Festival de música SWU

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou secção cita fontes fiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde novembro de 2011). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde novembro de 2011). Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.
SWU Music & Arts Festival
Começa com você
Período de a(c)tividade 2010 - atualmente
Fundador(es) Eduardo Fischer
Local(is) Brasil Itu, São Paulo (2010)
Brasil Paulínia, São Paulo (2011) e (2012)
Data(s) 09,10 e 11 de outubro de 2010
12,13 e 14 de novembro de 2011
Página oficial SWU - Site Oficial

O SWU Music & Arts Festival (acrônimo de Starts With You) é um festival de música e Sustentabilidade realizado anualmente no interior de São Paulo. O Evento é idealizado pelo publicitário Eduardo Fischer.

O evento reúne artistas de diversos gêneros e estilos em 3 dias de muita música e consciência.

Historia[editar | editar código-fonte]

Desde Junho de 2009, surgiram especulações sobre uma possível edição do Woodstock em Nova York, em comemoração dos 40 anos do festival original, pelo co-fundador Michael Lang. No entanto em Agosto do mesmo ano a ideia foi abandonada e o festival cancelado.

Porém, no início de 2010, começaram os boatos de que seria realizado um 'Woodstock Brasil'[1] ,com especulações de quais seriam as bandas e o local. Após vários rumores, em Julho do mesmo ano foi confirmado o festival, mas com nenhuma ligação ao Woodstock, e sim com nome de SWU Festival [2] . Ao Longo dos meses foram se confirmando as atrações.

Organização[editar | editar código-fonte]

O Evento visa a abordar vários assuntos. Além da música e da arte, a Sustentabilidade é um dos assuntos principais a ser tratado no SWU. Toneladas de lixo produzidos no festival foram coletados e reciclados, em vários latões, além das campanhas de preservação do meio ambiente. Além dos palcos musicais, existe o Fórum da Sustentabilidade, em que artistas apoiadores da causa,e pessoas de importância do meio, discutem sobre o tema com o público.

A edição de 2011 teve uma novidade: Uma amostra de curtas e animações ao ar livre, patrocinada pela EcoVision, uma instituição italiana que promove um festival de cinema sobre sustentabilidade. A sessões serão das 20h às 03h.[3]

Lineup[editar | editar código-fonte]

SWU 2010[editar | editar código-fonte]

Entre os dias 9, 10 e 11 de outubro, em Itu, ocorreu a primeira edição do festival, com mais de 70 atrações passaram pelos 2 palcos principais, Água/Ar e palco OI Novo Som, que contou com bandas do cenário independente e nomes da música brasileira e internacional. Além dos astros da música eletrônica que se apresentaram no Heineken Greenspace. Estima-se que o público superou a marca de 150 mil pessoas.

Palcos
Ar Água Oi Novo Som Heineken Greenspace
Dia 9
Dia 10
Dia 11

SWU 2011[editar | editar código-fonte]

A segunda edição do festival aconteceu nos dias 12, 13 e 14 de novembro em Paulínia, no "Distrito de Sustentabilidade", São Paulo. E contará, ainda, com mais de 70 atrações de diversos gêneros do Rock, Pop, Hip Hop e muito mais, numa área de 1.700.000 metros quadrados; numa versão atualizada do Woodstock 1969 (em Nova York). Segundo a organização do evento, cerca de 180 mil pessoas passaram pelo festival.[4]

Line-up e Palcos
Energia Consciência New Stage Heineken Greenspace
Dia 12
Dia 13
Dia 14
  • Ricardo Bellini
  • Dubshape
  • M.A.N.D.Y
  • Joris Voorn e Nic Fanciulli.
  • Gui Boratto
  • Layo & Bushwacka
  • Loco Dice
  • Sven Väth

Principais Atrações[editar | editar código-fonte]

2010[editar | editar código-fonte]

Rage Against the Machine: Um dos shows mais esperados do festival foi o do RATM, que tocou pela primeira vez na America Latina. Após a música "Know Your Enemy", o show foi paralisado, pois várias pessoas invadiram a pista Premium do local o que causou um tumulto, com grades voando para todo lado. A equipe da segurança e o vocalista do grupo pediram que todos dessem 3 passos para trás. Depois de 5 minutos o show continuou. O show parou novamente após "Township Rebellion", dessa vez por que pessoas estavam espremidas nas divisorias entre a plateia e o palco. Após outra música, o show foi parado pela 3ª vez, agora devido a problemas técnicos com o som. Logo após tudo correu bem, e a banda encerrou o show com o sucesso "Killing in the Name".

