Felipe Calderón

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Felipe Calderón
65º Presidente do México México
Mandato 1 de dezembro de 2006
a 30 de novembro de 2012
Antecessor(a) Vicente Fox
Sucessor(a) Enrique Peña Nieto
Vida
Nome completo Felipe de Jesús Calderón Hinojosa
Nascimento 18 de Agosto de 1962 (52 anos)
Morelia
Nacionalidade México Mexicano
Dados pessoais
Partido PAN
Religião Católica
Profissão Advogado
Assinatura Assinatura de Felipe Calderón

Felipe de Jesús Calderón Hinojosa (Morelia, 18 de agosto de 1962) é um advogado e político mexicano. Foi Presidente do México de 2006 a 2012.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Felipe Calderón Hinojosa nasceu na cidade de Morelia, no estado de Michoacán. O caçula de cinco filhos de Carmen Hinojosa e Luis Calderón Vega. Seu pai foi um dos fundadores do Partido da Ação Nacional e uma importante figura política do México, tendo sido inclusive deputado federal. Calderón sempre manifestou interesse pelas atividades políticas de seu pai. Ainda jovem, distribuía panfletos e anúncios da campanha do PAN.[1]

Após a juventude em Morelia, Calderón mudou-se para a Cidade do México, onde graduou-se em Direito pela "Escuela Libre de Derecho". Posteriormente, recebeu seu diploma de Economia pelo "Instituto Tecnológico Autónomo de México". Em 2000, concluiu sua pós-graduação em Administração pública pela John F. Kennedy School of Government de Harvard.[2]

Seguindo o exemplo de seu pai, Calderón filiou-se ao PAN. Nas reuniões do partido conheceu sua futura esposa, Margarita Zavala, que também integrou o Congresso da União como deputada. O casal tem três filhos: María, Luis Felipe e Juan Pablo. Calderón é católico romano.[3]

Carreira[editar | editar código-fonte]

Político mexicano conservador, ligado ao Partido da Ação Nacional (PAN) de Vicente Fox, Calderón foi lançado como candidato à presidência do México em 4 de dezembro de 2005, para concorrer nas eleições de 2 de julho de 2006.

Calderón é advogado da Escola Livre de Direito na Cidade do México (1987). Fez estudos de mestrado em Economia, no Instituto Tecnológico Autónomo de México (ITAM), e em Administração Pública (MPA), pela Escola de Governo John F. Kennedy, da Universidade de Harvard, nos Estados Unidos.

Durante a campanha, seu principal adversário foi o centro-esquerdista Andrés Manuel López Obrador do Partido da Revolução Democrática (PRD). A apuração concedeu vitória apertada de Calderón, mas López Obrador não aceitou o resultado e prometeu contestá-lo judicialmente. Mesmo assim, Calderón foi empossado na presidência em 1 de dezembro de 2006. Ele tem como alvo principal o combate ao tráfico de drogas no México, um de seus maiores problemas.

Presidência do México[editar | editar código-fonte]

O então Presidente Calderón em discurso perante o Conselho Nacional de Segurança Pública.

Calderón foi o primeiro presidente mexicano eleito democraticamente após a hegemonia de 70 anos do PRI no poder. Calderón tecnicamente serviu como o 36º chefe de Estado, contando com o último Imperador mexicano, mas suas reformas moderadas e coalizações foram um marco na história política do país.

A Constituição do México afirma que o Presidente deve ser empossado após o juramento diante da Câmara de Deputados. A oposição do Partido da Revolução Democrática ameaçou não permitir a posse de Calderón como Presidente. Em contrapartida, militantes e políticos do Partido da Ação Nacional permaneceram no saguão principal do Congresso durante três dias antes da cerimônia de posse.

