Idiocracy

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Idiocracy
Terra de Idiotas (PT)
Idiocracia (BR)
Pôster promocional
 Estados Unidos
2006 • cor • 84 min 
Direção Mike Judge
Produção Mike Judge
Elysa Koplovitz
Michael Nelson
Roteiro Mike Judge
Etan Cohen
Narração Earl Mann
Elenco Luke Wilson
Maya Rudolph
Dax Shepard
Terry Alan Crews
Gênero Comédia
Ficção científica
Humor negro
Idioma Inglês
Música Theodore Shapiro
Cinematografia Tim Suhrstedt
Edição David Rennie
Estúdio Judgemental Films
Distribuição 20th Century Fox
Lançamento Estados Unidos 1 de setembro de 2006
Orçamento US$2-4 milhões
Receita US$495,303 (mundialmente)[1]
Página no IMDb (em inglês)

Idiocracy, tendo os títulos provisórios The United States of Uhh-merica e 3001 (no Brasil, Idiocracia e em Portugal, Terra de Idiotas) é um filme de humor negro de 2006, uma comédia de ficção científica dirigida por Mike Judge, e estrelando Luke Wilson, Maya Rudolph, Dax Shepard, e Terry Crews. O filme conta a história de duas pessoas que participam de um experimento científico militar de hibernação que dá errado, e eles despertam 500 anos no futuro, em 2505. Descobrem então, que o mundo agora vive numa sociedade distópica em que a publicidade, o marketing, o consumismo, o mercantilismo, e anti-intelectualismo cultural funcionam desenfreadamente e que a pressão disgênica resultou numa sociedade humana uniformemente estúpida, insensível ao meio ambiente, desprovida de curiosidade intelectual, responsabilidade social, e noções coerentes de justiça e direitos humanos.

O diretor e roteirista do filme, Mike Judge, escreveu Idiocracy como um meio para cumprir o seu contrato de dois filmes na 20th Century Fox e encontrar um local para expressar seu ponto de vista sobre a trajetória da sociedade estadunidense. Imaginado como um "2001 que deu errado", onde a sociedade piorou em vez de melhorar, Judge atraiu Luke Wilson para o projeto. A Fox, no entanto, não o lançou quando concluído e não fez nada com ele por quase um ano, não havendo trailers, kits de imprensa, ou projeções para os críticos,[2] antes de liberá-lo apenas em cinemas suficientes para cumprir o acordo de distribuição. Na maioria dos lugares nos EUA onde foi lançado, o título não foi nem enviado, e foi listado como "comédia de Mike Judge sem título".[3] [4] Nem a Fox e Mike Judge deram explicações até então,[2] mas o estúdio posteriormente alegou que o filme foi engavetado porque não foi bem recebido em exibições-teste.[5] Uma outra razão seria que a Fox evitou promover o filme, porque a empresa não quis ofender nem os seus telespectadores ou potenciais anunciantes retratado negativamente no filme,[6] e a própria Fox foi alvo da sátira, como na cena do noticiário da Fox News Channel onde um casal de apresentadores mostra uma reportagem completamente nus. Como consequência, a bilheteria foi de apenas US$495,303 em todo o mundo.[7]

Apesar de sua falta de um grande lançamento nos cinemas, o filme atingiu um culto de seguidores.[8] [3] [4]

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Um bibliotecário do exército dos Estados Unidos, Cabo Joe Bauer (Luke Wilson), e uma prostituta, Rita (Maya Rudolph), são selecionados para um experimento de animação suspensa em razão da aparência "média", inteligência, comportamento, etc. Cafetão de Rita "Upgrayedd" (Brad Jordan), foi subornado para lhe permitir participar. O experimento é esquecido quando o oficial encarregado (Michael McCafferty) é preso. Quinhentos anos depois, câmaras de suspensão de Joe e Rita são desenterrados pelo colapso de uma montanha de pilha de lixo, e câmara de suspensão de Joe quebra através da parede do apartamento de Frito Pendejo (Dax Shepard), cujo ocupante expulsa-lo.