Avenged Sevenfold: A banda californiana apresentou um grande show tendo como convidado o baterista Mike Portnoy que participou de um curto período da banda após a morte do antigo baterista The Rev. Foram tocadas sucessos como Almost Easy, Nightmare e Afterlife, porem o ponto alto do show e mais emocionante foi a música Critical Acclaim no qual o baterista The Rev fazia o backvocal, e em sua homenagem era colocado um playback com sua voz enquanto emocionado o vocalista M. Shadows olhava para cima.

Joss Stone: Joss interagiu com o público, chegando até a sentar no palco. A cantora foi bem recebida e muito ovacionada pelo público. O ponto alto do show foi quando a cantora subiu nas caixas de som da beirada do palco para cantar com todos o single "Feel in Love with a Boy" e logo após quando encerrou o show com o hit "Right to be Wrong".

Dave Matthews Band: Com apenas 12 músicas fizeram um show de 2 horas e ainda voltaram para um 'bis' com um cover de Jimi Hendrix tocando "All Along the Watchtower".

Kings of Leon: Tocou hits como "Sex on Fire" e "Use Somebody". O vocalista Caleb Followill disse estar feliz em saber, que a maioria do público do dia, foi ao SWU especialmente para ver sua banda.

Queens of the Stone Age: Com atraso de 50 minutos, a banda animou o público por cerca de 1 hora e meia com hits como "Go With the Flow, "No One Knows", "Little Sister", "Sick,Sick,Sick" e "Feel Good Hit of the Summer", e encerrou o show com a caótica "Song for the Dead".

Pixies: A Banda, que assumidamente voltou aos palcos por questões financeiras,levantou até os mais novos com o hit "Here Comes Your man" e logo após com "Monkey Goes to Heaven". A baixista Kim Deal agradeceu o carinho do público diversas vezes. Após 22 músicas a banda saiu do palco, mas logo voltou e tocaram mais 3 músicas; entre elas "Where's My Mind?", para depois fechar o show com "Gigantic"

Linkin Park: A banda mais esperada do festival fez o chão tremer durante quase 2 horas com seus hits "Numb", "Crawling", "Faint" ,"Breaking the Habit" e "The Catalyst".

2011[editar | editar código-fonte]

Faith No More: A banda fez um histórico show no encerramento da segunda edição do festival. Após ter sido apresentada pelo criador da Livroteca Guardiã de Pernambuco, Ricardo Gomes, a banda tocou sucesso como "Epic", "Easy", "From Out of Nowhere" e "King for a Day". No meio do show, o vocalista Mike Patton se aventurou como câmera e tentou filmar a banda, mas acabou caindo. Depois, o cantor desceu do palco e subiu nas grades que sepravam o público e quase pulou, sendo impedido por alguns seguranças. Mike ainda cantou "Evidence" em português, e chamou as crianças do Coral da Gente, de Heliópolis, para fazer os backing vocals em "Just a Man".

Black Eyed Peas: Em um de seus últimos shows antes de uma longa pausa, o quarteto americano não decepcionou os fãs esbanjando energia nos hits "Imma Be", "My Humps", "Big Girls Don't", "Pump it" e "Where is the Love?". Fergie agradeceu diversas vezes o público e disse que amava o Brasil. Após o bis a banda continuou com "Boom, Boom Pow" e "The Time". A banda encerrou o show com o mega hit "I Gotta Feeling" onde Taboo pulou no meio do público para dançar. Ao final da música Fergie e will.i.am fizeram uma jam cantando "With or Without You" do U2 e "Taj Mahal" de Jorge Ben Jor.

Alice in Chains: Outro show bastante esperado da segunda edição do festival, foi o da banda americana Alice in Chains. Mesmo debaixo de muita chuva e com William DuVall nos vocais, os fãs cantaram do início ao fim sucesso como "Them Bones", "Angry Chair", "Would?", "Nutshell" e "Man In the Box", além de músicas do mais recente disco da banda Black Gives Way to Blue de 2009.

Lynyrd Skynyrd: Considerada a melhor banda de Southern Rock ao lado da The Allman Brothers Band, e uma das melhores do rock clássico, o Lynyrd Skynyrd tocou pela primeira vez na América do Sul, e emocionou a todos com os hits "Sweet Home Alabama", "Simple Man" e "Free Bird", no encerramento da segunda noite do festival.

