver a queda do Monumento de Washington, o presidente é morto por um megatsunami que joga o super-porta-aviões USS John F. Kennedy contra a Casa Branca. Com o Vice-Presidente morto e o Presidente da Câmara em falta, Anheuser toma posse como presidente interino. Eles também ficam sabendo que o primeiro-ministro italiano ficou para trás na Itália e logo foi morto quando o Vaticano foi destruído.

Ao chegar na China em um pouso forçado que mata Sasha e destroi o avião, o grupo está cercado por helicópteros do Exército de Libertação Popular Chinês. Yuri e seus filhos, que têm bilhetes, são levados para os navios para serem salvos, deixando a família de Curtis, Gordon e Tamara, que não possuem bilhetes. O grupo é pego por Nima, um monge Budista no caminho para as Arcas. Eles entram em uma das Arcas pela câmara hidráulica com a ajuda do irmão de Nima, Tenzin, um soldador do projeto de construção das Arcas. Enquanto isso, Satnam, em seus momentos finais, liga para Adrian para informá-lo que um megatsunami está engolindo a Índia e está indo em direcção às Arcas antes do previsto. Sob ordens de Anheuser as Arcas são fechadas, prendendo milhares de pessoas na parte de fora. Adrian convence os líderes do G8 para permitir que as pessoas restantes entrem. Depois da entrada das pessoas, o portão de embarque das Arcas é fechado e, em seguida, Yuri cai da plataforma e morre, salvando seus dois filhos, e Gordon cai entre as engrenagens dos portões e é esmagado. Uma broca grande então cai e fica alojada entre as engrenagens, impedindo o portão de fechar completamente, tornando o navio incapaz de ligar seus motores. A megatsunami começa a inundar a Arca, afogando Tamara e colocando o navio à deriva. Jackson e Noah conseguem tirar a broca do mecanismo de fechamento. A equipe retoma o controle da Arca, evitando uma colisão fatal com o Monte Everest.

Quando a água da enchente dos megatsunamis recua, dados de satélite mostram que a elevação da África aumentou em relação ao nível do mar e as montanhas Drakensberg em KwaZulu-Natal, na África do Sul, tornaram-se as mais elevadas do planeta. As três arcas zarpam para o Cabo da Boa Esperança, Jackson se reconcilia com a sua família e Adrian inicia um relacionamento com Laura. O filme termina com uma visão da Terra a partir do espaço, mostrando um continente Africano drasticamente modificado.

Gtk-paste.svg Aviso: Terminam aqui as revelações sobre o enredo.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Marketing[editar | editar código-fonte]

Em 12 de novembro de 2008, o estúdio liberou o primeiro trailer de "2012", que mostrava uma megatsunami surgindo ao longo dos Himalaias, entrelaçado com uma mensagem supostamente científica sugerindo que o mundo acabaria em 2012 e que os governos da Terra não estavam preparando a população para o evento. O trailer termina com uma mensagem para os telespectadores descobrirem a "verdade", procurando "2012" no Google. O The Guardian criticou a eficácia do marketing como "profundamente falha" e associou-o com "sites que fazem reivindicações ainda mais espúrias sobre 2012".[4]

O estúdio também lançou um site de marketing viral operado pelo fictício Institute for Human Continuity, onde os cinéfilos poderão solicitar um número de sorteio para ser parte de uma pequena população que seria resgatada da destruição global.[5] O site fictício lista uma colisão com Nibiru, um alinhamento galáctico e um aumento da atividade solar entre os possíveis cenários apocalípticos.[6] David Morrison da NASA recebeu mais de 1000 perguntas de pessoas que achavam que o site era genuíno e condenou-o, dizendo: "Eu mesmo tive casos de adolescentes escrevendo para mim dizendo que eles estavam pensando em suicídio, porque não queriam ver o fim do mundo. Eu acho que mentir na Internet e assustar crianças com o fim de ganhar dinheiro é eticamente errado."[7]

Crítica[editar | editar código-fonte]

2012 tem recepção mista por parte da crítica especializada. Possui Tomatometer de 39% em base de 238 críticas no Rotten Tomatoes. Por parte da audiência do site tem 47% de aprovação.[8]

Por comparação, no Metacritic tem 49% de Metascore em base de 34 críticas.[9]

Bilheteria[editar | editar código-fonte]

O filme arrecadou US$ 225 milhões no mundo em seu primeiro fim de semana. Só nos Estados Unidos e Canadá o filme gerou US$ 65 milhões, no teto da previsão da indústria, que via entre US$ 55 e US$ 65 milhões. Os US$ 160 milhões restantes vieram de 105 países diferentes. [10]

A Columbia, unidade da Sony, disse que 2012 marcou a melhor abertura da história para um filme original sem franquia e que não é baseado em uma marca ou em livros. (o recorde foi quebrado por Avatar no mês seguinte)

Na América do Norte, 2012 faturou $164,767,722 e ficou apenas em 15o entre as bilheterias de 2009.[11] Internacionalmente, o filme foi muito mais bem-sucedido, com uma arrecadação global de $760,331,011, a quinta maior do ano (depois de Avatar, Harry Potter and the Half-Blood Prince, Ice Age: Dawn of the Dinosaurs e Transformers: Revenge of the Fallen) e a trigésima-primeira maior bilheteria da história. É o segundo filme mais lucrativo de Roland Emmerich, atrás apenas de Independence Day.[12]

No Brasil, 2012 estreou no topo das bilheterias com R$ 9,3 milhões e 950 mil espectadores.[13] Terminou 2009 como quarta maior bilheteria do ano e quinto maior público[14] (em 2010, caiu para quinto em faturamento com a ascensão de Avatar), e até Janeiro de 2010 tinha arrecadado R$44,4 milhões e atraído um público de 5.261.206.[15]

Em Portugal, estreou no topo com €860.411 e 184.816 espectadores,[16] e terminou o ano como a terceira maior bilheteria (depois de Ice Age 3 e Up), com €2.453.638 e 527.580 de público.[17]

Referências

  1. 2012 (2009), Box Office Mojo
  2. 2012 Veja São Paulo. Visitado em 13-1-2010.
  3. NASA selecciona os melhores e os piores filmes de ficção científica Canal UP (5 de Janeiro de 2011). Visitado em 9 de Janeiro de 2011.
  4. Pickard, Anna. "2012: a cautionary tale about marketing", The Guardian, November 25, 2008. Página visitada em December 10, 2008.
  5. Billington, Alex. "Roland Emmerich's 2012 Viral—Institute for Human Continuity", FirstShowing.net, November 15, 2008. Página visitada em December 10, 2008.
  6. Institute for Human Continuity Sony Pictures Inc. Visitado em 2009-10-16.
  7. Connor, Steve. "Relax, the end isn't nigh", The Independent, 17 October 2009. Página visitada em 2009-10-20.
  8. 2012 - Rotten Tomatoes (em inglês). Visitado em 11 de janeiro de 2014.
  9. 2012 Reviews - Metacritic (em inglês). Visitado em 11 de janeiro de 2014.
  10. '2012' destroys worldwide box office
  11. 2009 Domestic Grosses
  12. All Time Worldwide Box Office Grosses
  13. 2012 arrecada R$ 9,3 milhões no Brasil
  14. Sequências ajudaram bilheterias brasileiras em 2009
  15. 2012 (2009) - Bilheterias
  16. Ranking Semanal
  17. RANKING DOS FILMES MAIS VISTOS - 2009

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]