Em 30 de novembro de 2006, Vicente Fox Quesada passou a faixa presidencial a Felipe Calderón e fez um pequeno discurso de despedida do mandato, reiterando que "havia se dedicado inteiramente a servir ao México" e que "teve a maior honra em ser o Presidente da República" durante seis anos. Calderón, logo em seguida, afirmou que estaria presente à cerimônia de posse na Câmara de Deputados.[4] [5]

Seu primeiro ato como Presidente-eleito foi nomear os secretários de Governo, Defesa Nacional, Segurança Pública e Marinha.[6] Em 1 de dezembro, em meio aos protestos e sublevações dos deputados opositores, Calderón entrou no Palácio Legislativo San Lázaro e foi empossado Presidente do México, jurando cumprir e fazer cumprir a Constituição.[7] Após uma cerimônia no Auditório Nacional, o Presidente dirigiu-se para o Campo Marte e passou em revista às tropas.

Durante seus primeiros meses de governo, Calderón tomou várias ações, como a introdução do Pacto de Estabilização do Preço da Tortilla e o estabelecimento de teto salarial para os funcionários públicos, descritos como "uma promessa de campanha de incorporar as propostas do candidato rival Andrés Manuel López Obrador".[8]

Calderón criou o maior número de universidades da história mexicana, 96 instituições foram fundadas no total.[9] Também foi o único presidente que garantiu ensino total nas escolas elementares para crianças de 6 a 11 anos de idade.[10] A Procuradoria Social para Vítimas de Violência (Procuraduría Social para Víctimas de la Violencia) foi criada pelo Presidente em 2011.[11] Durante sua administração, mais de 1.000 hospitais foram criados outros 2.000 foram reabertos ou reformados, segundo fontes do governo.[12] Durante o governo de Vicente Fox, 40 milhões de pessoas tinham acesso ao sistema pública de saúde. Os mesmos dados indicam que 100 milhões de pessoas tinham acesso à saúde durante a Presidência de Calderón, devido principalmente à implantação de um sistema universal de saúde.[13]

Política externa[editar | editar código-fonte]

Felipe Calderón recebe o Presidente Barack Obama, 2009.
Encontro dos líderes do G5 em Berlim, 2007. Da esquerda para a direita: Manmohan Singh, Luiz Inácio Lula da Silva, Felipe Calderón, Hu Jintao e Thabo Mbeki.

Os analistas esperavam que Calderón mantivesse a política externa iniciada por Vicente Fox, conhecida como Doutrina Castañeda, abandonando a Doutrina Estrada.[14] Esperava-se também que o presidente buscasse uma mediação com os países latino-americanos de "livre mercado".

Calderón foi um defensor da integração Mesoamericana, que posteriormente fundiu-se com um projeto de infraestrutura similar, o "Plano Puebla-Panamá (PPP)".[15] Calderón expandiu a integração com os países do acordo, incluindo depois a Colômbia e formou um acordo de cooperação contra o crime organizado na região.[16] [17] [18] Certa vez, Jorge G. Castañeda, Secretário de Relações Exteriores do Governo Fox, chegou a sugerir que a liderança de Calderón sobre os países integrantes do acordo deveria "contrapor a liderança de Hugo Chávez na América do Sul".[19] Entretanto, Calderón declarou que "o desafio do PPP era fomentar práticas democráticas com sólida fundação na região".

Outro ponto importante foi a proposta "Iniciativa Mérida", uma cooperação de segurança com os Estados Unidos e países da América Central visando combater o tráfico de drogas e crimes internacionais.

Calderón fez da reforma da imigração uma de suas maiores metas de governo.[20] Em 2008, o Congresso da União aprovou uma lei descriminalizando a imigração sem documentos no México.[21] O Presidente expressou publicamente suas expectativas de que algo parecido fosse feito em relação aos mexicanos ilegais nos Estados Unidos. Além disso, desaprovou a construção de uma muralha na fronteira dos dois países como medida de segurança por parte do governo norte-americano.

Calderón também teve destaque na política ambiental. Durante sua participação na COP 15, em 2009, Calderón recebeu o Prêmio da Organização Global de Legisladores por sua liderança e proteção do meio ambiente; o prêmio foi entregue pelo Primeiro-ministro britânico Gordon Brown.[22] Na COP 16, o México propôs a criação de um mecanismo internacional de cooperação contra as mudanças climáticas, o Fundo Verde. Pelos esforços do Presidente, o México tornou-se o primeiro país a aprovar uma legislação sobre mudanças climáticas.

