Hidroclorotiazida

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Estrutura química de Hidroclorotiazida
Hidroclorotiazida
Star of life caution.svg Aviso médico
Nome IUPAC (sistemática)
9-cloro-5,5-dioxo-5^6-tia-2,4-
diazabiciclo[4.4.0]deca-6,8,10-triene-8-

sulfonamida

Identificadores
CAS 58-93-5
ATC C03AA03
PubChem 3639
DrugBank APRD00092
Informação química
Fórmula molecular C7H8N3ClO4S2 
Massa molar 297,741 g/mol
Farmacocinética
Biodisponibilidade 50-60%
Ligação a proteínas 67.9%
Metabolismo Não metabolizado
Meia-vida 5,6 a 14,8 horas
Excreção Renal
Considerações terapêuticas
Administração Oral
DL50  ?

A hidroclorotiazida é um diurético tiazídico usado principalmente na hipertensão arterial.

Antigamente utilizado em altas doses (>50 mg) provocava complicações como hipocaliémia, hiperuricemia e outros distúrbios metabólicos. Hoje é utilizado em doses menores, (12,5 e 25 mg), graças em parte ao surgimento de outros fármacos que podem ser usados conjuntamente, permitindo assim um melhor controle com doses menores de cada um dos medicamentos individualmente. Nestas concentrações, possui um perfil de efeitos colaterais semelhante ao placebo.

O estudo americano ALLHAT demonstrou que não só é tão eficaz quanto outras drogas, mas também previne mais complicações cardiovasculares (AVC e IAM) que outras drogas. Associado ao seu baixo custo, factor importante numa terapia que se pode prolongar para o resto da vida, faz dele um fármaco de primeira linha no controlo da hipertensão. Actualmente perdeu importância face à clorotalidona, um fármaco mais potente e de maior semi-vida, que provou ter melhores resultados cardiovasculares (ALLHAT).

Farmacodinâmica[editar | editar código-fonte]

A hidroclorotiazida pertence ao grupo dos saluréticos e atua no tubulo distal do nefron a nível do cotransportador sensível das tiazidas (TSC) que é um canal de simporte Na+/Cl-. Deste modo há uma maior excreção de NaCl e de água (por efeito osmótico). Esta perda de água aumenta a diurese e diminuí o volume líquido extracelular e consequentemente baixa a pressão sanguínea.

Inicialmente as tiazidas foram sintetizadas com o objetivo de serem inibidoras da anidrase carbónica (outra classe de diuréticos que diminui a reabsorção de HCO3- e, indirectamente, de Na+). Contudo as tiazidas (incluindo a hidroclorotiazida) são inibidores muito fracos da anidrase carbónica, não sendo este o alvo terapêutico.

Farmacocinética[editar | editar código-fonte]

a concentração máxima de hidroclorotiazida é atingida após 1,5-2 horas de sua administração oral em associação à olmesartana medoxomila. A ligação de hidroclorotiazida às proteínas plasmáticas é de 68% e o seu volume aparente de distribuição é 0,83-1,14 l/kg. Quando os níveis plasmáticos de hidroclorotiazida foram acompanhados por, no mínimo, 24 horas, a meia-vida variou entre 5,6 e 14,8 horas. Não é metabolizada, mas é eliminada rapidamente pelo rim. No mínimo, 60% da dose oral é eliminada inalterada dentro de 48 horas. O clearance renal está entre 250-300 ml/min e a meia-vida de eliminação é de 10-15 horas.


Ícone de esboço Este artigo sobre fármacos é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.