Disco blu-ray

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Disco Blu-ray)
Ir para: navegação, pesquisa
Disco Blu-Ray
Tipo de mídia
Disco óptico de alta densidade
Blu ray logo.png

BluRayDiscBack.png
Uso em Áudio e vídeo,
Vídeo e áudio de alta definição,
Vídeo e áudio de alta definição com 3D estereoscópico
Armazenamento de dados,
Jogos de PlayStation 3, PlayStation 4 e Xbox One
Codificação MPEG-2, MPEG-4 AVC (H.264), e VC-1
Capacidade 25 GB (camada simples)
50 GB (camada dupla) 100 GB, 200 GB e posteriores (BDXL)
Mecanismo de leitura Laser de 405 nm, 1x@36 Mbit/s

2x@72 Mbit/s
4x@144 Mbit/s
6x@216 Mbit/s[1]

Desenvolvido por Sony, Blu-ray Disc Association
Dimensões 12 cm de diâmetro
Último
Último
CD
DVD
Archival Disc
Próximo
Próximo

Blu-ray Disc, também conhecido como BD (de Blu-ray Disc) é um formato de disco óptico da nova geração com 12 cm de diâmetro e 1,2mm de espessura (igual ao CD e ao DVD) para vídeo e áudio de alta definição e armazenamento de dados de alta densidade. É uma alternativa ao DVD e é capaz de armazenar filmes até 1080p full HD de até 4 horas sem perdas. Requer uma TV full HD de LCD, plasma ou LED para explorar todo seu potencial.

Sua capacidade varia de 25 GB (camada simples) a 50 GB (camada dupla) Gigabytes. O disco Blu-Ray faz uso de um laser de cor azul-violeta, cujo comprimento de onda é 405 nanômetros, permitindo gravar mais informação num disco do mesmo tamanho usado por tecnologias anteriores (o DVD usa um laser de cor vermelha de 650 nanômetros).

Blu-ray obteve o seu nome a partir da cor azul do raio laser ("blue ray" em inglês significa "raio azul"). A letra "e" da palavra original "blue" foi eliminada porque em alguns países não se pode registrar uma palavra comum em forma de um nome comercial. Este raio azul mostra um comprimento de onda curta de 405 nm e conjuntamente com outras técnicas, permite armazenar substancialmente mais dados que um DVD ou um CD. A Blu-ray Disc Association (BDA) é responsável pelos padrões e o desenvolvimento do disco Blu-ray e foi criada pela Sony, Pioneer e Philips.

História[editar | editar código-fonte]

Em 1998, comerciais da HDTV começaram a aparecer no mercado consumidor; no entanto, não havia então uma maneira barata para gravar ou reproduzir conteúdo em alta definição (high definition - HD). Na verdade, não havia qualquer meio de armazenagem de HD Codecs, com exceção da JVC Digital VHS e da Sony HDCAM. Não obstante, era bem conhecido que utilizando lasers com comprimento de onda mais curto permitiria um armazenamento ótico com maior densidade. Quando Shuji Nakamura inventou um diodo laser azul prático, foi uma sensação, apesar de que uma longa ação atrasou a introdução comercial do produto.

Em 2010, foi anunciado o novo formato do Blu-ray, o BDXL. Este novo Blu-Ray tera a capacidade de até 128GB[2] , porém não existe previsão de uso para filmes, apenas áreas onde é necessário mídias com grande capacidade de armazenamento de dados, como em maquinas hospitalares.

Em 2011 a tecnologia 3D foi incorporada ao disco, então nascia o Blu-ray 3D: esse disco permite até 3 horas de vídeo FullHD 1080p3D, seus players são considerados os mais potentes do mercado já que os discos em sua maioria são de dupla camada e tem retrocompatibilidade com os blu-rays normais, essa tecnologia também foi incorporada aos jogos de PS3 em disco, o videogame em si recebeu as adequações necessárias para a tecnologia.

