Igreja Católica Arménia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Igreja Católica Armênia
Հայ Կաթողիկէ Եկեղեցի
Igreja armênica católica.svg
Emblema Oficial
Comunhão com Igreja Católica
Hierarca Patriarca Católico Armênio da Cilícia Nerses Pedro XIX Tarmouni
Cilícia, Líbano
Rito Armeno
Família Ritual Armena
Território Armênia, Nagorno-Karabakh e diáspora
Língua Litúrgica Armeno
Fiéis 539.806[1]
Site oficial www.armeniancatholic.org

A Igreja Católica Arménia (em arménio: Հայ Կաթողիկէ Եկեղեցի Hay Kat'oghike Yeveghets'i) é uma Igreja católica oriental sui juris em plena comunhão com a Igreja Católica. Isto quer dizer que ela, nunca abandonando as suas veneráveis tradições e ritos litúrgicos orientais, aceita a autoridade e primazia do Papa. Unida formal e oficialmente à Santa Sé em 1742, esta Igreja foi fruto de uma cisão ocorrida na Igreja Apostólica Armênia, que não aceita a autoridade papal. A sua sede localiza-se, desde 1749, em Bzoummar (Líbano).

O seu rito litúrgico é de tradição arménia e a sua língua litúrgica é o arménio. Desde 1999, esta Igreja oriental é governada pelo Patriarca arménio Nerses Petros XIX Tarmouni, juntamente com o seu Sínodo, mas sempre sob a supervisão do Papa. Actualmente, tem cerca de 540 mil fiéis, concentrados especialmente na Arménia, Argentina, Europa Oriental (com destaque para a Roménia), Austrália, Canadá, França, Líbano, Síria, Turquia, Roménia e Estados Unidos da América.

História[editar | editar código-fonte]

Após o cisma de 451, que separou as Igrejas não-calcedonianas (que incluiu a Igreja Apostólica Armênia) das Igrejas calcedonianas (que são as Igrejas Ortodoxa e Católica), numerosos bispos apostólicos armênios tentaram restabelecer a comunhão com a Igreja Católica. Em 1195/1198, durante as Cruzadas, os ortodoxos arménios sediados no Reino armênio da Cilícia entraram em comunhão com a Igreja Católica, que durou até a Cilícia ser conquistada pelo Mamelucos em 1375. Esta união foi mais tarde restabelecida no Concílio de Basileia-Ferrara-Florença (em 1441), mas, na prática, não houve efeitos concretos durante séculos.

Em 1740, Abraham Petros I Ardzivian, que tinha anteriormente se tornado um católico, foi eleito Patriarca de Adana (Turquia). Dois anos mais tarde, em 1742, o Papa Bento XIV criou formalmente a Igreja Católica Arménia, encabeçada pelo Patriarca Ardzivian, que foi reconhecido pelo Papa. Em 1749, a sede desta Igreja foi transferida para Bzoummar (Líbano). No século XIX, o Império Otomano reconheceu-a finalmente, dando-lhe o estatuto de millet (ou seja, comunidade etno-religiosa distinta dentro do Império). Durante o terrível genocídio arménio (1915-1918), muitos católicos arménios, naquela altura concentrados principalmente na Cilícia, foram forçados a refugiarem-se em países vizinhos da Turquia, principalmente no Líbano, na Síria e na República Democrática da Armênia. Mais tarde, uma parte deles emigrou para os Estados Unidos e para a Europa.

Notas[editar | editar código-fonte]

  1. [1] Igrejas Católicas Orientais [2008]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre Catolicismo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.