Política de segurança[editar | editar código-fonte]

Apesar de impor o teto salarial aos funcionários públicos, Calderón aprovou o aumento de salário do contingente da Polícia Federal e das Forças Armadas, em seu primeiro ato presidencial.

Logo ao assumir o governo, Calderón também anunciou investidas massivas contra os cartéis de drogas do interior do país, em resposta às taxas crescentes de mortes por envolvimento com narcotráfico em seu estado natal, Michoacán. A decisão de intensificar o combate ao narcotráfico desenrolou um conflito entre as forças federais e os poderes paralelos. Em janeiro de 2007, o líder de um dos maiores cartéis de drogas do país foi capturado pelas forças do governo. O Exército Mexicano em cooperação com a Polícia Federal localizaram Pedro Diaz Parada, cujo cartel operava em todo o sul do país.[23]

O governo mexicano também realizou operações militares em várias cidades do país, principalmente em Tijuana e Ciudad Juárez. Nestas, o Exército ordenou a rendição e afastamento dos policiais suspeitos de envolvimento com narcotráfico.[24] Outros estados também receberam estas operações, como Michoacán, Tamaulipas, Tabasco, e Guerrero.[25]

Em entrevista para o Financial Times, Calderón afirmou que "recebeu resultados encorajadores. No estado de Michoacán, por exemplo, a taxa de homicídios havia caído mais de 40% em seis meses". O Presidente também reforçou que "o apoio da população nas regiões" também era "muito importante".[26]

Ao fim do mandato de Calderón, as suas medidas contra o tráfico de drogas foram consideradas relevantes. Contudo, a violência gerada pelo tráfico permaneceu em altas taxas nas regiões de fronteira, como Ciudad Juárez, Tijuana e Matamoros. Alguns analistas, como o embaixador americano Carlos Pascual contestou o governo dizendo que o aumento nas taxas de violência seriam "decorrência das medidas de Calderón".[27] Além disso, o México permaneceu entre os países com mais altas taxas de homicídios do mundo, em dados de 2011.[28] No ano anterior, 2010, mais de 15.000 cidadãos mexicanos perderam a vida por conta do narcotráfico em todo o país.[29]

Imagem pública[editar | editar código-fonte]

De acordo com uma pesquisa do Grupo Reforma realizada em fevereiro de 2007, a taxa de aprovação do governo Calderón era de 58%. Na mesma pesquisa, os mexicanos entrevistados deram notas entre 6.6 e 10 para o governo do então Presidente. Sua melhor colocação nas pesquisas ocorreu nos temas relacionados à saúde e segurança (cerca de 60% de aprovação) e a pior colocação se deu em temas de política externa e interna (cerca de 33% de aprovação).[30]

Uma pesquisa pelo Ipsos-Bimsa realizada também em 2007 coloca Calderón com aprovação de 57%. No ano seguinte, a taxa de aprovação subiu para 64%.[31]

Já no fim do mandato de Calderón, o Grupo Reforma realizou novamente uma pesquisa de opinião. O Presidente adquiriu 66% de aprovação por parte dos entrevistados referente ao período entre 22 e 26 de março de 2012.[32]

Prêmios, ordens e reconhecimento[editar | editar código-fonte]