Joe, suspeitando estar com alucinação, entra em um hospital. O ex-Washington, D.C. perdeu a maior parte de sua infra-estrutura, com as pessoas que vivem em barracos de plástico chamados "domistile". A população humana tornou-se morbidamente estúpida, só falam baixos registros de Inglês com competência, e são profundamente anti-intelectualismo. Joe é preso por não ter uma tatuagem de código de barras para pagar a nomeação de seu médico, só então percebendo o ano em curso, 2505, e do estado da sociedade. No julgamento de Joe, Frito faz com que Joe seja enviado para a prisão. Rita retorna à sua antiga profissão.

Joe é renomeado "não sei" por uma máquina de tatuagem de identidade com defeito, e leva um teste de QI, antes de fugir. Uma vez que Joe está livre pede a Frito se ele conhece uma máquina do tempo existente para voltar a 2005, e Frito concorda em ajudar após Joe promete abrir uma conta bancária em nome da Frito em vez de Joe, que será no valor de bilhões em 2505. No caminho para a máquina do tempo, Joe e Frito chegar a uma gigantesca loja Costco, onde um scanner identifica a tatuagem de Joe como um fugitivo. Ele é levado para a Casa Branca, onde ele é nomeado Secretário do Interior, com o fundamento de que o seu teste de QI o identificou como o homem mais-inteligente vivo. Em discurso, o presidente Camacho (Terry Crews) dá a Joe a tarefa de resolver, dentro de uma semana, a escassez de alimentos do país, que se formou numa Dust Bowl, um fenômeno climático de tempestade de areia, e a economia paralisada; após Joe descobrir que as plantações do país são irrigadas com uma bebida esportiva denominada "Brawndo", cuja corporação pai epónimo tinha comprado o FDA, FCC e USDA. Quando Joe o substituí com água, sem melhorar visivelmente as plantações, as ações da Brawndo cai para zero, e metade da população perde seus empregos, provocando distúrbios em massa.

Joe é condenado a morrer em um caminhão monstro numa corrida de demolição contra um invicto reabilitado (Andrew Wilson), quando Rita descobre que a reintrodução de água de Joe ao solo fez aparecer a vegetação nos campos. Frito mostra as colheitas na tela de exibição do estádio, e Camacho dá a Joe o perdão total, nomeando-o vice-presidente. Joe e Rita descobrem que a máquina do tempo que Frito falou de é na verdade, um parque temático de viagem histórica imprecisa. Após a aposentadoria de Camacho, Joe é eleito Presidente. Joe e Rita se casam e ela engravida das três crianças mais inteligentes do mundo, enquanto Frito, agora vice-presidente, teve oito esposas e virou pai das 32 crianças mais estúpidas do mundo. Uma cena pós-créditos mostra uma terceira câmara de suspensão liberando Upgrayedd, com a intenção de trazer Rita de volta.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Produção[editar | editar código-fonte]

Títulos inicial do filme seria The United States of Uhh-merica[9] e 3001. Filmagem ocorreram em 2004 em vários estágios na Austin Studios[10] [11] e nas cidades de Austin, San Marcos, Pflugerville, e Round Rock, Texas.[12] O ator Artie Lange fez um teste para participar do filme.[13]

Sessões de teste começaram em março 2005 produzindo relatórios não oficiais de reações fracas do público. Depois de alguma refilmagem no verão de 2005, uma exibição de teste no Reino Unido em agosto produziu um relatório de uma impressão mais positiva.[14]

Lançamento[editar | editar código-fonte]