Tecnologia[editar | editar código-fonte]

O tamanho do "ponto" mínimo no qual um laser pode gravar está limitado pela difração, e depende do comprimento de onda de luz do laser e da largura da lente utilizada para gravar. No caso do laser azul-violeta utilizado nos discos Blu-ray, o comprimento de onda é menor (405 nm) que nas tecnologias anteriores (650 nm), aumentando portanto o aproveitamento do espaço físico no Blu-ray. Com ele, e graças a um sistema de lentes duplas e a uma camada protetora mais larga, o raio laser pode direcionar-se de forma muito mais precisa na superfície do disco. Os pontos de informação legíveis no disco são muito menores e, portanto, o mesmo espaço pode conter muito mais informação. Por último, mesmo com as melhorias na tecnologia, os discos Blu-ray incorporam um sistema melhorado de codificação de dados que permite guardar ainda mais informação.

Outra característica importante dos discos Blu-ray é que pensou-se em criá-los como cartuchos, semelhantes a disquetes de computador, mas a TDK descobriu um substrato que permite evitar os arranhões e facilitar a leitura (mesmo que agora eles sejam bem menos comuns) quando sujos de gordura. Os discos têm uma capa de substrato, cujo nome comercial é Durabis, que é composta por uma camada de substrato de 1,1 mm para um lado e 1 mm para o outro para permitir a criação de mais ficheiros de dados e o uso de um só lado. Esta nova característica será muito apreciada pelos utilizadores, porque dificulta o surgimento de defeitos como nos CD e DVD arranhados sendo, por isso, uma qualidade adicional quando comparado com o formato concorrente, HD DVD.

Vídeo[editar | editar código-fonte]

Vídeo de alta definição podem ser armazenados em BD com resolução de até 1080i em até 59,94 quadros por segundo, se entrelaçado. Alternativamente, varredura progressiva pode ir até uma resolução de 1080p a 24 quadros por segundo, ou até 720p em até 59,94 quadros por segundo:

Resolução FPS Aspecto
1920×1080 29.97-i 16:9
1920×1080 25-i 16:9
1920×1080 24-p 16:9
1920×1080 23.976-p 16:9
1440×1080 29.97-i 16:9 (anamórfico)
1440×1080 25-i 16:9 (anamórfico)
1440×1080 24-p 16:9 (anamórfico)
1440×1080 23.976-p 16:9 (anamórfico)
1280×720 59.94-p 16:9
1280×720 50-p 16:9
1280×720 24-p 16:9
1280×720 23.976-p 16:9
720×480 29.97-i 4:3/16:9 (anamórfico)
720×576 25-i 4:3/16:9 (anamórfico)

Para vídeo, todos os players necessitam suportar os codecs MPEG-2, H.264/MPEG-4 AVC, e SMPTE VC-1. MPEG-2 é o padrão de compressão usado em DVDs, o que permite compatibilidade com versões anteriores. MPEG-4 AVC foi desenvolvido pelo MPEG, Sony, e VCEG. VC-1 é um padrão de compressão que foi principalmente desenvolvido pela Microsoft. BDs de vídeo devem armazenar o vídeo usando um dos três formatos obrigatórios; múltiplos formatos em um único título são permitidos.

A escolha dos formatos afeta os custos de licenciamento, bem como tempo de execução do título, devido às diferenças na eficiência de compressão. Discos codificados em vídeo MPEG-2 normalmente limitam os produtores de conteúdo para cerca de duas horas de conteúdo de alta definição em uma camada única (25 GB) BD-ROM. Os formatos mais avançados de vídeo (VC-1 e MPEG-4 AVC) tipicamente alcançam um tempo de execução de vídeo de duas vezes maior que MPEG-2, com qualidade comparável.