Peter Gabriel & The New Blood Orchesta: Após a confusão entre sua equipe e a banda Ultraje a Rigor, Peter e sua orquestra subiram ao palco para apresentar um reportório de canções refinadas e quase teatrais. No meio do show, a apresentadora Didi Wagner, foi ao palco explicar que a filha de Peter, Anna, tem um projeto chamado "The Voice Projetc" que se comunica com crianças recrutadas por exércitos africanos via rádio, e pediu para que todo o público gritasse "voltem pra casa" no dialeto do Congo, e que isso seria gravado e transmitido nas rádios do país nos dias seguintes. O público atendeu ao pedido e protagonizou um dos momentos mais bonitos do festival.

Curiosidades e Polêmicas[editar | editar código-fonte]

Broom icon.svg
Seções de curiosidades são desencorajadas pelas políticas da Wikipédia.
Ajude a melhorar este artigo, integrando ao corpo do texto os itens relevantes e removendo os supérfluos ou impróprios.
  • A transmissão do show da banda Rage Against the Machine foi realizado pelo canal Multishow. Após a 8ª música o vocalista da banda vestiu um boné do MST e foi feito um corte, o apresentador Beto Lee apareceu anunciando o fim da transmissão. No dia seguinte um comunicado oficial[5] dizia que pessoas, na hora do tumulto da pista VIP, invadiram o espaço da transmissão e acabaram quebrando algumas câmeras e botando em risco a segurança dos profissionais ali presentes e, por isso, a transmissão foi encerrada.
  • Forte chuva na noite de 29 de outubro de 2011 levou ao chão parte da estrutura do evento em Paulínia há duas semanas antes do início do festival [6] . Foi necessário o aumento do número de trabalhadores para levantar toda a estrutura e a organização do evento descartou a possibilidade de alteração nas datas do Festival SWU 2011[7] .
  • A maior polêmica da segunda edição do festival, foi a briga entre os produtores de Peter Gabriel e os roadies do Ultraje a Rigor durante o show da banda. Tudo começou porque a forte chuva e os ventos atrapalharam o show da banda Tedeschi Trucks Band, atrasando em uma hora o show do Ultraje a Rigor. A produção de Peter Gabriel irritada, pressionou a banda a encurtar o show em meia hora, e ameaçou cancelar o show. Uma discussão começou e depois da primeira música do show, o produtor de Peter foi para cima de Trovão, irmão de Roger, e uma confusão começou na lateral do palco. Depois de algumas trocas de socos tudo se acalmou, mas o vocalista da banda continuou a fazer provocações e reclamações, e a equipe de Peter tentou desligar os amplificadores da banda. O público, confuso, passou a xingar o cantor Chris Cornell que se apresentaria no mesmo palco. Depois de 13 músicas, a equipe do SWU foi logo retirando os equipamentos do Ultraje a Rigor. Roger ainda tentou emendar o sucesso "Marilou" mas foi impedida pela organização do evento que literalmente expulsou a banda do palco.[8] .
  • Outro fato que marcou a edição 2011 do festival foi o truculento e confuso show da banda Hole no palco New Stage. Primeiro ao ver uma fã com uma camiseta que a citava, Courtney Love pediu para vestir a mesma. Na troca de roupa, a vocalista deixou seus seios a mostra propositalmente. Depois começou a errar algumas músicas, e começou a falar de seu relacionamento com Billy Corgan, vocalista do Smashing Pumpkins. O estopim foi quando a cantora viu um cartaz com a foto de seus falecido marido Kurt Cobain, do Nirvana. Ela começou a xingar o dono do cartaz e o vocalista do Foo Fighters e ex Nirvana, Dave Grohl. Logo após o fato, Courtney e a banda saíram do palco ameaçando ir embora. Depois o guitarrista Micko Larkin, disse que a banda só voltaria se o público gritasse "Os Foo Fighters são gays". o pedido foi atendido, a banda voltou, e terminou o show.[9]

Futuro[editar | editar código-fonte]

Não foram divulgadas datas de futuras edições do festival, nem ações atreladas do mesmo. A concorrência direta com os maiores festivais de rock do Brasil, Lollapalooza (SP) e Rock in Rio (RJ), podem contribuir para dificultar uma nova edição.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]