Alice Portugal

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, comprometendo a sua verificabilidade (desde setembro de 2016).
Por favor, adicione mais referências inserindo-as no texto. Material sem fontes poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Emblem-scales.svg
A neutralidade deste(a) artigo ou se(c)ção foi questionada, conforme razões apontadas na página de discussão. (desde setembro de 2016)
Justifique o uso dessa marca na página de discussão e tente torná-lo mais imparcial.
Alice Portugal
Deputada Federal pela Bahia
Período 1º de fevereiro de 2003
até atualidade
(4 mandatos consecutivos)
Deputada Estadual da Bahia
Período 1º de fevereiro de 1995
até 31 de janeiro de 2003
(2 mandatos consecutivos)
Dados pessoais
Nascimento 16 de maio de 1959 (58 anos)
Salvador, BA
Alma mater Universidade Federal da Bahia
Partido PCdoB (desde 1979)
Profissão Farmacêutica
linkWP:PPO#Brasil

Alice Mazzuco Portugal (Salvador, 16 de maio de 1959) é uma química industrial, farmacêutica bioquímica e política brasileira.

É graduada em Farmácia-bioquímica pela Universidade Federal da Bahia em 1981.[1] Sempre filiada ao PCdoB, foi deputada estadual da Bahia de 1995 a 2003, quando foi eleita para a Câmara Federal, tendo sido reeleita em 2006, 2010 e 2014.

Natural de Salvador (BA), Alice Portugal tem um histórico de militância política que começou na luta contra a ditadura militar, no seio do movimento estudantil. Em 1979, filiou-se ao Partido Comunista do Brasil (PCdoB).

Carreira política[editar | editar código-fonte]

Nos anos 70, integrou a direção do DCE-UFBA e participou ativamente da reconstrução da UNE em 1979.

Nos anos 80 e 90, Alice Portugal se consolidou como uma dirigente sindical competente e autêntica. Foi presidente por três mandatos do Sindicato dos Trabalhadores Técnico-Administrativos da UFBA – ASSUFBA, membro da Federação dos Sindicatos Trabalhadores Técnico-administrativos em Instituições Públicas de Ensino Superior do Brasil - FASUBRA.

Participou da Unidade Sindical, fórum que rearticulou o movimento sindical baiano. Fez parte de duas direções da CUT-Ba. Participou da criação da Corrente Sindical Classista, que veio a ser o embrião da atual CTB- Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil.

Traduziu com luta sua indignação à política neoliberal de Collor e FHC. Dirigiu greves por direitos, em defesa da Universidade pública e gratuita, denunciou as privatizações das estatais brasileiras e o desmonte do estado nacional.

Deputada estadual[editar | editar código-fonte]

Em 1994, foi eleita deputada estadual pelo PCdoB, para o período de 1995 a 1998. Recebeu, neste período, todos os troféus conferidos pelo Comitê de Imprensa da Assembleia Legislativa da Bahia aos parlamentares que se destacaram. Foi galhardeada com o Troféu Ruy Barbosa como “Melhor Parlamentar da Legislatura”. Reeleita para o parlamento baiano para o período de 1999 a 2002, a deputada destacou-se como Líder do Bloco da Oposição, mais uma vez premiada pelo Comitê de Imprensa nos anos de 1999 e 2000. Foi titular da Comissão de Educação da Assembleia Legislativa da Bahia, com atuação destacada em defesa da escola pública e dos profissionais do ensino. Participou durante os dois mandatos de diversas comissões temáticas como a presidência da Comissão Especial de Defesa dos Direitos da Mulher, por dois anos consecutivos, realizando neste período o I e II “Encontro sobre Mulher e Política na Bahia”.