MPEG-2 foi utilizado por muitos estúdios (incluindo a Paramount Pictures, que inicialmente usou o formato VC-1 para as versões HD DVD) para a primeira série de discos Blu-ray, que foram lançados ao longo de 2006. Novos lançamentos são frequentemente codificados em MPEG-4 AVC ou VC-1, permitindo que estúdios de cinema a colocar todo o conteúdo em um disco, reduzindo custos e melhorando a facilidade de uso. Com estes formatos também libera muito de espaço para armazenamento de conteúdos bônus em HD (1080i / p), ao contrário do SD (480i / p) normalmente usada para a maioria dos títulos. Alguns estúdios, como Warner Bros, lançaram conteúdos bônus em discos codificados em um formato diferente do título principal. Por exemplo, o lançamento do disco Blu-ray de Superman Returns usa VC-1 para o filme e MPEG-2 para alguns de seus conteúdos bônus. Hoje, Warner e outros estúdios normalmente fornecem conteúdos bônus no formato de vídeo que combina o recurso.

Áudio[editar | editar código-fonte]

Taxa de Bits

Para o áudio os leitores devem suportar os codecs Dolby Digital (AC-3), DTS, e PCM linear. Os players podem, opcionalmente, utilizar Dolby Digital Plus e DTS-HD High Resolution Áudio, bem como formatos lossless Dolby TrueHD e DTS-HD Master Audio. Para títulos BD devem usar um dos sistemas obrigatórios para a trilha sonora principal. A trilha sonora secundária, se presente, pode usar qualquer um dos codecs obrigatórios ou opcionais.

Especificação dos codecs:
LPCM Dolby Digital Dolby Digital Plus Dolby TrueHD (Lossless) DTS Digital Surround DTS-HD Master Audio (Lossless)
Bitrate Max. 27.648 Mbit/s 640 kbit/s 4.736 Mbit/s 18.64 Mbit/s 1.524 Mbit/s 24.5 Mbit/s
Canais Max. 8 (48 kHz, 96 kHz), 6 (192 kHz) 5.1 7.1 8 (48 kHz, 96 kHz), 6 (192 kHz) 5.1 8 (48 kHz, 96 kHz), 6 (192 kHz)
Amos. de Bits 16, 20, 24 16, 24 16, 24 16, 24 16, 20, 24 16, 24
Amos. de Freq. 48 kHz, 96 kHz, 192 kHz 48 kHz 48 kHz 48 kHz, 96 kHz, 192 kHz 48 kHz 48 kHz, 96 kHz, 192 kHz

Para usuários a gravação de programação de televisão digital, a taxa de gravação Blu-ray Disc padrão de dados inicial de 36 Mbit / s é mais que adequado para gravar transmissões de alta definição a partir de qualquer fonte (IPTV, cabo / satélite ou terrestre). Filmes de vídeo BD tem uma taxa de transferência de dados máxima de 54 Mbit / s, uma taxa de bits máxima AV de 48 Mbit / s (para áudio e dados de vídeo), e uma taxa de bit de vídeo máxima de 40 Mbit / s. Isso se compara a filmes em HD DVD, que têm uma taxa de transferência de dados máxima de 36 Mbit / s, uma taxa de bits máxima de 30,24 AV Mbit / s, e um bitrate de vídeo máxima de 29,4 Mbit / s.

Guerra dos formatos[editar | editar código-fonte]

Wikinotícias
O Wikinotícias tem uma ou mais notícias relacionadas com este artigo: Blu-ray é oficialmente o sucessor do DVD

Blu-ray e HD DVD concorreram pela sucessão do DVD. No entanto em 19 de Fevereiro de 2008, a Toshiba comunicou a decisão de não continuar com o desenvolvimento, fabricação e comercialização do HD DVD. Segundo Atsutoshi Nishida, presidente da Toshiba, a decisão da Warner Bros em usar exclusivamente o Blu-ray foi preponderante para a tomada dessa decisão.[3] Outro fator que influenciou a vitória foi o Video game PlayStation 3 que foi o Blu-ray player mais barato do mercado e vendia mais que todos os outros players de HD-DVD. A Microsoft também é apontada como responsável, pois por ser a única força financeira com condições de fazer frente ao consórcio Blu-ray não embutiu o HD-DVD como formato padrão no Xbox 360, priorizando a distribuição digital. O Blu-ray ganhou assim a guerra contra o HD DVD e é o novo sucessor do DVD. Em 2008, todos os grandes estúdios migraram para o Blu-Ray, incluindo os ex-exclusivos do HD-DVD como Universal e Paramount.