Data de lançamento original de Idiocracy foi em 5 de agosto de 2005, de acordo com Mike Judge.[15] Em abril de 2006, a data de lançamento foi marcada para 1 de setembro de 2006. Em agosto, inúmeros artigos[16] revelaram que o lançamento era para ser colocada em espera indefinidamente. Idiocracy foi lançado, como previsto, mas apenas em sete cidades (Los Angeles, Atlanta, Toronto, Chicago, Dallas, Houston, e de na cidade natal de Mike Judge, Austin, Texas),[11] e se expandiu para apenas 130 cinemas,[17] não fazendo uso das usuais ampliações de lançamento de 600 ou mais cinemas.[18] De acordo com o Austin American-Statesman, 20th Century Fox, distribuidora do filme, não fez nada para promover o filme;[11] enquanto cartazes foram lançado nos cinemas, "não há trailers do filme, sem anúncios, e apenas duas fotografias"[19] e não há kits de imprensa foram lançados.[20]

O filme não foi exibido para os críticos.[21] A falta de informações concretas de Fox levaram à especulação de que o distribuidor pode ter tentado ativamente manter o filme de ser visto por um grande público, ao cumprir uma obrigação contratual da versão do cinema estar à frente de um lançamento do DVD, de acordo com Ryan Pearson da AP.[17] Essa especulação foi seguida de crítica aberta à falta de apoio do estúdio de Ain't It Cool News, Time, e Esquire.[22] [23] [24] Joel Stein da Time escreveu "anúncios e trailers do filme testados escandalosamente", mas, "ainda, abandonar Idiocracy parece particularmente injusto, uma vez que Judge fez um monte de dinheiro para a Fox".[23]

No The New York Times, Dan Mitchell argumentou que a Fox pode estar se afastando do conto de advertência sobre baixa inteligência disgênica, porque a empresa não quis ofender nem os seus telespectadores ou potenciais anunciantes retratado negativamente no filme[6] notando que no filme, serviço Starbucks oferece punhetas, e o lema da Carl's Jr. foi degenerado de "Não me incomode. Eu estou comendo." para "Foda-se! eu estou comendo!"[25]

Desempenho nas bilheterias[editar | editar código-fonte]

Filme Data de lançamento Receitas de bilheteria Ranking de bilheteria Orçamento Referência
Estados Unidos Estados Unidos Internacional Mundial Apenas nos Estados Unidos No resto do mundo
Idiocracy Setembro de 2006 $444,093 $51,210 $495,303 #6,914 Desconhecido Desconhecido [26]

Receitas de bilheteira totalizaram $444,093 em 135 cinemas nos Estados Unidos[7]

Recepção crítica[editar | editar código-fonte]

Idiocracy não foi exibido para os críticos, mas o filme recebeu críticas favoráveis. Positivamente focado em conceito, elenco, e humor; a maior parte da crítica foi direcionada a questões do lançamento do filme ou em efeitos especiais e problemas de enredo.[27] Escrevendo para o Entertainment Weekly, Joshua Rich afirmou que "Mike Judge nos implora para refletir sobre um futuro em que a Britney e K-Fed são como o novo Adão e Eva".[28] Nathan Rabin do AV Club encontrou Luke Wilson "perfeitamente moldado [...] como um homem comum por excelência"; e escreveu sobre o filme: "Como a ficção científica muito superior, Idiocracy usa um futuro fantástico para comentar sobre um presente".[21]

Em outros países, o filme foi revisado positivamente. John Patterson, crítico para o The Guardian, escreveu que "Idiocracy não é uma obra-prima, mas é infinitamente engraçado", e da popularidade do filme, descreveu ter visto o filme "em uma casa meio vazia. Dois dias mais tarde, no mesmo lugar, mesmo show—lotado".[29]