Ver Também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Thomas White International. Emerging leaders: Felipe Calderón Hinojosa.
  2. Harvard KSG (7 de julho de 2006). Alum is apparent winner of presidential election in Mexico. Visitado em 7 de outubro de 2014.
  3. AFP (14 de janeiro de 2009). Catholic family meeting circles wagons around traditional family.
  4. The Times (1 de dezembro de 2006). Mexican Inauguration Erupts into Fistfight.
  5. La Jornada (1 de dezembro de 2006). En acto castrense, Calderón asume el Poder Ejecutivo. Visitado em 5 de outubro de 2014.
  6. Constitución Mexicana - Atriculo 87.
  7. América económica (1 de dezembro de 2006). El Presidente entra por la puerta trasera.
  8. Bloomberg.com (23 de janeiro de 2007). Calderón proposes cap on Mexican Government salaries. Visitado em 6 de outubro de 2014.
  9. La Presidencia de la Republica. La inauguración del Edificio de la Unidad de Docencia 2 de la Universidad Politécnica del Estado de Morelos.
  10. La Silla Rota. Hay cobertura universal en educación primaria: FCH.
  11. El Universal (2 de setembro de 2011). Calderón anuncia Procuradoría para víctimas. Visitado em 6 de outubro de 2014.
  12. TVnotas.com (2 de março de 2012). Construimos casi mil hospitales en cinco años: Calderón. Visitado em 6 de outubro de 2014.
  13. Novedades Acapulco (28 de junho de 2011). Título não preenchido, favor adicionar. Visitado em 6 de outubro de 2014.
  14. Fox News (26 de junho de 2006). Mexican rivals have different world views.
  15. People (10 de abril de 2007). Mexican summit set relaunch Puebla-Panama Plan. Visitado em 6 de outubro de 2014.
  16. Calderón gives life to Puebla-Panama Plan (23 de abril de 2007).
  17. Milenio. Se comprometen países del PPP a enfrentar juntos el crimen organizado.
  18. Latin News (3 de julho de 2008). Calderón shakes up PPP integration scheme. Visitado em 6 de outubro de 2014.
  19. The Washington Post (7 de março de 2007). An answer for Hugo Chávez. Visitado em 6 de outubro de 2014.
  20. PBS. Mexico Immigration Timeline.
  21. Cámara de Diputados del Congreso de la Unión. Ley de Migración.
  22. El Universal (17 de dezembro de 2009). Premian a Calderón en Dinamarca.
  23. Mexico captures Diaz Parada drug cartel leader Reuters (17 de janeiro de 2007). Visitado em 20 de outubro de 2014.
  24. Police disarmed in Mexican town BBC News (29 de dezembro de 2007). Visitado em 20 de outubro de 2014.
  25. Lores, Raul Juste (20 de maio de 2007). Poder da droga é imbatível, diz mexicano Folha de S. Paulo. Visitado em 20 de outubro de 2014.
  26. Interview transcript: Felipe Calderón Financial Times (23 de janeiro de 2007). Visitado em 20 de outubro de 2014.
  27. AFP (2010). US ambassador warns of more Mexico violence: reports The Free Library. Visitado em 20 de outubro de 2014.
  28. México, entre países con mayor tasa de homicidios: ONU El Universal (6 de outubro de 2011). Visitado em 20 de outubro de 2014.
  29. Charles Bowden on "Murder City: Ciudad Juárez and the Global Economy’s New Killing Fields" Democracy Now! (14 de abril de 2010). Visitado em 20 de outubro de 2014.
  30. Grupo Reforma. Primera Evaluación al Presidente Felipe Calderón.
  31. Reuters (1 de setembro de 2008). Calderón's approval rating.
  32. CNN México (2 de abril de 2012). Encuesta de reforma revela aumento en aprobación de Calderón. Visitado em 7 de outubro de 2014.
  33. Merlos, Andrea; Arvizu, Juan (24 de março de 2009). Diputados debaten por Orden del Baño a Calderón El Universal.
  34. Monare, Moshoeshoe (6 de março de 2010). Zuma's taste of British protocol IOL News. Visitado em 20 de outubro de 2014.
  35. EFE (06 de junho de 2014). Concede España a EPN el Collar de la Orden de Isabel la Católica Noticieros Televisa. Visitado em 20 de outubro de 2014.
  36. EFE (6 de agosto de 2007). Presidente mexicano elogia Lula por sua liderança internacional G1. Visitado em 20 de outubro de 2014.
  37. EFE (21 de março de 2007). Bachelet recebe condecoração no México e dá medalha a Calderón Folha Online. Visitado em 20 de outubro de 2014.
Precedido por
Vicente Fox
Presidente do México
20062012
Sucedido por
Enrique Peña Nieto
Ícone de esboço Este artigo sobre um político é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.