Há atualmente um debate se o Blu-ray irá conter a distribuição digital como futuro do formato de entretenimento. O grande diferencial do disco é não precisar de banda larga e discos rígidos de alta capacidade de armazenamento, além dos consumidores estarem habituados a discos CD e DVD. E também já há estudos para um formato sucessor como o HVD que permitirá ainda mais armazenamento possibilitando mais de 100 horas de alta definição ou 3 Terabytes de capacidade por disco.

A China propôs um formato, CH-DVD em março de 2008 para não pagar royalties à Sony, mas já é ignorada pela indústria de entretenimento por o país ser um grande polo mundial de pirataria.

Equipamento necessário[editar | editar código-fonte]

Para assistir ao Blu-ray é necessário ter um aparelho capaz de reproduzi-lo, ou seja, um player (tocador) ou um home theater de blu-ray. Para aproveitar o poder da alta resolução de som e imagem, necessário ter um aparelho de TV compatível com o sistema de alta definição (mínimo de 720p) e um home theater para a experiência do áudio DTS-HD Master 7.1/5.1.

Apoio software Java[editar | editar código-fonte]

Na feira JavaOne de 2005, foi anunciado que o software ambiente multiplataforma Java da Sun Microsystems seria incluído em todos os "tocadores" Blu-ray como uma parte obrigatória do padrão. Java é usada para aplicar menus interativos em discos Blu-ray, em oposição ao método usado em DVD de vídeo, que utiliza segmentos MPEG pré prestados e imagens de legenda selecionáveis, que é consideravelmente mais primitivo e menos perfeito. James Gosling, criador do Java, na conferência, sugeriu que a inclusão de uma máquina virtual Java bem como conectividade de rede em alguns dispositivos BD irá permitir atualizações para os discos Blu-ray através da Internet, acrescentando conteúdos, tais como idiomas de legenda adicionais e recursos promocionais que não estão incluídos no disco no momento (Atualmente os tocadores de BD de nova geração vem com esta funcionalidade, são chamados de aparelhos blu-ray 2.0, ou segunda geração, onde dados referentes aos filmes em execução são baixados por uma porta ethernet do player). Esta versão Java é chamada de BD-J e é um subconjunto do padrão Globally Executable MHP (GEM). GEM é a versão mundial do padrão Multimedia Home Platform.

Capacidade de armazenagem e velocidade[editar | editar código-fonte]

Um disco típico Blu-Ray

Os discos BD vem em diferentes formatos:

  • BD-ROM: Um disco que é só de leitura;
  • BD-R: Disco gravável;
  • BD-RE: Disco regravável.

Um disco (kh) de camada única (Single Layer em inglês) Blu-Ray pode conter cerca de 25 GB de dados ou cerca de 6 horas de vídeo de alta definição mais áudio, e, no modo de dupla camada (Double Layer), este espaço é duplicado, podendo conter, aproximadamente, 50 GB. Suporta os formatos de compressão MPEG-2, MPEG-4 e VC-1. A velocidade de transferência de dados é de 36 Mbit/s (54 Mbps para BD-ROM), mas protótipos a 2x de velocidade com 72 Mbit por segundo de velocidade de transferência estão em desenvolvimento. O BD-RE (formato regravável) padrão já está disponível, assim como os formatos BD-R (gravável) e o BD-ROM, como parte da versão 2.0 das especificações do Blu-ray. Em 19 de Maio de 2005, TDK anunciou um protótipo de disco Blu-ray de quatro camadas (100 GB). Outros discos Blu-ray com capacidades de 200 GB (oito camadas) estão também em desenvolvimento.

