Grândola, Vila Morena

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Mural alusivo em Grândola.

"Grândola, Vila Morena"' é uma canção composta e cantada por Zeca Afonso que foi escolhida pelo Movimento das Forças Armadas (MFA) para ser a segunda senha de sinalização da Revolução dos Cravos. A canção refere-se à fraternidade entre o povo de Grândola, vila do Alentejo. À meia noite e vinte minutos do dia 25 de Abril de 1974, a canção foi transmitida pelo programa independente Limite através da Rádio Renascença como sinal para confirmar o início da revolução. Também por esse motivo, transformou-se em símbolo da revolução, assim como do início da democracia em Portugal.

História[editar | editar código-fonte]

A canção foi incluída no álbum Cantigas do Maio, gravado em dezembro de 1971, disco que conta com os arranjos e direcção musical de José Mário Branco. «Grândola, vila morena» é a quinta faixa do álbum, gravado em Hérouville, França entre 11 de outubro e 4 de novembro de 1971.

Zeca Afonso estreou a canção em Santiago de Compostela (capital da Galiza) em 10 de Maio de 1972.

No dia 29 de março de 1974, «Grândola, vila morena» foi cantada no encerramento de um espectáculo no Coliseu de Lisboa. Na assistência estavam militares do MFA, que viriam a escolher a canção como uma das senhas para o arranque da Revolução dos Cravos. Curiosamente, para esse espectáculo a censura havia proibido a interpretação de várias canções de Zeca, entre as quais «Venham mais cinco», «Menina dos olhos tristes», «A morte saiu à rua» e «Gastão era perfeito».

À meia-noite e vinte minutos da madrugada do dia 25 de Abril de 1974, a «Grândola, vila morena» foi tocada no programa independente Limite transmitido através da Rádio Renascença. Era a senha para o arranque definitivo e simultâneo em todo o País das operações e despoletava o avanço das forças organizadas pelo MFA. O primeiro sinal, tocada cerca de hora e meia antes, às 22 horas e 55 minutos do dia 24 de Abril, foi a música «E depois do adeus», cantada por Paulo de Carvalho, através doa Emissores Associados de Lisboa, audível apenas na capital.

Pouco antes da sua morte, Zeca Afonso e vários amigos seus galegos cantaram ao vivo e gravaram uma nova edição da canção na Homenagem da Galiza a José Afonso.

Ainda na década de 1970, Nara Leão lançou no Brasil, em compacto simples, a canção.

Em 1987 foi regravada pelo grupo de rock brasileiro 365, no seu LP Mix da Música São Paulo, constando na sétima faixa com o nome de «Vila Morena».

Em Fevereiro de 2013, o primeiro-ministro Pedro Passos Coelho falava no debate quinzenal com os deputados quando foi interrompido pelo movimento "Que se lixe a troika! Queremos as nossas vidas!" a cantar "Vila Morena" como forma de protesto contra as políticas económicas de seu governo e da troika.[1] [2] [3] Dias depois esta mesma música foi cantada em Madrid na Puerta del Sol, pelo Movimiento 15-M aquando de uma manifestação.[4] [5] No dia 18 de Fevereiro, num encontro promovido pelo Clube dos Pensadores, o Ministro Adjunto e dos Assuntos Parlamentares, Miguel Relvas, foi igualmente interrompido por manifestantes ao som do Grândola, tendo chegado a entoar alguns versos da música.[6] [7] [8]

Letra[editar | editar código-fonte]

Grândola, vila morena
Terra da fraternidade
O povo é quem mais ordena
Dentro de ti, ó cidade
Dentro de ti, ó cidade
O povo é quem mais ordena
Terra da fraternidade
Grândola, vila morena
Em cada esquina um amigo
Em cada rosto igualdade
Grândola, vila morena
Terra da fraternidade
Terra da fraternidade
Grândola, vila morena
Em cada rosto igualdade
O povo é quem mais ordena
À sombra duma azinheira
Que já não sabia a idade
Jurei ter por companheira
Grândola a tua vontade
Grândola a tua vontade
Jurei ter por companheira
À sombra duma azinheira
Que já não sabia a idade

Referências

  1. Madalena Salema (15 de Fevereiro de 2013). Debate quinzenal marcado pela "Grândola Vila Morena" e pelo recorde do desemprego RTP. Página visitada em 22 de Fevereiro de 2013.
  2. "Grândola, Vila Morena" interrompe Passos Coelho no debate quinzenal SIC Noticias (15 de Fevereiro de 2013). Página visitada em 22 de Fevereiro de 2013.
  3. Leonardo Negrão (15 de Fevereiro de 2013). Discurso de Primeiro-Ministro interrompido por "Grândola Vila Morena" Dinheiro Vivo. Página visitada em 22 de Fevereiro de 2013.
  4. Milhares de espanhóis manifestaram-se ao som de Grândola Vila Morena em Madrid Visão (17 de Fevereiro de 2013). Página visitada em 22 de Fevereiro de 2013.
  5. «Grândola, Vila Morena» também se canta em Madrid TVI24 (17 de Fevereiro de 2013). Página visitada em 22 de Fevereiro de 2013.
  6. Alexandra Campos (20 de Fevereiro de 2013). Manifestantes cantam o Grândola, Vila Morena ao ministro da Saúde Público. Página visitada em 22 de Fevereiro de 2013.
  7. Pedro Sales Dias (18 de Fevereiro de 2013). Relvas interrompido por “Grândola Vila Morena”: “Governo só vai embora em 2015 se portugueses quiserem” Público. Página visitada em 22 de Fevereiro de 2013.
  8. Grândola Vila Morena: A história da música que voltou para irritar ministros Dinheiro Vivo (20 de Fevereiro de 2013). Página visitada em 22 de Fevereiro de 2013.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

  • Peculiar versión de "Grândola vila morena" en YouTube, con motivo del 20 aniversario de la muerte de Jose Afonso:

http://es.wikipedia.org/wiki/Gr%C3%A2ndola,_Vila_Morena#Enlaces_externos_.28y_fuentes.29