No Brasil, a revista Veja chamou o filme de "politicamente incorreto", recomendou que os leitores vejam o DVD, e escreveu "...o filme passou voando pelos cinemas americanos e nem estreou nos brasileiros. Prova de que o futuro vislumbrado por Judge não está assim tão distante".[30] Crítico Alexandre Koball do CinePlayers, deu ao filme uma pontuação de 5/5, juntamente, escrevendo, "Idiocracy não é exatamente um filme recomendável. Nem para os amantes de comédias, pois não é exatamente engraçado, e muito menos para quem gosta de ficção científica e filmes sobre a vida no futuro, pois não é inovador na apresentação do mundo que cria. Mas é um filme feito para pensar, nem que seja por meros cinco minutos. E por isso, consegue ficar um ponto acima em relação à horrível média das comédias lançadas nos últimos anos no cinema norte-americano".[31] Já o site JoBlo em sua coluna O Melhor Filme Que Você Nunca Viu disse que o filme é ótimo e uma das melhores sátiras sociais modernas já feitas, escrevendo que "No entanto, acho que Idiocracy é mais uma comédia de advertência, que fala muito sobre onde estamos, para onde vamos e como contornar um mundo onde ver Big Brother e sobreviver apenas pelo alfabetismo funcional é mais importante do que ler livros".[3] [4]

Rotten Tomatoes retornou uma classificação de 73% "fresco" com base em 41 avaliações de críticos,[32] e Metacritic deu uma pontuação de 64% com base em 8 críticos.[33]

Home media[editar | editar código-fonte]

Idiocracy foi lançado em DVD em 9 de janeiro de 2007 com cenas e proporções de tela mudadas, cenas deletadas, faixas de idiomas inglês e espanhol, e legendas em inglês, espanhol e francês. Em fevereiro de 2007, ele tinha ganhado $9 milhões em aluguel de DVD, mais de 20 vezes a sua receita de bilheteria nos EUA de menos de $450,000.[34]

No Reino Unido, as versões sem cortes do filme foram mostrados no canal por satélite Sky Comedy em 26 de fevereiro de 2009, com a estreia por televisão digital terrestre exibida na Film4 no dia 26 de abril de 2009.

No Brasil, o filme foi lançado diretamente em vídeo.[2]

Spin-off[editar | editar código-fonte]

Em agosto de 2012, Crews disse que estava em negociações com o diretor Judge e Fox sobre uma possível spin-off de Idiocracy com seu personagem Presidente Camacho, inicialmente concebido como uma websérie.[35] Uma semana antes das eleições estadunidenses de 2012, ele repetiu o personagem em um série de curtas para o site Funny or Die.

Análise[editar | editar código-fonte]