Recentemente[quando?] a TDK anunciou ter criado um disco Blu-ray experimental capaz de armazenar até 200 GB de informação em um único lado (6 camadas de 33 GB). Para isso, foi necessário aumentar a capacidade de cada camada de 25 GB para 33 GB. Isso foi possível graças ao Peróxido de bismuto como meio de gravação [4] .

Dimensões e capacidade de armazenagem[editar | editar código-fonte]

Dimensões Capacidade de uma camada Capacidade com camada dupla
12 cm, lado único 25GB (23.3GiB) 50GB (46.6GiB)
12 cm, dois lados 50GB (46.6GiB) 100GB (93.2GiB)
8 cm, lado único 7.8GB (7.3GiB) 15.6GB (14.5GiB)
8 cm, dois lados 15.06GB (14.5GiB) 30.12GB (29GiB)

Velocidade de gravação[editar | editar código-fonte]

Velocidade do drive Taxa de transferência de dados Tempo de gravação para disco blu-ray (minutos)
Mbit/s MB/s Uma Camada Duas Camadas
36 4.5 90 180
72 9 45 90
144 18 23 45
216 27 15 30
288 36 12 23
12× 432 54 8 15

Diferenças entre o blu-ray, HD DVD e o DVD[editar | editar código-fonte]

Blu-ray HD DVD DVD
Capacidade (armazenamento) 23.3 / 25 / 27 GB (Camada Única)
46.6 / 50 / 54 GB (Camada Dupla)
15 GB (Camada Única)
30 GB (camada dupla)
4.7 GB (Camada Única)
8,5GB (Camada Dupla)
Comprimento de onda do raio laser 405 nm 400 nm 650 nm
Taxa de transferência 54,0 MB/s 36,55 MB/s 11,1 MB/s
Formatos suportados MPEG-2, MPEG-4 AVC, VC-1 MPEG-2, VC-1 (Baseado no WMV), H.264/MPEG-4 AVC MPEG-2

Divisão das regiões[editar | editar código-fonte]

Mapa da divisão das regiões do Blu-ray.

As regiões do Blu-ray são diferentes das regiões do DVD

Código da Região Área
A ou 1 América do Norte, América Central, América do Sul (Exceto a Guiana Francesa), Leste da Ásia (exceto República Popular da China e Mongólia)
B ou 2 Europa, Oriente Médio, África, Oceania e Guiana Francesa
C ou 3 República Popular da China, Mongólia, Rússia, Bielorrússia, Ucrânia, Ásia Central, Subcontinente Indiano.

Jogos em blu-ray[editar | editar código-fonte]

O Playstation 3 suporta a tecnologia Blu-ray.

Todos os jogos do PlayStation 3 são em formato Blu-ray. Alguns chegam a quase 50 GB de tamanho (devido aos gráficos complexos e imagens em 3D), como por exemplo, Uncharted 3: Drake's Deception, God of War III, Killzone 3 e Resistance 3. Assim como os filmes os jogos também utilizam códigos de regiões que se diferenciam por região 1, 2, 3 e livre, porém não valem como bloqueio e sim para identificação. No Japão os jogos custam cerca de 5.000 ienes, equivalente a 35 euros ou 94 reais. Nos Estados Unidos os jogos custam, em média, 60 dólares. No Brasil, devido a altas taxas alfandegárias, os jogos custam em média 200 reais. Jogos de grande nome como GTA IV, God of War III em seu lançamento pode ser encontrado por preços entre 250 a 300 reais em média, porém em 2010 a Sony passou a produzir os jogos de PS3 no Brasil, o que padronizou os lançamentos a preços de 199 reais, os mais antigos com preços de 99 reais, em 2011 a distribuída NCgames anunciou uma campanha nacional que diminui os preços dos jogos mais antigos, agora eles podem ser encontrados com preços de no mínimo 30 reais.[carece de fontes?] Em 2012 a Sony lançou um projeto que padronizou os lançamentos exclusivos de PS3 a 150 reais. Em janeiro de 2013 o Governo Brasileiro anunciou planos de isentar os jogos de alguns impostos (como o IPI) o que faria que alguns jogos tivessem uma redução de preço de até 42% (um lançamento iria de 199 para 119 reais).[carece de fontes?]