Na Assembleia Legislativa, Alice exigiu a abertura de diversas CPI´s, como as que investigam as fraudes no SUS e Fundef, a extinção do IAPSEB, as irregularidades do Planserv, o rombo do SAC e a prostituição infanto-juvenil na Bahia. Denunciou os processos de privatização da Coelba, do Baneb, de hospitais públicos e a extinção da Bahiafarma. Propõe a recriação da Fundação Baiana de Amparo à Pesquisa (FAPESB), a criação do Conselho Estadual do Direito da Mulher. Rebelou-se contra toda opressão aos negros, índios e mulheres. Representa com altivez a luta dos professores, estudantes, profissionais de saúde, das mulheres e servidores públicos.

Deputada federal[editar | editar código-fonte]

Em 2002, Alice Portugal foi eleita deputada federal, a terceira maior votação de Salvador e a décima maior votação do estado. Na Câmara dos Deputados, a deputada integrou as Comissões Permanentes de Educação, Cultura e Desporto e de Políticas Públicas para a Juventude, de Trabalho, Administração e Serviço Público; Turismo e Desporto e a CPI contra a exploração sexual de crianças e adolescentes. Reeleita em 2006, a parlamentar passa a integrar, como titular, a Comissão de Educação e Cultura e a suplência da Comissão de Seguridade Social e Família. A atuação da parlamentar priorizou os projetos relacionados à educação e à saúde, aos direitos dos trabalhadores, ao fortalecimento do serviço público, além dos direitos da mulher. Foi coordenadora da bancada feminina, num período em que se consagraram direitos importantes como percentuais de participação feminina na atividade política dos partidos e no funcionamento da Câmara dos Deputados com o reconhecimento da coordenadoria da bancada feminina.

Parlamentar influente[editar | editar código-fonte]

Em 2010, foi incluída entre os 100 parlamentares mais influentes do Congresso Nacional pelo Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (DIAP) e reelegeu-se para sua terceira legislatura. Hoje exerce seu quarto mandato na Câmara dos Deputados. Foi presidente da Comissão de Cultura da Câmara dos Deputados no ano de 2014 e foi titular da Comissão Especial que analisou o Plano Nacional de Educação (PNE). Atualmente, é titular da Comissão de Educação, membro suplente da Comissão de Trabalho, de Administração e Serviços Públicos, membro suplente da Comissão de Cultura e presidenta da Frente Parlamentar em Defesa da Polícia Rodoviária Federal, da Frente Parlamentar em Defesa do Serviço Público, da Frente Parlamentar em Defesa da Assistência Farmacêutica.

Ao longo desses anos, a deputada Alice Portugal trabalhou abraçando temas importantes voltados para a mulher, educação, saúde, cultura, entre outros. Ao assumir a presidência da Comissão de Cultura, em 2014, Alice Portugal reafirmou o seu compromisso com as lutas dos trabalhadores brasileiros e com a valoração da cultura no país.

Alice Portugal votou a favor da manutenção do Estatuto do Desarmamento na votação da CPI de 27 de outubro de 2015. Ela disse: "Aumentar o armamento na mão de civis, não garantirá segurança e não garantirá a diminuição da violência no Brasil."

Em 3 de novembro de 2015, esteve presente na posse do marido na Funasa-BA.[2] Sobre a indicação de uma pessoa sem qualificação, a deputada afirmou não entender o problema, pois o salário do cargo em sua opinião é pequeno.[3]

Atualmente, exerce seu quarto mandato na Câmara dos Deputados e destaca-se no Congresso Nacional como uma das mais influentes parlamentares. Pela sétima vez consecutiva, foi apontada pelo Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap) na lista dos "Cem Cabeças do Congresso Nacional", seleto grupo de formadores de opinião do Brasil. A honraria se justifica por seus atributos de debatedora contundente e elaboradora ágil, dona de uma oratória privilegiada, que influencia os seus pares no Parlamento, fato comprovado nos painéis da Câmara.

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Citações referentes a Alice Portugal em matérias de jornais que tratam sobre corrupção e o seu combate Obs.: o fato de a pessoa ser citada em algum artigo que trata de corrupção não significa necessariamente que ela esteja envolvida nem sendo acusada.