A idéia de uma sociedade distópica baseada na disgenia não é nova. No romance de ficção científica The Time Machine de H. G. Wells' postula uma sociedade descentralizada dos seres humanos, assim como o conto "The Marching Morons" de Cyril M. Kornbluth, semelhante ao "Epsilon-minus Semi-Morons" do livro de Aldous Huxley, Admirável Mundo Novo.[36] [37]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Box Office Summary (BoxOfficeMojo)
  2. a b c Jones Rossi (14 de fevereiro de 2014). "Idiocracy": o melhor filme do ano que ninguém viu G1 Glob.com. Visitado em 30 de novembro de 2014.
  3. a b c Paul Shirey (15 de junho de 2013). The Best Movie You Never Saw: Idiocracy JoBloc.com. Visitado em 30 de novembro de 2014.
  4. a b c Clare Neumann. Idiocracia – Um dos melhores filmes que você provavelmente nunca viu Legião dos Heróis. Visitado em 30 de novembro de 2014.
  5. Sérgio Dávila (1 de outubro de 2006). O mundo será dos idiotas Revista da Folha da Folha de São Paulo UOL. Visitado em 30 de novembro de 2014.
  6. a b Mitchell, Dan. "Shying away from Degeneracy", September 9, 2006. Página visitada em 2006-11-25.
  7. a b Idiocracy Box Office Mojo Amazon.com. Visitado em 2007-02-02.
  8. Walker, Rob. "This Joke’s for You", The New York Times, 2008-05-04. Página visitada em 2009-05-26.
  9. Pierce, Thomas (January 11, 2007). So What Idiot Kept This Movie Out of Theaters? (3rd item) NPR. Visitado em 2007-02-09.
  10. Idiocracy at Austin Studios. Facilities usage. Austin Studios; Austin Film Society. Visitado em 2010-06-18. Cópia arquivada em 2007-10-08.
  11. a b c Garcia, Chris. "Was 'Idiocracy' treated idiotically?", Austin American-Statesman, August 30, 2006. Página visitada em 2007-02-09.
  12. Texas Film Commission Filmography (2000-2007) Office of the Governor. Visitado em 2010-06-20. Cópia arquivada em 2008-08-22.
  13. Idiocracy AdoroCinema. Visitado em 30 de novembro de 2014.
  14. Mike Judge's Idiocracy Tests! (etc.) Eric Vespe quoting anonymous contributor AintItCoolNews.com (August 22, 2005). Visitado em 2007-02-09.
  15. Franklin, Garth (February 28, 2005). Mike Judge Still Not In "3001" Dark Horizons. Visitado em 2010-08-21. Cópia arquivada em 2008-02-05.
  16. Carroll, Larry (August 30, 2006). MTV Movie File MTV Viacom. Visitado em 2007-02-09.
  17. a b Pearson, Ryan. "The mystery of 'Idiocracy'", September 8, 2006. Página visitada em 2006-11-25.
  18. About Movie Box Office Tracking and Terms. Box Office Mojo. Retrieved 2010-08-28.
  19. Kernion, Jette (October 22, 2006). Time for Mike Judge to go Indie Cinematical.
  20. Patel, Nihar (September 8, 2006). A Paucity of Publicity for 'Idiocracy' Day to Day NPR. Transcript.
  21. a b Rabin, Nathan (September 6, 2006). Idiocracy (review) The A.V. Club The Onion. Visitado em 2007-02-08.
  22. Vespe, Eric (September 2, 2006). Open Letter to Fox re: IDIOCRACY!!! Ain't It Cool News.
  23. a b Stein, Joel. "Dude, Where's My Film?", Time Magazine, September 10, 2006.
  24. Raftery, Brian. (June 1, 2006). "Mike Judge Is Getting Screwed (Again)".
  25. Adawi, Kamal (August 8, 2008). Idiocracy is Pure Genius MBAcasestudysolutions.com. Visitado em 2008-08-10.
  26. Idiocracy (2006) Box Office Mojo. Visitado em 2011-08-19.
  27. Chocano, Carina (September 4, 2006). Movie review : 'Idiocracy' Los Angeles Times calendarlive.com. Visitado em 2010-09-29.
  28. Rich, Joshua. "Idiocracy (2006)", ew.com, August 30, 2006. Página visitada em 2010-09-29.
  29. Patterson, John. "On film : Stupid Fox", The Guardian, September 8, 2006. Página visitada em 2010-09-28.
  30. Idiocracy Veja Editora Abril (21 de março de 2014). Visitado em 30 de novembro de 2014.
  31. Alexandre Koball (12 de abril de 2007). Idiocracy Cineplayers. Visitado em 30 de novembro de 2014.
  32. Idiocracy Rotten Tomatoes. Visitado em 2009-09-08.
  33. Idiocracy Metacritic. Visitado em 2009-09-08.
  34. DVD/ Home Video summary (BoxOfficeMojo)
  35. Yamato, Jen (August 6, 2012). Idiocracy Spin-Off In The Works? Terry Crews Talks Movieline. Visitado em 2012-10-08.
  36. Tremblay, Ronald Michel (November 4, 2009). Humankind’s future: social and political Utopia or Idiocracy? Atlantic Free Press. Visitado em 2010-05-08.
  37. Grigg, William Norman (May 14, 2010). Idiocracy Rising Lew Rockwell. Visitado em 2010-10-02.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]