Blu-ray no Brasil[editar | editar código-fonte]

Disco Blu-ray da Sony.

Os discos de blu-ray, assim como tradicionalmente fazem os DVD, permitem que se escolha legendas (e ocasionalmente dublagem) para diversas línguas. Para se ter uma variedade maior pode-se importar. Alguns títulos comercializados no exterior podem trazer legendas e/ou dublagem em português brasileiro. Os países da região A onde se comercializam a maioria dos títulos que incluem suporte ao português brasileiro são os EUA e Japão.

Títulos disponíveis no Brasil[editar | editar código-fonte]

A Paramount é uma das empresas que se destaca na venda de filmes no formato no país,[5] desde dezembro de 2008 dispõe de títulos de seus principais filmes em Blu-Ray, disponibilizando ainda alguns filmes com áudio e legendas em português. Já estão disponibilizados no país, filmes como: Shrek Terceiro, Indiana Jones and the Kingdom of the Crystal Skull, Homem de Ferro, entre outros.[6]

A Disney é a empresa da área que menos comercializa Blu-ray no Brasil. Tem pouquíssimos títulos na nova mídia aqui, e quando raramente algum é lançado, como High School Musical 3 e Monstros S.A, vem em uma versão simples, sem bônus, diferentemente dos Blu-rays triplos lançados nos Estados Unidos,[7] os filmes lançados no país são produzidos no Japão, tendo finalização na Zona Franca de Manaus.

A principal desenvolvedora do formato Blu-Ray, Sony, possui diversos títulos no formato lançados no país, e outros a serem lançados durante o ano de 2009.[8]

A distribuidora independente de filmes brasileira, Imagem Filmes, lançou dezenas de título no mercado nacional, com preços mais competitivos, entre os títulos lançados destacam-se: Bridge to Terabithia, Crash e Miss Potter.[9] Assim como aconteceu com o VHS e DVD, os brasileiros terão que esperar a tecnologia ser mais difundida e distribuida no mundo para que assim os preços fiquem mais acessíveis.

Produção de blu-ray no Brasil[editar | editar código-fonte]

Wilson Cabral, diretor-geral da Sony Pictures do Brasil, declarou ao AdNews que estava otimista com o crescimento de vendas e do consumo de Blu-Ray em 2009, acreditando que os primeiros discos no formato começariam a ser produzidos no Brasil no 2° semestre de 2009.[10]

A empresa brasileira MultiLaser já disponibiliza sua própria mídia blu-ray virgem, com capacidade de 25GB.[11]

O primeiro blu-ray a ser gravado, produzido, autorado e fabricado no Brasil é a produção independente, "Outra Vez - Ao Vivo no Estúdio", lançado em julho de 2009 pelo cantor e compositor, Ritchie.[carece de fontes?] A Microservice foi a primeira empresa a replicar discos blu-ray no Brasil, produzindo a primeira mídia pré gravada em Novembro de 2009.[carece de fontes?]

Blu-ray 4K[editar | editar código-fonte]

Em 5 de setembro de 2014, a Blu-ray Disc Association divulgou que as especificações para o Blu-ray em 4K (2160p) estarão prontas para licenciamento no primeiro semestre de 2015, com previsão de lançamento dos aparelhos no mercado para dezembro do mesmo ano.

Não confundir Blu-ray 4K com Blu-rays masterizados em 4K, os segundos apresentam a resolução 1080p, mas foram criados a partir de uma master 4K, sem apresentar essa resolução nativa.[12] [13]

Ver também[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Disco blu-ray

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]